Microfones no oceano podem ter captado a queda do MH370

Há quase cinco anos, o avião do voo MH370 da Malaysia Airlines desapareceu sem deixar rasto com 239 pessoas a bordo. As buscas no Oceano Índico é a maior e a mais cara da História – mas ainda nada foi encontrado.

Agora, investigadores afirmam que o voo MH370 da Malaysia Airlines pode-se ter despenhado a milhares de quilómetros dos locais da busca, com base nos sons gravados no oceano à época em que o avião desapareceu.

Num estudo publicado a 29 de janeiro no Scientific Reports, Usama Kadri escreveu que microfones no fundo do Oceano Índico gravaram quatro eventos sonoros distintivos causados por ondas de gravidade acústica de baixa frequência, na época em que o MH370 poderia ter caído no mar.

A sua investigação mostrou que um destes eventos sonoros aconteceu relativamente perto da área de busca – mas outros dois estão a milhares de quilómetros de distância, na parte norte do Oceano Índico, em algum lugar entre o Madagáscar e o atol de Diego Garcia no Arquipélago de Chagos.

Investigadores suspeitam que o avião perdido tenha caído em algum ponto do Oceano Índico, embora a sua trajetória de fuga depois de ter desaparecido de radares civis e militares, a oeste da Península da Malásia, não seja conhecida.

O capitão da aeronave, Zaharie Ahmad Shah, tinha encomendado combustível suficiente para um voo de rotina de Kuala Lumpur, na Malásia, para Pequim, um voo que duraria 7 horas e 30 minutos.

Kadri e colegas da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, e da Memorial University of Newfoundland, no Canadá, analisaram sons gravados por uma rede de microfones submarinos – ou hidrofones -, que são mantidos pela Organização do Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares.

Os hidrofones fornecem rolamentos direcionais, intensidade e frequências de sons no oceano, a partir dos quais os cientistas podem calcular uma localização aproximada de onde estes sons se originaram.

Mas a rede de hidrofones da CTBTO foi projetada para detetar explosões nucleares submarinas, em conjunto com outros sistemas de monitorização no ar e através de tremores sismológicos na Terra – e foi considerado incapaz de detetar um jato em colisão.

Para aprender mais sobre os padrões de sons feitos por objetos a bater na superfície do oceano, Kadri e os colegas registaram os sons causados ​​pelas esferas pesadas que impactam os tanques de água em 2017.

Eles descobriram que quando um objeto massivo como um avião cai no oceano, cria um padrão distinto de ondas sonoras – incluindo padrões de sons de baixa frequência conhecidos como ondas de gravidade acústica que podem ser transmitidos por milhares de quilómetros.

O estudo mais recente de Kadri descobriu que a velocidade submarina de transmissão de ondas sonoras de baixa frequência, abaixo de 5 hertz, pode ser afetada pela elasticidade do fundo do mar em locais específicos.

Isto significa que cada um dos quatro eventos sonoros distintos no Oceano Índico identificados pelos investigadores poderia ter-se originado em vários locais, ao longo de um rolamento direcional particular.

Assim como dois eventos de som correspondentes gravados pelos hidrofones em Cape Leeuwin, na Austrália Ocidental, os investigadores descobriram dois eventos sonoros gravados pelos hidrofones em Diego Garcia que poderiam combinar com os sons de um avião a bater no oceano.

Os rolamentos direcionais e temporizações indicavam que os dois ocorriam a noroeste de Madagáscar – a milhares de quilómetros das áreas se procuravam destroços da aeronave.

Mas o oceano é um lugar barulhento e Kadri disse que os sons subaquáticos podem ter sido causados ​​por terremotos submarinos ou erupções vulcânicas – ou mesmo por meteoritos ou lixo espacial a cair no oceano. No entanto, também eram sinais sonoros válidos que poderiam ter sido criados pelo acidente do MH370.

Kadri disse que reconheceu que os eventos sonoros perto de Madagáscar estavam a milhares de quilómetros do chamado “7º arco” – a linha de possíveis posições do voo MH370 calculada a partir dos últimos sinais de rádio da aeronave.

Os investigadores confiaram no 7º arco nos seus esforços para encontrar destroços do avião desaparecido – curva-se pelo leste do Oceano Índico, ao sul da ilha indonésia de Java e em direção à Antártida, entre 500 a 3.000 km de distância da costa da Austrália.Mas Kadri disse que as posições sugeridas pelos dados do rádio via satélite podem ser imprecisas, calculadas incorretamente ou enganosas.

Kadri disse que futuras buscas por destroços do avião devem começar com investigações científicas dos eventos sonoros registados no Oceano Índico. “Todos os esforços que foram feitos antes contaram com os dados do satélite como prova. Infelizmente, não encontraram nada”, disse.

Detalhes do novo estudo foram passados ​​às autoridades responsáveis ​​pela localização da aeronave, mas atualmente não há planos para retomar a busca no mar.

Embora o governo malaio tenha interrompido as buscas pela aeronave do voo MH370, que desapareceu dos radares no dia 8 de março de 2014, entusiastas continuam à procura de pistas, com recurso a tudo à disposição.

Em 2015, um fragmento da asa do avião foi descoberto a leste de Madagáscar, na ilha francesa de Reunião, e confirmado como proveniente do Boeing 777.

Enquanto que, em julho de 2018, investigadores malaios emitiram um longo relatório, dizendo que o Boeing terá sido provavelmente desviado da rota de propósito, mas não conseguiram encontrar o responsável.

Em maio do ano passado, o programa australiano 60 minutos reuniu um painel de especialistas que acredita ter desfeito o mistério do desaparecimento do Boeing 777 da Malaysia Airlines.

Os especialistas revelaram que a tese mais plausível seria a de que o piloto do voo MH370, Zaharie Ahmad Shah, de 53 anos terá sido o responsável pelo desaparecimento da aeronave que culminou na morte de todas as 238 pessoas que seguiam viagem ali, num ato “planeado, deliberado”.

Buscas subaquáticas e de superfícies na parte sul do oceano Índico foram realizadas durante três anos pela Malásia, China e Austrália. Foram gastos mais de 125 milhões de euros.

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas criaram o som mais alto de sempre

O som foi produzido debaixo de água ao fazer colidir minúsculos jatos de água com pulsos de raio-X. O barulho gerado é superior ao do lançamento de um foguete. A experiência foi realizada como parte de …

Plutão pode esconder um oceano líquido debaixo de uma camada de gás

Uma das características mais marcantes de Plutão é o seu coração, também conhecido como Tombaugh Regio, uma grande região de cor clara de aproximadamente 1.590 quilómetros de diâmetro. O seu lobo esquerdo, o Sputnik Planitia, é …

Selfies estão a destruir muralha romana considerada Património Mundial da UNESCO

Uma parte da antiga Muralha de Adriano, no Reino Unido, está a colapsar por causa dos turistas que procuram o local para tirar selfies. O monumento, que em 1987 foi considerado Património Mundial da UNESCO, inspirou …

Carros vão mudar mais numa década do que aquilo que mudaram num século

Embora a aparência dos carros tenha mudado nos últimos cem anos, a maneira como os conduzimos pouco ou nada mudou. Contudo, acredita-se que na próxima década, além da forma como se movimentam ser diferente, também …

São Francisco lidera ranking das cidades onde se recebe melhor

O American Dream está claramente destacado no ranking das cidades onde se recebe melhor, mas há alguns "intrusos" no meio desta lista. Das dez cidades eleitas, há apenas quatro europeias. Apenas três continentes estão representados no …

Em 30 anos, Amazónia perdeu 953 mil hectares de áreas protegidas

Nos últimos 30 anos, a Amazónia perdeu 953 mil hectares em áreas pertencentes a unidades de conservação e terras indígenas que deveriam estar preservadas. A Amazónia brasileira perdeu 953 mil quilómetros em áreas que foram desflorestadas …

Mulheres e meninas norte-coreanas forçadas a prostituir-se e a casar-se na China

Mulheres e meninas norte-coreanas são coagidas, vendidas ou raptadas na China ou traficadas diretamente da Coreia do Norte, denuncia a Korea Future Initiative. As mulheres são forçadas a casar-se, violadas e sujeitas a outros tipos …

Trump corta financiamento para centros de investigação de saúde infantil

A administração de Trump está a terminar o financiamento para uma rede de centro de investigação focados em ameaças ambientais para crianças, colocando em risco vários estudos de longa data sobre os efeitos dos poluentes …

PJ detém ex-diretor da Santa Casa de Ponte de Sor

Um antigo diretor e contabilista de uma Santa Casa da Misericórdia do distrito de Portalegre foi esta quarta-feira detido pela Polícia Judiciária (PJ) por suspeitas dos crimes de peculato e participação económica em negócio, foi …

Costa diz que só soube do memorando de Tancos no dia da demissão de Azeredo

O primeiro-ministro, António Costa, diz que só soube do memorando da Polícia Judiciária Militar (PJM) sobre o assalto a Tancos no dia em que o então ministro da Defesa, Azeredo Lopes, apresentou a sua demissão. A …