Afinal, Governo consegue cumprir meta do défice (mas não como tinha previsto)

CFP

Teodora Cardoso, presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP)

Teodora Cardoso, presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP)

O Conselho de Finanças Públicas (CFP) admite que a meta do défice para 2016, de 2,4% do PIB, “possa ser alcançada”, mas diz que a composição deste ajustamento não será a que o Ministério das Finanças esperava inicialmente.

OE 2016

No relatório sobre a evolução da execução orçamental até setembro do ano passado, publicado esta terça-feira, a instituição liderada por Teodora Cardoso escreve que os dados em contas nacionais até ao terceiro trimestre de 2016 e os indicadores em contas públicas até novembro já divulgados “apontam para que possa ser alcançada a previsão para o défice em 2016” incluída no Orçamento do Estado para 2017 (OE 2017), de 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB).

No entanto, acrescenta o CFP, “a composição e evolução das receitas e despesas subjacentes a esse défice, bem como o cenário macroeconómico que lhe está associado, alteraram-se substancialmente ao longo do ano” relativamente às previsões iniciais do Ministério das Finanças.

Por outras palavras: o CFP acredita que o objetivo do défice orçamental do ano passado será cumprido, mas diz que o ajustamento não será conseguido da forma como o ministério de Mário Centeno antecipava quanto apresentou o Orçamento do Estado para 2016 (OE 2016).

Os números já tinham sido calculados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE): nos primeiros nove meses de 2016, o défice orçamental das administrações públicas (ajustado de medidas extraordinárias e temporárias) foi de 2,5% do PIB, uma melhoria de 0,9 pontos percentuais em termos homólogos.

O Governo tinha inicialmente apontado para um défice, em contas nacionais e em termos ajustados, de 2,2% em 2016, mas reviu esta estimativa para os 2,4% do PIB quando apresentou o Orçamento do Estado para 2017 (OE 2017).

O CFP faz várias comparações e indica que o défice até setembro “encontra-se em linha” com o objetivo inicial do Governo (de 2,5% em termos ajustados e de 2,2 sem ajustamentos), que “é próximo” da estimativa do défice para 2016 que foi revista no OE 2017 (de 2,4% excluindo medidas temporárias e extraordinárias) e que compara “favoravelmente” com a previsão oficial para o défice não ajustado (de 2,6%).

Outra observação relevante do CFP é que o défice registado até setembro de 2016 “encontra-se em linha com o recomendado pelo Conselho Europeu a Portugal no contexto da notificação de agosto de 2016 relativa a medidas tidas por necessárias para corrigir a situação de défice excessivo”, sendo que, na altura, foi exigido a Portugal uma redução do défice para os 2,5% em 2016.

Investimento caiu quase 22% até setembro e tem execução mais baixa desde 1995

O Conselho de Finanças Públicas referiu também que o investimento caiu 21,8% nos primeiros nove meses de 2016 e deverá “ficar aquém” do previsto no orçamento de 2016, sublinhando que registou o grau de execução “mais baixo” desde 1995.

O relatório sobre a evolução orçamental até ao final do terceiro trimestre do ano passado indica que a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) “apresentou até setembro uma redução mais acentuada (21,8%)”, uma queda que “foi bastante mais acentuada” do que a prevista no Orçamento do Estado para 2016 (OE 2016), de -3,3%.

Esta queda do investimento contribuiu para que o grau de execução da despesa com FBCP fosse de “apenas 51,9%, o valor mais baixo da série em SEC 2010 no final do terceiro trimestre”, ou seja, o valor mais baixo desde 1995 registado em contas nacionais pelo sistema europeu de contas atualizado.

O relatório do CFP inclui um quadro em que apresenta o grau de execução dos juros e da FBCF no final do terceiro trimestre de cada ano desde 1995 e até 2016: de acordo com esta informação, não há nenhum ano em que este indicador tenha sido tão baixo, sendo 2001 o ano que mais se aproxima (com um grau de execução de 56%) e o de 2002 o que teve uma maior execução até setembro (de 82,5%).

Para o CFP, “mesmo admitindo que no quarto trimestre o investimento tenha sido mais expressivo, isso não terá sido suficiente para impedir que esta despesa fique aquém do previsto no OE 2016”, que apontava para uma queda de 3,3% da FBCP, uma previsão que foi depois revista em baixa, apontando para uma redução de 9,7% em 2016 face ao ano anterior.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Pois, é interessante mas, o que é mesmo muito interessante é o facto desta senhora ter começado, em Outubro/2016, por dizer que o governo não ia atingir a meta dos 2,5% defice. Em fins de Novembro já admitia que fosse cumprido os 2,5% e agora, meados de Janeiro, já diz que ficará nos 2,4%.
    Governo e presidente, no que é aliás uma demonstração que está a haver boa comunicação ( e é assim que deve ser mesmo ), sempre disseram que as metas iriam ser cumpridas e em Dezembro afirmavam que iriam mesmo ficar abaixo dos 2,4% ,apontando agora para 2,3%.
    Vir esta senhora dizer que o governo vai conseguir ficar abaixo dos 2,5% invocando que o consegue “mas não como tinha previsto” parece-me batota, coisa ao estilo de “desculpa de mau pagador”. O que verdadeiramente interessa é atingir o objectivo traçado, se projectou ir pelo caminho A mas depois teve que fazer algum desvio e foi pelo B mas atingiu, no mesmo tempo, o objectivo traçado, está bom, ainda que depois o governo deva perceber e corrigir o que inviabilizou ir pelo caminho inicialmente traçado. Podem ter havido razões internas ou factores externos. Tudo o resto é alimentar conversa de chacha.

    • O que a senhora disse foi que o jogador de snooker queria meter a bola 7 mas a tacada foi tão má que em vez da 7 acertou na 3 que por sua vez foi contra a 10 que bateu de lado na 9 e esta deslizou contra a 2 que por sua vez empurrou a 7 para o buraco. Acha mesmo que há grande mérito do jogador?

  2. Mas cumpre à minha custa. Este mês do Estado ainda não recebi nada nem vou receber até ao fim do mês. Sou um fornecedor do Estado Se o Estado não pagar aos fornecedores ( já me devem 7 meses ) assim até eu governava.

  3. Cumpre à custa de todos!
    O Estado SEMPRE pagou tarde e más horas aos fornecedores e sempre foi retendo alguns pagamentos por alturas de Outubro/ Novembro/ Dezembro, ou seja, nos ultimos meses (ultimo trimestre) do fecho do ano. A diferença é que com outros governos apesar disto ocorrer sempre, também simultaneamente havia défice descontrolado e orçamentos retificados com fartura.
    Sou quase levado a pensar que o seu maior problema é este governo ter atingido a meta do defice, visto que o Estado pagar tarde é algo que se verifica há décadas.

RESPONDER

Exames nacionais adiados. Terceiro período arranca a 14 de abril (mas à distância)

Esta quinta-feira, António Costa falou ao país para anunciar que o 3.º período irá recomeçar no dia 14 de abril, mas sem aulas presenciais. Os exames nacionais do secundário adiados para julho e setembro. Esta quinta-feira, …

TAP. Estado equaciona reformas antecipadas sem penalizações

O Jornal Económico escreve esta quinta-feira que o Estado pondera avançar com reformas antecipadas sem penalizações na TAP, visando assim diminuir o impacto da pandemia de covid-19 na companhia aérea portuguesa. Apesar de a empresa ter …

Santa Maria ganha 40 camas para os cuidados intensivos

A maior unidade hospitalar do país reforçou capacidade dos Cuidados Intensivos para os doentes infetados, passando das atuais 80 camas para cerca de 120. O Hospital Santa Maria, em Lisboa, vai quadruplicar a sua capacidade …

"Isto é criminoso". Estivadores dizem que há risco de portos pararem

"Da forma como estamos a trabalhar nos portos, corremos o risco de todo o contingente ficar parado, porque não há nenhum cuidado em termos de criar equipas rotativas", garantiu o líder sindical. O presidente do Sindicato …

Demitiu-se o diretor do serviço de cirurgia e transplantação do Curry Cabral

Américo Martins demitiu-se esta quarta-feira por ter visto impedida a proposta de reorganização com circuitos independentes no hospital. O diretor do Serviço de Cirurgia Geral e Transplantação do Hospital Curry Cabral, Américo Martins, demitiu-se esta quarta-feira …

Bancos impedidos de cobrar comissões por operações digitais. Acesso a jogos online limitados

Os bancos vão ficar impedidos de cobrar comissões por operações de pagamento através de plataformas digitais dos prestadores de serviços, segundo uma proposta do PEV com alterações do PS aprovada no Parlamento. O projeto de lei …

Pessoas assintomáticas devem usar máscara, diz Centro Europeu de Controlo de Doenças

Num relatório divulgado na quarta-feira, o Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC) referiu que as máscaras podem reduzir a propagação do novo coronavírus de pessoas assintomáticas, recomendando a sua utilização. De acordo com o Público, …

Portugal ultrapassa as 400 vítimas mortais. Cordão sanitário em Castro Daire equacionado

Portugal regista esta quinta-feira 409 mortos associados à covid-19, mais 29 do que na quarta-feira, e 13.956 infetados (mais 815), segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Trata-se de um aumento de 6% …

"Em segundo plano". OM alerta para falta de resposta para doentes prioritários não covid-19

A Ordem dos Médicos (OM) alertou esta quinta-feira para a falta de resposta aos doentes prioritários não covid-19, que diz estarem a ser relegados para segundo plano, em áreas que “não podem esperar” como a …

Lagarde contraria Draghi. Perdão de dívida às empresas é “impensável”

A presidente do Banco Central Europeu considera "impensável" conceder um perdão de dívida generalizado das dívidas contraídas pelas empresas, ao contrário do que sugeriu o antigo presidente do BCE, Mario Draghi. “Parece-me totalmente impensável. Não é …