SwissLeaks cria mal-estar entre acionistas e jornalistas do Le Monde

As revelações do jornal francês Le Monde sobre um escândalo de fraude fiscal, envolvendo a filial suíça do banco britânico HSBC e designado Swiss Leaks, deterioraram as relações entre alguns acionistas da publicação, que as criticam, e a redação.

“Não foi para isto que lhes permiti serem independentes. São métodos que reprovo”, afirmou hoje o presidente do Conselho de Supervisão do Le Monde, Pierre Bergé.

Também Matthieu Pigasse, acionista da sociedade que publica o jornal e vice-presidente do Banco Lazard, pediu para que não se caia “na delação”, enquanto se dizia “orgulhoso” do trabalho de investigação “notável” dos jornalistas.

O diretor do jornal, Gilles Van Kote, retorquiu, observando que existe no Le Monde uma carta de ética, segundo a qual “os acionistas não têm palavra a dizer sobre os conteúdos editoriais“, e reafirmando a independência editorial da redação.

Esta tensão acontece um mês depois do triplo atentado mortal de Paris, que tomou por alvo designadamente os jornalistas do jornal satírico Charlie Hebdo.

Este atentado provocou um vasto debate que ultrapassou as fronteiras de França sobre a liberdade de expressão, que sempre ocorreu na sociedade francesa.

d.r. Henry Dehere / Le Monde

Gilles Van Kote, director do Le Monde: "os acionistas não têm palavra a dizer sobre os conteúdos editoriais"

Gilles Van Kote, director do Le Monde: “os acionistas não têm palavra a dizer sobre os conteúdos editoriais”

Desde segunda-feira que a filial suíça do Hong Kong and Shangai Banking Corporation (HSBC) está sob cobertura de vários meios de comunicação, que realizaram um inquérito comum sobre alegadas más práticas do banco.

As referidas más práticas terão permitido a milhares de clientes ricos, em particular empresários, personalidades políticas e membros do mundo do espetáculo, esconderem milhares de milhões de dólares para evitar pagar impostos.

O Le Monde teve acesso em janeiro de 2014 a centenas de milhares de dados internos do banco, com informações sobre mais de 106 mil clientes, de cerca de 200 países, da filial suíça do HSBC.

O jornal partilhou depois as suas informações com uma rede mundial de 150 jornalistas. O inquérito conduziu à divulgação de vários nomes e foi batizada SwissLeaks.

Os nomes só eram conhecidos pela justiça e algumas administrações fiscais, apesar de alguns já terem sido mencionados na comunicação social.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

É agora possível os robôs mexerem-se sozinhos, graças a novos polímeros de alta energia

Através do uso de novos polímeros que armazenam mais energia e são depois aquecidos, investigadores da Universidade de Stanford conseguiram colocar manequins a mexer os braços sozinhos. Era ver robots a mexer os braços sozinhos, pelo …

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …