O número de mortes não pára de subir. Costa pode ter de “puxar o travão de mão” antes do Natal

António Cotrim / Lusa

Os dados da covid-19 levam a alertas redobrados para uma época tradicionalmente marcada por reuniões familiares e deslocações, que, segundo o Governo, não estão condicionadas. Contudo, António Costa alertou que caso o cenário pandémico piorasse, iria rever as medidas para o Natal.

Ontem foi um dos piores dias da pandemia em Portugal. O país registou o número mais elevado no que toca a mortes provocadas pela covid-19, uma vez que em apenas 24 horas se perderam 98 vidas.

Ainda assim há uma explicação para estes números. De acordo com a ciência “temos de pensar que a mortalidade reflete um atraso que ronda as quatro semanas em relação à onda de novos casos em Portugal”, explica ao jornal Público, Elisabete Ramos, epidemiologista do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto.

A semana que passou marcou o registo mais elevado de mortes desde o início da pandemia (596) e, se olharmos para os dados desde o início do mês, podemos já contar 1054 mortes em Portugal registadas em pessoas que estavam infetadas com covid-19.

Os números registados nestes últimos dias refletem o pico de novos casos vividos durante o mês de novembro, estando o atraso “dependente do tempo médio de internamento”.

Olhando para os dados divulgados no boletim da DGS de domingo, vê-se também que o número continua elevado e ainda próximo do máximo histórico atingido nesta segunda onda pandémica, mas já em tendência decrescente.

Porém, é o número elevado de internamentos que provoca “inquietação” ao infeciologista António Silva Graça. Ao Público, antecipa uma evolução positiva nos próximos dias que deverá levar a uma descida do número de mortes diárias. Ainda assim “é possível que nesta semana se registem ainda valores semelhantes aos deste domingo”.

Os números elevados de mortes, tendo em conta o número de novos casos das últimas semanas, são algo “que não espanta” por não escapar às previsões, ao contrário do número de internados.

Porém, os dados da evolução pandémica levam a alertas redobrados para uma época tradicionalmente marcada por reuniões familiares e deslocações, cujas regras do Governo (para já) não condicionam.

Contudo, é importante não esquecer que esta será uma “semana determinante” que culmina com a revisão de regras por parte do Executivo na próxima sexta-feira, dia 18 de Dezembro. É com base na evolução dos números nos próximos dias que as restrições mínimas impostas para o período do Natal podem vir (ou não) a ser agravadas.

A epidemiologista Elisabete Ramos fala num “balanço difícil”, mas “obrigar uma parte da população, que já esteve fechada durante muitos meses, a passar um Natal em isolamento também não seria bom para a saúde”. É por isso que acredita que o Governo tenha decidido este alívio de restrições no período do Natal “contando com o trabalho das famílias para minimizar o risco”.

A especialista sublinha que tomar medidas para minimizar o risco não dá certezas de que se elimine por completo o risco e, por isso, por isso “é expectável que haja um aumento de número de casos em Janeiro (em consequência do Natal)”. Neste caso, a variação no número de mortes só deverá ter efeitos no final do mês de Janeiro e durante o mês de Fevereiro.

Na passada sexta-feira, o Expresso avançou um número de um Natal sem restrições: 1500 mortes potenciais, calculado com base em modelos matemáticos que têm ajudado a prever a evolução da pandemia e a resposta.

Esta previsão deixa o médico de Saúde Pública Ricardo Mexia “algo apreensivo”.

Para a próxima declaração ao país do primeiro-ministro, o especialista espera que haja uma comunicação “clara”, não só das regras, mas também de “recomendações para que as famílias possam passar o Natal com mais segurança”.

António Costa prometeu, aquando do anúncio de medidas para as datas festivas do Natal e Ano Novo, “puxar o travão de mão” caso a evolução pandémica se agravasse.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

19 COMENTÁRIOS

  1. Os portugueses vão ter de accionar o assento ejectável do Costa já em 2021 de contrário poucos resistirão! Seja com o Covid ou com Siresp.

  2. Então mas as medidas e os sucessivos estados de emergência, as obrigação de juntar toda a gente nas compras de manha para fechar á tarde, rebentar com o que faltava rebentar na economia e as PME, dar cabo da restauração, turismo, cultura e tudo mais! Não era para salvar o natal ??

    Agora ja se preparam para fechar também o Natal e ano novo !!!!
    E a seguir o que mais ? Confinar o pais no dias das eleições ou cancelarlas já directamente e dar vitoria a Marcelo pelas sondagens !!!

    Entretanto justificar o que foi feito em Julho e Agosto para preparar o SNS para a segunda vaga? … Nada!!!
    Estavam de Ferias e para isso era importante dizer que Portugal era um pais seguro.
    Bom, verdade seja dita, o Presidente ajudou … salvou as tais turistas de naufragarem e assim irem parar ao SNS … infelizmente no processo ajudou a tirar a necessidade do vigilante do mar (…mais um para o desemprego)

  3. Mortes?? Estão a aumentar?? Mas ah alguém decente que fassa uma verdadeira avaliação sobre os cuidados de saúde em Portugal? É que rapidamente vamos ver hospitais com base em alicerces do desenrasca e do passa os problemas para um e para outro profissional… Vamos ver que uns não fazem nada e outros estão sobrecarregados de trabalho, o mesmo será dizer má gestão… É por isso que tem morrido muita gente no inverno não é só por causa dos vírus… Vírus áh todos os anos e alguns mais violentos que outros…o problema é o SNS que nunca teve preparado para assistir e dar assistência à população… Temos um snszinho uma coisa minúscula basta ver o número de camas dos cuidados intensivos antes da pandemia que se resumiam a 12 ou a 7 camas para cidades inteiras…. Agora querem ficar em casa a ver a chuva a cair tudo bem, mas não venham pedir que os que estão a trabalhar neste momento financiem, através de mais impostos, os que ficaram sem emprego ou que simplesmente têm medo de sair de casa… A sociedade tem que acordar para a verdade… E a verdade é somos pobres! Não temos xeta, dinheiro

  4. Oh grande amigo Costa, amigo da infância e juventude e agora Sr. Primeiro Ministro. No entanto, falo-te como falava naquela altura porque sei que não levas a mal nem desprestigio o teu cargo. E quero dizer-te que, com a tuas medidas, não salvaste a economia coisa nenhuma e, se minimizaste a pandemia, quase que se não dá conta. Parece que insistes em não ver o óbvio. Se em vez de andares com meias tintas, tinhas imposto um mês de confinamento total e absoluto a toda a população, não só tinhas poupado imenso dinheiro como provavelmente, agora, teríamos os números de Julho ou Agosto. Que a Austrália sirva de exemplo, pois parece ser o único país do mundo que conseguiu, ou está prestes, a debelar a pandemia com confinamentos rígidos e no tempo certo. E quanto à economia está bem melhor que toda a Europa e a América. Sabes bem que nas nossas escolas é tudo à molhada e que as taxas de contaminação não são as oficiais, mas andarão na casa dos 30%, só que ninguém faz testes, porque ali vão encontrar-se as contaminações dos alunos, das famílias e da sociedade em geral. Depois, os centros comerciais e as grandes superfícies, sempre à pinha ao final da tarde, nos dias em que não são obrigados a fechar, são o agente tanto ou mais contaminador que as escolas. Por isso mesmo, como sei que não queres matar grande parte de certas faixas etárias vulneráveis da população, que estão a morrer de covid mas, sobretudo, de outras coisas por causa da prioridade dada à covid, puxa lá o travão de mão mas com quanta força tenhas. Olha a Merkel que nunca deu ponto sem nó. Aquele abraço e já sabes: se for preciso também vamos dar uma mãozinha, porque a população está mesmo a sofrer muito e a vários títulos.

  5. Caro ZAP, no segmento “(…) uma vez que em apenas 24 horas perderam-se 98 vidas”, está presente um erro horrível, que compromete a transmissão de informação ao leitor.
    O clítico “-se” deve estar colocado antes do verbo pronominal “perder-se”, porque se está a introduzir uma informação nova, associada à referência que implica “o número mais elevado no que toca a mortes provocadas pelo covid-19”.

    A seguinte frase (por mim elaborada) traduz, por si só, uma correção global das frases implicadas.
    “Ontem, [enfrentou-se] um dos piores dias da pandemia em Portugal. O país registou o número mais elevado de mortes provocadas pel[o] covid-19, [pois], em apenas 24 horas perderam-se 98 vidas.”

  6. Este gajo é parvo. Está com a cagufa, porque compreende que as PÉSSIMAS MEDIDAS que tem tomado NÃO FORAM NEM NUNCA SERÃO SUFICIENTES para combater este VÍRUS PERIGOSO!
    Alguém pode explicar a este comunista o que é que o adjetivo “PERIGOSO” significa?
    Eu estou cansada…!!!!!!!

RESPONDER

Francisco Rodrigues dos Santos admite que tem sido "difícil" juntar o CDS (mas "não por falta de iniciativa")

Francisco Rodrigues dos Santos, presidente do CDS-PP, afirmou, numa entrevista ao Jornal de Notícias e TSF que tem sido "difícil" conquistar a coesão do partido. Em entrevista ao Jornal de Notícias e à TSF, o líder …

Isabel dos Santos usou equipa de espiões para provar "conspiração" e "vingança" de João Lourenço

A empresária Isabel dos Santos contratou uma firma de antigos agentes secretos israelitas para provar que foi vítima de um ataque orquestrado pelo governo de João Lourenço. Isabel dos Santos criou uma equipa de espiões para …

"Perdemos o avô da nação". Morte do príncipe Filipe deixou "um grande vazio" na vida de Isabel II

A morte do príncipe Filipe, duque de Edimburgo, na sexta-feira, aos 99 anos, deixou a Rainha Isabel II, sua esposa, com "um grande vazio na sua vida", disse este domingo aos jornalistas o seu filho …

Mapa online interativo ajudou indígenas do Panamá a fazer frente à pandemia

Quando a covid-19 chegou ao Panamá no ano passado, o cartógrafo Carlos Doviaza temeu pelas pessoas indígenas da sua comunidade. Por isso, para as ajudar, dedicou-se a fazer aquilo que faz melhor: mapas. "Pensei: 'Porque não …

"A política ama traição, mas despreza o traidor". Sócrates acusa PS de "ataque injusto" (e diz-se alvo de "vingança" da direita)

"A política ama a traição, mas despreza o traidor". No livro "Só Agora Começou", que será publicado nos próximos dias, José Sócrates acusa a atual direção do PS de traição. De acordo com o Diário de …

Portugal regista mais 566 casos e seis óbitos por covid-19

Portugal registou, este domingo, mais seis mortes e 566 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde …

PS quer que Cavaco Silva diga "quando é que soube do buraco do BES"

O PS quer que o antigo Presidente da República Cavaco Silva esclareça "quando é que soube do buraco do BES" e porque é que "não agiu atempadamente" para evitar o aumento de capital, que gerou …

Perdoar o passado, celebrar o renascimento e cumprir tradições. A primavera traz o Nowruz, o ano novo persa

Assim que as flores começam a desabrochar e os dias ficam mais longos, fica claro que o Nowruz está prestes a chegar. A celebração do ano novo iraniano é secular, com raízes que remontam a …

“Mostrámos que sabemos governar”. Bloco apresenta candidata a Lisboa (e abre a porta a acordo com PS)

O Bloco de Esquerda apresentou a candidatura de Beatriz Gomes Dias à Câmara Municipal de Lisboa, pediu “mais força” para determinar a governação da cidade e abriu a porta a novos entendimentos com o PS …

Fé nos números. Foi o voto não religioso que Donald Trump perdeu em 2020 

Em novembro de 2020, Joe Biden foi eleito Presidente dos Estados Unidos da América. Uma análise revelou recentemente que a derrota de Donald Trump dependeu daqueles que não se identificam com nenhuma religião. Ryan Burge, professor …