Fraude dos motores VW explicada pela… VW

A Volkswagen tem feito tudo o que pode para deixar para trás o escândalo das emissões camufladas, e para tentar fazer passar a imagem de total transparência quanto ao assunto, disponibiliza um vídeo que explica o que se passou e como irá resolver o problema.

Enquanto ainda está meio mundo em choque por ver a complacência com que os governos está a lidar com o problema, a Volkswagen tenta limpar a sua imagem, apresentando um vídeo técnico que explica o princípio de funcionamento de um motor diesel, as suas emissões, e as técnicas utilizadas para as minimizar.

De seguida, aborda a questão da “batota” que foi feita, para reduzir as emissões durante o período de teste, sendo que depois em condução normal essas emissões eram/são bem superiores aos limites máximos permitidos; e avança para as formas como supostamente pretenderá corrigir o problema.

Mas o verdadeiro problema é que os especialistas continuam a não estar convencidos com as “soluções” avançadas pela VW, que consistem numa actualização do firmware para os motores 2.0 e 1.2, e num “optimizador de fluxo” – um pedaço de plástico – no modelo 1.6.

Muitos dizem que a única solução real seria instalar um sistema SCR de tratamento dos gases de escape, mas que isso seria algo que custaria milhares de euros por cada veículo.

Enquanto se aguardam pelas correcções (e reacções a essas correcções) e quais serão as sanções aplicadas à VW (e demais marcas que têm sido apanhadas a fazer batotas idênticas), resta-nos esperar que todo este incidente sirva para acelerar a adopção dos automóveis 100% eléctricos.

E para incentivar a chegada dos automóveis sem condutor, que potencialmente poderiam retirar das estradas cerca de 90% dos veículos, que na verdade passam a maior parte do tempo parados num estacionamento ou nas filas de trânsito (que eles próprios contribuem para criar.)

Aberto até de Madrugada

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. É absurda conclusão deste artigo, em que diz “esperar que todo este incidente sirva para acelerar a adopção dos automóveis 100% eléctricos”. Os veiculos electricos, por muitas razoes, nunca poderão ser uma solução geral para os transportes. A verdadeira solução consiste em substituir um mau combustivel como o gasóleo por um bom combustível como o gás natural. Para mais pormenores ver a Declaração da APVGN em http://apvgn.pt/declaracao-da-apvgn-acerca-do-ciclo-diesel/

    • Os únicos bons combustíveis são os “carbono neutros”, como por exemplo o biodiesel, bioetanol, ou metano sintético. Estes 3 têm potencial para substituir gasolina, gasóleo e GPL/Gás natural, de origem fóssil. O gás natural é um mau combustível, na medida em que continua a explorar recursos limitados que a natureza se encarregou de armazenar durante milhões de anos, de modo a todos termos hoje uma atmosfera não nociva à vida. Os veículos elétricos poderão substituir 100% da frota atual, especialmente após a conclusão da maior fábrica de baterias de lítio do mundo, da Tesla, que irá duplicar a produção mundial e baixar os custos significativamente. No entanto, tudo aponta para que a melhor solução sejam os híbridos, com sistema 100% elétrico de tração, com regeneração de energia em travagem, e com apoio de gerador a combustível líquido ou gás, que continuam a oferecer uma maior densidade energética, rapidez de enchimento e baixos custos de armazenamento e transporte.

RESPONDER

Benfica 2-0 Vitória SC | "Águia" vence e adia festa do Porto

Não foi esta terça-feira que o FC Porto festejou o 29º título de campeão nacional. Na recepção ao Vitória Sport Clube, o Benfica venceu por 2-0, num embate relativo à 32ª jornada da Liga NOS, …

Elon Musk lança concurso para ver quem consegue bater um caracol

O multimilionário, através da sua empresa especializada em construção de túneis, lançou um concurso mundial para ver quem é capaz de bater um caracol. De acordo com o jornal Daily Mail, Elon Musk lançou um concurso …

Covid-19. Tóquio quer pagar até quatro mil euros a bares que fiquem fechados

As autoridades de Tóquio, no Japão, estão a ponderar pagar um subsídio, que pode chegar aos quatro mil euros, aos bares que se mantenham fechados para conter a propagação da covid-19 na cidade. De acordo com …

Médicos franceses detetaram primeiro caso de bebé infetado no útero

Médicos em França pensam ter identificado aquele que será o primeiro caso confirmado de um bebé infetado com covid-19 no útero materno. De acordo com o site Business Insider, a equipa médica conta que a …

17 anos depois, Estados Unidos voltam a aplicar a pena capital a nível federal

Os Estados Unidos procederam, esta terça-feira, à primeira execução federal de um prisioneiro no "corredor da morte" em 17 anos, através de uma injeção letal. Daniel Lewis Lee, 47 anos, natural de Yukon (Oklahoma), foi executado …

Com o pretexto de paz, "senhor da guerra" vai ganhando poder na República Centro-Africana

O "senhor da guerra" Ali Darassa foi pago pelo presidente da República Centro-Africana e já influenciou a demissão de um ministro numa tentativa de manter a paz no país. A República Centro-Africana é um país atormentado …

Ministério Público acusa 25 arguidos pela queda do BES

O Ministério Público deduziu acusação, esta terça-feira, contra 25 arguidos, 18 pessoas singulares e sete pessoas coletivas, no âmbito do processo sobre a queda do Universo Espírito Santo. "O Ministério Público do Departamento Central de Investigação …

Agora, até o Toyota Corolla é um crossover

O Toyota Corolla Cross é o mais recente SUV da marca japonesa. Apesar de a marca estar a reforçar a sua gama de SUV, Portugal terá de esperar mais um pouco. Na semana passada, a Toyota …

Da Escócia à Grécia, Kleon pedalou durante 48 dias para regressar a casa

Um jovem grego, "preso" na Escócia devido ao cancelamento dos voos por causa da pandemia de covid-19, decidiu pedalar durante 48 dias consecutivos para conseguir regressar a casa. De acordo com a CNN, Kleon Papadimitriou, de …

Após fugirem da Venezuela, milhares foram obrigados a regressar por causa da pandemia (mas não é assim tão fácil)

Desde 2016, quase cinco milhões de venezuelanos deixaram o país, fugindo da pobreza e dos serviços sociais e de saúde em colapso. Agora, a pandemia de covid-19 forçou-os a regressar à Venezuela - se o …