Foi por segundos que o Governo espanhol não mandou invadir o Parlamento catalão

Alberto Estevez / EPA

Confrontos entre catalães e a Guardia Civil espanhola durante protestos e referendo pela independência da Catalunha

Carles Puigdemont, afirmou que “sempre foi possível para a Catalunha outra solução que não a independência”. O líder catalão garantiu que trabalhou num melhor relacionamento entre Catalunha e Espanha, adaptado aos novos tempos, mas os seus esforços foram travados pela chegada ao poder de José María Aznar.

O porta-voz da ERC, Sergi Sabrià, por sua vez, disse na segunda-feira que a república declarada no parlamento catalão nunca chegou a existir de facto, porque o governo catalão não estava preparado para “a violência do Estado”.

O porta-voz do maior partido independentista é o favorito para as eleições de 21 de dezembro e explicou a necessidade que os independentistas tiveram de traçar uma linha vermelha: “O país e o governo não estavam preparados para fazer frente a um Estado autoritário e sem limites na hora de aplicar a violência”, relata o Sol.

Sergi Sabrià garante que a intenção dos independentistas era assumir a proclamação da república, mas que o governo espanhol fez saber que recorreria a todos os meios, mesmos os violentos, para a evitar: “Não queríamos comprovar com mortos” até onde podia chegar a resposta do Estado.

Ao mesmo tempo, a revista “Interviú” revela um plano militar. Segundo a publicação, caso a proclamação de independência fosse seguida de uma tentativa do governo catalão de concretizar a autodeterminação, o governo espanhol daria ordem para avançar com o “Plano C”.

O plano concretizava-se em assaltar o edifício da assembleia catalã com 300 agentes da unidade de elite da guardia Civil e Polícia Nacional, no dia 10 de outubro, quando Puigdemont foi ao palanque do parlamento catalão declarar a independência, para depois a suspender.

Além disso, o Governo espanhol contava enviar 250 agentes para expulsar a multidão que poderia estar concentrada à porta do edifício, e os restantes entrariam pelos esgotos e por meio de helicópteros. Segundo a revista espanhola, os efetivos dos Mossos d’Esquadra presentes no edifício receberam avisos claros para deixarem passar as unidades da polícia espanhola.

A “Interviú” afirma que este plano só seria posto em marcha se os manifestantes cercassem o parlamento para o proteger, se o governo se entrincheirasse lá e se a independência fosse proclamada. Nesse dia, Puigdemont suspendeu a independência e os manifestantes foram convocados para o Arco do Triunfo, a mais de 500 metros do parlamento.

ZAP //

9 COMENTÁRIOS

  1. Será que alguma vez deixaram de publicar notícias escandalosas e sem nenhuma base contrastável? Será tão difícil termos um jornalismo sério e menos notícia bombástica e digna de uma contra-informação? Julgo que como entretenimento para alguns já chega. Vamos ser sérios e deixar essas imaginações mais próprias de filmes do que de um país colega da nossa comunidade europeia como é a Espanha.

    • Completamente de acordo com a opinião do António Luis Crespí. Já chega de jornalismo (pseudo-jornalismo) sensacionalista. Bem sei que esse tipo e jornalismo é muito apetecido mas, se o argumento for unicamente o económico/financeiro, a essência do jornalismo (dar a conhecer a verdade com vista a que os leitores/ouvintes possam discernir e tomar atitudes baseadas em verdades e não em sensacionalismos) irá acabar

    • Portanto calamos a voz de 7 milhões de habitantes da Catalunha (menos 3 milhões que Portugal) em nome de um país colega da nossa comunidade europeia.
      Não estará o Antonio a sugerir algo na linha de uma ditadura?

      Pessoalmente sou contra a independência, mas em primeiro lugar não sou catalão (a minha opinião não conta) e em segundo todos devem ter o direito de se expressar, tal como o Reino Unido ou a Escócia, eles devem ter o direito de decidir o seu futuro.

      Devemos ter presente que os governos em estados democráticos existem para governar em nome dos cidadãos, bem como as leis e constituição existem para os/nos proteger.
      Quando um governo ignora a opinião de 7 milhões (independentemente se são ou não a favor da independência) e usa as leis e a constituição ou o recurso a violência, não me parece que esteja a proteger mas sim a oprimir.

      Para sua informação, vivo em Barcelona desde de 2010, tenho presenciado em primeira linha todos os acontecimentos. Estão na Catalunha mais de 3000 efectivos da Policia Nacional, ate à poucos dias eram mais de 6000, estão também helicópteros, carros de calibre militar blindados, e o uso de balas plásticas foi autorizado e aplicado.
      Não é noticia escandalosa e sem nenhuma base, mas sim factos, tal como um indivíduo ter ficado cego por ter sido atingido por uma das balas. (facto comprovado por imagens gravadas do acontecimento e pela cegueira do indivíduo)

      • Concordo com o seu comentário, que me parece claro, desapaixonado re justo.
        ‘Uns 300 policies espantols tenien l’ordre d’assltar el Parlament i detenir Puigdemont’ (de ‘Portugal com Catalunha Livre’). Não aconteceu por mero acaso. Em cima da carga policial sobre os votantes no referendo de 1-O?

  2. Obviamente ninguém fala de calar a boca, falamos de resolver o problema. Mas para resolver o problema é necessário falar e não dar espaço a notícias sem fundamento e absurdas. O senhor vive em Barcelona desde 2010, eu estou ligado a Barcelona desde muito antes do meu nascimento. Barcelona, como todo o Levante espanhol o sul de França e a costa Tirrénica são um ninho formidável de cosmopolitismo e cruzamento de civilizações. É necessário respeitar toda essa riqueza cultural e não impor opiniões ou ideias. É necessário dialogar sem apelar a acusações sem fundamento e teorias da conspiração.
    Espero continuar a partilhar a minha vida pelas terras catalãs sem medo a encontrar mais fronteiras das que já vou encontrando. Barreiras essas que a maior parte das vezes são o resultado de intransigências e lutas sem qualquer sentido. Para isso é necessário conciliar, e não incendiar sentimentos.

    • Como eu escrevi, também acho que a independência não faz sentido, mas não sou Catalão e não me sinto no direito de opinar ou tomar partido de um ou outro lado.

      O Antonio continua a usar frases como “notícias sem fundamento e absurdas”, esse é exatamente o problema da Cataluña, pessoas que vem os factos e os chamam de absurdos porque vai contra os seus desejos, eu também espero continuar na Cataluña sem fronteiras, VISADOS ou outros, sou a favor de uma europa unida e aberta, mas não ás custas de opressão nem de governos com interesses econômicos e agendas escondidas.
      Não me parece bem que o governo espanhol tenha instruído os governos da União europeia no que dizer, juntando isso ao abuso de força por parte da policia (são factos) e o uso da lei para não escutar a Catalunha e não permitir um referendo (também são factos), fica a parecer uma ditadura ou pelo menos não parece democracia.

      Como português fiquei envergonhado que o meu governo tomasse uma posição por interesses alheios e não os seus.

  3. O franquismo sem Franco, a opinião e o querer dos catalães não conta o que conta é a obsessão desmesurada dos espanhóis em manter o seu império à força pois foi pela força que submeteram os outros povos ibéricos debaixo da sua alçada.

  4. Desculpe Paulo mas todo este processo deve-se a que uns querem impor a sua opinião sobre outros. Não sei se já viu a notícia séria e fundamentada que hoje divulgou a Sª Marta Rovira, é um exemplo de como pode ser inventada uma notícia que não passa de uma mentira lamentável. Isto não é mais do que um exemplo do teatro do absurdo que já levamos anos a aturar sem qualquer razão. Os espanhóis não estão a oprimir nem maltratar ninguém. Contudo, se houve agressões ou injustiças há uma coisa que se chama justiça, não jornais sensacionalistas.
    Reconheço que já devia estar cansado de tanta imaginação e de tanto jornalismo baixo e ruim, amarelo e estereotipado. No entanto ainda há bom jornalismo, aquele que analisa as notícias, contrasta-as e investiga-as. Sim ainda existe seriedade perante tanto populismo falsário e, muitas vezes, xenófobo (neste caso contra os que não pensam como alguns).

    • Antonio,

      Acredite que muito provavelmente o não ganharia num referendo legal, o problema é que as noticias fazem parecer que tudo é sobre a Catalunha querer a independência e que estão todos divididos por aqui.
      Mas a realidade está que a grande maioria só quer votar e dar a sua opinião, não existe grande divisão.

      Infelizmente o Antonio, ainda que não sendo um catalão, tem uma opinião ja tomada, e qualquer noticia que lhe mostre factos que não lhe convém para a sua opinião, são noticias sensacionalistas.
      Por muito que continuemos a conversar sobre o tema, não chegamos a lado nenhum, eu não quero mudar a sua opinião, não tenho moral para tal, apenas gosto de debater factos, não fundamentalismos.

RESPONDER

Governo quer terrenos privados limpos até 15 de março

Os proprietários privados têm "até 15 de março" para limpar as áreas envolventes às casas isoladas, aldeias e estradas e, se não o fizeram, os municípios terão "até ao final de maio" para proceder a …

Uma explosão, segredos de Estado e rumores, mas ainda não há sinal do submarino

As buscas pelo submarino argentino ARA San Juan, que está desaparecido há oito dias, entraram numa fase crítica, quando as esperanças de encontrar a tripulação viva estão praticamente esgotadas. Sem pistas sobre o submarino, há …

Bancos aumentaram ganhos com as comissões pagas pelos clientes

A banca nacional facturou 1,62 mil milhões de euros em comissões líquidas, pagas pelos clientes, desde Janeiro até Setembro de 2017. Um valor que reflecte uma subida de 5,7% relativamente a 2016. Estes dados são avançados …

Violência doméstica: 18 mulheres assassinadas este ano

18 mulheres foram assassinadas e 23 foram vítimas de tentativa de homicídio em 2017, ano que apresenta a taxa mais baixa de incidência dos últimos 14 anos registada pelo Observatório das Mulheres Assassinadas (OMA). "É o …

Mais de um mês depois dos incêndios, dois homens continuam desaparecidos

Os incêndios de 15 de outubro fizeram mais de 40 mortos e, mais de um mês depois da tragédia, duas pessoas continuam desaparecidas. A PJ está a cargo das investigações, com o auxílio do Laboratório …

Decisão de mudar Infarmed para o Porto é ilegal

A decisão do Governo de mudar a sede do Infarmed de Lisboa é ilegal porque os trabalhadores não foram consultados sobre este processo. Um dado avançado pelo jornal i quando é certo que mais de …

Caso de legionella identificado em Coimbra

Um homem está internado no Hospital Geral (Covões) do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra com o vírus da legionella, disse à agência Lusa fonte da Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC). Segundo a mesma …

O fim do corte no subsídio de desemprego é meu!

Esta quarta-feira, foi aprovado o fim do corte de 10% no subsídio de desemprego, mas o que animou o debate foi a discussão entre PCP e Bloco de Esquerda sobre a proposta que deveria ser …

Governo admite que o preço da água pode subir

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, admitiu esta quinta-feira que o preço da água pode vir a subir, mas garante que as tarifas se vão manter no próximo ano, porque "já estão aprovadas". À …

Puigdemont renuncia à pensão de ex-presidente catalão e não aceita destituição

Carles Puigdemont renunciou à pensão a que tem direito como ex-presidente do governo catalão, não aceitando a sua destituição e considerando que ainda dirige o executivo "legitimo" daquela região espanhola. "O Estado continua a ser uma …