Governo confirma “desconfinamento a conta-gotas”. Medidas pós-Páscoa decididas na próxima semana

António Pedro Santos / EPA

A ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva

A ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, anunciou esta sexta-feira que “temos condições para continuar o plano de desconfinamento”.

No briefing após o Conselho de Ministros, no Centro Cultural de Belém, Mariana Vieira da Silva, ministra de Estado e da Presidência, alertou que, “apesar de estarmos na zona verde da matriz, isso não significa que possamos fazer todas as coisas, mas que há condições para prosseguir” com o plano de desconfinamento previsto.

A governante confirmou ainda que as medidas que entram em vigor dia 5 de abril, após a Páscoa, só serão decididas no dia 1. É uma “decisão de cautela e alerta”, disse.



A ministra da Presidência insistiu na expressão de “desconfinamento a conta gotas” e disse que, para que se mantenha o que está previsto para dia 5 de abril – regresso à escola dos 2º e 3º ciclos e a abertura das esplanadas e cafés – “precisamos de nos manter na zona verde e em segurança”.

Sobre a matriz e a forma como se adapta ao plano de desconfinamento, “ninguém fará destas linhas absolutos travões”, assegurou a ministra apontando, no entanto, o risco de se ultrapassar o R. “Com incidências muito baixas, temos mais margem de viver com pequenas alterações ao R do que se existirem grandes incidências”.

Questionada sobre a manutenção do estado de emergência até maio, Mariana Vieira da Silva lembrou que o Governo tem feito a avaliação dos melhores mecanismos legais para funcionar. “Neste momento, para garantir a adoção das medidas temos de continuar em estado de emergência. É preciso garantir a segurança jurídica“.

Em relação à testagem, Mariana Vieira da Silva disse que serão feitos testes mais massificados onde haja mais de 120 casos por 100 mil habitantes. Além disso, “vão existir testes no regresso às aulas” do Ensino Superior.

“Estamos a fazer neste momento a testagem nas escolas e a procurar cobrir os concelhos onde a incidência é superior a 120 novos casos por 100 mil habitantes. A prioridade é essa. Primeiro estão previstas ações de testagem no contexto escolar e ensino superior, mas depois vamos procurar atuar nos concelhos que vão tendo mais incidência de casos, de setor a setor”, explicou.

Já sobre ao teletrabalho, a ministra disse que a medida “reduz bastante a circulação” e confirmou que o regime geral vai ser prorrogado até ao final do ano. Mariana Vieira da Silva disse não estarem previstas alterações para já. O Governo avisará atempadamente sobre o assunto, mas só depois de terminar o estado de emergência.

Mariana Vieira da Silva disse que o lay-off pago a 100% “é um esforço que continuará”, mas isso não significa que o governo não tenha as suas “prerrogativas constitucionais e não as vá exercer”.

Questionada sobre os apoios sociais, aprovados no Parlamento pela oposição, a ministra da Presidência não quis fazer comentários, dizendo apenas que “a lei travão existe”.

Assim, o Governo pode pedir a fiscalização ao Tribunal Constitucional dos apoios sociais aprovados em coligação negativa no Parlamento por preverem um aumento de despesa para lá do orçamentado.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Inglaterra desconfinou totalmente. Então, porque estão os novos casos a descer?

O fim das restrições a 19 de Julho fez soar alarmes por toda a Europa sobre o possível aumento exponencial de casos. Na verdade, o número de novos casos tem vindo a descer e a …

Siza Vieira admite possibilidade de "alargar" funcionamento das atividades económicas

O ministro de Estado e da Economia disse que o Conselho de Ministros desta quinta-feira vai analisar "todas as medidas restritivas" atualmente em vigor e terá a possibilidade de "alargar" o funcionamento das atividades económicas. "Eu …

Relatório do Novo Banco. Centeno, Costa e Ramalho ficam mal na fotografia

A versão final do relatório do Novo Banco apontou mais responsabilidades a Mário Centeno e António Costa, visto estarem ambos no governo durante a venda. A tese do Banco de Portugal sobre as injecções de …

OE. PSD fecha a porta a negociações, mas socialistas preferem mantê-la aberta

Rio remete a posição do PSD para declarações de António Costa em que o primeiro-ministro admitiu a intenção de se demitir caso o Orçamento só seja aprovado com votos dos sociais-democratas. Já José Luís Carneiro, …

FC Porto empata com a Roma em jogo manchado por conflito entre jogadores

O FC Porto empatou hoje 1-1 com os italianos da Roma, treinados pelo português José Mourinho, em jogo de preparação para a próxima temporada, disputado no Estádio Municipal da Bela Vista, em Lagoa. A equipa italiana, …

Benfica abre investigação para averiguar eventuais conflitos de interesses de Vieira

O SL Benfica vai abrir uma investigação interna para averiguar eventuais conflitos de interesses durante a presidência de Luís Filipe Vieira. O clube diz que não pode afirmar nem excluir a "eventual existência no passado de …

Estados Unidos e Rússia em diálogo discreto em Genebra para estabilizar relações

Delegações dos Estados Unidos e da Rússia continuaram esta quarta-feira, em Genebra, o diálogo iniciado na mesma cidade pelos respetivos presidentes, Joe Biden e Vladimir Putin, em junho, para discutir a estabilidade estratégica entre as …

Primeira medalha para Portugal nos Jogos Olímpicos

Jorge Fonseca conseguiu a medalha de bronze no judo. Cãibras condicionaram o acesso do português à final. "Quero ser o maior desportista nacional de todos os tempos", comentou. Portugal entrou para a lista de países com …

Marcelo pressiona Governo a virar a página, deixa recado à oposição e passa batata quente a Costa

Marcelo Rebelo de Sousa foi o convidado especial do programa Circulatura do Quadrado. Sem vestir a pele de comentador, o Presidente da República pediu ao Governo um "novo discurso" de transição para o pós-pandemia, uma …

Com as eleições à porta, escolha de listas de candidatos autárquicos cria nova guerra no PS-Braga

O PS-Braga, que já tinha estado em clima de tensão depois da escolha do candidato autárquico Hugo Pires, abre agora uma nova guerra: as listas de candidatos autárquicos não foram votadas. Segundo o Observador, a queixa …