Porque uma ministra também chora. Depois de todas as “balas” e da ira de Costa, Marta Temido desabou

A ministra da Saúde tornou-se num dos assuntos mais falados do Twitter, nesta sexta-feira, depois de ter chorado durante uma cerimónia pública, enquanto fazia o balanço do trabalho feito nos últimos meses contra a pandemia de covid-19. Um momento que vale muitos elogios a Marta Temido, mas também algumas críticas.

Foi na cerimónia de aniversário do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge que a ministra desabou, não conseguindo controlar as lágrimas, numa altura em que falava do trabalho feito pelo Serviço Nacional de Saúde para fazer face à pandemia e enquanto sublinhava que a covid-19 “obrigou a sacrifícios sem precedentes” no “desafio das nossas vidas”.

As lágrimas públicas de Marta Temido surgem depois de mais uma semana difícil, em que foi visada por críticas da Ordem dos Médicos, com o bastonário a acusá-la de falta de transparência e de bom senso.

Por outro lado, a ministra também foi desautorizada pela Entidade Reguladora da Saúde no âmbito de uma decisão que tomou sobre a transferência de utentes entre prestadores de cuidados de saúde.

Estes episódios são apenas os mais recentes numa sucessão de casos e de críticas que se abateram sobre os ombros de Marta Temido desde que a pandemia começou. Pelo meio, muitos têm acusado a ministra de não ter perfil político para o cargo, questionando a falta de tacto de algumas das suas declarações.

Em Junho passado, chegou a ser alvo da ira de António Costa durante uma quente reunião do Infarmed. Nessa altura, tratou de desvalorizar a polémica, mas começou a correr a ideia de que ela estaria “a prazo” no Governo.

No Verão, quando os casos de covid-19 dispararam em Lisboa, a nomeação do gabinete de supressão para a pandemia na capital foi vista como uma espécie de “cartão amarelo” à ministra da Saúde.

Mas é improvável que Costa a substitua a meio da pandemia. Até porque com a saída de Mário Centeno do Governo, Marta Temido passou a ser a ministra mais popular, segundo uma sondagem realizada em Julho passado.

O poder de Temido no Governo, apesar de ser uma figura de fora do aparelho socialista, ficou vincado aquando da saída de Jamila Madeira do cargo de secretária de Estado Adjunta e da Saúde. Uma saída que terá acontecido a pedido da ministra devido a um “choque de personalidades”.

A situação granjeou a Temido “mais alguns anticorpos” entre um certo núcleo de socialistas que nunca simpatizou com ela.

Mas as lágrimas que agora verteu podem fortalecer ainda mais o poder de Temido, fruto da empatia que provocam nos portugueses. Até porque, por esta altura, já todos andamos esgotados com o arrastar da pandemia e há um sentimento de proximidade com a dor manifestada pela ministra.

Nas redes sociais é possível confirmar esta tendência, com muitos utilizadores a assumirem que se deixaram emocionar.

“A humanidade da Marta Temido neste momento é verdadeiramente desarmante“, escreve um utilizador do Twitter.

“Vi agora a ministra da saúde emocionada, muito emocionada, ao falar desta luta contra a Covid… emocionei-me com ela“, assume também Manuel Barbosa do partido Livre, noutra publicação no Twitter, realçando que não consegue “pensar mal desta senhora”, nem “deixar de agradecer ao destino, num momento tão difícil, ter colocado esta mulher a liderar o Ministério da Saúde”.

Já Diogo Viegas da Federação da Juventude Socialista do Algarve manifesta a sua “total solidariedade” com Marta Temido, considerando que “está sob pressão quase desde do início deste ano e deu sempre a cara, nunca baixou os braços, nunca abandonou o barco”.

Também a jurista da Comissão Europeia Inês Melo Sampaio realça o facto de Temido ter continuado no cargo, apesar das dificuldades, notando que “à ministra da Saúde portuguesa tremeu-lhe brevemente a voz numa conferência de imprensa em Dezembro”, enquanto que “o ministro da Saúde holandês demitiu-se logo em Março por não aguentar a pressão“.

A vereadora do PSD na Câmara Municipal de Lisboa, Sofia Vala Rocha, também faz a defesa de Marta Temido, considerando que a sua reacção “é natural” e notando que “seria preciso ser um psicopata para não acusar o peso da pressão da pandemia que dura há quase um ano e já ceifou a vida a milhares de portugueses”.

Sofia Vala Rocha também aponta, noutra publicação no Twitter, que “muito mal disfarçada a crítica por ela ser mulher, do género, “é mulher e chora””. “Pois choramos e geramos filhos, e cuidamos deles e cuidamos de velhos e acamados e cuidamos de tudo em geral. E temos intuição e sexto sentido e às vezes choramos”, acrescenta.

E do lado das críticas à ministra, também há quem lhe abra a porta da saída do Governo.

“Não questiono a autenticidade das lágrimas da ministra, mas Marta Temido é uma incompetente de todo o tamanho“, aponta outro utilizador do Twitter.

Também há quem vinque que “a emoção de Marta Temido não diz nada da sua capacidade como ministra” e “não altera absolutamente nada relativamente à incapacidade que demonstrou e demonstra como governante”.

Entre as críticas, há quem diga que “(des)tratou os enfermeiros” e os perseguiu, e ainda quem lhe aponte o dedo por faltarem vacinas da gripe. De resto, Temido já admitiu que vai haver “alguma escassez de vacinas” contra a covid-19 na primeira fase do plano de vacinação.

Também há quem partilhe os dados desta sexta-feira sobre a situação da pandemia em Portugal, com um novo recorde diário de mortes, agradecendo a Marta Temido por estes números trágicos.

“Dispenso vídeos da Marta Temido a chorar. Tenho uma profissional de saúde em casa que tinha ataques de pânico sempre que vinha dos turnos em Abril. Não lhe foi aumentado o ordenado, não tinha material para trabalhar em segurança. Mandar é fácil, difícil é fazer”, considera outra utilizadora do Twitter.

  SV, ZAP //

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Não é para ser humilhada que uma pessoa se dispõe a desempenhar um cargo público! Quantos ministros não tiveram um desempenho pior do que mau com episódios de corrupção, de incompetência, de deslealdade e não foram perseguidos pelas suas incompetências? Tendo passado passado até incólumes pelos intervalos da chuva! O que para aí vai deste tipo de gente! Não sei a quem interessa desapear a ministra mas são com certeza é a interesses bem instalados e com os quais ela não partilha porque não actua sob pressões, age de moto próprio, e isto não pode acontecer. A partir do momento em que se entra no jogo político tem que se engolir muitos sapos vivos e ela tem oferecido alguma resistência a isso defendendo o SNS. E tenho a certeza que muitas das pessoas que a atacam nas redes sociais estão contra o reforço do SNS que a ministra apanhou desguarnecido e disso ela não pode ser acusada. Neste momento dificil da sua carreira ela precisa de todo o nosso apoio e não de críticas injustas que apenas servem para a desestabilizar ou para a obrigar a demitir-se.

    • “Não é para ser humilhada”: a Temida já se humilha a si mesma.
      “Cargo público”: muito mal desempenhado.
      “Corrupção”: a DGS divulga números irreais. E o Governo não se importa com isso.
      “Desapear a ministra”: queria escrever “atacar”. Querido, ou querida, a Ministra não é uma vítima. Mas vitimiza-se, de forma infantil, porque sabe que as suas funções não são bem desempenhadas, então, tem medo de ser despedida (quem não tem, hein?!).
      “E disso ela não pode ser acusada”: talvez não, mas deveria ter referido que as medidas por ela “pregadas” deveriam ter sido as de outros meses iniciais da pandemia de Covid-19.
      “Obrigar a demitir-se”: caro usuário, ou cara usuária, ninguém escreveu que queria que esta Temida se demitisse. Você é que deve estar a ver estrelinhas no teto do seu quarto. Quanto à demissão desta pseudo-ministra, acho bem que ela mude, porque a sua conduta não lhe confere muita credibilidade.

  2. Agradeço ao Zap ter-me poupado à leitura de um comentário que só poderia ser vil e indecoroso. Explico, a quem não saiba, que ” res publica” é uma expressão do latim que significa “a coisa pública” da qual derivou a nossa palavra “república”, que, nem sempre, serve bem a dita “coisa pública” por isso eu recorro ao original.

    • Se queres ser entendido (a), exibe um nome que comece por letra maiúscula. Percebe-se bem que isso está em falta, querido (a).

  3. Parece-me que o PM devia sentir vergonha por este momento embaraçoso que a ministra da saúde viveu nas instalações do instituto RJ. Nele vimos estampada a ingratidão de que está a ser alvo depois de uma entrega à causa que só os mal intencionados podem contestar. Errou? É provável! Quem é que não o faz quando é humano? E quem não desculpa o erro de quem o comete, sem o querer fazer, tem má índole é arrogante, não é humano!! Quem somos nós para pôr em causa um trabalho que desconhecemos em absoluto e cuja dificuldade deve ser incomensurável? Demos paz á ministra para que ela possa levar a sua árdua tarefa a bom porto. A minha crítica dirige-se aos comentadores perversos, ao PM ,como já referi, mas sobretudo ao seu colega bastonário que tem tido um comportamento muito pouco adequado.

    • Pois, eu discordo absolutamente de tudo o que refere. Esta ministra só o é, porque o anterior saiu. E saiu porque era demasiado competente para ser um simples vassalo do Centeno. Obviamente, que ninguém competente aceitaria essa função. E assim chegou-se à atual ministra. Um total descontrolo do ministério, uma falta de visão preocupante, um solucionar permanente de problemas em cima do joelho e sem a necessária preparação prévia… Enfim, um vasto conjunto de disparates que ninguém do setor pode compreender ou aprovar.
      Vejamos, depois da primeira vaga, o governo resolveu “dar como prenda” a final da liga dos campeões aos profissionais de saúde!! Qualquer ministro desta pasta competente demitia-se na hora. Depois temos a incapacidade de perceber que no privado havia complementaridade e potencial para escalar o SNS. Parece que somente agora o compreendeu. Desde o primeiro momento não se compreendeu a necessidade de atuar preventiva e precocemente ao nível dos lares. Muitas tragédias poderiam ter sido evitadas.
      Depois, temos a preparação da segunda vaga. Uma autêntica desgraça que pagamos diariamente com muitas dezenas de mortos. O episódio grotesco da vacina da gripe, que aparentemente daria para todos, se não quisessem todos. E já estamos todos a prever o que será a vacinação com a nova vacina para a COVID19.
      Olhe… é tudo mau de mais. A senhora até pode ser bem intencionada. Não duvido que o seja. Até poderia ser competente (e o governo cortar-lhe sistematicamente as pernas). Mas então faça o que o anterior ministro fez e ponha-se a andar. Não seja conivente porque ao sê-lo ficará para sempre rotulada de profunda incompetente. O anterior ministro percebeu onde é que estava metido e teve a dignidade de se afastar. Poderia lá ter ficado, se fosse apenas o tacho peoo tacho. Mas o anterior ministro percebe que as funções governativas só são honrosas e dignas se estiverem reunidos os meios e alinhadas as ideias em torno do que acredita e defende. Não pode ser a qualquer custo, apenas para manter o lugar.

  4. O anterior ministro, pelas posições que toma, deduz-se que teria cargos muito mais lucrativos a desempenhar! Quem é que está a contribuir para o colapso do SNS? Se calhar alguns dos seus aparentes servidores que têm um pé no serviço público e o resto do corpo ao serviço do privado. Dá muito jeito este pézinho! Isto deveria ser investigado até às últimas consequências. Há muito boa gente a viver à sombra do SNS e a tentar denegri-lo e é por isso que a ministra chora porque tudo tem feito para contrariar tudo isto. Mas, é uma luta entre David e Golias!!

RESPONDER

Luxemburgo torna-se o primeiro país da Europa a legalizar o cultivo e consumo de canábis

O Governo luxemburguês anunciou, esta sexta-feira, que o país será a primeira nação do Velho Continente a legalizar o cultivo e o consumo de canábis. De acordo com a nova legislação, explica o jornal The …

Prisão preventiva para suspeitos da morte de jovem no metro das Laranjeiras

Os quatro suspeitos da morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa, ficaram em prisão preventiva, depois de presentes a primeiro interrogatório judicial. Os quatro arguidos, com idades entre os …

Cristiano vs. Salah: Klopp não queria comparar mas comparou

Treinador do Liverpool não acredita que vai encontrar um adversário debilitado: "Eles são capazes de fazer coisas incríveis". É o grande jogo de futebol no Reino Unido e um dos mais aguardados em todos os países: …

Bastonário dos Médicos considera direção executiva do SNS "um disparate"

O bastonário da Ordem dos Médicos considera que a criação da direção executiva do Serviço Nacional de Saúde, proposta no Estatuto do SNS aprovado esta quinta-feira, é "um disparate" e que há estruturas que podem …

João Leão no Parlamento: "A alternativa é um Orçamento apresentado pelo PSD"

O ministro das Finanças afirmou, esta sexta-feira, na Assembleia da República, que a alternativa à viabilização à esquerda da proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) é um Orçamento feito pelo PSD. "A alternativa que …

Mais de 30 mil mulheres polacas recorreram a métodos de aborto ilegais ou no estrangeiro desde a alteração na lei

Proibição à interrupção voluntária da gravidez entrou em vigor no início deste ano e as  exceções só se aplicam a casos de violações, incestos ou quando a saúde da mãe está em risco. Pelo menos 34 …

Fenprof anuncia nova greve no dia 12 e concentração em frente ao Parlamento

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) anunciou, esta sexta-feira, a realização de uma concentração em frente à Assembleia da República no dia 5 de novembro e a adesão à greve nacional da Administração Pública marcada …

Luis Díaz será a prioridade do Newcastle

Valor de mercado será agora inacessível para os clubes italianos, escreve-se... em Itália. O novo Newcastle deverá atacar o mercado do futebol com estrondo, possivelmente já daqui a pouco mais de dois meses, e a prioridade …

Rui Rio, presidente do PSD

Rio apresenta recandidatura. "Seria muito prejudicial para o país se o PSD mudasse agora de líder"

O presidente do PSD apresentou, esta sexta-feira, na cidade do Porto, a sua recandidatura à liderança, tendo considerado que "seria muito prejudicial", não só para o país como para o partido, mudar agora de líder. Rui …

"Conquistem a vaga no relvado": aviso à UEFA sobre a nova Liga dos Campeões

Associação das Ligas Europeias contra vagas garantidas para clubes que não terminarem o campeonato nacional num dos primeiros lugares. A reunião da Associação das Ligas Europeias de futebol terminou com o reforço de posições públicas contra …