Trump quer descontar “milhões de votos ilegais” para ganhar mesmo a Hillary

Gage Skidmore / Flickr

O milionário e candidato republicano às eleições norte-americanas Donald Trump

O presidente eleito dos EUA Donald Trump afirmou este domingo que, além de ter garantido em 8 de novembro a maioria dos grandes eleitores, também venceu o sufrágio popular face à rival Hillary Clinton, referindo-se a “milhões de votos ilegais” sem, no entanto, apresentar provas.

Eleições nos EUA

Nos últimos dias, e em plena celebração do dia Ação de Graças, acentuou-se a polémica quando a ex-candidata ecologista à Casa Branca, Jill Stein, decidiu exigir a recontagem dos votos nos estados de Wisconsin, Pensilvânia e Michigan.

Estes estados decisivos foram ganhos por uma curta margem pelo republicano Donald Trump. O campo de Hillary Clinton já anunciou que vai participar na recontagem dos votos em Wisconsin. E Trump não ficou nada satisfeito com as novidades.

“Além de uma vitória esmagadora no colégio eleitoral, ganhei o voto popular se anularem os milhões de pessoas que votaram ilegalmente”, acusou no Twitter o futuro 45ª presidente dos Estados Unidos, que em 20 de janeiro se tornará o novo inquilino da Casa Branca.

Segundo o sistema de escrutínio universal indireto, Donald Trump venceu as presidenciais com 290 grandes eleitores contra 232 para Hillary Clinton, num total de 538 para os 50 estados norte-americanos e a capital Washington. Os 16 grandes eleitores do Michigan que deverão ser atribuídos à candidatura de Trump ainda não foram oficialmente anunciados.

No sufrágio popular, o resultado eleitoral indicou que a democrata Clinton obteve mais dois milhões de votos que o republicano Trump.

Nos três estados onde a votação foi contestada, o presidente eleito garantiu 100 mil votos de avanço: 20 mil votos no Wisconsin, 70 mil na Pensilvânia e 10 mil no Michigan.

Entretanto, o Presidente eleito voltou ao ataque no Twitter e acusou “graves fraudes eleitorais em Virgínia, New Hampshire e Califórnia – porque é que os media não noticiam isto? Enviesamento sério – grande problema!”.

Vários especialistas e jornalistas políticos alertam para a falsidade das alegações de Trump, sublinhando as suas implicações futuras. Ezra Klein, fundador do portal Vox.com e cronista do Washington Post, comentou que “o mais assustador não é o facto do tweet de Trump ser falso. É o facto de que ele provavelmente pensa que é verdade”. Já David Frum, editor da revista The Atlantic, comenta que os tweets de Trump sobre as votações “podem ser um alerta para o facto de que o direito de voto pode estar prestes a tornar-se mais difícil para milhões de pessoas“.

Recontagens

Ainda ontem, Trump e os seus conselheiros censuraram vivamente a equipa de Clinton por pretender participar na recontagem dos votos no Wisconsin. No Twitter, o milionário recordou à sua rival o momento da campanha em que Clinton o exortou a respeitar o resultado caso a democrata vencesse o escrutínio.

“Tanto tempo e tanto dinheiro que estão a despender, para um mesmo resultado!”, escreveu o homem de negócios.

“O povo exprimiu-se e esta eleição está terminada”, tinha referido no sábado, ao considerar “ridícula” a iniciativa da ecologista Jill Stein, que recolheu milhões de dólares para financiar o seu pedido. Apesar de pretender participar na iniciativa, a equipa de Clinton já esclareceu que não detetou irregularidades em Wisconsin.

Kellyanne Conway, uma conselheira de Trump, aproveitou para denunciar uma “desconcertante recontagem” e apelou aos democratas para não serem “maus perdedores”.

Na cadeia televisiva NBC, Conway revelou que o presidente eleito e o seu antecessor, Barack Obama, mantiveram no sábado uma conversa telefónica de 45 minutos.

“Da parte do presidente eleito Trump, posso dizer-vos que gosta muito de falar com o Presidente Barack Obama, evocar as questões graves com que se confronta este país e o mundo”, afirmou. “Eles entendem-se bem. Estão em desacordo sobre vários pontos, e isso não vai mudar. Mas respeitam-se e respeitam o processo e a transição sem sobressaltos do poder”.

Donald Trump passou o fim de semana prolongado do dia de Ação de Graças no seu luxuoso complexo de golfe na Flórida, para acertar a elaboração do seu governo, aguardando-se em particular a escolha do nome para a estratégica pasta da diplomacia.

No sábado, o New York Times publicou uma reportagem sobre os potenciais conflitos de interesses do futuro Presidente Trump, devido às suas parcerias comerciais – muitas vezes conturbadas – por todo o mundo.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O polícia do mundo a demonstrar níveis de infantilidade para encobrir o poder de sombra dos poderosos.
    Marx diria que a Democracia é uma expressão fraudulenta. Ao que chamam democracia é a ditadura do poder, seja ele qual for, legitimado como for. Os mecanismos são os mesmos, mas sofisticados, porque têm uma economia que deixa pingar migalhas saborosas para comprar a dignidade do povo e subjugá-lo a seu belo prazer.
    Não é isto a verdade do mundo global?
    As cimeiras dos países ricos? Os interesses de minorias de poder, fuga aos impostos nos mecanismo de off shores, autênticos bordéis de escorrimento de dinheiro que sob a forma de impostos deveriam servir as populações.
    Mas são estas mesmas populações que legitimam tão bem estes abusos, por já terem sido sofisticadamente seduzidas e espoliadas da sua dignidade humana.

RESPONDER

Na África do Sul, há uma associação entre violência sexual e gravidez indesejada

Na África do Sul, as meninas que sofreram violência sexual têm maior probabilidade de relatar uma gravidez indesejada em comparação com aquelas que nunca sofreram violência sexual. Na África do Sul, a taxa de gravidez na …

Hackers russos associados ao ataque em hospital alemão que resultou na morte de uma paciente

O ataque informático num hospital alemão na semana passada, que resultou na morte de uma paciente em estado crítico, pode ter sido causado por um grupo russo com ligações ao crime cibernético. A informação é …

Paços 0-2 Sporting | “Leão” competente estreia-se com triunfo

Após o adiamento do jogo da primeira jornada ante o Gil Vicente, devido a vários casos de Covid-19 nas duas equipas, o Sporting estreou-se na Liga NOS 2020/21 e não vacilou. Na visita ao Paços de …

Medicamentos para a tensão arterial diminuem mortalidade em doentes com covid-19

Um estudo de meta-análise concluiu que medicamentos para a tensão arterial, ao contrário do que se pensava, reduzem a mortalidade em pacientes com covid-19. No início da pandemia, havia a preocupação de que certos medicamentos para …

A ilha mais povoada do Hawai pode perder 40% das suas praias até 2050

A subida do nível das águas do mar pode fazer com que a ilha mais povoada do Havai perca 40% das suas praias, alerta uma nova investigação. Em causa está a ilha de Oahu, a …

Pela primeira vez em 10 anos, a Wikipédia vai mudar de aparência

A icónica Wikipédia vai, pela primeira vez em 10 anos, ser modificada para tornar o site mais acessível - e menos "assustador" - para novos utilizadores. A Wikipédia tem sido parte integrante da cultura da web …

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …

Mais 665 casos e nove mortes por covid-19 em Portugal

Portugal regista, este domingo, mais 665 novos casos positivos e nove mortes por covid-19, segundo boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Assim, desde o início da pandemia, Portugal conta com 73.604 infetados e 1.953 …