Marcelo diz que “atropelar este ano letivo era dramático”, mas não fecha a porta ao encerramento das escolas

José Coelho / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou, em entrevista ao Correio da Manhã esta segunda-feira, que “atropelar este ano letivo seria dramático”, mas não fecha a porta ao encerramento das escolas.

Em entrevista ao Correio da Manhã esta segunda-feira à noite, o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa explicou que “os especialistas achavam que era indiscutível manter as escolas abertas”.

“Em relação ao universitário e politécnico, como estão em avaliações, não há ensino presencial. A grande dúvida surgiu entre o último ciclo do básico e o secundário. Pensou-se, para onde vão se fecharem as escolas? Aí, no caso dos mais novinhos, era um problema para as famílias. No caso do Secundário, as escolas têm funcionado bem”, disse Marcelo.

O Presidente considera que “fechar as escolas era liquidar o arranque de ano civil em termos letivos. Atropelar este ano letivo era dramático“. “Houve o raciocínio de ‘vamos ver durante 15 dias’”, continuou o chefe de Estado, não fechando a porta à hipótese de encerramento dos estabelecimentos de ensino.

Alertado para o facto de não se saber a génese de 80% das infeções, Marcelo argumentou que, nas escolas, “há a possibilidade de se ir acompanhando os surtos”.

Este domingo, numa ação de campanha, questionado com a eventual necessidade de ter mesmo que se voltar a fechar as escolas, Marcelo limitou-se a dizer: “Não posso nem devo dizer mais”.

Na mesma entrevista ao CM, Marcelo assumiu a responsabilidade da pandemia “a partir do momento em que decretei o estado de emergência”. No entanto, entende que “os portugueses têm de assumir alguma responsabilidade”, bem como o Governo “na medida em que prepara os decretos executivos”.

Questionado sobre as medidas na quadra natalícia, o Presidente disse que foi um “contrato de confiança”, mas “correu mal”.

“Houve alguns portugueses que causaram mal a outros. Tive conhecimento das festas familiares, dos encontros sem máscara com dezenas de pessoas. Não funcionou o pacto de confiança e assumo a quota parte de responsabilidade. A minha sensação é de que, nos últimos dois dias de final de ano, já não havia rigor dos portugueses”, explicou.

Sobre o que é necessário fazer agora para travar a pandemia, Marcelo disse que “é preciso que estas medidas avancem e houve um passo importante em relação aos fins de semana. As pessoas não perceberam que há uma dificuldade adicional face a março. Este confinamento é mais complicado porque há mais atividades económicas a funcionarem. É importante que os que confinam percebam que é um problema de todos e façam um esforço adicional no próximo mês e meio a dois meses”.

“Isto não é uma ditadura”

Em ação de campanha na Misericórdia da Azambuja esta segunda-feira, Marcelo reconheceu falhas e apontou erros, mas afirmou: “Isto não é uma ditadura, não há poder político que se possa substituir às pessoas”.

“Os meus netos, que viveram na China, aí sim há regras para cumprir mesmo”, afirmou o Presidente, citado pelo semanário Expresso. Aqui “isto é uma democracia”, “as pessoas estão estafadas, cansadas” e “ao fim de 11 meses já perceberam tudo”, já sabem o que têm que fazer.

Mesmo assim, o Presidente apelou ao cumprimento das regras: “As pessoas que podem, porque não estão a trabalhar, devem confinar“.

Segundo Marcelo, as fábricas estão abertas, porque a economia não fechou como em março, porque as fronteiras não fecharam e as exportações e importações continuam. “E sabia-se que este confinamento ia ser muito diferente do de março” e que “a eficácia das medidas depende muito de quem as aplica”.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. As escolas já deveriam estar encerradas. As eleições deveriam ter sido adiadas e a campanha eleitoral deveria ter sido suspensa!
    Pedem um esforço descomunal aos privados que têm os seus negócios encerrados e depois atuam irresponsavelmente.
    É preferível fechar o país um mês do que estarmos todos a meio gás e andarmos nisto 2 ou 3 meses.

RESPONDER

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Na Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …

Abel Ferreira tentou levar jogador do Benfica para o Palmeiras

O treinador português Abel Ferreira, ao leme do comando técnico dos brasileiros do Palmeiras, pediu a contratação de Franco Cervi, que alinha pelo Benfica, mas acabou por ver a sua proposta recusada pelo jogador argentino. …

Governo aperta regras. Passageiros do Brasil ou Reino Unido têm de ter teste negativo e cumprir isolamento

Os passageiros provenientes do Brasil e do Reino Unido vão ser obrigados a apresentar um teste negativo e a cumprir 14 dias de isolamento profilático. A partir deste domingo, os passageiros provenientes do Brasil e do …

O primeiro hotel espacial mudou de nome (e deverá abrir em 2027)

Fechado em casa a sonhar com a próxima viagem? Esqueça as praias paradisíacas ou as grandes metrópoles. As férias do futuro podem vir a ser no Espaço. Tudo começou em 2019, quando a empresa californiana Gateway …