Segurança Social trava acesso de “um número muito elevado de empresas” ao lay-off

Manuel de Almeida / Lusa

A Segurança Social está a barrar o acesso ao novo lay-off a “um número muito elevado de empresas” que estão encerradas face à pandemia do novo coronavírus.

A Segurança Social está a considerar que estas empresas fechadas não se encontram incluídas no grupo de estabelecimentos com entrada “garantida” por terem sido forçadas a parar a atividade pelo estado de emergência. De acordo com o ECO, a denúncia é da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), que defende que o lay-off simplificado “ainda não está estabilizado”.

Quem tem acesso a este regime são os empregadores num destes três tipos de crise empresarial: quebra da faturação de, pelo menos, 40% nos 30 dias anteriores face à média dos dois meses que precederam o pedido ou face ao período homólogo; paragem total ou parcial da atividade resultante da interrupção das cadeias de abastecimento ou da suspensão de encomendas; ou “encerramento total ou parcial da empresa ou estabelecimento, decorrente do dever de encerramento de instalações e estabelecimentos, previsto no Decreto n.º 2-A/2020, de 20 de março”.

A denúncia prende-se com este último ponto. O decreto 2-A de 2020 procede à execução da declaração do estado de emergência, determinando por um lado o encerramento de certas instalações e estabelecimentos (como museus e ginásios, por exemplo) e, por outro, a “suspensão de atividades no âmbito do comércio a retalho”.

A suspensão aplica-se a todas as atividade de comércio a retalho, à exceção dos estabelecimentos que disponibilizem bens essenciais e aqueles que pretendam “manter a respetiva atividade exclusivamente para efeitos de entrega ao domicílio ou disponibilização dos bens à porta do estabelecimento”.

Os estabelecimentos que não se encaixem nestas duas exceções estão, na prática, fechados. Contudo, a Segurança Social está a considerar que apenas as instalações que foram obrigadas a “encerrar” (como os museus e os ginásios) – e não a suspender – têm acesso ao lay-off simplificado.

A CCP refere que, neste entendimento, as empresas “suspensas” podem aceder ao novo lay-off se provarem quebra de faturação de 40% ou se estiverem em paragem por interrupção das cadeias de abastecimento, mas não podem usar a porta deixada aberta pelo Governo face ao estado de emergência.

Ao diário económico, Ana Vieira, secretária-geral da CCP, adianta que “a Segurança Social está a demonstrar uma visão muito restritiva da alínea a” do decreto-lei 10-G de 2020, deixando assim um “número muito elevado de empresas” fora do novo regime de lay-off.

Na prática, a Segurança Social entende que só as empresas encerradas têm direito ao novo lay-off. “O nosso entendimento sempre foi que encerramento ou suspensão, em termos práticos, são a mesma coisa.”

Estado poderá pagar salário a 35% dos trabalhadores

O ministro Siza Vieira estima que haverá um milhão de trabalhadores abrangidos pelo lay-off e, com base neste número, é possível concluir que o Estado pode vir a ter de pagar o salário a mais de um terço (35%) dos trabalhadores em Portugal nos próximos meses, segundo as contas do ECO com base nos dados do INE e do SIEP.

“Se um milhão de trabalhadores estiver em lay-off, que é um cenário que eu tenho há duas ou três semanas em perspetiva e que hoje em dia não acho que seja irrealista, isto significa mil milhões de euros por mês [em despesa do Estado]”, revelou o ministro da Economia, em entrevista ao Porto Canal.

Segundo os dados do INE, no final de 2019 havia 4,9 milhões de trabalhadores em Portugal. Segundo o Síntese Estatística do Emprego Público, nesse mesmo período havia 698 mil funcionários públicos (cerca de 14% da população empregada).

Ora, somando um milhão de trabalhadores abrangidos pelo lay-off ao número de funcionários públicos, os cofres públicos poderão vir a pagar o salário a quase 1,7 milhões de trabalhadores nos próximos meses.

Ainda assim, é de salientar que estes números se baseiam nas estatísticas do mercado de trabalho no final de 2019, o que não é equivalente aos dados que se vão verificar no final de março, dado que há muitas empresas a despedir trabalhadores.

1 em cada 10 não conseguiu pagar salários ou impostos

No mês de março, 9,3% das empresas não conseguiu cumprir obrigações salariais e fiscais, segundo o inquérito da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP). O mesmo relatório revela que a grande maioria das empresas vai avançar para alguma forma de ajuda disponibilizada pelo Estado, mas 66% queixam-se de imprevisibilidade das medidas devido à sua constante alteração.

Segundo a TSF, quatro em cada dez ponderam recorrer às linhas de crédito, e 38,3% indicam que vai aderir ao lay-off simplificado. Só 11% das inquiridas indica que, para já, não vai aceder a nenhuma medida de apoio.

Mais de metade (52,5%) das 162 empresas inquiridas afirma que vai pedir o fracionamento do pagamento de impostos, e 48,8% refere que vai diferir os pagamentos à segurança social. As firmas queixam-se também dos critérios de acesso ao pacote de ajuda, com 54,3% a considerar que a exigência da redução da faturação em 20% é um constrangimento grande.

Uma grande maioria (73,5%) sente o reflexo mais negativo da crise nas vendas no mercado nacional, enquanto 43,2% identificam os problemas de tesouraria como o maior constrangimento. Nos fatores de produção, 22,8% das companhias dizem estar a sentir dificuldades por causa de reduções do número de trabalhadores devido a problemas de saúde ou quarentena.

Segundo o documento, 35,2% das marcas referem que não conseguem sobreviver mais 30 dias sem receber um apoio de tesouraria. Há uma semanaberam 23%.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O Estado tem gerido muito mal toda esta situação. As empresas não sabem com o que podem contar. É pena que este Governo uma vez mais siga a estratégia de sempre. Promete, informa a conta-gotas, baralha tudo novamente, volta a dar, promete mais algumas coisas, não disponibiliza os meios para as pessoas/empresas usufruírem dessas medidas, diz que vai resolver os problemas operacionais,…
    Enfim, o designado empurra com a barriga. E felizmente o nosso PM tem uma boa barriga para isso.
    Pode ser que o tiro lhe saia pela culatra e vá suportar esses mesmos trabalhadores, que não quer agora apoiar no layoff, no subsídio de desemprego.

  2. O lay off é todo ele um instrumento de comédia.
    – primeiro era preciso que todos os colaboradores gozassem as férias de 2019 e 2020.
    – depois era preciso que as empresas demonstrassem quebra na facturação a 90 dias ou seja antes do vírus
    – alteraram para 60 dias
    – alteraram para 30 dias
    – agora nem sequer sabemos o que fazer aos subsidios de alimentação, remuneração variável em período de referência (se está ou não incluído)
    – antes não se pagava IRS em lay off, agora sim, descobrimos no jornal de negócios.
    – ninguém sabia quando seriam feitos os pagamentos das tranches do lay off, descobrimos através do Marques Mendes num comentário televisivo que seria a 28 de cada mês.
    – Agora nem sequer temos o ok do lay off nem tão pouco sabemos se o Lay off pode começar quando foi decretado o estado de emergência ou só quando q SS lhe apetecer.
    – Ao simular um lay off completo com uma redução de horário parcial descubro que quem trabalhar recebe o mesmo que quem não trabalhar.

    isto não cabe na cabeça de ninguem

    • Ó Miguel, mas achas que a ideia é mesmo ajudar de facto alguém???
      A sério que acreditas nisso???
      Acorda! Aqui a ideia é deixar a imagem, a imagem de que se faz alguma coisa.
      É mais ou menos como nos impostos: dá-se a ideia de que baixam e depois carregam onde for possível de modo a obter ainda mais receitas fiscais.
      Neste país há apenas uma classe que parece ter alguém que se preocupe com ela. Já deves saber que classe é…

RESPONDER

Organização dos Jogos Olímpicos estima cerca de sete casos diários

Os organizadores dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020 estimam que haverá cerca de sete casos de covid-19 por dia entre as pessoas envolvidas no evento, disse a emissora pública japonesa NHK. A estimativa foi …

Mais dois militares vão a julgamento por agressões em curso dos Comandos

Estão em causa dois cursos anteriores ao que levou à morte, em 2016, dos recrutas Hugo Abreu e Dylan da Silva. Um dos casos segue já para julgamento, o outro vai para a fase de …

Remodelação à vista (com saídas e trocas de pastas por "um Governo de combate")

O Governo de António Costa tem pela frente um mês de Julho decisivo que ficará marcado pela chegada dos fundos da bazuca europeia. E há dirigentes socialistas que acreditam que o primeiro-ministro deve aproveitar a …

Líderes da UE alertam Londres para respeitar acordo do Brexit

Os líderes da União Europeia (UE) alertaram o Governo britânico, este sábado, que os dois lados devem implementar o acordo do Brexit, numa reunião com o primeiro-ministro britânico à margem da cimeira do G7. A presidente …

Variante Delta está a crescer em Portugal. Lisboa e Vale do Tejo é a região mais afetada

As autoridades de saúde confirmam que já foi detetada, em Portugal, a transmissão comunitária da variante Delta do novo coronavírus. Esse cenário estará a ser mais evidente na região de Lisboa e Vale do Tejo. "Até …

Vírgula permite aos deputados receberem abono de exclusividade mesmo mantendo cargos em empresas

Um parecer da Comissão de Transparência permite aos deputados acumularem funções em empresas enquanto recebem o subsídio de exclusividade na Assembleia da República. Tudo por culpa de uma vírgula que desperta interpretações diversas. A situação é …

Grupo Espírito Santo só tem verbas para pagar 2,6% das dívidas

Os credores reclamam 11,5 mil milhões de euros em dívida, mas o império Espírito Santo só tem cerca de 300 milhões de euros. De acordo com o semanário Expresso, aquilo que resta do império Espírito Santo …

CTT reclamam dívidas de 67 milhões ao Estado

Os CTT iniciaram um processo de arbitragem contra o Estado, reclamando um total de 67 milhões de euros em compensações pelo impacto da pandemia de covid-19 e pela extensão unilateral do contrato de concessão. "Os CTT …

O candidato de Costa ao Porto só durou 24 horas (e a "asneira" pode sair-lhe cara)

Está lançada a confusão no PS Porto com a escolha do candidato do partido às próximas eleições autárquicas. O secretário de Estado da Mobilidade, Eduardo Pinheiro, não resistiu às reacções negativas à sua escolha para …

Mourinho Félix ao ataque. BdP "subjugou-se" à ex-ministra das Finanças

O antigo secretário de Estado Adjunto e das Finanças criticou, esta sexta-feira, a "falha grave" do Banco de Portugal (BdP) ao se ter subjugado à antiga ministra das Finanças quanto à capitalização inicial do Novo …