Aga Khan distribui dinheiro por Pedrógão (mas prefere entregá-lo directamente)

António Cotrim / Lusa

As vítimas do grande incêndio de Pedrógão Grande começaram a receber os primeiros valores do apoio de 500 mil euros doado pelo príncipe Aga Khan, que ficou sensibilizado com a tragédia que matou 64 pessoas, no Verão passado.

O Expresso conta que Aga Khan, o milionário que é líder da comunidade ismaelita, começou a distribuir o meio milhão de euros que doou para apoiar as vítimas de Pedrógão Grande, através das contas bancárias directas das famílias afectadas.

Aga Khan preferiu não doar dinheiro para nenhum fundo de apoio às vítimas para que não houvesse dúvidas sobre a forma como iria ser usado”, refere o Expresso, notando que as verbas estão a ser entregues como bolsas de estudo e que cada aluno recebe 500 euros, directamente na conta bancária.

Os visados por este apoio foram seleccionados pelo Instituto da Segurança Social, depois de um processo de candidatura, que comunicou os seus dados à Fundação de Aga Khan.

Seguradoras entregaram mais de 5 milhões em indemnizações

A Associação Portuguesa de Seguradores (APS) informou estar a concluir a atribuição do seu fundo solidário para apoiar as vítimas do incêndio, tendo já sido entregues mais de cinco milhões de euros.

As compensações já atribuídas e pagas no âmbito deste fundo solidário (que totaliza 2,5 milhões de euros e se destina a apoiar os familiares das vítimas mortais e os feridos graves) ascendem até agora aos 2,096 milhões, refere a APS em comunicado.

No âmbito deste fundo das seguradoras, foram analisados processos relativos a 65 mortos, assim como os relacionados com 13 dos 14 feridos graves.

A lista de vítimas mortais da Procuradoria-Geral da República contempla 64 nomes, tendo sido remetida para outro inquérito a morte de uma mulher que morreu atropelada quando fugia do fogo. Em Julho, a Procuradoria informou que iria apurar ainda as circunstâncias de uma outra morte que não estava directamente relacionada com o incêndio.

Segundo a APS, foram pagas ou atribuídas compensações em 62 casos de mortes e nos restantes três, “aguarda-se ainda informação complementar”.

Em relação aos feridos foram já pagas e/ou atribuídas compensações em 13 dos 14 casos, “ainda que, nalgumas situações, o pagamento da respectiva compensação ao ferido esteja dependente da evolução da sua situação clínica”.

“Nalguns casos, foram feitos adiantamentos aos familiares mais directos, para poderem fazer face a despesas mais imediatas”, lê-se no comunicado.

Além dos 13 feridos, foram beneficiadas até ao momento, ao abrigo do fundo, 87 pessoas com “vínculos familiares às pessoas falecidas”: 40 filhos (cinco dos quais menores), 11 cônjuges/pessoas vivendo em união de facto, 24 ascendentes e 12 irmãos.

Por outro lado, “as empresas de seguro já pagaram também uma parte muito significativa das indemnizações devidas ao abrigo de contratos de seguro”, informou a associação, referindo que foram pagos mais de um milhão de euros de indemnização no âmbito de coberturas de morte, invalidez ou danos corporais.

Neste tipo de coberturas, “estão pendentes de pagamento mais de um milhão e meio de euros, devido à mecânica de funcionamento dos seguros de acidentes de trabalho, sempre sujeitos ao ritmo de funcionamento dos tribunais de trabalho por onde os processos têm obrigatoriamente que transitar”, explicou a APS.

A nível de seguros de bens e património foram já pagas indemnizações superiores a 2,6 milhões de euros para reparação de danos sofridos em 320 habitações, estando pendente o pagamento de mais cerca de um milhão de euros.

Foram ainda pagos 180 mil euros de indemnizações relativas aos danos próprios de viaturas destruídas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Aka Khan conhece bem os governos e autoridades portuguesas.
    Ele sabe que dinheiro entregue a instituições nunca chegam ao destino.
    E mesmo assim, será preciso ver se no meio dos coitados não há infiltrados armados em empreiteiros.

    Entretanto Kosta não consegue responder pela maior parte dos donativos feitos.
    Foi um Downburst…

    • A “maior parte dos donativos feitos” são geridos por empresas privadas. Por acaso o “Kosta” pode responder por privados? O fundo gerido pelo Estado é uma pequeníssima parte do total “prometido” por empresas e privados (muitos deles prometeram e ainda não cumpriram). É verdade que está a demorar a atribuir essa pequena parte, mas também é verdade que há muios portugueses que são muito “finos” (e não me refiro só ás vitimas e às “vitimas”) e tentam ganhar com a desgraça dos outros. Empreiteiros, por exemplo… Por isso (e por outras razões que desconheço e… não devia desconhecer) existe esta demora. Não digo que o Governo esteve bem, lidando com esta tragédia, mas é injusto acusá-lo quando os grandes valores não dizem respeito ao Estado (que ninguém sabe se alguma vez chegaram).
      Você responderia por outra “empresa” que não a sua (se tivesse uma)? Eu não.

  2. Algo não bate certo: 500,000 euros em bolsas de estudo de 500 euros cada, dá cerca de 1000 bolsas. Ora eu estava capaz de afirmar que entre Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande não há 1500 alunos, no total, e por isso não há 1000 alunos referenciados pela Segurança Social. Desculpem se estou enganado, mas a minha experiência diz-me que algo não bate certo. O donativo (a intenção) podia ser de 500,000 euros mas não conseguem distribuir nem metade, nestas condições.

  3. Família, leia bem o comentário do Rui. Tem todo o sentido.
    Para além disso os lesados devem queixar-se e não ter medo de saber como vai efectivamente ser distribuído o valor dos 500 000€. É só fazer contas……

RESPONDER

Rolando é reforço do Sporting de Braga

Sem clube desde que deixou o Marselha no verão, Rolando é o novo reforço do Sporting de Braga. O defesa de 34 anos deverá ser apresentado pelo clube minhoto ainda hoje. Dado ao facto de estar …

Quinta do Lazareto rende 13 milhões à Sonangol

A alienação da Quinta do Lazareto, um dos ativos imobiliários que a Sonangol pôs à venda em Portugal, rendeu à petrolífera angolana 13 milhões de euros, 45% acima da expetativa inicial, segundo uma administradora da …

Professores exigem negociações sobre progressão da carreira e ameaçam avançar para tribunal

Cerca de 50 professores concentraram-se esta quinta-feira em Bragança, onde decorre o primeiro Conselho de Ministros descentralizado, para exigir a abertura das negociações com a tutela, avisando que, se o Governo não o fizer, a …

Governo dá mais dias de férias a funcionários que se mudem para o interior

O Governo aprova esta quinta-feira em Conselho de Ministros um regime de incentivos para os funcionários da Administração Pública que decidam ir trabalhar para o interior, com ajudas de custo ou compensações financeiras e mais …

Autarquias têm mais um ano para preparar descentralização

O Governo decidiu dar mais tempo às autarquias para estas se prepararem para a descentralização. O prazo passa para o primeiro trimestre de 2022. Segundo avançou o Jornal de Notícias, citado pelo ECO, após críticas aos …

Sá Fernandes ponderou sair do Livre (e apoia eventual candidatura de Ana Gomes a Belém)

Na sua primeira grande entrevista após o caso Joacine, Ricardo Sá Fernandes, dirigente do Livre, revelou ao Observador que ponderou sair do partido e admitiu apoiar uma possível candidatura da ex-eurodeputada socialista Ana Gomes às …

Medina diz desconhecer caso do alegado falso engenheiro

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, disse esta quarta-feira que não ter informação sobre o alegado falso engenheiro da empresa Tanagra, com quem a autarquia celebrou vários contratos para obras públicas. A TVI noticiou …

Parlamento debate fim das comissões bancárias no MB Way e nas prestações da casa

O Parlamento debate esta quinta-feira projetos do BE, do PCP, do PS, do PAN e do PSD sobre limitação e proibição de comissões bancárias, tendo os bloquistas, que agendaram esta discussão, expectativa de que os …

Castração química. Bloco de Esquerda é contra veto a projeto de lei do Chega (e explica porquê)

A Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias considerou que o projeto de lei do Chega "não preenche os requisitos do ponto de vista constitucional". O Bloco de Esquerda votou contra e explicou …

Estado pode deixar de ganhar dinheiro com empréstimo ao Novo Banco

Atualmente, o Fundo de Resolução paga juros de 2% e 1,38% pelos empréstimos contraídos junto do Estado para financiar as medidas de resolução do BES e do Banif, respetivamente. Porém, esse valor pode descer para …