“Restrições absurdas” e “poderes excessivos”. Estado de emergência não convence partidos

Mário Cruz / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, nas Comemorações do 1.º de Dezembro de 2020.

O Presidente da República ouve hoje os partidos com assento parlamentar sobre a renovação do estado de emergência devido à pandemia. Até ao momento, Marcelo Rebelo de Sousa falhou em reunir o consenso da maioria dos partidos.

No sábado, no primeiro debate das presidenciais, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que pretende renovar o estado de emergência com “o mesmo regime” por oito dias, justificando essa alteração com a falta de dados suficientes relativos ao período natalício.

O chefe de Estado recusou que esta alteração da prática habitual esteja relacionada com a campanha eleitoral para as presidenciais de 24 de janeiro e insistiu que “não há dados suficientes relativamente ao período de Natal”, havendo mesmo “dados que são contraditórios”, devido às pontes consecutivas durante as quais se realizaram menos testes.

“O que é isto significa? Só é possível ter uma reunião com os especialistas no dia 12, mas não é possível criar um vazio. Para não criar um vazio há que renovar”, afirmou, considerando que é preciso “dar tempo para se ter um conjunto de dados que permita encontrar uma solução que aponte para um mês”.

De acordo com a Constituição, a declaração do estado de emergência não pode “ter duração superior a quinze dias”, “sem prejuízo de eventuais renovações”, não impedindo que seja decretado por um período mais curto.

CDS-PP

O CDS-PP vai voltar a abster-se na renovação do estado de emergência devido à pandemia de covid-19, justificando que não aprova medidas restritivas que desconhece, apesar de reconhecer necessidade de um prolongamento.

À saída de uma reunião com o Presidente da República, no Palácio de Belém, em Lisboa, o líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, sublinhou a necessidade de um enquadramento jurídico para a aplicação de restrições no âmbito da pandemia, mas recusou “passar cheques em branco”.

“O CDS está ao lado do sr. PR sobre a necessidade de existir estado de emergência dado que é necessário um enquadramento jurídico que permite a aplicação de medidas restritivas para controlarmos a pandemia. Uma coisa diferente é dizer que estamos disponíveis para secundar, subscrever ou apoiar as medidas que desconhecemos”, declarou Francisco Rodrigues dos Santos.

PAN

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) admitiu que “é sensato” renovar do estado de emergência “profilático”, por oito dias, para fazer face à epidemia de covid-19.

O porta-voz e deputado do PAN André Silva afirmou que face à falta de dados científicos, dos técnicos do Infarmed, não seria sensato “aliviar as medidas”.

André Silva definiu esta decisão, a propor pelo Presidente e que o Governo e o parlamento têm que aprovar, como uma “renovação de estado de emergência profilático” e admitiu que o seu partido a compreende.

“Percebemos que exista um cansaço das pessoas quanto a este confinamento, mas ainda não é o momento para aliviar estas medidas. O combate ao vírus ainda está no início”, disse.

Para os cidadãos, afirmou, é “essencial” que continuem a adotar medidas de prevenção, como o uso de máscaras e o distanciamento” e para o Governo “é fundamental” que “continue a ajudar a economia”.

PEV

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) vai repetir o voto contra a renovação, por oito dias, do estado de emergência devido à pandemia de covid-19 e defender “outras soluções”, como o reforço do SNS e dos transportes públicos.

“O foco no estado de emergência não será o mais indicado. O mais indicado seria encontrar outras soluções no acesso à saúde e à vacinação, que esperamos que não tenha qualquer percalço”, afirmou a deputada e dirigente do PEV Mariana Silva, depois da audiência com o Presidente da República.

Os Verdes alertaram para os eventuais efeitos do prolongamento do estado de emergência e alertou que, mesmo que acabe, “é preciso” que as medidas restritivas “terão que se manter durante alguns meses.

E quando terminar, é preciso que os portugueses “não fiquem com a ideia de que é possível voltar à vida normal”.

Iniciativa Liberal

A Iniciativa Liberal (IL) deverá votar, por princípio, contra a renovação do estado de emergência devido à epidemia de covid-19, mas vai esperar se o Presidente tem em conta os pontos que considera “absolutamente excessivos” para tomar uma posição final.

O líder da IL, João Cotrim Figueiredo, afirmou que, pela primeira vez, Marcelo Rebelo de Sousa “manifestou abertura” para que ter em conta os tais pontos “absolutamente excessivos” que o partido enviar para a Presidência.

“E em função do reflexo que isso venha a ter no texto final do decreto, tomaremos uma posição definitiva”, afirmou.

“Mas a nossa postura de base, de que há poucos dados para sustentar aquelas medidas mais gravosas e que há poderes sucessivos conferidos a um governo que já mostrou que não é capaz de lidar com esses poderes e usá-los de forma consistente, essa postura mantém-se”, acrescentou.

Dado que há falta de dados científicos, Cotrim Figueiredo disse que o Presidente ia propor que o estado de emergência se mantivesse por mais oito dias e que os liberais mantêm as suas reservas e oposição.

Para Cotrim Figueiredo, há um “excesso de poderes” conferidos ao Governo, muitos deles “estão em decretos presidenciais desde o início e nunca foram utilizados”, havendo necessidade de dar aos diplomas um “lado operativo” e que tenham a ver com o “combate” à epidemia.

Chega

O presidente do Chega admitiu hoje a necessidade de medidas restritivas para mitigar a propagação da covid-19, mas manifestou-se contra a renovação do estado de emergência devido às “absurdas restrições” no comércio.

“Estas absurdas restrições não estão em nada a ajudar a controlar a pandemia e estão a matar a economia, os negócios e a vida das famílias”, disse aos jornalistas André Ventura, após ser recebido pelo Presidente da República, no Palácio de Belém, em Lisboa, sobre a renovação do estado de emergência.

André Ventura referia-se à obrigatoriedade de encerramento do comércio e da restauração a partir das 13:00, uma restrição que, no entender do deputado, é contraproducente, resultando numa maior concentração de pessoas nos espaços comerciais durante o período da manhã, além de prejudicial para a economia.

Estas criticas não significam que o deputado rejeite a necessidade de medidas restritivas, mas apenas que restrições devem fazer sentido, ressalvou.

“Quando as restrições são absurdas, os portugueses deixam de as cumprir”, avisou, indicando que, por isso, o Chega votará contra a renovação do estado de emergência na quarta-feira na Assembleia da República.

Daniel Costa Daniel Costa, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Isabel dos Santos usou equipa de espiões para provar "conspiração" e "vingança" de João Lourenço

A empresária Isabel dos Santos contratou uma firma de antigos agentes secretos israelitas para provar que foi vítima de um ataque orquestrado pelo governo de João Lourenço. Isabel dos Santos criou uma equipa de espiões para …

"Perdemos o avô da nação". Morte do príncipe Filipe deixou "um grande vazio" na vida de Isabel II

A morte do príncipe Filipe, duque de Edimburgo, na sexta-feira, aos 99 anos, deixou a Rainha Isabel II, sua esposa, com "um grande vazio na sua vida", disse este domingo aos jornalistas o seu filho …

Mapa online interativo ajudou indígenas do Panamá a fazer frente à pandemia

Quando a covid-19 chegou ao Panamá no ano passado, o cartógrafo Carlos Doviaza temeu pelas pessoas indígenas da sua comunidade. Por isso, para as ajudar, dedicou-se a fazer aquilo que faz melhor: mapas. "Pensei: 'Porque não …

"A política ama traição, mas despreza o traidor". Sócrates acusa PS de "ataque injusto" (e diz-se alvo de "vingança" da direita)

"A política ama a traição, mas despreza o traidor". No livro "Só Agora Começou", que será publicado nos próximos dias, José Sócrates acusa a atual direção do PS de traição. De acordo com o Diário de …

Portugal regista mais 566 casos e seis óbitos por covid-19

Portugal registou, este domingo, mais seis mortes e 566 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde …

PS quer que Cavaco Silva diga "quando é que soube do buraco do BES"

O PS quer que o antigo Presidente da República Cavaco Silva esclareça "quando é que soube do buraco do BES" e porque é que "não agiu atempadamente" para evitar o aumento de capital, que gerou …

Perdoar o passado, celebrar o renascimento e cumprir tradições. A primavera traz o Nowruz, o ano novo persa

Assim que as flores começam a desabrochar e os dias ficam mais longos, fica claro que o Nowruz está prestes a chegar. A celebração do ano novo iraniano é secular, com raízes que remontam a …

“Mostrámos que sabemos governar”. Bloco apresenta candidata a Lisboa (e abre a porta a acordo com PS)

O Bloco de Esquerda apresentou a candidatura de Beatriz Gomes Dias à Câmara Municipal de Lisboa, pediu “mais força” para determinar a governação da cidade e abriu a porta a novos entendimentos com o PS …

Fé nos números. Foi o voto não religioso que Donald Trump perdeu em 2020 

Em novembro de 2020, Joe Biden foi eleito Presidente dos Estados Unidos da América. Uma análise revelou recentemente que a derrota de Donald Trump dependeu daqueles que não se identificam com nenhuma religião. Ryan Burge, professor …

Chega apresenta oito candidatos para o distrito do Porto. Ventura acredita que vai ter "grande resultado"

O líder do Chega anunciou este sábado oito candidatos às próximas eleições autárquicas no distrito do Porto, onde André Ventura acredita que o partido vai ter "um grande resultado". "Fizemos esta deslocação ao Porto para anunciar …