Motins em Portland marcam segundo dia de protestos contra Trump

Peter Dasilva / EPA

Manifestantes queimam a bandeira dos EUA na segunda noite de protestos contra a eleição de Donald Trump

Manifestantes queimam a bandeira dos EUA na segunda noite de protestos contra a eleição de Donald Trump

Os protestos contra a eleição de Donald Trump prolongaram-se na noite de quinta-feira, pelo segundo dia consecutivo, com milhares de pessoas a manifestarem-se em cidades de estados democratas e republicanos.

Em São Francisco, estudantes do ensino secundário avançaram pelo centro da cidade, gritando “Not My President” (“Não é o meu Presidente”) e com cartazes a exigir o afastamento de Donald Trump. Agitaram também bandeiras arco-íris, símbolo da comunidade LGBTQ, e bandeiras mexicanas.

“Como pessoa ‘queer’ branca, precisamos de unidade com as pessoas de cor, precisamos de nos levantar”, disse Claire Bye, de 15 anos. “Estou a lutar pelos meus direitos como pessoa LGBTQ. Estou a lutar pelos direitos dos ‘castanhos’, dos negros, dos muçulmanos”, sublinhou.

Na cidade de Nova Iorque cerca de 100 pessoas juntaram-se em Union Square, em Manhattan, para protestar contra a presidência de Trump, acompanhados também de cartazes com ‘slogans’ como “Divided States of America” (“Estados Divididos da América”), “Let the New Generation Speak” (“Deixem a Nova geração Falar”) e “Not My President”.

Numa estação de metro, os nova-iorquinos expressaram os seus pensamentos nas paredes usando ‘post-its’ com as frases “Time to Fight Back” (“É tempo de ripostar”), “Keep the Faith! Our work is just beginning!” (“Mantém a fé! O nosso trabalho está apenas a começar!”).

Na quinta-feira à noite, centenas de pessoas marcharam também nos estados de Michigan, Kentucky, Pensilvânia e Maryland.

Um grupo, onde estavam também pais com crianças em carrinhos, juntou-se perto da câmara municipal de Filadélfia com cartazes onde se lia “Not Our President,” ”Trans Against Trump” (“Transexuais contra Trump”) e “Make America Safe For All” (“Façam a América Segura para Todos”).

Em Los Angeles, o presidente da câmara Eric Garcetti, democrata, condenou o que descreveu como “um grupo muito, muito pequeno de pessoas” que danificou propriedade ou bloqueou o trânsito durante os protestos na quarta-feira à noite.

Ainda assim, Garcetti disse sentir-se orgulhoso dos milhares de pessoas que protestaram de forma pacífica.

“Na verdade achei que foi uma forma bonita de expressão da democracia. Foi maravilhoso ver a nova geração do nosso país a envolver-se”, afirmou.

Em Dallas, cerca de 300 pessoas juntaram-se em Dealey Plaza para contestar o resultado das eleições desta semana. Tal como na noite de quarta-feira, o protesto de quinta-feira foi pacífico, sem conflitos ou detenções. Terminou com uma marcha no centro de Dallas em que os manifestantes seguravam cartazes com as frases “Love Trumps Hate” e “Spirit Unbreakable.”

Motins em Portland

Apesar dos manifestantes estarem a adotar uma postura pacífica, em Portland, no estado de Oregon, as coisas ficaram feias esta quinta-feira à noite.

Segundo a BBC, várias pessoas entraram pelo centro da cidade e partiram vidros de carros e lojas, lançaram fogo de artifício e incendiaram um caixote do lixo.

A polícia declarou que se tratou de um motim e prendeu 29 manifestantes.

Entretanto, Trump voltou ao Twitter, que utilizou frequentemente durante a campanha, para se dirigir aos manifestantes.

“Acabei de ter uma eleição presidencial muito aberta e bem-sucedida. Agora os manifestantes profissionais, incitados pelos media, estão a protestar. Muito injusto!“, atirou.

Minutos antes, o Presidente eleito havia deixado uma mensagem mais positiva, a propósito do encontro com o Presidente ainda em funções, Barack Obama.

“Um dia fantástico em D.C. Encontrei-me com o Presidente Obama pela primeira vez. Muito boa reunião, ótima química. A Melania gostou muito da Mrs. O!”, referindo-se a Michelle.

Sobre esse mesmo encontro, o ainda Presidente declarou que foi uma reunião “excelente” e voltou a afirmar que o seu principal objetivo é “tentar facilitar uma transição que garanta que o Presidente eleito seja bem-sucedido”.

Estudantes muçulmanas atacadas

Os Estados Unidos estão a viver dias difíceis depois da eleição do republicano, com as minorias e as gerações mais jovens na luta contra o novo Presidente.

Além disso, os crimes de ódio contra muçulmanos parecem já fazer-se sentir. Em causa estão dois ataques contra estudantes que estão agora a ser investigados pela polícia.

Num dos ataques, dois agressores confrontaram a vítima na Universidade Estadual de San Diego e “fizeram comentários sobre o presidente eleito e a comunidade muçulmana”, segundo a polícia do campus universitário.

“Roubaram-lhe a carteira, a mochila e as chaves do carro. A vítima foi pedir ajuda e quando voltou com os polícias já tinham levado o carro”, disse o porta-voz da polícia Ronald Broussard.

“O que disseram à estudante indica que foi atacada pela sua fé muçulmana, inclusive por vestir o traje tradicional e o véu”, disse o reitor da universidade, Elliot Hirshman.

A polícia da Universidade Estadual de San José informou que está a investigar um ataque semelhante contra uma estudante no estacionamento do campus.

Um agressor aproximou-se da vítima por trás e puxou-lhe o xador (veste que cobre todo o corpo menos o rosto). A vítima ficou sem ar e caiu ao chão, revela um comunicado emitido por estudantes.

“As autoridades do campus acompanham estreitamente a situação e a investigação prossegue. Até ao momento não foram realizadas detenções”, disse Pat Harris, porta-voz da universidade, em comunicado.

A Associação de Estudantes Muçulmanos da Universidade de Nova Iorque emitiu ainda um comunicado, na passada quarta-feira, a informar que um grupo de estudantes que ia fazer as suas orações da manhã encontrou a palavra “Trump” escrita na porta da sala.

ZAP / Lusa / Rede GNI

PARTILHAR

RESPONDER

Enquanto Flamengo afasta regresso de Jorge Jesus, o "Galo" vem ao ataque

O treinador benfiquista afasta o cenário de uma saída precoce do Estádio da Luz. O Flamengo rejeita o regresso de Jorge Jesus, enquanto o Atlético Mineiro manifesta o seu interesse. Jorge Jesus foi categórico: "Não vou …

"Ihor gritava como um cão atropelado". Seguranças contam nova versão em tribunal

O segurança Manuel Correia testemunhou esta quarta-feira que “ouviu gritos” de Ihor Homeniuk vindos de uma sala do SEF no aeroporto de Lisboa e que encontrou um dos inspetores com um pé em cima da …

Dos pés de Cancelo para a cabeça de Bernardo Silva. City ganha na Champions com um golo 100% português

Os internacionais portugueses João Cancelo e Bernardo Silva foram fundamentais para a vitória do Manchester City sobre o Borussia Monchengladbach (2-0), na primeira mão dos oitavos da Liga dos Campeões, com ação direta nos dois …

"População não interiorizou a gravidade da situação". Depois de Siza, Cabrita aponta o dedo aos portugueses

Num relatório sobre a aplicação do decreto do estado de emergência na segunda quinzena de janeiro, Eduardo Cabrita justifica o fecho das escolas e o fim das vendas ao postigo, culpando a população pelas decisões …

Esta época há menos 500 clubes. "É o drama absoluto", diz presidente da FPF

Esta época há menos 500 clubes em comparação com a temporada transata. O presidente da FPF, Fernando Gomes, classifica a situação de "drama absoluto". A pandemia de covid-19 e a consequente interrupção das competições foi um …

Psicólogos no recrutamento e mudanças na formação. IGAI quer acabar com discriminação na polícia

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) quer envolver psicólogos no processo de recrutamento de novos polícias e rever os currículos de formação para acabar com práticas discriminatórias nas forças de segurança. As alterações no processo de …

Coleção de joias da era Viking é encontrada na Ilha de Man. É "excecionalmente rara"

Uma coleção de joias da era Viking foi encontrada na Ilha de Man, entre Inglaterra e a Irlanda, em novembro de 2020 e foi agora classificada como tesouro. Os especialistas acreditam que os artefactos, descobertos …

“As brasileiras são mercadoria". Professor da UP suspenso por comentários machistas e xenófobos nas aulas

Após uma denúncia que reuniu assinaturas de mais de uma centena de alunas, o professor auxiliar Pedro Cosme da Costa Vieira foi suspenso pelo período máximo de 90 dias, da Faculdade de Economia da Universidade …

Houve buzinão na Luz (mas sem "carinho"). Jesus culpa covid-19 pela crise do Benfica

Algumas dezenas de adeptos protestaram junto ao Estádio da Luz com um buzinão, entre gritos de "Rua Vieira" devido aos maus resultados do Benfica. Antes disso, Jorge Jesus tinha apelado a um "buzinão de carinho" …

Marcelo remete diretamente para o Governo limites ao ruído nos prédios

O chefe de Estado incluiu o detalhe "decreto-lei do Governo", no novo decreto para a renovação do estado de emergência, para permitir que o Executivo limite o ruído nos prédios. No último decreto que executou o …