Estudo encomendado por Salgado critica Banco de Portugal e Governo

Mário Cruz / Lusa

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES

Ricardo Salgado, ex-presidente do BES

A Sociedade de Avaliação Estratégica e Risco (SaeR) realizou um estudo, encomendado por Ricardo Salgado, ex-presidente do BES, que concluiu que o supervisor bancário e o Governo falharam na condução do processo de intervenção no Grupo Espírito Santo (GES).

O estudo foi coordenado por José Poças Esteves, presidente da SaeR, e Avelino de Jesus, professor universitário, e deu origem ao livro “Caso BES, a realidade dos números“, que vai ser apresentado esta segunda-feira em Lisboa.

Nas conclusões da obra, que conta com quase 400 páginas, é realçado o papel determinante da crise financeira global para a derrocada do GES, que tinha “um forte relacionamento com a economia” e “estava muito relacionado com os setores que estiveram no epicentro da crise”, mas é dito que “a crise financeira, só por si, não explica o colapso” do GES.

“A crise financeira criou o ambiente que acabou por potenciar as falhas fundamentais que se autorreforçaram. Essas falhas determinantes estão também no comportamento dos atores, nomeadamente nos gestores do grupo e nos decisores públicos”, lê-se no livro.

Uma primeira falha identificada pelos autores do estudo resulta da “estrutura e da gestão” do GES, um conglomerado misto que exigia “a manutenção de um equilíbrio constante entre as áreas financeira e não financeira”.

Mas, sublinharam, “a maior exigência e excelência de gestão e resultados no setor financeiro pressiona no sentido de atrair para este setor os melhores recursos e as melhores competências. Por isso, esta realidade devia obrigar a forte e constante vigilância da gestão do grupo, que se revelou insuficiente”.

Daí, na opinião dos autores, “este desequilíbrio, sendo muito demorado, conduz necessariamente a que o setor não financeiro tenda a parasitar o setor financeiro”.

Já “uma segunda falha tem a ver com o processo de intervenção dos decisores públicos, nomeadamente o Banco de Portugal e o Governo, os quais não parecem ter levado em consideração os factos e as questões fundamentais que estavam em causa, nomeadamente os que se prendem, não só com o sistema financeiro, mas, mais importante, com a estrutura e o modelo de desenvolvimento da economia portuguesa, como um todo”, assinalaram José Poças Esteves e Avelino Jesus.

E reforçaram: “De facto, perante a necessidade fundamental de melhorar a dimensão dos centros de racionalidade e de decisão da economia portuguesa, o colapso e o desmembramento de um conglomerado como Grupo Espírito Santo era uma hipótese que merecia diferente abordagem”.

Isto porque o estudo defende “a importância decisiva que têm [os conglomerados mistos] para a melhoria da produtividade e para o crescimento económico, a preservação e a promoção de grupos com dimensão adequada”.

Os responsáveis assinalaram que é “fundamental a mobilização de todos os recursos e competências necessárias para preservar qualquer centro de decisão em risco, nomeadamente aqueles com a dimensão e a história com que se apresentava” o GES, considerando que “a opção tomada pelos decisores públicos portugueses de resolução através do Fundo de Resolução não era única e havia várias alternativas possíveis”.

E realçaram que “não seria possível criar condições de estabilidade e sustentabilidade para salvar o BES [Banco Espírito Santo] sem encontrar uma solução de estabilidade e sustentabilidade” para o GES.

A 3 de agosto de 2014, o Banco de Portugal tomou o controlo do BES, após a apresentação de prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, separando a instituição em duas entidades: o chamado “banco mau” (um veículo que mantém o nome BES e que concentra os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas), e o banco de transição que foi designado Novo Banco.

/Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Para quê tanto dinheiro gasto em estudos e pareceres, quando é sempre o ZÉ a pagar??? É preciso que me expliquem direitinho porque é que qualquer empresa que vá à falência, fecha e pronto. Ninguém lhe acode. Se for um banco, aí o caso muda de figura. Todos lhe acodem e quem paga é o ZÉ. PORQUÊ ??? Não são empresas como quaisquer outras? Com empregados, patrões, etc? Os donos das empresas privadas perdem tudo quando vão à falência. Os donos dos bancos não perdem nada e, para isso, contam com o ZÉ que é sempre o explorado pois, para além dos impostos, os bancos nada lhe fazem sem cobrar. Veja-se o caso das contas à ordem que, se não tiverem um saldo médio que unilateralmente os bancos impõem, pagam uma vergonhosa taxa de manutenção. Porque é que a entidade reguladora(?????) e o governo, não acabam com este abuso? Será que têm medo do poder do capital? Se assim for estamos muito mal e, neste caso, o melhor é começarmos a votar nos banqueiros para nos governarem. Teríamos vários partidos: o Novo Banco, o BPI, o BCP, o Santander, etc. Pelo menos seria de uma forma directa e não encapotada como até agora.

RESPONDER

É agora possível os robôs mexerem-se sozinhos, graças a novos polímeros de alta energia

Através do uso de novos polímeros que armazenam mais energia e são depois aquecidos, investigadores da Universidade de Stanford conseguiram colocar manequins a mexer os braços sozinhos. Era ver robots a mexer os braços sozinhos, pelo …

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …