/

Cinco pessoas condenadas à morte pelo assassinato de Khashoggi

1

pomed / Flickr

O Jornalista saudita Jamal Khashoggi

Um tribunal saudita condenou, esta segunda-feira, cinco pessoas à morte pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, no ano passado. Outras três pessoas foram condenadas com penas de 24 anos.

O procurador-geral da Arábia Saudita anunciou esta segunda-feira que cinco dos suspeitos pelo homicídio do jornalista Jamal Khashoggi foram condenado à morte e outros três foram condenados a penas de 24 anos. Segundo o jornal The Guardian, todos eles podem recorrer da decisão judicial.

O nome dos condenados não foi divulgado publicamente e os julgamentos foram feitos sob sigilo total, contando apenas com a presença de alguns diplomatas e membros da família de Khashoggi. De acordo com a BBC, um especialista da ONU concluiu que esta se trata de uma “execução extrajudicial”.

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, que assumiu a responsabilidade pelo assassinato de Khashoggi, por ter acontecido sob a sua supervisão, foi investigado, mas acabou por não ser condenado por nenhum crime. O príncipe sempre negou qualquer envolvimento no homicídio e apelou à sua inocência.

Erdogan tem dito várias vezes que não vai largar o caso, embora o presidente norte-americano Donald Trump tenha estado do lado da Arábia Saudita. Porém, o relatório da CIA aponta para a alta probabilidade de ter sido o príncipe a ordenar a morte do jornalista.

Khashoggi morreu dentro do consulado saudita em Istambul, a 2 de outubro de 2018, numa tentativa de ir mantendo a pressão sobre Riade. A estratégia, aparentemente, ainda tem mais mais gotas para preencher no mar de dúvidas sobre a morte do jornalista saudita, a avaliar pelas mais recentes declarações do presidente turco sobre esta matéria.

Depois de num primeiro momento terem negado o envolvimento no assassinato de Khashoggi, as autoridades de Riade avançaram posteriormente várias versões contraditórias. Agora, sustentam que Khashoggi foi assassinado durante uma operação não autorizada pelo poder saudita.

  ZAP //

1 Comment

  1. Ou tudo isto não passará de uma farsa ou os cúmplices irão ter os dias contados e sabe-se lá se até algum inocente, tudo isto em nome de uma boa imagem dos governantes sauditas que no fundo terão sido os promotores do assassinato. O tal príncipe fica de fora como é evidente! Isto de se ser servidor de suas majestades até este ponto pode ter custos irreparáveis.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.