Marcelo defende mudança da matriz de risco face à crescente taxa de imunidade

Mário Cruz / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República defendeu, esta quarta-feira, que se deve mudar a matriz de risco, que tem servido de base para o processo de desconfinamento, face à crescente taxa de imunidade da população contra a covid-19.

Em declarações aos jornalistas, depois de visitar uma exposição no Museu das Artes de Sintra, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a assinalar que os novos casos de infeção já não se estão a projetar em números de internamentos, cuidados intensivos e mortes, como anteriormente.

Questionado se considera que este é o momento para criar uma nova matriz de risco, que não tenha apenas em conta o índice de transmissão e a incidência de novos casos por 100 mil habitantes, o chefe de Estado respondeu: “Eu sempre achei isso, mas sempre respeitei a opinião dos especialistas e a decisão do Governo”.

“Aparentemente, há especialistas que, de forma crescente, dizem que é preciso ir começando a repensar, e o Governo também já disse que é preciso estudar e repensar. Por uma razão muito simples: o mundo vai abrir, nós vamos regressando a uma atividade mais normal, mais cedo ou mais tarde”, referiu.

Segundo o Presidente da República, é expectável, “pela circulação das pessoas que vêm de vários espaços, um aumento do número de casos” de infeção “durante um tempo”.

No entanto, “se houver uma taxa de imunidade cá dentro apreciável, há um momento a partir do qual não há razões em termos de vida e de saúde que justifiquem parar a economia e a sociedade indefinidamente”, argumentou.

A vida tem de continuar, por muito que nós sejamos sensíveis a algumas vidas e alguns casos de saúde que existam, a vida tem de continuar e vai continuar nos próximos meses e nos próximos anos, como aconteceu com outras epidemias, embora não tão duradouras e não tão complexas como esta pandemia”, acrescentou.

Marcelo Rebelo de Sousa rejeitou qualquer ligação entre uma mudança da matriz de risco e o aumento de casos de infeção com o novo coronavírus em Lisboa: “Não, não se trata de encontrar uma maneira artificial de fugir à aplicação de critérios. Não, trata-se é de fazer uma ponderação à luz de dados novos”.

“E os dados novos são estes: temos hoje acima dos 80 anos praticamente todos vacinados, acima dos 70 praticamente todos, acima dos 60 praticamente todos, acima dos 50 um número muito significativo. Vai passar a ser acima de 40 e acima de 30“, apontou Marcelo, defendendo que se deve “olhar com outros olhos, porque a realidade é diferente”.

Esta terça-feira, o Governo anunciou que o processo de vacinação vai acelerar em todo o território continental, e não apenas em Lisboa como tinha sido anunciado inicialmente, alargando-o a maiores de 40 e 30 anos a partir de 6 e 20 de junho, respetivamente.

No mesmo dia, o Presidente deixou de lado a possibilidade de se voltar a decretar o estado de emergência, tendo relativizado os indicadores de números de casos e do índice de transmissão.

Recorde-se que, esta sexta-feira, o chefe de Estado, o Executivo e os peritos vão estar reunidos, na sede do Infarmed, para discutir a situação epidemiológica do país e as medidas a ser tomadas no verão, que deverão ser anunciadas já na próxima semana.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Homicídio com 32 anos resolvido com a menor amostra de ADN de sempre

Um caso de homicídio ocorrido há 32 anos, que muitos consideraram impossível de ser resolvido, foi finalmente desvendado (e tudo graças à amostra de ADN mais pequena de sempre usada para decifrar um caso). De acordo …

Braços robóticos controlados remotamente podem vir a realizar cirurgias delicadas

Um equipa de investigadores está a trabalhar para eliminar movimentos rígidos nos braços robóticos, de modo a torná-los mais ágeis. O objetivo é que no futuro estes possam empilhar pratos ou até realizar cirurgias delicadas. Os …

Alemão foi forçado a remover estátua do pai por esta se parecer com Hitler

Um alemão foi obrigado a retirar uma figura de madeira de um cemitério, que seria para homenagear o seu falecido pai, por ter semelhanças com o antigo ditador nazi. As autoridades do município de Weil im …

Podcast evita morte de um condenado (seis vezes)

Curtis Flowers foi julgado seis vezes pelo mesmo promotor de justiça. Um programa de investigação mudou o seu destino. O promotor continua a acreditar que Curtis é culpado. A própria equipa responsável pelo 60 Minutes, programa …

EUA venderam álbum único dos Wu-Tang Clan (que pertencia a Martin Shkreli)

O álbum do grupo Wu-Tang Clan, confiscado em 2018 ao antigo gestor de fundos Martin Shkreli, também conhecido como "o empresário mais odiado do mundo", foi agora vendido pelo Governo norte-americano. Num comunicado divulgado esta terça-feira, …

Bezos ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA para entrar na corrida da próxima viagem à Lua

O empresário norte-americano ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA numa tentativa de reacender a batalha espacial entre a sua empresa, a Blue Origin, e a do "rival" Elon Musk, a SpaceX. De acordo com …

Clientes com certificado digital válido impedidos de entrar em restaurantes

Estão a ser reportados vários casos de clientes que, ao apresentarem o certificado digital para poderem entrar num restaurante, não conseguem fazê-lo porque o documento está a ser considerado inválido pelos dispositivos eletrónicos. Segundo a rádio …

Covid-19 trouxe "paranoia" ao mercado

Diretor do Norwich City, da Premier League, acha que os responsáveis por alguns clubes não sabem bem o que estão a fazer nos últimos tempos. O Norwich City iria jogar contra o Coventry City, num encontro …

Israel cria "task force" para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel criou uma task force para pressionar a empresa de gelados norte-americana Ben & Jerry's e a sua proprietária, Unilever, a reverterem a decisão de boicotar a ocupação israelita na Cisjordânia. "Precisamos de aproveitar os 18 …

Violência armada. 430 mortos na última semana nos EUA e 2021 pode ser dos piores anos de sempre

Só na semana passada registaram-se cerca de 430 mortos e mais de 1000 feridos associados a tiroteios, num ano que está a ser marcado pelo aumento da violência armada nos Estados Unidos. O ano passado foi …