Costa diz que Passos pôs fim às conversas com o PS

Hugo Delgado / Lusa

O secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa

O secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa

O secretário-geral do PS, António Costa, afirmou esta sexta-feira que o primeiro-ministro em exercício, Pedro Passos Coelho, pôs fim às conversas com o PS de procura de um entendimento que conduza a um Governo estável.

Legislativas 2015

Questionado pela TVI24, numa entrevista ontem à noite, sobre a percentagem de sucesso das negociações com a coligação PSD/CDS-PP, António Costa respondeu: “A última vez que ouvi a direita falar sobre as conversas com o PS foi o doutor Passos Coelho a anunciar um ponto final nessas conversas“.

O secretário-geral socialista referia-se a declarações aos jornalistas de Passos Coelho, a 14 de outubro, no final de um encontro com os parceiros sociais no âmbito do Conselho Europeu, ocasião em que afirmou ter chegado a altura de “pôr um ponto final naquilo que o país tem vindo, atónito, a conhecer em praticamente uma semana”.

“Eu já tive duas reuniões com o PS e não tenciono ter mais nenhuma reunião com o PS para fazer de conta ou simular que estamos a procurar um resultado que até hoje não teve qualquer significado porque o PS não deu nenhum contributo para que esse resultado fosse alcançado”, acentuou Passos Coelho.

Assim, António Costa considerou que, “até próxima notícia”, Passos Coelho “pôs fim a essas conversas (…) sem ter sequer a delicadeza de esperar pelo documento” que os socialistas ficaram de enviar à coligação.

Costa disse ainda que as propostas da coligação PSD/CDS-PP não correspondem a uma viragem efetiva de orientação política.

Desde as eleições de 04 de outubro que PSD/CDS-PP e PS já tiveram dois encontros para procura de uma solução governativa estável para o país mas cujo resultado foi inconclusivo.

Costa acusa PSD/CDS de não ter fornecido dados sobre situação real do país

O secretário-geral do PS acusou ainda a coligação PSD/CDS-PP de não ter fornecido o essencial dos dados económicos e financeiros sobre a situação do país, no âmbito das negociações para a procura de uma solução de Governo.

“O essencial dos dados económicos e financeiros, cuja informação solicitámos, não nos foi dada e é muito importante que nos seja dada, porque em cada encontro que tivemos fomos sendo sempre surpreendidos. Foram sempre deixando caindo uma nova surpresa desagradável que se vai tornar pública um dia”, advertiu António Costa na entrevista à TVI24.

Não querendo revelar o teor das conversas tidas com os líderes do PSD, Pedro Passos Coelho, e do CDS-PP, Paulo Portas, o secretário-geral do PS afirmou que o documento da coligação tinha “omissões gravíssimas” e que “infelizmente, os portugueses hão de saber porque há um limite para a capacidade de o Governo omitir e esconder do país dados sobre a situação efetiva e real” em que Portugal se encontra.

“Digo isto com muita preocupação”, enfatizou.

“É por isso que temos insistido muito com o Governo da necessidade de dar uma resposta cabal a toda a informação que nós solicitámos e que a não revelação e não transmissão de toda a informação que nós solicitámos infelizmente é um dos piores sinais da forma como o Governo (…) tem estado a lidar connosco e de facto mina a confiança sobre a seriedade” das negociações, considerou António Costa.

Neste sentido, o secretário-geral do PS acusou ainda Passos Coelho de não ter “uma cultura de diálogo e de compromisso”.

PS e a coligação PSD/CDS-PP mantiveram dois encontros após as eleições legislativas de 4 de outubro, os quais foram considerados inconclusivos.

Seria “um desastre” Portugal com um executivo de gestão vários meses

O secretário-geral do PS afirmou, contudo, que um Governo de gestão seria “um desastre” para o país e insistiu que, com o voto socialista, nenhum executivo será inviabilizado sem que esteja garantida a formação de outro estável.

António Costa assumiu esta posição depois de questionado sobre a possibilidade de não se formar qualquer Governo com apoio maioritário no novo quadro da Assembleia da República, ficando o atual executivo em gestão por vários meses.

“A última coisa que seria saudável para o país seria ficarmos meses com um Governo de gestão. Ter um Governo de gestão seria péssimo para o país e seria um desastre. Portanto, não vejo nenhuma boa para razão para que se fique perante essa solução”, declarou o líder socialista.

António Costa completou depois que, com o voto do PS, “nunca haverá a inviabilização de um Governo sem que esteja garantido a possibilidade de formação de um novo Governo com estabilidade”.

“Portanto, não há nenhuma razão para termos esse cenário dos governos de gestão”, disse, já depois de ter referido que sempre desaconselhou a realização de eleições legislativas no início de outubro, quer por causa do calendário europeu em termos orçamentais, quer por o Presidente da República já não dispor de poderes para dissolver o parlamento e convocar novo ato eleitoral.

Neste ponto, António Costa exemplificou mesmo com a pressão que está a ser exercida pela Comissão Europeia no sentido de que Portugal apresente um esboço de Orçamento do Estado para 2016, com o atual executivo cessante a alegar ausência de legitimidade para apresentar esse documento em Bruxelas.

Na entrevista, o líder socialista escusou-se a especificar o que dirá ao Presidente da República na reunião que terá na próxima semana no Palácio de Belém, tendo em vista a formação de um executivo no novo quadro parlamentar.

“Compete ao Presidente da República fazer as escolhas que tem a fazer”, alegou.

No entanto, o secretário-geral do PS lembrou que ainda recentemente criticou a decisão de Cavaco Silva de “convidar o líder do seu partido”, Pedro Passos Coelho, para iniciar conversações para a formação do novo Governo, bem como o facto de na sua mensagem ter feito “uma exclusão de forças políticas que representam os portugueses” – uma alusão ao PCP e ao Bloco de Esquerda.

Nas eleições, a coligação Portugal à Frente (PSD/CDS-PP) perdeu a maioria absoluta e obteve 107 mandatos (89 do PSD e 18 do CDS-PP). O PS elegeu 86 deputados, o BE 19, a CDU 17 (dois do PEV e 15 do PCP) e o PAN elegeu um deputado.

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, anunciou na quinta-feira que recebe nos próximos dias 20 e 21 os partidos políticos que elegeram deputados.

A Constituição da República estabelece que o “Primeiro-Ministro é nomeado pelo Presidente da República, ouvidos os partidos representados na Assembleia da República e tendo em conta os resultados eleitorais”.

/Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Costa “diz” que Passos pôs fim às conversas?! Não Passos disse que pôs fim às conversas. E disse-o em frente às câmaras das televisões. O que querem insinuar com este Costa “diz”…?

  2. Estes devem estar confundidos com a proporção de pessoas estúpidas que os ouvem ou lêem…
    Um “verdadeiro mentiroso” diria a A.Costa “mentiroso sou e não minto tanto pá!”.
    Nb.- “…Conversações de faz-de-conta”!?!

RESPONDER

Oposição levou mais gente às ruas do que Bolsonaro

Manifestações a favor do presidente Jair Bolsonaro e da reforma da previdência, o principal objetivo do governo neste ano, moveram milhares de brasileiros em pouco mais de 130 cidades de 26 estados do Brasil. No passado …

Utentes da Soflusa estão “cansados” de constantes supressões

Os utentes da Soflusa mostraram-se esta segunda-feira "cansados" das constantes supressões das ligações fluviais entre o Barreiro e Lisboa, que estão hoje a acontecer durante todo o dia devido à falta de mestres. "Já estou a …

Banco Alimentar recolhe 1.605 toneladas de alimentos no fim de semana

O Banco Alimentar contra a Fome recolheu 1.605 toneladas de alimentos durante o fim de semana da campanha nacional que decorreu em mais de duas mil superfícies comerciais, anunciou a presidente do Banco Alimentar contra …

Sérgio Conceição apontado à Lazio

A imprensa italiana aponta esta segunda-feira o treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, à Lazio. O técnico português, recorde-se, passou pelo emblema italiano em duas ocasiões como jogador de futebol. O jornal italiano Il Messaggero adianta …

Filial portuguesa de multinacional alemã envolvida em subornos em Angola

A sucursal portuguesa em Angola da multinacional alemã Fresenius Medical Care, que actua na área médica, esteve envolvida num esquema de pagamento de subornos a médicos e militares angolanos que renderam 124 milhões de euros …

CGD acaba com empresa que criou há quase 20 anos com a PT

Criada há quase 20 anos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) e pela Portugal Telecom (PT), a Caixanet foi liquidada no início deste ano, bem como a Caixa Tec e a Sogrupo, duas outras empresas …

MB Way. Bancos "fecham" aplicação para cobrar comissões diferenciadas nas transferências

Em pleno arranque do 'open banking', os bancos estão a substituir a aplicação MB Way por soluções próprias que "amarram" os clientes, com o propósito de cobrar comissões diferenciadas nas transferências através do telemóvel. Segundo noticiou …

A abstenção venceu. É a mais alta de sempre

A abstenção foi a grande figura das eleições europeias deste domingo, tendo 68,7% dos portugueses optado por não votar. A abstenção em Portugal voltou a atingir um novo recorde, enquanto que a taxa de participação …

Neurocirurgia do Hospital de São João deixa os contentores ao fim de 12 anos

O novo serviço de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, está a funcionar desde este sábado. Ao fim de 12 anos, os serviços de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, deixaram de …

Derrota histórica para o PSD. O PS resiste, o Bloco chega-se à frente e o PAN estreia-se

A derrota do PSD, com uma desvantagem de mais de 10 pontos percentuais sobre o PS que foi o vencedor da noite eleitoral, o reforço do Bloco de Esquerda como a terceira força política e …