Marcelo diz que “atropelar este ano letivo era dramático”, mas não fecha a porta ao encerramento das escolas

José Coelho / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou, em entrevista ao Correio da Manhã esta segunda-feira, que “atropelar este ano letivo seria dramático”, mas não fecha a porta ao encerramento das escolas.

Em entrevista ao Correio da Manhã esta segunda-feira à noite, o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa explicou que “os especialistas achavam que era indiscutível manter as escolas abertas”.

“Em relação ao universitário e politécnico, como estão em avaliações, não há ensino presencial. A grande dúvida surgiu entre o último ciclo do básico e o secundário. Pensou-se, para onde vão se fecharem as escolas? Aí, no caso dos mais novinhos, era um problema para as famílias. No caso do Secundário, as escolas têm funcionado bem”, disse Marcelo.



O Presidente considera que “fechar as escolas era liquidar o arranque de ano civil em termos letivos. Atropelar este ano letivo era dramático“. “Houve o raciocínio de ‘vamos ver durante 15 dias’”, continuou o chefe de Estado, não fechando a porta à hipótese de encerramento dos estabelecimentos de ensino.

Alertado para o facto de não se saber a génese de 80% das infeções, Marcelo argumentou que, nas escolas, “há a possibilidade de se ir acompanhando os surtos”.

Este domingo, numa ação de campanha, questionado com a eventual necessidade de ter mesmo que se voltar a fechar as escolas, Marcelo limitou-se a dizer: “Não posso nem devo dizer mais”.

Na mesma entrevista ao CM, Marcelo assumiu a responsabilidade da pandemia “a partir do momento em que decretei o estado de emergência”. No entanto, entende que “os portugueses têm de assumir alguma responsabilidade”, bem como o Governo “na medida em que prepara os decretos executivos”.

Questionado sobre as medidas na quadra natalícia, o Presidente disse que foi um “contrato de confiança”, mas “correu mal”.

“Houve alguns portugueses que causaram mal a outros. Tive conhecimento das festas familiares, dos encontros sem máscara com dezenas de pessoas. Não funcionou o pacto de confiança e assumo a quota parte de responsabilidade. A minha sensação é de que, nos últimos dois dias de final de ano, já não havia rigor dos portugueses”, explicou.

Sobre o que é necessário fazer agora para travar a pandemia, Marcelo disse que “é preciso que estas medidas avancem e houve um passo importante em relação aos fins de semana. As pessoas não perceberam que há uma dificuldade adicional face a março. Este confinamento é mais complicado porque há mais atividades económicas a funcionarem. É importante que os que confinam percebam que é um problema de todos e façam um esforço adicional no próximo mês e meio a dois meses”.

“Isto não é uma ditadura”

Em ação de campanha na Misericórdia da Azambuja esta segunda-feira, Marcelo reconheceu falhas e apontou erros, mas afirmou: “Isto não é uma ditadura, não há poder político que se possa substituir às pessoas”.

“Os meus netos, que viveram na China, aí sim há regras para cumprir mesmo”, afirmou o Presidente, citado pelo semanário Expresso. Aqui “isto é uma democracia”, “as pessoas estão estafadas, cansadas” e “ao fim de 11 meses já perceberam tudo”, já sabem o que têm que fazer.

Mesmo assim, o Presidente apelou ao cumprimento das regras: “As pessoas que podem, porque não estão a trabalhar, devem confinar“.

Segundo Marcelo, as fábricas estão abertas, porque a economia não fechou como em março, porque as fronteiras não fecharam e as exportações e importações continuam. “E sabia-se que este confinamento ia ser muito diferente do de março” e que “a eficácia das medidas depende muito de quem as aplica”.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. As escolas já deveriam estar encerradas. As eleições deveriam ter sido adiadas e a campanha eleitoral deveria ter sido suspensa!
    Pedem um esforço descomunal aos privados que têm os seus negócios encerrados e depois atuam irresponsavelmente.
    É preferível fechar o país um mês do que estarmos todos a meio gás e andarmos nisto 2 ou 3 meses.

RESPONDER

Depois de Ronaldo e da Coca Cola, Pogba imitou-o com a Heineken (e a UEFA podia castigar Portugal e França)

Após Cristiano Ronaldo ter removido duas garrafas de Coca Cola da mesa onde se sentou para uma conferência de imprensa no Euro 2020, foi a vez do francês Paul Pogba ter feito o mesmo com …

Adeptos portugueses proibidos de entrar na "fan zone" de Budapeste

Momento confuso numa zona da capital da Hungria, na véspera do jogo com Portugal, na estreia no Europeu 2020. A Hungria não escapou ao coronavírus mas, entre os países que recebem jogos do Europeu 2020, é …

Mulher recebe quatro certificados de imunidade - e nenhum é válido

O governo da Hungria está a emitir cartões que garantem que determinada pessoa, na teoria, é imune ao coronavírus. Mas nem tudo corre bem. A vida nas ruas da Hungria é diferente do que se vive …

Novo vídeo mostra morcegos vivos em laboratório de Wuhan (e adensa o mistério sobre a origem da pandemia)

Para já, é possível afirmar que o consenso científico aponta para a origem zoonótica do novo coronavírus, que confirma a versão chinesa de que o patógeno passou de morcegos para um animal e desse para …

Canal 11 anuncia jogos que não transmite (e avisou 5 minutos antes)

Sucedem-se os casos de jogos de futebol que, apesar de estarem inseridos na programação oficial do canal, não são transmitidos, ou são transmitidos noutro dia. Último caso aconteceu em Varzim. O Canal 11 revolucionou a transmissão …

Quadro clínico do candidato do PS à Câmara de Viseu “agrava-se substancialmente”

No domingo, João Azevedo foi internado na unidade de cuidados intensivos coronários do Centro Hospitalar Tondela-Viseu devido a um problema cardiovascular e o estado de saúde agravou-se nas últimas horas. A situação clínica do candidato do …

Turquia 0-2 País de Gales | Rumo aos “oitavos” à boleia de Bale

O País de Gales venceu hoje a Turquia por 2-0, em encontro da segunda jornada do Grupo A do Euro2020 de futebol, disputado em Baku, no Azerbaijão, ficando mais perto dos oitavos de final. Num jogo …

É impossível fiscalizar novas regras da DGS para eventos familiares. "Tem de ser na base da denúncia"

A Direcção-Geral de Saúde (DGS) passou a recomendar a realização de testes à covid-19 em eventos familiares com mais de dez pessoas, como casamentos e baptizados. Mas para fiscalizar esse tipo de situações, só "na …

Aprovado prolongamento de apoios às rendas até ao final do ano

Os apoios às rendas foram concedidos no ano passado, para fazer face às dificuldades criadas pela pandemia de covid-19. A comissão parlamentar de Economia aprovou, esta quarta-feira, o prolongamento dos apoios às rendas habitacionais e comerciais …

PSD volta a apresentar queixa à CNE contra Rui Moreira

Esta quarta-feira, o PSD/Porto acusou o movimento independente liderado por Rui Moreira de enviar informação da apresentação da sua recandidatura à Câmara Municipal "para emails institucionais" do município, acrescentando que vai apresentar queixa à Comissão …