Costa preferia Orçamento inicial, mas “acima de tudo” não queria sair do Euro

partidosocialista / Flickr

O primeiro-Ministro António Costa

O primeiro-Ministro António Costa

O secretário-geral do PS, António Costa, afirmou esta quarta-feira que preferia a versão inicial do Orçamento do que a final negociada com Bruxelas, mas que importava “acima de tudo” continuar na zona euro.

Numa sessão pública com militantes socialistas sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2016, questionado sobre quais as expectativas de mudança na zona euro após ter estado envolvido em negociações difíceis com a Comissão Europeia, Costa afirmou estar “confortável” com a versão atual, sublinhando que a proposta de OE cumpre os compromissos com os parceiros europeus e com os partidos da esquerda que apoiam o Governo.

“Se me perguntam se o resultado da negociação melhorou o Orçamento, não quero ser imodesto e digo não, porque a versão inicial preparada era melhor do que a final. Mas quem quer participar numa união, quem tem que partilhar regras comuns, tem que estar disponível para o compromisso, para ceder onde pode ceder, para não ceder onde não pode ceder e, ainda, para ganhar aquilo que tem de ganhar”, respondeu o secretário-geral do PS.

“Gostava mais da versão inicial do Orçamento. Mas, agora, entre ter a versão inicial do Orçamento e deixar de estar na zona euro, ou ter a versão final e continuar na zona euro, então eu prefiro ter a versão atual“, declarou o Primeiro-ministro, aplaudido pela plateia.

Respondendo às críticas de quem acusa o governo de “dar com uma mão o que tira com a outra”, o Primeiro-ministro garantiu ainda que as famílias vão ter “mais 700 milhões de euros em rendimentos em 2016”.

Pelas contas do Governo, o conjunto das medidas de aumento de rendimento das famílias ascende a 1.372 milhões de euros milhões de euros, enquanto as medidas de subida de impostos estão avaliadas em cerca de 600 milhões de euros, chegando-se assim a um ganho líquido de mais de 700 milhões de euros.

O primeiro-ministro voltou ainda a manifestar a intenção de ver aplicadas as 35 horas de trabalho semanal a partir de julho, mas sublinhou que isto terá de ocorrer “sem aumento global da despesa”.

Costa diz que cabe a cada diretor de serviços gerir os recursos humanos “sem ultrapassar aquela despesa” e garante que “não há qualquer divergência no governo” sobre esta matéria e que nas reuniões desta quarta feira com a UGT e a CGTP “ficou muito claro o objetivo e a forma de aplicar o horário das 35 horas, garantindo que não há aumento global da despesa”.

ZAP

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Malabarista é o que tu és Costa, pareces o vendedor da banha da cobra. Criticas os outros que estavam no poleiro agora que lá estás tu é tudo pelo bem dos portugueses coitadinhos… os outros que lá estavam faziam aumentos de impostos mas não era p/ o futuro bem dos portugueses, só quando os PS fazem aumento de impostos é que é p/ o bem dos portugueses. Até quando portugueses é que sois enganados? Todos os politicos são maus mas dentro dos maus temos de escolher os menos maus. Abram os olhos. BASTA de tanta mentira.

  2. Só sabem falar nos funcionários públicos! Parece que para este governo existem portugueses de primeira (os públicos que sempre foram protegidos) e portugueses de segunda que são os que trabalham no mercado privado… mete nojo este Costa!

    • Pois… sempre foi assim e sempre vai ser… uns trabalham os outros ganham…
      Ainda dizem que são os pretos… trabalham menos (35 horas) reformas mais cedo (30 anos de descontos), ganham mais, mais ferias direito à greve, a fazer ponte mesmo quando não é feriado… e muito mais…
      O preto (do privado), trabalha 40 horas, ganha uma miséria, não tem direitos reforma aos 65 anos, greve vai logo para o desemprego, pontes sim mesmos um dia de ferias… e muito mais…

  3. Pois o senhor Costa quer tudo tal e qual como um menino mimado e embirrante que pensa ter direito a tudo e os outros nada depois entra em conflito com a concorrência.

  4. As coisas parecem estar a correr mal dentro e fora do país para o governo e seus parceiros e é interessante verificar que nos últimos dias para justificar as cedências e o fracasso das negociações em Bruxelas vêm agora dizer que o governo anterior deixou a situação financeira mais difícil do o que esperavam mas aqui estendem-se ao comprido porque assim que se apoderaram do Poder começaram por implementar leis de esbanjamento como se o país vivesse à rica em contradição com o que vinha sendo praticado pelo governo anterior, como os avisos e exigências de Bruxelas foram em sentido contrário e como não querem ceder nos esbanjamentos estão obrigados a aumentar impostos e de que maneira para os alimentar, daí desculpam-se agora com a governação anterior.

  5. Promessas enganosas porque vão custar muito mais aos portugueses, percas de qualidade no serviços públicos, percas de competitiva de, desconfiança desenvestimento descréditos juros a custos impagáveis, desemprego, miséria.
    As esquerdas sempre em nome do povo mais simplório destruíram as economias e levaram todos á miséria.

RESPONDER

Derrocada em Borba. Um ano depois, ainda é uma ferida aberta e problemas continuam

Um ano depois do acidente na pedreira de Borba, o sindicato que representa os trabalhadores garante que os perigos persistem, enquanto a associação Assimagra salienta que foi um caso “isolado” e está a avançar com …

Caracóis estão a ficar amarelos para se adaptarem às alterações climáticas

Nas áreas urbanas, os caracóis estão a ficar com as cascas amarelas para se adaptarem às alterações climáticas. Os cientistas vão agora analisar os padrões das penas dos pássaros, para perceberem se também há uma …

Os terrenos contaminados de Fukushima vão tornar-se num centro de "energia verde"

Fukushima, local que sofreu um dos maiores desastres nuclear do mundo, vai reinventar-se e tornar-se num centro de energia renovável. Depois de ser atingido por um terramoto e um tsunami de 15 metros em 2011, três …

Cientistas identificaram neurónios específicos que mapeiam memórias

Neurocientistas descobriram um aspeto curioso de como a nossa memória funciona: Quando o cérebro precisa de recuperar informação relacionada com um lugar específico, neurónios individuais podem atingir memórias específicas. De acordo com o estudo publicado na …

Grande tempestade de areia pode ter ditado o fim de um império da Mesopotâmia

O Império Acádio da Mesopotâmia entrou em colapso devido a uma enorme tempestade de areia, sugeriu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Hokkaido, no Japão. Em comunicado, os especialistas explicam …

Encontrado templo milenar usado em rituais pagãos de veneração da água

O local tem 3.000 anos, onde investigadores encontraram 21 sepulturas, bem como várias peças de cerâmica e anéis de cobre. O templo era usado em rituais pagãos de veneração da água. Uma equipa de arqueólogos encontrou …

Elon Musk diz que inovações da Neuralink vão conseguir curar o autismo

Musk disse que a sua empresa Neuralink iria "solucionar uma série de doenças neurológicas", entre as quais o autismo. Contudo, o autismo não é uma doença relacionada com o cérebro, mas sim uma perturbação do …

"Indivíduos desconhecidos" terão obrigado Marinha a apagar vídeo do incidente do USS Nimitz com um OVNI

Vários membros da Marinha que testemunharam o famoso Incidente do USS Nimitiz, em 2004, disseram que "indivíduos desconhecidos" apareceram depois do acontecimento e obrigaram-nos a apagar as gravações de vídeo. Em novembro de 2004, um porta-aviões …

Coreia do Norte detonou bomba atómica equivalente a 17 "Hiroshimas"

Dados de um satélite japonês revelam que a explosão de um teste nuclear na Coreia do Norte, em 2017, terá sido 17 vezes mais poderosa do que a bomba de Hiroshima. A Coreia do Norte estimou que …

Invenção financiada por Bill Gates pode invisivelmente resolver a malnutrição

Uma invenção financiada por Bill e Melinda Gates pode ser a solução para resolver o problema da malnutrição a nível mundial. O próximo passo é conseguir o apoio dos Governos locais. A malnutrição é um problema …