Costa não exclui demissão apesar de o diploma dos professores estar condenado ao fracasso

João Relvas / Lusa

O primeiro-ministro não descarta a hipótese de o Governo se vir a demitir, mesmo depois de o PSD e o CDS terem recuado, garantindo que rejeitariam um diploma que reconhecesse na íntegra o tempo de carreira dos professores, pondo em causa as contas do país. O texto parece condenado ao fracasso, ao passo que a crise política parece mais perto de estar sanada.

“O Governo não terá outro remédio senão demitir-se”, assegurou esta segunda-feira o líder do Executivo, em declarações à TVI, mantendo a ameaça de demissão em cima da mesa caso o decreto para a aprovação dos 9 anos, 4 meses e 2 dias seja aprovado em votação final. Esta foi a primeira entrevista de António Costa depois da ameaça de demissão.

Costa anunciou na passada sexta-feira, e depois de todos os outros partidos terem votado favoravelmente o diploma em causa na especialidade, que o Governo não teria outra opção senão demitir-se, uma vez que a medida afetaria as contas e a governabilidade do país.

E o mesmo fator financeiro foi frisado ontem pelo primeiro-ministro: “São consequências que põem em causa a estabilidade financeira do país, a equidade entre os portugueses e a credibilidade internacional de Portugal. Isto compromete a governabilidade no presente e condiciona de forma inadmissível a governabilidade no futuro. Se se confirmar, o Governo não terá outro remédio”, reiterou António Costa.

Foi também o fator financeiro que fez com que a direita recuasse. PSD e CDS decidiram depois do anúncio de sexta-feira fazer “salvaguardas financeiras” nas propostas que vão levar à votação final ao Parlamento.

Os partidos liderados por Rui Rio e Assunção Cristas, respetivamente, querem deixar claro no diploma que a recuperação do tempo de serviço dependerá sempre das condições financeira do país – no fundo, a direita acionou um “travão financeiro”. Os líderes da direita anunciaram que vão avocar para plenário, imediatamente antes da votação final global, normas condicionantes de ordem económico-financeira à possibilidade de recuperação de tempo de serviço, sem as quais dizem não votar a favor do texto final.

À esquerda, a posição mantém-se: Bloco e PCP dizem que as condições agora apontadas pela direita são inaceitáveis e, como tal, não vão recuar, mantendo o seu sentido de voto.

Contas feitas, a esquerda prepara-se para chumbar as propostas da direita e, como isso, PSD e CDS não aprovam o reconhecimento integral da carreira. A coligação negativa desfaz-se e a medida deverá cair por terra, salvando a demissão do Governo socialista.

Tal como sintetiza o semanário Expresso, o” (des)cruzamento destas vontades inviabilizará o diploma aprovado na última quinta-feira”. E a demissão do Executivo parece esvaziar-se.

Ainda assim, António Costa mantém todos os cenários em aberto, uma vez que PSD e CDS “têm dito tudo e o seu contrário”. “Aquilo que desejo é o que anunciei, que não haja qualquer alteração ao decreto, que se mantenha o que é compatível com a capacidade orçamental do país, e que permita assegurar aos professores o mesmo que aos oficiais da GNR (…) e outros corpos sociais e manter credibilidade internacional do país”, disse.

“Não é possível ser justo para com os professores e com as outras carreiras sem fazer cortes (…) Prefiro falar a verdade”, sustentou o primeiro-ministro.

Na entrevista à TVI, que Assunção Cristas e Rui Rio recusaram participar, Costa voltou a apontar baterias à direita, poupando os partidos de esquerda – tudo em linha com o que tinha dito já na passada sexta-feira. “Quem deu grande cambalhota foi o PSD e o CDS”.

António Costa voltou a recusar estar a forçar eleições antecipadas: “A última coisa que um primeiro-ministro deseja é demitir-se e que haja uma crise política (…) Se isso fosse assim, não teria dito o que disse no momento da especialidade e esperava pela votação final global e quando não houvesse remédio demitia-me”.

O Presidente da República não se pronunciou ainda sobre a situação. Assunção Cristas pediu uma audiência com Marcelo Rebelo de Sousa mas o pedido ficou, para já, em resposta. “O Presidente já tinha definido uma agenda interna mínima até às eleições europeias”, explicou ao Expresso a assessoria de comunicação da Presidência.

2 anos, 9 meses e 2 dias

Tendo em conta o recuo do CDS e PSD e o reafirmar de posição do Bloco e PCP, o diploma do professores deverá cair por terra. Para os professores, estas são más notícias: sem que o diploma seja aprovado, vigorará a lei do Governo, sendo apenas contados 2 anos, 9 meses e 18 dias – longe dos 9 anos, 4 meses e 2 dias reivindicados pelos docentes.

A partir desta terça-feira, o Parlamento entra num período crucial no que respeita à decisão final sobre este diploma. Para esta tarde está marcada uma nova reunião da comissão parlamentar de Educação. Apesar de a crise política parecer sanada, Costa insiste em esperar para ver. “Aguardo com serenidade”, confessou.

Quanto as votos que poderá ter perdido da classe docente, o primeiro-ministro lamenta. “Os professores podem votar todos contra mim. Olhe, tenho pena. Até posso achar que é injusto. Mas eu não vou criar ilusões a dizer que vou devolver a integralidade do tempo porque eu sei que não só não vou eu como não vai ninguém”, rematou.

SA, ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

    • Ou ir dar umas aulas, coisa que, ao que parece, já não faz há mais de 20 anos. Como é que isto é possível?! O homem deveria ter tirado uma qualquer licenciatura em Sindicalismo! Agora, professor!!! Será tanto como eu que nunca dei uma aula em toda a minha vida.

  1. O Nogueira vai até casa mas sem a viola no saco. Este não é lambe p….. do patronato como o Carlos Silva da UGT

    • Qual patronato? O Estado ladrão que gasta dinheiro (dos contribuintes) à bambalhona e quando o carcanhol não chega carrega forte e feio nos contribuintes? Esta canalha é que eu queria ver a gerir uma empresa em concorrência com outras e a vender os mesmos produtos. Para ver como é que eles se aguentavam!|!!

  2. Está visto que o macaco já tinha a dele fisgada…
    Como o seu golpe de teatro está condenado ao fracasso, e como ele queria mesmo era eleições antecipadas, vem agora ameaçar que ainda assim se pode demitir !!
    Mais depressa se apanha um mentiroso que um coxo.

  3. É curioso ouvir políticos, que esperamos serem sensatos e de rigor, a exigir direitos e benesses como se o dinheiro surgisse ininterruptamente de qualquer fonte. E os encargos com a gestão corrente do país? Gere-se mal? Então que apresentem soluções e tornem-se credíveis ao eleitorado. Se a mensagem não passa vejam as acções recorrentes dos seus correlegionários, e ponham em prática um manual de ética.

    • Políticos sensatos e de rigor??? Rsrsrsrsrsrsrrsrrsrsrrsrsrrrsrsrrsrrsrsrrrrrsrrrsrsrrssrrsrsrrsrsrrssrrsrsrrsrsrrsrsrrsr

  4. Quem se põe a analisar a classe politica Portuguesa… a conclusão que tira é que os políticos primeiro pensam neles depois no partido, e nos amigos e nunca no País… Depois dão o dito por não dito… Que raio de gente que nos havia de calhar….

RESPONDER

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …

Mais 665 casos e nove mortes por covid-19 em Portugal

Portugal regista, este domingo, mais 665 novos casos positivos e nove mortes por covid-19, segundo boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Assim, desde o início da pandemia, Portugal conta com 73.604 infetados e 1.953 …

De guerreiros a anciões. Grupo étnico no Quénia faz cerimónia única de "transformação"

Milhares de homens Maasai vestidos com xales vermelhos e roxos e com as suas cabeças revestidas de ocre vermelho reuniram-se esta semana para uma cerimónia que os transforma de Moran (guerreiros) em Mzee (anciãos). De acordo …

Há 60 anos, Richard Nixon tricou uma sanduíche (e este homem guardou-a desde então)

Há 60 anos, o então vice-Presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, trincou uma sanduíche - e Steve Jenne, um homem que vive em Illinois, guardou-a os restos desde então. De acordo com o The New York …

Coreia do Norte adverte Sul para não procurar nas suas águas oficial assassinado

A Coreia do Norte pediu hoje à Marinha sul-coreana que deixe de entrar nas suas águas territoriais, numa altura em que Seul procura recuperar o corpo de um oficial sul-coreano morto a tiro no mar …

"Um abandonar dos utentes". Centros de saúde atiram pacientes para farmácias e privados

Sem resposta nos centros de saúde, vários utentes vêm-se obrigados a recorrer ao setor privado e a farmácias. A Entidade Reguladora de Saúde já recebeu várias reclamações. Face à pandemia de covid-19, os centros de saúde …

Polícia treinou uma cadela para farejar provas eletrónicas

No Minnesota, Estados Unidos, a polícia treinou uma cadela para farejar dispositivos eletrónicos. Sota já ajudou a encontrar provas em dez crimes. A polícia estatal do Minnesota treinou uma cadela labrador britânica para farejar dispositivos eletrónicos, …

Trabalhistas lideram primeira sondagem desde que Boris chegou ao poder

O partido do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, situa-se hoje, pela primeira vez desde que chegou ao poder, atrás da oposição trabalhista nas intensões de voto, o que estará relacionado com a gestão da crise pandémica, …