Rússia e África registam baixos números de infetados com a Covid-19. Estágio da doença e clima podem ser a justificação

Desde o início da pandemia, a COVID-19 já chegou a mais de 160 países, com surtos na China, na Coreia do Sul, em Itália, no Irão, em Espanha e em França, e com os números a aumentar nos Estados Unidos (EUA) e no Reino Unido. Contudo, a maior parte dos países do mundo relatou poucos ou nenhum caso.

Como notou Jeremy Rossman, professor em Virologia da Universidade de Kent, em Inglaterra, num artigo publicado no Conversation, embora seja provável que o vírus ainda não tenha atingido e iniciado a propagação em todos os países, muitos daqueles que registam casos significativos têm fortes ligações com a China.

A disseminação de uma doença infeciosa a partir do seu país de origem é um processo que envolve diferentes fatores, mas, na base, está relacionada com o movimento de pessoas. Existem vários parâmetros que podem ser usados ​​para estimar esse movimento: viagens (entrada e saída), migração, comércio e proximidade.

Tendo em consideração o número de casos coronavírus no contexto do fluxo de pessoas e mercadorias entre a China e outros países – com recurso a dados do dia 15 de março -, Rossman concluiu que é surpreendente existirem, àquela data, apenas 63 casos relatados em toda a Rússia. Esta quarta-feira, registam-se 147 casos.

Devido à forte ligação entre a China e a Rússia – ao nível de viagens, migração e comércio -, os números de casos registados neste último levantam algumas questões, especialmente porque outros países com relações comparativamente próximas (como o Japão, a Coreia do Sul e os EUA) têm uma propagação local expressiva.

Além disso, nos 15 países que compartilham fronteiras terrestres ou marítimas com a China, o número de casos é também baixo, destacando-se somente a Índia. Também nestes casos, continuou Rossman, por causa das relações comerciais e de viagens significativas com a China, o baixo nível de casos é surpreendente.

Além da Rússia, há outras regiões do mundo que relataram poucos casos de coronavírus. Existem várias razões possíveis para esse baixo número.

Uma delas prende-se com o facto de ainda estarmos nos estágios iniciais da pandemia da COVID-19. Outros dos motivos passam pelas fracas conexões e restrições de viagens, controle eficaz, ou a falta deste, nas fronteiras, o clima local ou até mesmo falhas na atualização de relatórios.

Muitos dos países em questão têm poucos voos para a China, situação potenciada pelas restrições chinesas no início do surto, que podem ter atrasado a chegada da COVID-19 a África. Nesse cenário, o número de casos pode aumentar significativamente nas próximas duas semanas devido à extensa transmissão em andamento de muitos países europeus com ligações de viagem ao continente africano.

Franck Robichon / EPA

No caso dos países com fortes ligações a China, houve desde cedo um extenso controle e vigilância de fronteiras, o que provavelmente controlou a propagação local da doença. Se essas medidas persistirem, esses países terão aumentos lentos nas próximas semanas.

Outro fator apontado por Rossman é que a maioria dos casos concentram-se a norte do trópico de câncer. O número de casos nos trópicos ou no hemisfério sul representa cerca de 1,3% da totalidade. Esta percentagem pode refletir as relações globais de viagens e comércio com a China ou os impactos do clima na transmissão da COVID-19.

Também é possível, continuou o autor, que a ampla gama de doenças infeciosas tropicais tenha ocultado a identificação de casos de COVID-19, que frequentemente apresentam sintomas leves e pouco específicos.

Se as conexões de viagem com a China forem o fator determinante, é provável que os casos aumentem nas próximas semanas. Se o clima está a afetar a transmissão do vírus, os mesmos podem permanecer baixos até temperaturas mais baixas chegarem ao hemisfério sul. Ou, ainda, se outras doenças estão a mascarar a COVID-19, o número de casos registados continuará baixo nesses países, embora os reais aumentem.

Os baixos níveis de casos relatados em muitos países podem dever-se ainda à falta de testes ou à falta de relatórios. Isso poderá levar a uma subnotificação do número de casos, comprometendo a capacidade de conter a pandemia. Como afirmou a Organização Mundial de Saúde (OMS), “não se pode combater um vírus se não se souber onde ele está. Encontre, isole, teste e trate todos os casos, para quebrar as cadeias de transmissão”.

Outros países podem simplesmente não ter a infraestrutura e os recursos necessários para realizar testes em larga escala, limitando a sua capacidade de controlar a doença no país e, potencialmente, criando pontos onde o vírus pode se espalhar de forma contínua.

Também é possível, continuou Rossman, que alguns países não estejam a relatar o real número de casos para preservar a sua reputação ou evitar dificuldades económicas que possam estar associadas às medidas de contenção.

Rossman salientou que, devido à estreita relação com a China, os números apresentados pela Rússia são surpreendentes. Apesar de ser possível que esses reflitam o controle nas fronteiras, existe a possibilidade de haver falha nos relatórios. Esse fator, combinado com as evidências recentes que o país esteve por trás de campanhas de desinformação sobre o COVID-19, podem causam preocupação, concluiu.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Entre o registo oficial e realidade vai uma grande diferença, principalmente em ditaduras como a Rússia ou países manhosos de Africa!…

    • Calcula-se que haja desde julho 2019, mais de 100 mil mortos e infectados gringos!…
      O feitiço sempre se vira contra o feiticeiro!!..

      • acho piada às teorias da conspiração para inteligentes, e aos que aproveitam para destilar os seus ódios anti-américa ou anti-china.
        mesmo que fosse esse o caso de serem a china ou os EUA culpados, eles seriam sempre os principais sobreviventes e os que adoram mandar-lhes bocas ja ca não estariam para continuar a destilação dos seus odiozinhos impotentes

        • Se em vez de gozares das teorias da conspiração (e de quem nelas acredita) te informasses bem acerca das mesmas e refletisses sobre a realidade miserável deste mundo, tenho a certeza que acabarias chegando as mesmas conclusões que eu cheguei. Comecei sendo cético em relação a certos assuntos e hoje tenho outra maneira de ver a realidade onde todos nós vivemos.
          Não precisas de me responder. Recuso-me a ler outro comentário tosco como o que já escreveste aqui nesta página. Gente de mente limitada e que julgam que sabem tudo sem questionar nada, como aliás parece ser bem o teu caso, só lhes tenho a desejar rápidas melhoras, porque pessoas como tu que julgam precipitadamente que tudo não passa de meras teorias da conspiração e ainda gozam dos outros, vivem ‘adormecidos’ mesmo quando estão de olhos abertos, enquanto que pessoas como eu, bem informadas acerca desta realidade sinistra, estão atentas e despertas mesmo com os olhos fechados a dormir! Abra a sua mente e não se deixe iludir…

  2. Em África as condições de desenvolvimento não sustentado dos vírus são de tal ordem que os vírus comem-se uns aos outros criando assim uma base imunológica de desenvolvimento puramente ecológico isto é, sem intervenção de químicos. É um caso a estudar pelos ecologistas.

  3. Os números apresentados, hoje 20/03/2020, por alguns países como a Rússia (253 casos para 146 milhões de habitantes) e Índia (249 casos para 1380 milhões de habitantes), só para referir estes dois não podem estar certos. Só podem estar a esconder os números reais, se é que os têm.

    • Eles não têm números certos: por um lado porque não conseguem por simples falta de meios e por outro porque não lhes interessa muito divulgar esses pormenores, para não lançar o pânico geral na enorme população que têm de controlar!

RESPONDER

Tal como os humanos, há animais que podem sofrer ataques cardíacos (mas é raro)

Todos os dias milhões de pessoas no mundo são vítimas de ataques cardíacos. Mas será possível que também os animais possam passar por isto? Um ataque cardíaco ocorre quando um vaso sanguíneo que distribui sangue oxigenado …

Antigos corais revelam terramoto em "câmara lenta". Durou 32 anos

Uma equipa de investigadores descobriu um terramoto em "câmara lenta" que durou 32 anos - o mais lento já registado. O sismo levou eventualmente ao catastrófico terramoto de Sumatra em 1861. Terramotos de "câmara lenta" ou …

Astrónomos encontram uma das mais antigas estrelas do Universo

Uma equipa de investigadores descobriu uma estrela gigante vermelha a 16 mil anos-luz de distância que parece ser um membro da segunda geração de estrelas do Universo. Embora tenhamos uma boa compreensão da forma como o …

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …