“É legítimo pensar” que restrições sejam concorrência por turistas

António Cotrim / Lusa

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, considera “legítimo pensar-se” que a imposição de restrições aos voos entre países da União Europeia (UE) se deva a uma concorrência por mercados turísticos, dada a grave crise do setor em toda a UE.

Em entrevista à agência Lusa, o ministro dos Negócios Estrangeiros diz que “é um erro encarar” a pandemia de covid-19 “como um campeonato” e “um erro pensar que isto já passou”.

Refutando as restrições impostas por vários países da União Europeia a voos provenientes de Portugal — como quarentena, confinamento ou realização de testes –, o ministro insiste que elas se baseiam em dados que não refletem a complexidade da situação epidemiológica.

Questionado sobre se é legítimo pensar que essa “lógica de campeonato” é uma concorrência para ver quem atrai mais turistas, o ministro respondeu: “É legítimo pensar-se isso”. “Eu, que costumo sempre dizer que a ingenuidade não me parece ser um bom princípio em política externa, compreendo perfeitamente esse raciocínio”, diz.

“Os turistas podem parecer hoje um bem escasso, mas, como é típico aliás da ingenuidade, é um raciocínio errado”, acrescenta, explicando que “uma pessoa minimamente informada” vai optar pelo que lhe parecer “mais credível”.

Santos Silva insiste que o critério usado, por exemplo, pela Dinamarca — um número de infeções inferior a 20 por cada 100.000 habitantes –, é apenas um de vários indicadores e Portugal “contesta que se utilize só um indicador” e que, “a utilizar um indicador, seja este”.

“Porque a situação epidemiológica é complexa, portanto, não conta apenas o número de novos casos registados, conta também a taxa de incidência, isto é, a comparação entre os testes realizados e os casos positivos verificados”, que em Portugal é “bastante baixa”, apesar de o país ser, segundo dados de quinta-feira, “o sexto país da UE que mais testes realiza por milhão de habitantes”.

“E conta sobretudo a capacidade de um país de tratar. Portugal tem indicadores de letalidade, isto é, mortos por infetados, dos mais baixos da UE, [e] tem taxas de hospitalização e de internamento em unidades de cuidados intensivos bastante baixas, [o] que mostra que o nosso sistema hospitalar, o nosso Serviço Nacional de Saúde, nunca esteve com resposta insuficiente. Pelo contrário, nós nunca ultrapassámos os dois terços da nossa capacidade de resposta, mesmo no pico da pandemia”, afirma.

Ainda sobre a questão da credibilidade dos países em matéria de combate à pandemia, o ministro assegura que o tal turista “minimamente informado” vai também ter em atenção os comportamentos, salientando que em Portugal “as normas são cumpridas e as regras de segurança são respeitadas”, o que não deve ser posto em causa por “alguém ter ganho um campeonato, ou por se realizar uma manifestação ou por se realizar uma festa”.

Augusto Santos Silva frisa que o combate à pandemia “não é um campeonato” nem “uma luta entre países” e que “é um erro pensar que isto já passou”, até porque com o desconfinamento é sabido “que o risco de contágio sobe”.

“E por isso é que é tão importante termos medidas muito férreas para diminuir esse risco”, diz, mas frisa que “é preciso perceber que o essencial para combater a pandemia não é impedir a mobilidade das pessoas ou obrigar a economia continuar fechada”, mas que “todos tenham consciência” das regras.

O ministro assegura compreender que a reabertura de fronteiras na Europa “não é incondicional” e “que cada Estado-membro possa tomar as medidas que entender para garantir a máxima segurança em matéria sanitária dos seus cidadãos, residentes e visitantes”

“Não contestamos que países como a Dinamarca ou a República Checa tenham essa preocupação, o que contestamos é que utilizem apenas um indicador e um indicador inadequado”, explica.

Augusto Santos Silva recusa que as declarações que fez na sexta-feira de manhã sejam vistas como uma ameaça de “retaliação” aos países que excluíram Portugal dos países com quem reabrem as ligações aéreas, assegurando que fala de “reciprocidade”, “um princípio básico das relações internacionais”, que “é sempre bom lembrar”. Mas, assegura, Portugal responde a estas medidas “com informação”.

Atuação de Guterres “tem sido exemplar”

A atuação do secretário-geral da ONU, António Guterres, durante a pandemia de covid-19, “tem sido exemplar”, afirma o ministro dos Negócios Estrangeiros, que, pelo contrário, lamenta a inação do Conselho de Segurança.

António Guterres “foi muito vigoroso e muito tempestivo, oportuno, quando fez a proposta, que infelizmente nem todas as partes ainda aceitaram, de um cessar-fogo geral, para não acrescentar aos problemas da pandemia os problemas de conflitualidade militar”, aponta.

ZIPI / EPA

Também “foi e tem sido muito oportuno no seu alerta sobre a gravidade da pandemia em si e das respetivas consequências” e “tem sido incansável na mobilização da comunidade internacional em favor das regiões e dos países mais vulneráveis aos efeitos da pandemia”, acrescenta.

O ministro distingue esta ação do Conselho de Segurança da ONU, afirmando que “é triste constatar que ainda não conseguiu sequer uma posição comum sobre a pandemia”.

Questionado sobre se o Governo português já trabalha para a reeleição de António Guterres, Santos Silva considera que “ainda é cedo para falar disso” e frisa que Portugal respeita “os direitos e a liberdade individual de cada um”.

“O secretário-geral tem mandato até o fim de 2021 [e] não é segredo para ninguém que nos revemos inteiramente quer no programa, quer na ação do atual secretário-geral das Nações Unidas”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Tempestade de areia "engoliu" cidade na China

Uma forte tempestade de areia "engoliu" a cidade de Dunhuang, no noroeste da China, no passado domingo. De acordo com o South China Morning Post, a forte tempestade de areia, que provocou nuvens de poeira com …

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também nos registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas em …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …