Tancos: Juiz diz que Azeredo Lopes teve papel essencial “em toda a engrenagem”

Mário Cruz / Lusa

O juiz Carlos Alexandre considerou que Azeredo Lopes teve um papel essencial “em toda a engrenagem” da recuperação encenada das armas furtadas em Tancos, que conhecia a investigação paralela da Polícia Judiciária Militar e que não a quis denunciar.

“A participação de Azeredo Lopes foi essencial em toda a engrenagem. Foi o aval de Azeredo Lopes, que tudo podia ter denunciado e impedido, que transmitiu confiança a todos os demais arguidos que, também em seu nome, atuaram”, lê-se no despacho de pronúncia, a que a agência Lusa teve acesso, onde é referido que a prova indiciária do processo é “impactante”.

O juiz de instrução decidiu levar a julgamento os 23 arguidos do processo sobre o furto e recuperação das armas de Tancos, nos exatos termos da acusação, estando o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes pronunciado por denegação de justiça e prevaricação, favorecimento pessoal praticado por funcionário, abuso de poder e denegação de justiça.

O juiz afirma não ter dúvidas da participação do então ministro na encenação da recuperação das armas e considera que este violou deveres éticos.

Carlos Alexandre considera que o então governante não exerceu, “porque não quis” os seus poderes hierárquicos sobre o então diretor da Polícia Judiciária Militar Luís Vieira [também arguido] e que este ordenou uma “investigação paralela e clandestina” ao furto do armamento, desrespeitando a decisão da então Procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal.

O poder disciplinar para com a PJM era da responsabilidade de Azeredo Lopes, nota o juiz, acrescentando que o ex-titular da pasta da Defesa “deu cobertura política e beneplácito à atuação da PJM”.

O juiz subscreve a acusação do Ministério Público (MP) quando é referido que a “cobertura política e a concordância de Azeredo Lopes” foram no âmbito de uma atuação extraprocessual que a PJM desenvolveu, e que esta contou “com o apoio e a concordância do ministro numa investigação paralela e clandestina que implicou a celebração de um acordo de impunidade com os assaltantes para que as armas fossem devolvidas”.

“A PJM desenvolveu uma atividade investigatória paralela, clandestina, à margem do processo-crime ocultando a atuação ao MP. Luís Vieira deu instruções para que essa investigação ficasse na esfera da PJM e que não fosse dado conhecimento ao MP. E de tudo isto Azeredo Lopes tinha conhecimento, tendo escutado o desagrado de Luís Vieira e os seus desabafos pela retirada de competência de investigação à Polícia Judiciária Militar e recebido documentos de Luís Vieira com esse desagrado”, lê-se no extenso documento de mais de 2.460 páginas.

O juiz ficou convencido de que “não havia outra peça, neste tabuleiro de Tancos, melhor colocada que Azeredo Lopes para denunciar ao MP que Luís Vieira estava a extravasar as suas competências e que a sua conduta estava a afrontar e a desrespeitar uma decisão da PGR”, sublinhando que entre ambos “havia uma relação de confiança” e que o ex-ministro era “uma espécie de confidente, um muro de lamentações” do coronel.

A entrega do memorando por Luís Vieira a Azeredo Lopes [em 04 de agosto de 2017] visava, segundo o despacho de pronúncia, que o ministro apoiasse a decisão do diretor da PJM para que “fosse de que modo fosse” o material furtado fosse recuperado, tendo a PJ Militar tentado “descredibilizar a PJ” com fugas de informação.

“A PJM e a GNR levaram a cabo uma investigação ilegal e paralela com total desconhecimento do MP e da PJ. Luís Vieira desrespeitou e afrontou a Procuradora-geral da República e a PJM lançou-se numa investigação paralela e clandestina”, e sem qualquer fundamente legal, refere.

“A PGR nunca acreditou que um Órgão de Polícia Criminal desrespeitasse e ordenasse, secundado por outros investigadores da PJM e arrimado por Luís Vieira uma investigação por conta própria sem qualquer fundamento legal e que no âmbito da iniciativa tivesse lugar um acordo com criminosos que passava por conferir a estes uma espécie de amnistia pelos crimes que tinham cometido”, lê-se no despacho.

O magistrado argumenta que “não é razoável” que o diretor da PJM “emita comunicados oficiais públicos falsos com referência a factos que não correspondem à realidade para obter para a instituição que dirige o sucesso de feitos que mais não foram que uma verdadeira teatralidade”.

Alega também que “não é razoável” que Azeredo Lopes tivesse na sua posse documentos “que sabia estarem sujeitos ao segredo de justiça e como tal não podia ter acesso aos mesmos”, lembrando que o ex-ministro é professor de Direito.

“Também não é razoável que um ministro mantenha contactos com o diretor da PJM para abordar inquéritos do campo da justiça e que tenha conhecimento de uma investigação paralela e desrespeitadora da decisão do MP e da PGR, que tem conhecimento das reações desabridas do diretor da PJM com a PGR devido a discordâncias e que tem conhecimento da desconformidade entre o comunicado oficial tornado publico”, observa.

O magistrado subscreve a acusação da PJ e do Ministério Público de que o plano de recuperação do material de Tancos “era também um plano assumido pelo ministro”.

Carlos Alexandre considera ainda “bizarro” que o ministro diga que o seu chefe de gabinete não lhe deu conhecimento do documento que relatava a encenação do “achamento” das armas pela PJM e GNR, o denominado memorando.

“Bizarro é afirmar que o chefe de gabinete não lhe transmitiu o documento que narra uma moscambilha que depois vai levar à sua demissão e ainda assim nunca ter denunciado o general Martins Pereira” nem dito que este “tinha sido negligente em não reportar um assunto com aquela gravidade”, como foi o furto de armamento de guerra dos paióis nacionais.

“Bizarro é fazer-se de coitadinho e de irresponsável e escudar-se na confiança institucional ou na ausência de menção a Tancos para branquear aquela que foi a sua atuação e que consistiu em honrar elementos da PJM e da NIC/GNR de Loulé por feitos que Azeredo Lopes sabia que não eram verdadeiros”, acrescenta o magistrado para quem a conduta do ex-governante neste caso foi de extrema gravidade.

Nove dos arguidos são acusados de planear e executar o furto do material militar dos paióis nacionais e os restantes 14, entre eles o antigo ministro da Defesa e os dois elementos da PJM, de terem efetuado uma investigação ilegal e paralela à da PJ e de terem encenado a recuperação do armamento.

Nem julgamento estarão crimes que vão desde terrorismo, associação criminosa, denegação de justiça e prevaricação até falsificação de documentos, tráfico de influência, abuso de poder, recetação e detenção de arma proibida.

// Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Basta uma palavra do Azeredo para colocar Costa em maus lençóis.
    Deve ser facílimo de provar que Azeredo nada fez sem a conivência de Costa.

  2. Custa-me mesmo muito a crer que um totó destes tivesse algum papel – quanto mais um papel essencial!…
    A PJM devia estar mesmo muito mal para ir contar ilegalidades (e até crimes) a um ministro desta categoria….

  3. Só falta ao Juiz dizer que o chefe dos assaltantes ao Paiol foi o Azeredo Lopes, e não sou PS mas que há coisas muito estranhas neste Sítio há ele são os incendiários soltos e julgados são os que dão o melhor que sabem e podem a combater os incêndios, não me refiro aos que ficaram com o dinheiro e aos que se aproveitaram desse dinheiro doado pelos cidadãos para as vitimas dos incêndios, refiro-me a comandantes operacionais nos incêndios alguns já foram julgados e condenados.

RESPONDER

Nuno Mendes e João Félix fora do jogo com a Alemanha

Os jogadores Nuno Mendes e João Félix vão ficar fora do jogo deste sábado frente à Alemanha devido a uma mialgia muscular. Ambos vão assistir ao encontro na bancada e devem recuperar a tempo de defrontar …

Antigo governador civil desmente Medina (que explicou sem explicar o envio de dados a embaixadas)

O último governador civil de Lisboa, o socialista António Galamba, desmente Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, no âmbito das conclusões da auditoria ao envio de dados de manifestantes para embaixadas estrangeiras. E há …

Portugueses burlados em Munique. PSP alerta para a venda de bilhetes falsos

No dia em que Portugal joga contra à Alemanha na capital da Baviera, a PSP alertou que vários portugueses estão a ser burlados com a venda de bilhetes falsos para a partida. O intendente Pedro Colaço …

Correos Express "passa a perna" aos CTT. Empresa quer conquistar Portugal para ter oferta ibérica na Ásia

A empresa espanhola concorrente dos CTT está a monopolizar as entregas ibéricas. Em 2019, comprou 51% da unidade de transporte expresso do grupo logístico Rangel e quer ter centros de distribuição em todo os distritos …

Autoridades passam 25 multas no primeiro dia de confinamento em Lisboa

As autoridades policiais passaram 25 autos de contraordenação no primeiro dia de confinamento da Área Metropolitana de Lisboa. Desde as 15h da tarde de ontem que é proibido entrar ou sair da AML, embora existam várias …

Ricardo Salgado queria afastar juíza por ser sobrinha de Ana Gomes

Um dos julgamentos que Salgado enfrenta é no Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS) de Santarém por causa de coimas que lhe foram aplicadas pelo Banco de Portugal. O ex-banqueiro tentou atrasar o julgamento …

Afinal, Darwin poderá ter-se enganado em relação à seleção sexual

Um novo estudo sugere que Charles Darwin poderá ter-se enganado parcialmente em relação à teoria da seleção sexual. Charles Darwin foi um cientista cuidadoso. Em meados do século XIX, enquanto procurava evidências para a sua teoria …

“Não temos um presidente". Moedas arrasa Medina após divulgação da auditoria à CML

A auditoria interna da Câmara Municipal de Lisboa, apresentada ontem por Fernando Medina, está longe de pôr fim à polémica em torno do envio de dados pessoais de manifestantes a embaixadas estrangeiras. O presidente da Câmara …

"Fui sujeito a pressões, intimidações e ameaças". António Oliveira desiste de candidatura à Câmara de Gaia

Esta sexta-feira, numa reunião de emergência, António Oliveira, candidato à Câmara de Vila Nova de Gaia, anunciou ao líder do PSD, Rui Rio, a sua desistência da corrida eleitoral. António Oliveira tinha sido a escolha de …

Marcelo pede a portugueses "noção" sobre momento de transição

O Presidente da República destacou a importância "de as pessoas terem a noção" do momento de transição" na pandemia em Portugal, sublinhando as vacinas como resposta. A campanha de vacinação justifica o "momento de transição" que …