Governo do Uzbequistão paga 2,6 mil euros a quem viajar para o país e contrair covid-19

Stina Stjernkvist / EPA

O Governo do Uzbequistão indicou que está disposto a pagar três mil dólares (mais de 2,6 mil euros) a quem viajar para o país e contrair covid-19. “Se contrair covid-19 durante as férias no Uzbequistão, iremos compensá-lo”, garantiu o Executivo, em comunicado.

“Queremos garantir aos turistas que podem vir para o Uzbequistão. O Governo está tão confiante de que as novas medidas de segurança e higiene, implementadas no sector do turismo, irão proteger os turistas da covid-19 que o Presidente [Shavkat Mirziyoyev] está preparado para passar das palavras aos atos”, sublinhou Sophie Ibbotson, embaixadora do turismo do Uzbequistão para o Reino Unido, citada pela Vice e pelo Expresso.

Shavkat Mirziyoyev assinou na semana passada a campanha “Viagens Seguras Garantidas”, visando revitalizar o turismo, apontado em 2019 como o quatro mercado turístico com o crescimento mais rápido do mundo. Os voos internacionais para o país são retomados este mês.

Entre as condições da campanha está a obrigatoriedade de os turistas que a pretendam reclamar viajar com um guia turístico local, certificado. Certificados têm também que estar os sites e acomodações turísticas, garantindo a segurança sanitária e epidemiológica.

Países considerados de baixo risco – China, Japão, Coreia do Sul e Israel – podem entrar sem restrições. Os visitantes da União Europeia e do Reino Unido serão obrigados a cumprir um período de 14 dias de auto-isolamento à chegada.

As autoridades uzbeques proibiram voos, fecharam as fronteiras e impuseram confinamento em março, quando havia ainda poucos casos confirmados de infeção. Dados mais recentes da Universidade Johns Hopkins, há um total de 17.149 casos confirmados de infeção, 90 mortos e 9.387 recuperados no Uzbequistão.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Convém mudar o titulo da noticia pois é enganador…
    Não paga mas sim indemniza.
    Da forma como o titulo está até parece que paga para as pessoas “se contaminarem”…
    deixem o “sensacionalismo de fora” pois a situação já é grave o suficiente…

    • Caro leitor,
      O título está correto.
      “(…) a quem viajar para o país E contrair covid-19” é diferente de “(…) a quem viajar para o país PARA contrair covid-19”.
      Aliás, no seu próprio comentário o leitor teve o cuidado, e muito bem, de usar a preposição “para” com o intuito de sugerir uma causalidade — o único problema é que o nosso título não usa a preposição em parte alguma, nem em algum instante sugere uma relação de causalidade.

RESPONDER

Sonda passa ao lado de Vénus, tira-lhe uma fotografia e surpreende cientistas da NASA

A imagem obtida pelo Wide-field Imager (WISPR) da Parker Solar Probe foi capturada a 12.380 quilómetros de Vénus. A Parker Solar Probe, da NASA, capturou vistas deslumbrantes de Vénus em julho de 2020. O alvo da …

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …