Volkswagen declara-se culpada e paga 4 mil milhões no escândalo das emissões de gases nocivos

A Volkswagen aceitou declarar-se culpada e pagar mais 4,3 mil milhões de dólares (cerca de quatro mil milhões de euros) para encerrar os processos judiciais associados aos motores diesel manipulados, anunciou hoje o Departamento de Justiça.

Esta mistura de penalidades civis e criminais vai permitir ao grupo alemão escapar a um processo e soma-se aos 17,5 mil milhões de dólares que este gigante do automóvel já se comprometeu a pagar para cobrir os custos do escândalo, que apareceu à luz do dia em setembro de 2015, nos EUA.

O fabricante automóvel, que tem 12 marcas, reconheceu ter participado numa “conspiração” para enganar os clientes e as autoridades norte-americanas, mas também ter feito “obstrução à justiça”, ao destruir documentos para dissimular as suas ações, indicou o Departamento, no seu comunicado.

No final de 2015, a VW reconheceu ter equipado 11 milhões das suas viaturas no mundo, das quais 600 mil nos EUA, com um programa informático que reduzia o nível real das emissões de gases nocivos, quando estas eram controladas.

Durante os próximos três anos, o grupo vai estar sob controlo apertado, terá de se submeter ao controlo de um auditor independente e aceitou “cooperar plenamente” com as autoridades para processar os empregados da VW implicados na fraude, garantiu o Departamento de Justiça.

As autoridades norte-americanas também anunciaram a acusação de mais cinco empregados e quadros da empresa, todos residentes na Alemanha, que se acrescenta à feita na segunda-feira e à de um engenheiro do grupo, em setembro.

Na segunda-feira, o Departamento de Justiça divulgou que a direção do grupo alemão tinha sido informada do escândalo em meados de 2015, mas decidiu permanecer em silêncio.

// Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Pois é. E o que é que a VW vai fazer em Portugal? Onde estão as indemnizações aos Europeus que também foram vítimas do mesmo crime. EM Portugal têm medo que se encerre Palmela?
    Que país triste e terceiro-mundista em que vivemos. Tenho vergonha de ser Português e de ver o estado a baixar as calças perante a Alemanha. E não é só Portugal. O que estrão a fazer os outros países da UE onde forma vendidos automóveis do grupo VW afetados com o mesmo problema?
    Tenham vergonha! Só mesmo nesta Europa podre e sem princípios, onde os valores já eram. E sim, também tenho vergonha de ser Europeu.

  2. O “Eu” nem merece resposta, mas deve trabalhar para o grupo VW. Esconde-se na cobardia do anonimato, tanto do nome como do rosto. Completamente irrelevante…
    Ao Daniel digo que fiz: expus a situação ao Grupo VW PORTUGAL, à SIVA, à associação britânica que defende os consumidores europeus, ao grupo VW na Alemanha. Somente obtive resposta do Reino Unido. Da SIVA recebi a segunda resposta evasiva que tinha recebido ao primeiro contacto, somente com a diferença de que a primeira me informava que o problema seria resolvido até Junho de 2016 (resposta a carta minha de 2015), e a segunda que me informou, em dezembro passado, que o problema seria resolvido em 2017. Vá lá, ainda tenho 11 meses e uns dias de espera.

  3. Bom dia

    Eu tambem sou um dos afectados por este problema, liguei por duas vezes para a volkswagen, onde me dizem que tenho que esperar por um contacto do concessionario que me vendeu o carro, para agendarem a reparação,
    mas afinal nós Portugueses somos diferentes dos americanos em o quê? não comprámos os carros? não os pagamos tambem? porque é que não há tambem uma compensação monetária? fomos enganados, e ninguem quer saber, os nossos governantes têm medo da volkswagen? porquê? se eles nos enganam, fora com eles, há mais marcas a ser vendidas em Portugal.

  4. Tenho um carro VW com motor 2.0 TDI e fui chamado ao concessionário para realizar a alteração do software no passado dia 30 de Dezembro. Atribuíram-me um carro de substituição da mesma classe e a minha viatura ficou lá apenas por 4 ou 5 horas, recebendo ainda uma lavagem e aspiração completa. Não noto qualquer perda de potência ou problema de performance, acho mesmo que o motor ficou mais “redondo” e suave e a minha primeira impressão foi muito boa. A única questão que me chamou a atenção pela negativa foi que eventualmente o consumo estará algo superior mas não posso afirmar isso peremptoriamente. Estou atento e a seguir os consumos para ter uma opinião definitiva quanto a esse aspecto. Relativamente à gestão Europeia de toda esta questão, acho definitivamente lamentável. Sem dúvida que todos os empregos de europeus nas unidades das 12 marcas do grupo VW pesam e pesaram muito, para além de toda a pressão politica dos países onde as fábricas estão instaladas. Compreenderia tudo isso bem melhor se entretanto a VW não tivesse anunciado os despedimentos que vai efectuar até 2020. Infelizmente os tempos que vivemos demonstram a cada instante que os cidadãos são irrelevantes para as corporações, a banca, os políticos, etc. excepto quando são chamados a pagar impostos para resolver os problemas entretanto criados. Um dia um líder emergirá, a coisa descamba mesmo e nada voltará a ser como dantes. Pode-se enganar alguns durante algum tempo mas não se pode enganar todos por todo o tempo.

RESPONDER

Denunciantes são "essenciais para combater a corrupção", mas em Portugal há "falta de sensibilidade"

Esta segunda-feira, a ex-eurodeputada Ana Gomes disse que em Portugal "existem falhas de sensibilidade" face aos denunciantes, que "não são protegidos", apesar de serem "absolutamente essenciais para combater a corrupção", frisando o exemplo de Rui …

Produtores de vinagre italiano perdem batalha pela exclusividade do termo "balsâmico"

Os produtores de vinagre italiano de Modena reclamavam a exclusividade do termo "balsâmico". O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) não lhes deu razão. Segundo a BBC, o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) …

Catarina Martins desvaloriza críticas internas. BE "é o partido mais plural da sociedade portuguesa"

Catarina Martins disse ser natural que sejam apresentadas várias moções à convenção do partido. Alguns membros apontam falta de debate interno, críticas relativizadas pela coordenadora. Catarina Martins considerou natural que se apresentem várias moções à convenção …

Homens e mulheres já podem entrar juntos em restaurantes na Arábia Saudita

A Arábia Saudita acabou com a exigência de entradas separadas em restaurantes para homens e mulheres e com a separação entre sexos à mesa. Até agora era obrigatório ter uma entrada para famílias e mulheres …

Exército japonês pediu uma escrava sexual para cada 70 soldados na II Guerra Mundial

Durante a Segunda Guerra Mundial, o exército do Japão pediu ao Governo que fornecesse uma escrava sexual para cada 70 soldados, de acordo com documentos históricos analisados pela agência de notícias nipónica Kyodo News. Os 23 …

Centeno apresenta linhas gerais do Orçamento aos partidos na terça-feira

Mário Centeno apresenta aos partidos, esta terça-feira, as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado. Só o Livre fica de fora por "impedimento de agenda". O Governo apresenta amanhã, dia 10 de dezembro, as linhas …

Amianto. Fenprof vai apresentar queixa em Bruxelas

A Fenprof acusa o Governo português de não cumprir a diretiva comunitária que impõe a retirada de amianto de edifícios públicos, incluindo escolas. A Federação Nacional de Professores (Fenprof) vai apresentar uma queixa à Comissão Europeia …

Luís Maximiano: "Battaglia levou com o garrafão de água e o Misic com um cinto na cara"

O guarda-redes do Sporting disse esta segunda-feira que ficou “bloqueado e sem reação” durante o ataque à Academia de Alcochete, descrevendo as agressões aos colegas de equipa, após a entrada no balneário de mais de …

Peritos da Ordem admitem práticas ilícitas na venda de produtos no BES e Banif

Os peritos da Ordem dos Advogados que analisaram as reclamações de lesados do BES e do Banif disseram esta segunda-feira aos jornalistas que encontraram indícios de práticas ilícitas na venda de produtos financeiros por aqueles …

Já há rascunho do acordo da COP25 (mas nada está ainda totalmente fechado)

Esta segunda-feira arranca a semana decisiva, depois de uma semana de trabalho técnico ara definir as linhas que vão dar origem ao documento final da 25.ª Convenção das Partes (COP25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas …