/

Rio desafia Governo a atuar sobre evolução “dramática” da taxa de mortalidade

4

Mário Cruz / Lusa

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio

O presidente do PSD desafiou hoje o Governo a atuar sobre a evolução “absolutamente dramática” da taxa de mortalidade em Portugal, com o primeiro-ministro a responder com um estudo preliminar que a liga ao aumento das ondas de calor.

Na primeira intervenção no novo modelo de debates com o Governo, Rui Rio disse querer trazer um tema que considera “o mais importante que poderia trazer” e apontou números que considerou provarem que “o PS e o Governo concentraram o Serviço Nacional de Saúde (SNS) nos esforços de combate à pandemia”.

“O que acontece é que a taxa de mortalidade em Portugal tem evoluído de forma absolutamente dramática”, afirmou, concretizando que entre 02 de março e 20 de setembro morreram 64.100 pessoas, “mais 7.100 óbitos do que foi a média dos últimos cinco anos”, um aumento de 12,5%, e destes só 1.920 eram atribuíveis à covid-19.

“Posso facultar um estudo preliminar sobre o excesso da mortalidade de janeiro a junho onde se refere, em particular, a incidência da elevada temperatura e das ondas de calor como podendo haver uma correlação”, começou por responder António Costa.

O presidente do PSD enumerou depois vários números sobre a quebra assistencial no SNS, quer nas urgências, quer nas consultas, quer nos exames.

“Fora do hospital, as mortes foram mais 27% do que o normal. O problema está na falta de assistência”, apontou.

No entanto, o primeiro-ministro voltou a invocar o mesmo estudo preliminar para negar esta conclusão do presidente do PSD.

“O estudo concluiu que não há uma correlação entre a quebra da atividade e o aumento do número de óbitos registado neste período”, disse, embora reconhecendo que, com a pandemia de covid-19, houve uma “quebra muito significativa” na atividade assistencial na saúde.

Questionado por Rio quando cumprirá o Governo a promessa de todos os portugueses terem médico de família, António Costa admitiu que o executivo ainda não alcançou esse objetivo, mas adiantou que no próximo dia 10 mais 435 médicos de saúde familiar passarão a integrar o SNS.

“Estamos aqui num debate político entre oposição e Governo, mas para mim o que é mais importante é, através deste debate, sensibilizar o Governo a atuar nesta matéria”, desafiou Rio.

Nesta primeira ronda do debate, o presidente do PSD gastou todos os seus nove minutos disponíveis com este tema (e até ultrapassou o tempo, que descontará na segunda ronda), com António Costa a deixar quase seis minutos por usar nas respostas ao líder do PSD.

Rui Rio detalhou que, nos primeiros sete meses do ano, houve nos hospitais menos um milhão de consultas médicas, número que, nos centros de saúde, essa quebra foi superior a 4,7 milhões de consultas.

“Houve centros de saúde fechados, outros abertos que empurraram para o atendimento telefónico e depois as pessoas queixam-se que ninguém atende. Se calhar nós todos nesta sala temos condições para nos desenrascarmos numa situação destas, mas o grosso das pessoas não se consegue livrar destes problemas”, alertou.

Rui Rio questionou “que ações em concreto” estavam a ser desenvolvidas pelo Ministério da Saúde para ultrapassar estes números, dizendo que, se nada for feito, em 31 de dezembro haverá “menos 10 milhões de consultas presenciais” nos centros de saúde e “mais 12.800 a 13.000 mortes”, das quais 9.500 sem relação com a covid-19.

O líder do PSD apontou ainda quebras preocupantes nos rastreios oncológicos, alertando que haver listas de espera para estes doentes significa, na maioria dos casos, “uma autêntica condenação à morte”.

“Obviamente que é um tema que a todos tem de preocupar, mas os IPO [Instituto Português de Oncologia] nunca pararam a sua atividade e não foram hospitais de resposta à covid, precisamente para não afetar a sua atividade”, respondeu o primeiro-ministro.

  // Lusa

4 Comments

  1. O senhor Rui Rio só não nos diz se fosse governo onde concentrava o SNS se não era também na Pandemia como todos os Pais pelo Mundo fizeram ele sabe melhor que o cidadão Comum que Portugal há décadas que tem falta de profissionais de Saúde com a Pandemia não houve até hoje um único País que não se tivesse a debater com falta desses profissionais, nós como cidadãos queríamos era ouvir o que o senhor propões para melhorar Portugal e a vida dos portugueses.

    • o fim do xuxalimo por si já é uma resposta e garantia do senhor Rui Rio para que tudo seja melhor. A falta de profissionais não é real, apenas um reflexo das ultimas decadas em que os medicos do publico fugiram para o serviço privado. Porque que o governo optou por manter a resposta a covid toda no publico? nao se sabe mas dizem que investiam muito… interesses xuxalistas. Mas é ver as despesas com remunerações, subsidios e contratos do portal base da administraçao publica central e local nos ultimos 5 anos e percebe-se para onde vai o dinheiro.

    • Falta de profissionais o tanas !!! Falta é produtividade, organização e liderança.

      Também faltam sempre polícias ! É que se o rácio for um polícia para cada cidadão nunca haverá polícias suficientes.

  2. O Rui Rio começou muito bem, com a retorica de que 1º estava Portugal, acima dos interesses do PSD, continuou em alta, com esta argumentação de salvador da Pátria, até que foi convencido pelos Tachistas do PSD a mudar para uma argumentação oportunista, populista como se os Portugueses ainda estivessem naquela mentalidade partidária como a clubista, em que por exemplo o benfiquismo, ora esse tempo (do Cavaquismo, Jardinismo, Soarismo, etc.) já passou, as Pessoas estão mais cultas e maduras politicamente, hoje as pessoas valem por os atos, e com franqueza levantar bandeiras com cheiro a podre, fazer lembrar a inesquecível, quer queiramos ou não, de má memoria, politica e argumentação dos tempos de Passos Coelho, só pode dar para cavar a cova mais fundo, e ou o Rui Rio larga esses conselheiros Obcecados que apenas estão apressados pelo Tacho, ignorar os concelhos do Jardim, e seguir a sua própria politica e ideias, ou dará um trambolhão de todo o tamanho, os mesmos conselhos já foram dados ao Moedas que teve uma posição classificada de oportunismo com o descalabro dos Sportinguistas, onde perdeu já muitas intenções de voto, estas formas de fazer politica estão ultrapassadas já não se é PSD ou PS porque é PSD ou PS, hoje ganha-se eleições pela qualidade que se demonstra, não pelas criticas que se faz, e assim sendo estas sondagens, a margem de distancia até podem estar erradas por defeito, não estranho que seja muito superior, ou o RR retorna ás suas ideias, do politico diferente ou o PSD com ou sem Rui Rio apaga-se.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE