Substância usada contra piolhos e lombrigas pode matar covid-19

herraez / Canva

Uma investigação realizada por cientistas australianos apurou que a Ivermectina, uma substância que é usada em medicina veterinária e contra vermes e piolhos nos humanos, pode ajudar no tratamento contra a Covid-19, impedindo que o vírus se reproduza nas células.

Esta pesquisa publicada na revista científica Antiviral Research aponta que a Ivermectina, que já existe em todo o mundo, “pode matar o vírus em 48 horas”, conforme o comunicado divulgado pelo Instituto de Descoberta Biomédica Monash, da Austrália, que participou no estudo.

“Uma simples dose” da substância pode impedir que o vírus “cresça na cultura das células”, apontam os investigadores depois de terem feito experiências com culturas celulares em laboratório.

A Ivermectina é a substância activa de vários medicamentos que vêm sendo utilizados, há décadas, como desparasitantes. Tem sido utilizada no tratamento de condições associadas a vermes e parasitas, nomeadamente lombrigas, piolhos e sarna, em humanos. Mas também é usado em medicina veterinária para o tratamento da sarna e de verminoses gastrointestinais.

Os medicamentos à base da substância actuam, geralmente, nos nervos e células dos parasitas. Em investigações feitas nos últimos anos, também se revelou eficaz contra vírus como o VIH, o Dengue, a Influenza e o Zika.

Agora pode ser um aliado contra o coronavírus, mas as conclusões finais dependem de “testes em ensaio pré-clínico e em ensaios clínicos”, como alertam os investigadores australianos, sublinhando que precisam de “financiamento urgente” para continuar a investigação.

Para já, os resultados indicam que “mesmo uma dose única, pode, essencialmente, remover todo o RNA viral em 48 horas e que, mesmo em 24 horas, houve uma redução significativa”, como aponta a investigadora Kylie Wagstaff que participou na pesquisa.

“A Ivermectina é muito utilizada e vista como um medicamento seguro“, salienta Wagstaff, lembrando, contudo, que “precisamos de perceber, agora, se a dose que se pode usar nos humanos será efectiva”.

O próximo passo será “determinar a dosagem humana correcta” de modo a assegurar que as medidas utilizadas e que se revelaram eficazes em laboratório, nas culturas de células, “são seguras para os humanos”, explica a investigadora.

Esta é uma possibilidade que traz uma nova esperança e que pode revelar-se uma solução “mais rápida” para “ajudar as pessoas” contra a pandemia. “Realisticamente, vai demorar algum tempo antes que uma vacina esteja disponível de forma alargada“, destaca Kylie Wagstaff.

A pesquisa resultou de uma parceria entre dois institutos que fazem investigação nas áreas da biomedicina e da imunidade, a Universidade de Melbourne e o Hospital Royal Melbourne e contou com a participação do médico Leon Caly que integrou a primeira equipa de investigadores fora da China que conseguiu isolar o SARS-COV2.

Kylie Wagstaff esteve também envolvida na pesquisa que detectou, em 2012, que a Ivermectina tinha propriedades anti-virais.

Apesar dos resultados promissores do estudo, é importante que tenha presente que o uso da Ivermectina tem efeitos secundários associados, não devendo ser utilizado sem prescrição médica.

Susana Valente SV, ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. É curioso a cura para a doença do coronavírus covid-19 já existe e foi desenvolvida pelo Prof. Didier Raoult, especialista número a nível mundial na área da Virologia, e consiste na composição de cloroquina + azitromicina.

    A Federação da Rússia (FR) já desenvolveu o seu medicamento baseado nessa composição desenvolvida com sucesso pelo Prof. Didier Raoult, a República Popular da China (RPC) também, bem como a República de Cuba (RC), e o presidente Donald Trump iniciou o mesmo tratamento nos Estados Unidos da América do Norte (EUA).

    P.S.: Após a cura para o coronavírus covid-19 ter sido desenvolvida pelo Prof. Didier Raoult e colocada à disposição, o regime de Macron e a indústria farmacêutica proibiram o seu uso.

    • Já vi que continua alheado da realidade e com pouca noção de como a ciência funciona. A “cura” encontrada pelo Dr. em questão não cura propriamente, apenas reduz os sintomas, e foi baseada num estudo com um número limitado de pessoas. O estudo está neste momento a tentar ser replicado por outros cientistas (incluindo cientistas financiados pelo “regime de Macron”), e se tais replicações tiverem sucesso, será certamente mais uma arma no arsenal contra o COVID-19. Só com replicação se conseguem isolar os factores responsáveis pela melhoria dos sintomas (coisas de estatística que provavelmente desconhece), sendo neste momento uma irresponsabilidade aplicar este tratamento a toda a gente, sem se ter bem noção da sua eficácia. Neste momento nada garante que o estudo que refere seja mais eficaz do que o estudo descrito esta notícia.

      Curiosa é a sua demonização do “regime de Macron” e elogios à Rússia, China e Cuba, essas esplendorosas e transparentes democracias que só dizem a verdade e nada mais do que a verdade, e cujos cidadãos vivem em liberdade plena. Diz muito da sua ligação com a realidade.

      • Você está a mentir, e os dados disponíveis por diversas entidades e estudos oficiais de âmbito internacional provam isso mesmo, bem como diversos artigos publicados em vários jornais internacionais.

        Quanto ao último parágrafo do seu comentário é completamente sem nexo, demonstrando claramente que você confunde tudo, ou então é mal-intencionado(a).

      • Está mais que provado que o tratamento do Prof. Didier Raoult, e como ele próprio reconhece, neste momento é o único tratamento acessível, é barato, e baseado num medicamento com mais de 40 anos de avaliação, e que está a salvar vidas!
        O Prof. Didier esclareceu e muito bem que o tratamento com hidroxicloroquina deve ser ministrado logo aquando da manifestação da Covid-19, e não como um último recurso!
        Salvo as raras exceções de Médicos ajuizados, a maioria dos clínicos segue o protocolo da DGS, ou seja a hidroxicloroquina é ministrada quando os doentes já estão com os pés para a cova!
        Mas há algum chico-esperto em Portugal cujo os conhecimentos cheguem aos calcanhares do Prof. Didier Raoult? Tão somente o melhor virulogista mundial!
        Estão à espera de quê? De ver mais portugueses a morrer desnecessariamente? À que processar a DGS e a sua diretora e mais responsáveis por homicídio por negligência! Já basta a irresponsabilidade de dizer aos portugueses para não usar máscara. Veja-se o caso da República Checa, onde o numero de infetados e óbitos é muito inferior a Portugal, e com uma população semelhante!
        Estamos entregues à bicharada!

        • Mais um caneirinho alienado, armado em chico-experto, mas que não percebe NADA de ciência!…
          Deixa-me adivinhar: tiraste o curo no Facebook ou no Youtube brasileiro??
          “Está mais que provado…”
          Mais que provado?!
          Enfim… a ignorância é mesmo atrevida!!

    • Passado um mês, chegou-se à conclusão que o famoso tratamento que sugere foi essencialmente descartado, pois não funciona. Na Rússia, médicos incómodos são atirados pela janela. Nos USA as pessoas morrem que nem tordos enquanto o presidente sugere que bebam lixívia. Mas o regime de Macron é que é mau. A realidade é uma chata.

  2. Se o sr. Figueiredo, seguidor das recomendações clínicas feitas por especialistas (nomeadamente pelo sr. presidente do Brasil que até apareceu na TV com um frasquinho de cloroquina à frente), diz que há cura e até sabe o nome do cientista, então quem somos nós – pessoas e médicos comuns – para contestar!?

RESPONDER

Serviços de inteligência desvalorizaram ameaça de invasão ao Capitólio

Os serviços de inteligência dos Estados Unidos subestimaram o perigo de invasão ao Capitólio, admitiram vários responsáveis durante uma audiência no Senado, realizada esta terça-feira. Depois da absolvição do antigo Presidente dos Estados Unidos, que estava …

Polícias que prestam serviço no 112 não recebem subsídio desde setembro

Os agentes e militares que fazem a triagem das chamadas do 112 não auferem a gratificação mensal pelo serviço prestado ao Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) desde setembro do ano passado. Segundo o Jornal de Notícias, …

Contrariando ordem judicial, Malásia deportou mais de mil pessoas para Myanmar

A Malásia entregou 1086 cidadãos que tinham fugido de Myanmar aos militares que organizaram o golpe de Estado de 01 de fevereiro, estando entre esses requerentes de asilo já registados oficialmente junto da Organização das …

Assassino da jornalista Daphne Caruana Galizia condenado a 15 anos de prisão

Vincent Muscat, um dos três homens acusados do assassínio, em outubro de 2017, da jornalista anticorrupção de Malta Daphne Caruana Galizia, foi condenado a uma pena de 15 anos de prisão pelo tribunal da La …

Venezuela avisa embaixadora da UE : tem 72 horas para abandonar o país

Isabel Brilhante Pedrosa, embaixadora da União Europeia, foi declarada persona non grata pelo Governo venezuelano e deverá abandonar o país. O Governo venezuelano notificou, esta quarta-feira, a embaixadora da União Europeia (UE), a portuguesa Isabel Brilhante …

Diplomacia da vacina. Israel doa doses à República Checa, que prometeu abrir representação diplomática em Jerusalém

A República Checa, que prometeu abrir representação diplomática em Jerusalém, já recebeu as vacinas de Israel. De acordo com o Público, Israel doou vacinas à República Checa, que prometeu abrir uma representação diplomática em Jerusalém; à …

Há uma "grande probabilidade" de variante de Manaus se tornar dominante em Portugal, diz Sociedade Brasileira de Virologia

A variante do SARS-CoV-2 detetada em dezembro em Manaus, no Brasil, pode vir a tornar-se dominante em Portugal, disse o presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, Flávio Guimarães da Fonseca, apesar de no momento ainda ser …

Voo humanitário para o Brasil chegou a custar mais de 1.350 euros

O Público avança que o bilhete de um "voo humanitário" da TAP para o Brasil estava a ser vendido por 837 euros no início desta terça-feira. Horas depois, os "últimos lugares" estavam a ser disponibilizados …

Afinal, grupo de trabalho para a vacinação no Parlamento não vai existir

Afinal, ao contrário do que foi avançado esta terça-feira, o grupo de trabalho que devia coordenar o processo de vacinação dos deputados não vai existir. A Assembleia da República esclareceu esta tarde, em comunicado, que não …

Novo estudo indica que coronavírus pode sobreviver na roupa até 72 horas

De acordo com um estudo britânico, o novo coronavírus pode sobreviver na roupa ao longo de até 72 horas. Os especialistas alertam que pode ainda ser transferido da roupa para outras superfícies. Um estudo da universidade …