Rússia e África registam baixos números de infetados com a Covid-19. Estágio da doença e clima podem ser a justificação

Desde o início da pandemia, a COVID-19 já chegou a mais de 160 países, com surtos na China, na Coreia do Sul, em Itália, no Irão, em Espanha e em França, e com os números a aumentar nos Estados Unidos (EUA) e no Reino Unido. Contudo, a maior parte dos países do mundo relatou poucos ou nenhum caso.

Como notou Jeremy Rossman, professor em Virologia da Universidade de Kent, em Inglaterra, num artigo publicado no Conversation, embora seja provável que o vírus ainda não tenha atingido e iniciado a propagação em todos os países, muitos daqueles que registam casos significativos têm fortes ligações com a China.

A disseminação de uma doença infeciosa a partir do seu país de origem é um processo que envolve diferentes fatores, mas, na base, está relacionada com o movimento de pessoas. Existem vários parâmetros que podem ser usados ​​para estimar esse movimento: viagens (entrada e saída), migração, comércio e proximidade.

Tendo em consideração o número de casos coronavírus no contexto do fluxo de pessoas e mercadorias entre a China e outros países – com recurso a dados do dia 15 de março -, Rossman concluiu que é surpreendente existirem, àquela data, apenas 63 casos relatados em toda a Rússia. Esta quarta-feira, registam-se 147 casos.

Devido à forte ligação entre a China e a Rússia – ao nível de viagens, migração e comércio -, os números de casos registados neste último levantam algumas questões, especialmente porque outros países com relações comparativamente próximas (como o Japão, a Coreia do Sul e os EUA) têm uma propagação local expressiva.

Além disso, nos 15 países que compartilham fronteiras terrestres ou marítimas com a China, o número de casos é também baixo, destacando-se somente a Índia. Também nestes casos, continuou Rossman, por causa das relações comerciais e de viagens significativas com a China, o baixo nível de casos é surpreendente.

Além da Rússia, há outras regiões do mundo que relataram poucos casos de coronavírus. Existem várias razões possíveis para esse baixo número.

Uma delas prende-se com o facto de ainda estarmos nos estágios iniciais da pandemia da COVID-19. Outros dos motivos passam pelas fracas conexões e restrições de viagens, controle eficaz, ou a falta deste, nas fronteiras, o clima local ou até mesmo falhas na atualização de relatórios.

Muitos dos países em questão têm poucos voos para a China, situação potenciada pelas restrições chinesas no início do surto, que podem ter atrasado a chegada da COVID-19 a África. Nesse cenário, o número de casos pode aumentar significativamente nas próximas duas semanas devido à extensa transmissão em andamento de muitos países europeus com ligações de viagem ao continente africano.

Franck Robichon / EPA

No caso dos países com fortes ligações a China, houve desde cedo um extenso controle e vigilância de fronteiras, o que provavelmente controlou a propagação local da doença. Se essas medidas persistirem, esses países terão aumentos lentos nas próximas semanas.

Outro fator apontado por Rossman é que a maioria dos casos concentram-se a norte do trópico de câncer. O número de casos nos trópicos ou no hemisfério sul representa cerca de 1,3% da totalidade. Esta percentagem pode refletir as relações globais de viagens e comércio com a China ou os impactos do clima na transmissão da COVID-19.

Também é possível, continuou o autor, que a ampla gama de doenças infeciosas tropicais tenha ocultado a identificação de casos de COVID-19, que frequentemente apresentam sintomas leves e pouco específicos.

Se as conexões de viagem com a China forem o fator determinante, é provável que os casos aumentem nas próximas semanas. Se o clima está a afetar a transmissão do vírus, os mesmos podem permanecer baixos até temperaturas mais baixas chegarem ao hemisfério sul. Ou, ainda, se outras doenças estão a mascarar a COVID-19, o número de casos registados continuará baixo nesses países, embora os reais aumentem.

Os baixos níveis de casos relatados em muitos países podem dever-se ainda à falta de testes ou à falta de relatórios. Isso poderá levar a uma subnotificação do número de casos, comprometendo a capacidade de conter a pandemia. Como afirmou a Organização Mundial de Saúde (OMS), “não se pode combater um vírus se não se souber onde ele está. Encontre, isole, teste e trate todos os casos, para quebrar as cadeias de transmissão”.

Outros países podem simplesmente não ter a infraestrutura e os recursos necessários para realizar testes em larga escala, limitando a sua capacidade de controlar a doença no país e, potencialmente, criando pontos onde o vírus pode se espalhar de forma contínua.

Também é possível, continuou Rossman, que alguns países não estejam a relatar o real número de casos para preservar a sua reputação ou evitar dificuldades económicas que possam estar associadas às medidas de contenção.

Rossman salientou que, devido à estreita relação com a China, os números apresentados pela Rússia são surpreendentes. Apesar de ser possível que esses reflitam o controle nas fronteiras, existe a possibilidade de haver falha nos relatórios. Esse fator, combinado com as evidências recentes que o país esteve por trás de campanhas de desinformação sobre o COVID-19, podem causam preocupação, concluiu.

ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Entre o registo oficial e realidade vai uma grande diferença, principalmente em ditaduras como a Rússia ou países manhosos de Africa!…

    • Calcula-se que haja desde julho 2019, mais de 100 mil mortos e infectados gringos!…
      O feitiço sempre se vira contra o feiticeiro!!..

      • acho piada às teorias da conspiração para inteligentes, e aos que aproveitam para destilar os seus ódios anti-américa ou anti-china.
        mesmo que fosse esse o caso de serem a china ou os EUA culpados, eles seriam sempre os principais sobreviventes e os que adoram mandar-lhes bocas ja ca não estariam para continuar a destilação dos seus odiozinhos impotentes

        • Se em vez de gozares das teorias da conspiração (e de quem nelas acredita) te informasses bem acerca das mesmas e refletisses sobre a realidade miserável deste mundo, tenho a certeza que acabarias chegando as mesmas conclusões que eu cheguei. Comecei sendo cético em relação a certos assuntos e hoje tenho outra maneira de ver a realidade onde todos nós vivemos.
          Não precisas de me responder. Recuso-me a ler outro comentário tosco como o que já escreveste aqui nesta página. Gente de mente limitada e que julgam que sabem tudo sem questionar nada, como aliás parece ser bem o teu caso, só lhes tenho a desejar rápidas melhoras, porque pessoas como tu que julgam precipitadamente que tudo não passa de meras teorias da conspiração e ainda gozam dos outros, vivem ‘adormecidos’ mesmo quando estão de olhos abertos, enquanto que pessoas como eu, bem informadas acerca desta realidade sinistra, estão atentas e despertas mesmo com os olhos fechados a dormir! Abra a sua mente e não se deixe iludir…

  2. Em África as condições de desenvolvimento não sustentado dos vírus são de tal ordem que os vírus comem-se uns aos outros criando assim uma base imunológica de desenvolvimento puramente ecológico isto é, sem intervenção de químicos. É um caso a estudar pelos ecologistas.

  3. Os números apresentados, hoje 20/03/2020, por alguns países como a Rússia (253 casos para 146 milhões de habitantes) e Índia (249 casos para 1380 milhões de habitantes), só para referir estes dois não podem estar certos. Só podem estar a esconder os números reais, se é que os têm.

    • Eles não têm números certos: por um lado porque não conseguem por simples falta de meios e por outro porque não lhes interessa muito divulgar esses pormenores, para não lançar o pânico geral na enorme população que têm de controlar!

Responder a Eu! Cancelar resposta

Já foram assassinadas 30 mulheres este ano, metade por violência doméstica

O Observatório das Mulheres Assassinadas (OMA) contabilizou 30 mulheres assassinadas entre 1 de janeiro e o dia 15 de novembro, 16 das quais em contexto de relações de intimidade, um valor abaixo das 21 registadas …

Netanyahu terá visitado Arábia Saudita (e reunido com Mike Pompeo e o príncipe herdeiro em segredo)

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, terá viajado no domingo em segredo à Arábia Saudita para se encontrar com o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, divulgaram esta segunda-feira vários meios de comunicação de Israel. De acordo …

Arguidos no processo da queda da árvore na Madeira vão a julgamento

O Tribunal da Comarca da Madeira decidiu, esta segunda-feira, após a fase de instrução, levar a julgamento os dois arguidos no caso da queda da árvore no Funchal que, em agosto de 2017, provocou a …

Ausência de máscara na via pública dá multa a pelo menos 7 pessoas por dia

Entre 28 de outubro e 16 de novembro, a GNR e a PSP aplicaram 825 coimas por incumprimento relativo ao uso de máscara, sendo que mais de 130 foram por falta dela na via pública. De …

França cria "crime de ecocídio" para punir danos graves ao ambiente

A ministra da Transição Ecológica, Barbara Pompili, e o ministro da Justiça de França, Eric Dupont-Moretti, anunciaram a criação do "crime de ecocídio", que visa prevenir e punir os danos graves ao ambiente. Ao Journal du Dimanche, explicaram …

BCE reitera que retoma económica só em 2022 (e "enfraquecida")

Para Philip Lane, economista-chefe do Banco Central Europeu, a vacina traz uma perspetiva para o final do próximo ano e para 2022, mas não para os próximos seis meses. O economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE), …

Ventura notificado para apresentar defesa em processo por discriminação

A Comissão para a Igualdade e contra a Discriminação Racial (CICDR) notificou André Ventura para apresentar a sua defesa na sequência de alegadas declarações de carácter discriminatório em relação à etnia cigana no Facebook. A comissão …

UNICEF prepara maior operação da história para administrar dois mil milhões de vacinas

A UNICEF anunciou hoje que está a analisar a logística de transporte de cerca de dois mil milhões de vacinas contra a covid-19 para 92 países e que esta será a maior operação internacional da …

China deteta surtos em três cidades e impõe bloqueios e milhões de testes

As autoridades chinesas estão a testar milhões de pessoas, a impor bloqueios e a fechar escolas depois de vários casos do novo coronavírus transmitidos localmente terem sido diagnosticados nos últimos dias, em três cidades. À medida …

Joe Biden escolhe Antony Blinken para secretário de Estado

O Presidente-eleito escolheu Antony Blinken - um dos seus assessores mais antigos e mais próximos de Joe Biden - para o cargo de secretário de Estado, decisão que ainda terá de ser validada pelo Senado …