Tancos: Juiz diz que Azeredo Lopes teve papel essencial “em toda a engrenagem”

Mário Cruz / Lusa

O juiz Carlos Alexandre considerou que Azeredo Lopes teve um papel essencial “em toda a engrenagem” da recuperação encenada das armas furtadas em Tancos, que conhecia a investigação paralela da Polícia Judiciária Militar e que não a quis denunciar.

“A participação de Azeredo Lopes foi essencial em toda a engrenagem. Foi o aval de Azeredo Lopes, que tudo podia ter denunciado e impedido, que transmitiu confiança a todos os demais arguidos que, também em seu nome, atuaram”, lê-se no despacho de pronúncia, a que a agência Lusa teve acesso, onde é referido que a prova indiciária do processo é “impactante”.

O juiz de instrução decidiu levar a julgamento os 23 arguidos do processo sobre o furto e recuperação das armas de Tancos, nos exatos termos da acusação, estando o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes pronunciado por denegação de justiça e prevaricação, favorecimento pessoal praticado por funcionário, abuso de poder e denegação de justiça.

O juiz afirma não ter dúvidas da participação do então ministro na encenação da recuperação das armas e considera que este violou deveres éticos.

Carlos Alexandre considera que o então governante não exerceu, “porque não quis” os seus poderes hierárquicos sobre o então diretor da Polícia Judiciária Militar Luís Vieira [também arguido] e que este ordenou uma “investigação paralela e clandestina” ao furto do armamento, desrespeitando a decisão da então Procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal.

O poder disciplinar para com a PJM era da responsabilidade de Azeredo Lopes, nota o juiz, acrescentando que o ex-titular da pasta da Defesa “deu cobertura política e beneplácito à atuação da PJM”.

O juiz subscreve a acusação do Ministério Público (MP) quando é referido que a “cobertura política e a concordância de Azeredo Lopes” foram no âmbito de uma atuação extraprocessual que a PJM desenvolveu, e que esta contou “com o apoio e a concordância do ministro numa investigação paralela e clandestina que implicou a celebração de um acordo de impunidade com os assaltantes para que as armas fossem devolvidas”.

“A PJM desenvolveu uma atividade investigatória paralela, clandestina, à margem do processo-crime ocultando a atuação ao MP. Luís Vieira deu instruções para que essa investigação ficasse na esfera da PJM e que não fosse dado conhecimento ao MP. E de tudo isto Azeredo Lopes tinha conhecimento, tendo escutado o desagrado de Luís Vieira e os seus desabafos pela retirada de competência de investigação à Polícia Judiciária Militar e recebido documentos de Luís Vieira com esse desagrado”, lê-se no extenso documento de mais de 2.460 páginas.

O juiz ficou convencido de que “não havia outra peça, neste tabuleiro de Tancos, melhor colocada que Azeredo Lopes para denunciar ao MP que Luís Vieira estava a extravasar as suas competências e que a sua conduta estava a afrontar e a desrespeitar uma decisão da PGR”, sublinhando que entre ambos “havia uma relação de confiança” e que o ex-ministro era “uma espécie de confidente, um muro de lamentações” do coronel.

A entrega do memorando por Luís Vieira a Azeredo Lopes [em 04 de agosto de 2017] visava, segundo o despacho de pronúncia, que o ministro apoiasse a decisão do diretor da PJM para que “fosse de que modo fosse” o material furtado fosse recuperado, tendo a PJ Militar tentado “descredibilizar a PJ” com fugas de informação.

“A PJM e a GNR levaram a cabo uma investigação ilegal e paralela com total desconhecimento do MP e da PJ. Luís Vieira desrespeitou e afrontou a Procuradora-geral da República e a PJM lançou-se numa investigação paralela e clandestina”, e sem qualquer fundamente legal, refere.

“A PGR nunca acreditou que um Órgão de Polícia Criminal desrespeitasse e ordenasse, secundado por outros investigadores da PJM e arrimado por Luís Vieira uma investigação por conta própria sem qualquer fundamento legal e que no âmbito da iniciativa tivesse lugar um acordo com criminosos que passava por conferir a estes uma espécie de amnistia pelos crimes que tinham cometido”, lê-se no despacho.

O magistrado argumenta que “não é razoável” que o diretor da PJM “emita comunicados oficiais públicos falsos com referência a factos que não correspondem à realidade para obter para a instituição que dirige o sucesso de feitos que mais não foram que uma verdadeira teatralidade”.

Alega também que “não é razoável” que Azeredo Lopes tivesse na sua posse documentos “que sabia estarem sujeitos ao segredo de justiça e como tal não podia ter acesso aos mesmos”, lembrando que o ex-ministro é professor de Direito.

“Também não é razoável que um ministro mantenha contactos com o diretor da PJM para abordar inquéritos do campo da justiça e que tenha conhecimento de uma investigação paralela e desrespeitadora da decisão do MP e da PGR, que tem conhecimento das reações desabridas do diretor da PJM com a PGR devido a discordâncias e que tem conhecimento da desconformidade entre o comunicado oficial tornado publico”, observa.

O magistrado subscreve a acusação da PJ e do Ministério Público de que o plano de recuperação do material de Tancos “era também um plano assumido pelo ministro”.

Carlos Alexandre considera ainda “bizarro” que o ministro diga que o seu chefe de gabinete não lhe deu conhecimento do documento que relatava a encenação do “achamento” das armas pela PJM e GNR, o denominado memorando.

“Bizarro é afirmar que o chefe de gabinete não lhe transmitiu o documento que narra uma moscambilha que depois vai levar à sua demissão e ainda assim nunca ter denunciado o general Martins Pereira” nem dito que este “tinha sido negligente em não reportar um assunto com aquela gravidade”, como foi o furto de armamento de guerra dos paióis nacionais.

“Bizarro é fazer-se de coitadinho e de irresponsável e escudar-se na confiança institucional ou na ausência de menção a Tancos para branquear aquela que foi a sua atuação e que consistiu em honrar elementos da PJM e da NIC/GNR de Loulé por feitos que Azeredo Lopes sabia que não eram verdadeiros”, acrescenta o magistrado para quem a conduta do ex-governante neste caso foi de extrema gravidade.

Nove dos arguidos são acusados de planear e executar o furto do material militar dos paióis nacionais e os restantes 14, entre eles o antigo ministro da Defesa e os dois elementos da PJM, de terem efetuado uma investigação ilegal e paralela à da PJ e de terem encenado a recuperação do armamento.

Nem julgamento estarão crimes que vão desde terrorismo, associação criminosa, denegação de justiça e prevaricação até falsificação de documentos, tráfico de influência, abuso de poder, recetação e detenção de arma proibida.

// Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Basta uma palavra do Azeredo para colocar Costa em maus lençóis.
    Deve ser facílimo de provar que Azeredo nada fez sem a conivência de Costa.

  2. Custa-me mesmo muito a crer que um totó destes tivesse algum papel – quanto mais um papel essencial!…
    A PJM devia estar mesmo muito mal para ir contar ilegalidades (e até crimes) a um ministro desta categoria….

  3. Só falta ao Juiz dizer que o chefe dos assaltantes ao Paiol foi o Azeredo Lopes, e não sou PS mas que há coisas muito estranhas neste Sítio há ele são os incendiários soltos e julgados são os que dão o melhor que sabem e podem a combater os incêndios, não me refiro aos que ficaram com o dinheiro e aos que se aproveitaram desse dinheiro doado pelos cidadãos para as vitimas dos incêndios, refiro-me a comandantes operacionais nos incêndios alguns já foram julgados e condenados.

RESPONDER

China parece ter controlado segunda vaga de coronavírus em 21 dias, sem registar mortes

A China parece ter controlado a segunda vaga de covid-19 após um surto que começou num mercado de Pequim, em junho, e que levou a pelo menos 328 novos casos e ao encerramento parcial da …

Guerra aberta pelo ouro da Venezuela em Inglaterra. Maduro ordena investigação ao "roubo"

Nicolás Maduro, Presidente da Venezuela, ordenou uma "investigação penal" ao que denomina "o roubo de ouro venezuelano" que está depositado no Banco Central de Inglaterra. Esta é a resposta do governante depois de o Tribunal …

Hospitais da Papua-Nova Guiné recusam atender grávidas. Médico aconselha mulheres a evitar gravidez

Um obstetra da Papua-Nova Guiné aconselhou as mulheres daquele país a não engravidarem nos próximos dois anos, revelando que o medo de transmissão do coronavírus tem levado os hospitais a recusarem atender grávidas. Segundo noticiou esta …

China vai encerrar gradualmente todos os mercados de aves vivas

A China vai fechar gradualmente todos os mercados onde aves vivas são vendidas, visando reduzir os riscos para a saúde pública, informou hoje a imprensa oficial. Chen Xu, alto funcionário da Administração Estatal de Regulação do …

Em 33 anos, Amazónia perdeu 72,4 milhões de hectares de floresta. O equivalente ao território do Chile

A floresta amazónica, presente em nove países da América do Sul, perdeu 72,4 milhões de hectares de cobertura vegetal entre 1985 e 2018, uma área equivalente ao território do Chile, segundo dados divulgados na quinta-feira …

Decisão do Reino Unido é "absurda", "errada" e "desapontante"

O chefe da diplomacia portuguesa considerou hoje a decisão do Reino Unido de excluir Portugal dos “corredores de viagem internacionais” como um “absurdo”, “errada” e que causa “muito desapontamento”, trazendo ainda graves consequências económicas e …

"Peixe racista". Estátua da Pequena Sereia novamente vandalizada

A icónica estátua da "Pequena Sereia" em Copenhaga, um dos monumentos mais famosos da Dinamarca, foi novamente vandalizada, ao ter sido pintada com uma frase antirracismo, divulgou hoje a polícia dinamarquesa. “A Pequena Sereia foi vandalizada …

Itália admite segunda vaga e defende restrições a viagens

Itália abriu esta terça-feira fronteiras aos viajantes de países que não integram o espaço europeu de livre circulação Schengen, mas com restrições. O ministro da Saúde de Itália afirmou, esta quinta-feira, não poder afastar uma segunda …

Menos férias e mais dias de aulas para quem não tem exames no próximo ano letivo

O próximo ano letivo vai ter menos dias de férias e mais dias de aulas para os alunos que não tenham exames. Os alunos terão aulas presenciais e aulas à distância. O ministro da Educação, Tiago …

FC Porto revela camisola para a próxima época (e as opiniões dividem-se)

O FC Porto revelou a camisola oficial do clube para a próxima temporada. Pelas redes sociais, as opiniões dividem-se, havendo quem não esteja satisfeito com a mudança. Os adeptos portistas acordaram esta sexta-feira com a imagem …