Défice público fica em 2,3% em 2016

O Ministério das Finanças reafirmou esta quinta-feira que o défice público a apresentar em Bruxelas não será superior a 2,3% do PIB. O défice das Administrações Públicas em 2016 foi de 4.256 milhões de euros, descendo 497 milhões face ao ano anterior.

A Direção-Geral do Orçamento (DGO) divulgou esta tarde o valor do défice orçamental de 2016, um primeiro retrato da execução do orçamental numa ótica de caixa (contas públicas).

O défice das Administrações Públicas em contabilidade pública desceu 497 milhões de euros em 2016 face ao ano anterior, ficando nos 4.256 milhões de euros, anunciou hoje o Ministério das Finanças.

Num comunicado que antecede a habitual divulgação pela Direção-Geral de Orçamento (DGO) da síntese de execução orçamental, o ministério tutelado por Mário Centeno afirma que esta redução do défice resultou de “um aumento de 2,7% da receita, superior ao crescimento de 1,9% da despesa”.

Além disso, o Ministério das Finanças sublinha que, “face ao projetado no Orçamento do Estado de 2016 (OE2016), o défice ficou 1.238 milhões de euros abaixo do previsto, em grande medida resultante da contenção da despesa efetiva, que ficou 3.009 milhões de euros.

Na semana passada, o primeiro-ministro, António Costa, assegurou que o défice de 2016 não deverá ser superior a 2,3% do PIB, o que, a confirmar-se, fica abaixo do limite fixado pela Comissão Europeia, que era de 2,5%.

No entanto, a meta de um défice de 2,4% do PIB em 2016 foi fixada na ótica dos compromissos (contas nacionais), a que conta para Bruxelas, e só em março é que o Instituto Nacional de Estatística (INE) deverá divulgar o valor do saldo orçamental do conjunto do ano passado.

Inicialmente, e de acordo com o relatório do Orçamento do Estado para 2016 (OE 2016), o Governo estimava um aumento de 2,6% na receita fiscal amealhada no conjunto do ano, que totalizaria 40.953,9 milhões de euros.

No entanto, com o Orçamento do Estado para 2017 (OE 2017), o Ministério das Finanças reviu em baixa a estimativa, em cerca de 580,2 milhões de euros, estimando agora que a receita fiscal no conjunto do ano se fique pelos 40.373,4 milhões euros.

Redução do défice não é suficiente para melhorar rating

A agência de notação financeira Fitch avisa que a redução do défice em 2016 pode não significar uma melhoria do rating atribuído a Portugal, alertando que a saída do Procedimento por Défice Excessivo ainda não está assegurada.

Numa entrevista à agência Lusa à margem de uma conferência da Fitch, que decorreu hoje em Lisboa, Federico Barriga, diretor do departamento de ratings soberanos, recusou que a saída do Procedimento por Défice Excessivo leve a uma revisão em alta da nota atribuída a Portugal.

“Primeiro, não está garantido que o procedimento seja encerrado este ano. Se olharmos para as linhas mestras do processo, sim, é necessário ter um défice abaixo dos 3%, mas também é importante que o défice se mantenha abaixo dos 3%”, afirmou o diretor.

Federico Barriga considera que “é bastante óbvio” que Portugal teve um défice abaixo dos 3% em 2016, mas alerta que o desempenho este ano “ainda é incerto por causa da Caixa Geral de Depósitos (CGD)” e que a forma como a Comissão Europeia olha para a recapitalização do banco público e o impacto que pode ou não ter no défice “pode – ou não – alterar o entendimento” da Fitch.

A Fitch atribuí uma nota BB+ (lixo) à dívida pública portuguesa, com perspectiva estável (ou seja, que se deve manter assim), mas tem agendada para dia 3 de fevereiro uma nova avaliação a Portugal.

Estagnação do crescimento

O analista responsável pelo soberano de Portugal afirmou que a agência estará atenta a uma trajetória de redução da dívida (pública e externa) e do crescimento económico.

“O que aconteceu é que [as trajetórias destes indicadores] estagnaram. Para fazermos qualquer ação positiva sobre o rating no futuro temos de nos focar nisto”, afirmou.

Federico Barriga mostrou-se preocupado com o crescimento económico e com os níveis de endividamento externo, afirmando que “o que a economia portuguesa deve ao resto do mundo continua a ser muito elevado”.

“O crescimento económico é importante para reduzir a dívida, mas um crescimento de 1,5% [conforme prevê o Governo para 2017] não vai mudar a dinâmica da dívida”, afirmou o diretor da Fitch.

No entanto, o analista considera que “há mais realismo” nas projeções macroeconómicas do Governo, o que, “embora não tenha um impacto no rating, melhora a visão que se tem da economia portuguesa e reconhece os seus problemas”.

Outro problema que “a Fitch reconheceu mais recentemente” está relacionado com o setor da banca, que também “se tornou um ponto-chave para o rating atribuído a Portugal”.

“É uma preocupação. Qualquer tipo de ajuda do Estado [aos bancos] deve ser analisado com cuidado pelas autoridades”, afirmou Federico Barriga, sem querer comentar casos específicos, seja do Novo Banco ou da Caixa Geral de Depósitos.

Em agosto passado, a Fitch manteve a classificação de crédito de Portugal no nível BB+ com perspectiva estável, depois de, em março, ter baixado a perspectiva de positiva para estável.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Á conta de baixarem o défice, não gastam dinheiro onde é preciso… basta ver a escola Alexandre Herculano, por exemplo, assim é fácil!
    Os políticos (todos) são realmente uma cambada de imbecis! Vale tudo para ficar bem na fotografia.

RESPONDER

Limitação dos apoios a sócios-gerentes não é "justa", diz Confederação das empresas

A Confederação das Micro, Pequenas e Médias Empresas não entende a razão para limitar a ajuda a sócios-gerentes ao valor de 1.905 euros, proposta que não consideram justa. Em entrevista à Rádio Observador na quinta-feira, o …

Devolução de manuais. Diretores acusam políticos de "brincar às escolinhas"

Os diretores escolares criticaram hoje o 'timing' da proposta de suspensão de devolução de manuais escolares, acusando os políticos de andar a “brincar às escolinhas” sem perceberem o trabalho que implica reutilizar milhões de livros. O …

Passageiros dos EUA e PALOP têm de apresentar teste negativo de covid-19

O Governo prorrogou várias medidas restritivas do tráfego aéreo com destino e a partir de Portugal, com novas orientações e exceções, num despacho publicado terça-feira em Diário da República. Segundo noticiou o Expresso, um comunicado do …

PGR angolana diz que Isabel dos Santos pode ser ouvida em Portugal

Isabel dos Santos pode ser ouvida em Portugal ou noutro país com acordos judiciários com Angola, no âmbito do processo-crime por alegada má gestão e desvio de fundos da Sonangol, disse à Lusa fonte da …

Autoridades descartam participação da milícia "Escritório do Crime" no caso Marielle Franco

O envolvimento da milícia conhecida como "Escritório do Crime" no homicídio da vereadora e ativista Marielle Franco chegou a ser investigado, mas foi descartado pela polícia brasileira. O delegado brasileiro Daniel Rosa, da cidade do Rio …

Desconfinamento não foi suficiente. Desemprego volta a subir em Espanha para valores de 2016

O número de desempregados inscritos nos serviços públicos de emprego em Espanha voltou a aumentar em 5.107 pessoas em junho, uma desaceleração em relação a maio, atingindo um total de 3.862.883 espanhóis. De acordo com os …

Governo vai monitorizar discurso de ódio na Internet

O Governo vai monitorizar o discurso de ódio nas plataformas online, estando "em vias" de dar início à contratação pública de um projeto que deverá traduzir-se num barómetro mensal de acompanhamento e identificação de sites. Segundo …

Tribunal britânico decide que é Guaidó (e não Maduro) quem manda nas reservas de ouro da Venezuela

A justiça britânica decidiu esta quinta-feira que é o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó e não o Presidente Nicolás Maduro quem tem autoridade sobre as reservas de ouro da Venezuela depositadas no Banco de …

Mistério resolvido. Cientistas descobriram como é que as cobras "voam"

Nem todas as cobras se movem arrastando-se discretamente pelo chão. Há uma cobra do género Chrysopelea que parece voar de árvore em árvore. Agora, os cientistas descobriram como é que estes animais se movem pelo …

Mais de 80 mil pessoas registaram-se na Segurança Social desde janeiro

O programa “Segurança Social na Hora”, criado em janeiro deste ano, abrangeu até ao momento 80.700 pessoas, de acordo com os dados divulgados pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS). Ana Mendes Godinho avançou …