Depois da “diplomacia da vacina”, crise sanitária na Índia deixa África sem doses

Monirul BHUIYAN / AFP

As vacinas da AstraZeneca que chegavam às campanhas de imunização africanas eram provenientes da Índia. Com o disparar da crise sanitária neste país, as exportações estagnaram.

A partir do final de fevereiro, começaram a chegar aos países de baixos e médios rendimentos as primeiras vacinas contra a covid-19 através da iniciativa Covax, lançada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e outros parceiros.

No caso de África, o fornecimento parou depois de o Governo indiano ter imposto limites à exportação de vacinas, devido ao agravamento da sua situação pandémica.

“O início das campanhas de vacinação em África estava ancorado na entrega de vacinas [da AstraZeneca] fabricadas pelo Serum Institute da Índia”, através da iniciativa Covax, disse à Deutsche Welle Ahmed Ogwell, vice-diretor dos Centros de Controlo e Prevenção das Doenças – África, órgão criado pela União Africana.

Acontece que a empresa, a maior fabricante de vacinas do mundo, não está a conseguir produzir vacinas suficientes para o mercado indiano. Na sequência deste problema, o Governo de Nova Deli impôs restrições às exportações, escreve o Público.

Ogwell revelou que mais de 20 países africanos que receberam a vacina da AstraZeneca “estão neste momento afetados, porque não têm como conseguir a segunda dose“. Até ao fim de junho, a Covax precisa de arranjar 20 milhões de doses para cobrir esta falta – daí o apelo lançado pela OMS para obter doações financeiras e de vacinas.

O Nepal, por exemplo, precisa urgentemente de 1,6 milhões de doses da AstraZeneca para administrar segundas doses. O primeiro-ministro, Sharma Oli, fez um apelo para que doadores estrangeiros façam chegar vacinas e medicamentos para doentes em cuidados intensivos, de modo a evitar o colapso do sistema de saúde nepalês.

Com 3,45 milhões de casos, a Índia registou 357.229 novas infeções nas últimas 24 horas. O número de mortes subiu em 3.449, para um total de 222.408, segundo os números oficiais citados pela Reuters.

Depois de ter começado a vacinar a população em 16 de janeiro, a Índia usou a sua capacidade de fabrico para doar vacinas aos vizinhos, numa iniciativa conhecida como “diplomacia da vacina“, uma forma de intensificar relações com as nações vizinhas do sul da Ásia.

Parece, no entanto, que a doação de milhares de doses a algumas nações, numa espécie de jogo geoestratégico, chegou ao fim.

China salienta apoio à Índia após publicação polémica

As autoridades chinesas salientaram nos últimos dias o apoio prestado à Índia no combate à nova vaga da pandemia de covid-19, depois de uma publicação polémica sobre a mesma numa conta oficial do Partido Comunista Chinês (PCC) na rede social Weibo.

A publicação, na conta da Comissão Central Política e de Assuntos Jurídicos do PCC no Weibo, consistia numa comparação entre duas imagens – um lançamento espacial chinês, ao lado de uma fogueira de cremação de vítimas de covid-19 na Índia – ambas com a legenda depreciativa “a China a acender um fogo versus a Índia a acender um fogo”.

O embaixador da China na Índia, Sun Weidong, disse a órgãos de comunicação social estatais chineses que Pequim enviou mais de cinco mil ventiladores e 21.569 geradores de oxigénio ao longo dos últimos meses.

“Tanto quanto sei, as empresas chinesas estão a acelerar a produção de pelo menos 40 mil geradores de oxigénio, em encomendas feitas pelo lado indiano, e estão a trabalhar incessantemente para as entregar o quanto antes”, disse o diplomata.

“Muitas empresas e organizações privadas chinesas estão a usar os próprios canais para providenciar” diferentes tipos de auxílio à Índia, adiantou.

A publicação foi removida depois de alguns utilizadores da rede social se terem queixado do teor inapropriado, face à grave situação vivida na Índia.

Liliana Malainho, ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Por que razão a Índia é o maior fabricante de vacinas e os miseráveis indianos não têm acesso a elas? Simplesmente exploração, quer dos seus governantes, quer dos empresários internacionais que debaixo do capote globalização se transferem para este e outros países em igualdade de miséria para fabricarem barato e venderem caro nos países de onde nunca deveriam ter saído, culpa de políticos irresponsáveis!

RESPONDER

Dados enviados para a Rússia. Medina pediu auditoria a outras manifestações em Lisboa

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, anunciou hoje que pediu uma auditoria sobre a realização de manifestações no município nos últimos anos, no seguimento da partilha indevida de dados de ativistas russos. Em …

Um McDonald's abandonado dá comida a milhares de famílias carenciadas em França

Um antigo McDonald's foi reconvertido num banco alimentar que dá comida a milhares de família carenciadas em Marselha, França. Fati Bouarua, de ascendência argelina, cresceu nos bairros mais negligenciados de Marselha, em França. Agora, ajudou a …

Floresta fóssil no Peru guarda segredos sobre a história da América do Sul

Nas colinas fora da pequena aldeia de Sexi, Peru, uma floresta fóssil guarda segredos sobre os últimos milhões de anos da América do Sul. Quando os investigadores visitaram as árvores petrificadas pela primeira vez, há mais …

Uma famosa ilusão pode ajudar a tratar o transtorno obsessivo-compulsivo

Um famoso truque psicológico chamada "ilusão da mão de borracha" pode ser útil para tratar pacientes com transtorno obsessivo-compulsivo. O que é a "ilusão da mão de borracha"? Nesta experiência, os participantes são colocados com a …

Macron agredido com bofetada. Agressor condenado a 18 meses de prisão

Um tribunal francês condenou esta quinta-feira a uma pena de prisão de 18 meses de prisão o homem que esbofeteou o presidente da França, Emmanuel Macron, na terça-feira, durante uma viagem ao sudeste do país. Segundo …

A nova tendência em Nova Iorque? Mesas separadas para clientes vacinados

Muitos proprietários do setor da restauração estão a criar zonas especiais para pessoas que já foram vacinadas contra a covid-19. O motivo? Os clientes querem sentir que estão novamente a viver no mundo antes da …

Todos os dias, ao meio-dia, uma arma é disparada em Hong Kong

Todos os dias, ao meio-dia, uma grande arma antiga é disparada em Hong Kong. E não, não tem nada a ver com guerra, conflitos ou protestos. Tal como conta a cadeia televisiva CNN, a Jardine Noonday …

Dados de manifestantes em Lisboa enviados para a Rússia. "É muito grave"

O secretário-geral do PCP afirmou hoje, em Santarém, que, a confirmar-se, "tem gravidade" o envio, pela Câmara de Lisboa, de informação à Rússia sobre cidadãos daquele país que organizaram uma manifestação na capital portuguesa. Fernando …

Um petisco vietnamita de porco cru pode ajudar a manter os alimentos frescos

"Nem Chua", um petisco de porco fermentado muito popular no Vietname, está a ajudar os cientistas a desenvolver um conservante de alimentos seguro e totalmente natural. Nem Chua é comido cru, mas não causa intoxicação alimentar …

Três favoritos e dois anfitriões. Portugal no "Grupo da Morte" do Euro

Os campeões mundiais franceses, reforçados com Karim Benzema, vão enfrentar dois gigantes europeus, a Alemanha e Portugal, de Cristiano Ronaldo, num impressionante Grupo F que inclui também a Hungria, um dos onze países que recebem …