Exército atravessa “maior crise” de sempre com generais de costas voltadas

(dr) presidencia.pt

O Chefe do Estado-Maior do Exército, General Frederico José Rovisco Duarte

O Chefe do Estado-Maior do Exército, General Frederico José Rovisco Duarte

A “maior crise por que passou o Exército”: é um oficial superior na reserva quem o diz numa altura em que as repercussões do assalto à base de Tancos continuam a fazer mossa, com mal-estar no alto comando do Exército.

O primeiro-ministro António Costa já anunciou que mantém a confiança no ministro da Defesa, Azeredo Lopes, depois do roubo de armas de guerra dos Paióis Nacionais de Tancos. Mas não se pode dizer que o caso esteja sanado no interior do Exército.

O Observador falou com um oficial superior na reserva que fala da “maior crise por que passou o Exército e não é só dos últimos 15 anos”.

“Dentro da instituição, nunca vi tanta gente preocupada com o comando”, refere este mesmo oficial que não dá a cara.

Um bom retrato desse alegado mal-estar são as saídas de Faria Menezes, o Comandante das Forças Terrestres, e de Antunes Calçada, o Comandante de Pessoal, que pediram a passagem à reserva depois da exoneração dos cinco comandantes das unidades responsáveis pela segurança dos paióis de Tancos.

O chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), Rovisco Duarte, agiu assim, imputando culpas directas à estrutura interna e disse no Parlamento que se sentia “humilhado” com o caso, ilibando o ministro da Defesa de qualquer responsabilidade.

Esta postura azedou as relações entre o CEME e os dois tenentes-generais, Faria Menezes e Antunes Calçada, que se demitiram conforme reporta o Observador, lembrando que os três homens “foram colegas de curso” e se conhecem “há mais de 40 anos”.

“Sabujo para cima e um cão para baixo”

Um sinal do desaguisado foi dado por Antunes Calçada, que também foi exonerado pelo Presidente da República do cargo de secretário do Conselho Superior de Defesa, durante a apresentação do livro “O Beijo da Quissonde”, do tenente-coronel na reforma Pedro Tinoco Faria, o homem que esteve por trás do protesto de oficiais, entretanto cancelado, para deposição das espadas em Belém.

“Sabujo para cima e um cão para baixo”, foram as palavras que Antunes Calçada usou, no evento, e que são interpretadas como uma “farpa” ao CEME.

O general assegura ao Observador que não foi isso que pretendeu. “Estava a referir-me à operação na Bósnia onde ele, Tinoco Faria, teve um comandante deste género”, salienta Antunes Calçada.

“Como comandante do Exército discordei dele uma série de vezes, mas frontalmente”, diz ainda o general, acrescentando que “demitir cinco pessoas sem culpa formada faz-se no fim de um processo disciplinar” e “não se anuncia assim na praça pública”.

Por seu lado, Faria Menezes reagiu através do Facebook, onde escreveu que “o vínculo sagrado da confiança entre comandante e soldados nunca pode ser quebrado“.

Não sei formar na parada nem marchar com o passo trocado, violando valores e princípios partilhados com excepcionais oficiais, distintos sargentos, exemplares praças e dedicados civis que servem Portugal e os portugueses todos os dias e em todas as circunstâncias”, escreveu ainda Faria Menezes.

Costa reitera confiança no ministro e no CEME

No domínio político, o primeiro-ministro manifestou “total solidariedade” para com o CEME e toda a confiança política no ministro da Defesa.

Declarações proferidas no final de uma reunião de duas horas e 20 minutos sobre segurança em instalações militares com o chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (Artur Pina Monteiro), com os chefes dos três ramos militares, Exército (Rovisco Duarte), Armada (Silva Ribeiro) e Força Aérea (Manuel Teixeira Rolo), e com o ministro da Defesa, no seguimento do furto de granadas de mão, granadas anticarro e explosivos de Tancos.

“Agradeço a hombridade com que as Forças Armadas, e em particular o CEME, assumiram as responsabilidades relativamente a esta matéria”, realçou António Costa, notando “a total solidariedade com o CEME e a forma como tem exercido o seu comando e o continuará a exercer”.

“Os portugueses devem respeitar e admirar as suas Forças Armadas”, disse ainda o primeiro-ministro que nesta quarta-feira vai enfrentar um duro debate do Estado da Nação, com o tema de Tancos e de Pedrógão Grande como principais “balas” da oposição.

A Procuradoria-Geral da República anunciou na semana passada que abriu um inquérito ao caso do furto de Tancos, por suspeitas da prática dos crimes de associação criminosa, tráfico de armas internacional e terrorismo internacional.

No Exército decorrem averiguações internas e o ministro da Defesa Nacional determinou uma inspecção extraordinária às condições de segurança dos paióis. O Presidente da República já solicitou o apuramento de todos os factos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Ponham nos a trabalhar no pinhal a extrair madeira debaixo de um sol de chumbo a troco do salário mínimo e talvez consigam perceber o que realmente custa a vida…
    Essa canalha não sabe o bem que têm e nunca estão contentes

  2. e quanto é que senhores revoltados vão receber? as regras da reforma nãos e aplicam aos senhores da guerra sem guerra? tanto general e coronel para quê?

  3. Ó Tozel ! Isso é a mesma coisa que perguntar ” Para que precisamos de Governo?kkkk”. Entendeste?
    Agora que me digas que até para mandar é preciso saber …isso sim… Mas se a aplicares a regra, ficavas sem políticos. É o exemplo dos Submarinos…Continuas a entender?

  4. Gostava de saber , se os 2 tenentes Generais que pediram e vão passar à Reserva; Quanto ficarão a ganhar sem terem funções de qualquer responsabilidade. Vão tranquilamente para ” casa” ganhando o mesmo ou praticamente o mesmo? sem se chatearem?

    Pois, se eu sair da empresa onde trabalho , por iniciativa minha ,depois de quase 40 anos de trabalho , irei ser verdadeiramente penalizado , em temos de vencimento e na reforma.

    Será , que nas Forças Armadas , os militares passam à reforma com praticamente o vencimento total como se estivessem , no activo?. Se assim é , é uma grande mina e é vantajoso, pois pode-se perder uma promoção mas fica-se livre.
    Para melhor compreender , gostava de ser esclarecido.

    • Pior que isso. Têm direito à reforma com idade inferior aos restantes trabalhadores (nomeadamente toda a função pública) mas antes disso passam à Reserva onde estão vários anos sem fazerem nada e com o vencimento completo. É um escândalo!

      • Ó senhor Abel (espero que não seja o guarda!) não é muito melhor ser “de-putado” ou membro de um supremo qualquer ou gestor de um falido banco para aos quarenta e tal anos de idade usufruir ou ter direito a uma reforma super dourada?
        Somos uma nação com nove séculos de história graças ao povo em armas…os outros na hora…..rabinho entre as pernas e copa cabana à vista. Espero que este rectângulo à beira mar plantado nunca mais precise das F.A. como precisou ao longo da sua história porque pelos comentários que a muito custo vou lendo de criaturas que fariam de certeza a carga de fuga para a tal cabana da copa.

  5. Os dois senhores generais que se demitiram são oficiais de carreira, dignos da carreira que tiveram e da demissão que apresentaram.
    Tendo feito o serviço militar obrigatório no início da década de 80, sinto vergonha de um exército que não soube guardar as armas do nosso País. Não compreendo a atitude do senhor Rovisco Duarte, CEME, que no mínimo devia apresentar a sua demissão. Só não o terá feito para a responsabilidade objetiva não atingir o senhor Ministro Azeredo Lopes. Por isso, o senhor Rovisco não merece o respeito dos seus pares. Será de duvidar que o senhor Rovisco tenha andado na Tropa. Que o senhor Ministro Azeredo Lopes e o senhor primeiro-ministro não compreendam a gravidade da situação talvez se justifique por não terem feito a tropa ou já não se lembrarem da honra militar.
    Neste momento seremos motivo de chacota internacional com este roubo das armas.

    • As demissões dos dois generais não tem a ver com dignidade nem honra militar mas sim por terem sido preteridos pela nomeação de um maj general mais novo que os demissionários. Portanto tem a ver com uma “birrinha” e não com honra militar, diria que é mais uma questão de oportunismo.

      Aliás, falar em honra militar depois dos escândalos do colégio militar (vários), da morte dos instruendos (que é cada vez mais claro que os abusos e a incompetência), dos submarinos (onde nem um condenado houve em Portugal), nas Messes da Força Aérea (onde estão implicados militares da base ao topo), o meu amigo tem de concordar que é um bocado forçado falar em honra militar. Muito forçado mesmo. Se isto é honra militar então não sei o que será desonra

RESPONDER

Iniciativa Liberal quer retirar "carga ideológica" da Constituição

A Iniciativa Liberal vai apresentar um projeto de revisão constitucional com uma primeira parte dedicada a retirar "carga ideológica à Constituição", clarificando, por exemplo, que serviços públicos de saúde e educação podem ser prestados pelo …

Urgência do Hospital Santa Maria está a chegar ao limite

A urgência dedicada aos casos suspeitos de covid-19 do Hospital Santa Maria, em Lisboa, reflete a evolução da pandemia em Portugal com doentes a avolumarem-se à porta para realizar o teste e no interior a …

Novo Banco. BCP garante que não faz "favores a ninguém" ao emprestar dinheiro ao Fundo de Resolução

O presidente executivo do BCP, Miguel Maya, disse ontem que o banco não faz "favores a ninguém" ao entrar no empréstimo de 275 milhões de euros da banca ao Fundo de Resolução, que posteriormente financiará …

Máfia italiana "lavou" milhões de euros ganhos com fundos europeus na Madeira

Uma das mais violentas máfias de Itália, a Società Foggiana, utilizou a Madeira para branquear mais de 16 milhões de euros obtidos com um esquema de burla à União Europeia (UE). Em causa estão fundos comunitários …

Ajudas de custo para professores deslocados ficaram na gaveta (e não estão previstas no OE2021)

O Orçamento de Estado para 2020 (OE2020) previa um programa de ajudas de custo para professores deslocados como incentivo à fixação. No entanto, a medida não avançou. O Jornal de Notícias avança esta sexta-feira que a …

Biden ainda à frente, mas nada está perdido para Trump. A luta pelos "swing states" continua

O dia em que os norte-americanos vão saber quem é o próximo presidente dos EUA está muito próximo. Entres sondagens, parece fácil levantar a ponta do véu. No entanto, é importante não esquecer que não …

Nani entre os candidatos a melhor jogador da época na MLS

O internacional português, capitão dos Orlando City, está entre os 46 jogadores nomeados para o prémio de melhor da época na liga norte-americana de futebol (MLS), anunciou, esta quinta-feira, o organismo. A eleição decorre até 9 …

"Estranho, muito estranho". Ana Gomes comenta morte do marido de Isabel dos Santos e é criticada

O empresário congolês Sindika Dokolo, marido de Isabel dos Santos, morreu no Dubai, durante a prática de mergulho. Uma morte prematura aos 48 anos que leva Ana Gomes a comentar o assunto como "estranho", "muito …

Conselho Europeu. Vacinas distribuídas de forma justa e fronteiras não vão fechar

O presidente do Conselho Europeu garantiu, esta quinta-feira, no final de uma videoconferência entre os líderes da União Europeia, que os 27 estão "unidos" para enfrentar a "luta difícil" contra a segunda vaga da covid-19. "A …

Teletrabalho sim, confinamento não. O que vai sair do Conselho de Ministros de sábado

O Conselho de Ministro reúne no próximo sábado para discutir novas medidas para conter a propagação do novo coronavírus e em cima da mesa está o regresso ao teletrabalho e medidas de restrição à circulação. A …