Apenas cinco dos 18 ministros de Passos Coelho estão na política

Volvidos três anos do término do governo liderado por Pedro Passos Coelho, apenas quatro dos seus ministros se mantiveram ativamente na vida política. Por onde andam e o que fazem os restantes membros do controverso mandato?

Líder da oposição durante um ano antes de se tornar primeiro-ministro, Passos Coelho assumiu o XIX Governo Constitucional em junho de 2011, com o apoio de Paulo Portas, então líder do CDS-PP, mantendo-se quatro anos à frente de um governo controverso, marcado pela subida de impostos e pela austeridade. Hoje em dia, afastado da esfera política, leciona na Universidade Lusíada de Lisboa.

Mas não foi só o ex-primeiro-ministro que deixou de exercer cargos políticos. A verdade é que apenas quatro dos 18 ministros que compuseram o Governo entre 2011 e 2015 mantêm-se ativamente na vida política. Os restantes dividem-se entre o ensino e a vertente empresarial, com uma parte significativa a ocupar cargos em instituições nacionais e internacionais de relevo.

Paulo Portas – ex-líder do CDS-PP, foi ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros e, de seguida, vice-primeiro-ministro do governo de Passos Coelho. Retirou-se da política em junho de 2016, passando a dirigir o Conselho Internacional da Mota-Engil. Atualmente, é vice-presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP) e comentador semanal na TVI.

Rui Machete – o advogado e um dos fundadores do PSD substituiu Paulo Portas como ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros. Em 2018, presidiu a Comissão Nacional da candidatura de Santana Lopes nas eleições para a liderança do PSD. Continua como conselheiro sénior na sociedade de advogados CMS Rui Pena & Arnaut.

Vítor Gaspar – economista e professor universitário, foi ministro do Estado e das Finanças do governo de Passos Coelho até 2013, altura em que se demitiu. É, correntemente, diretor do departamento dos Assuntos Orçamentais do FMI.

Maria Luís Albuquerque – economista e professora universitária, assumiu funções de ministra de Estado e das Finanças. Atualmente, a também deputada do PSD é administradora não executiva do grupo inglês Arrow Global, que detém empresas de gestão de carteiras de crédito e imobiliário.

José Pedro Aguiar-Branco – o advogado, que liderou a pasta da Justiça no governo de Santana Lopes (2004-2005), foi ministro da Defesa Nacional durante o mandato de Passos Coelho. É, na atualidade, coordenador da área de prática de arbitragem e mediação na JPAB – José Pedro Aguiar-Branco Advogados, sociedade da qual é fundador.

Miguel Macedo – assumiu a pasta da Administração Interna, entre junho de 2011 e novembro de 2014, demitindo-se na sequência da Operação Labirinto. O advogado foi acusado pelo Ministério Público, em 2015, pela prática de prevaricação de titular de cargo político e tráfico de influências. A 21 dezembro deste ano ouvirá a decisão sobre o acórdão, arriscando-se a uma pena não superior a cinco anos.

Anabela Rodrigues – a professora universitária foi a primeira mulher a tornar-se ministra da Administração Interna, ocupando o cargo após a demissão de Miguel Macedo. Integra o Conselho Científico da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, que presidiu antes de subir ao governo.

Paula Teixeira da Cruz – advogada, foi ministra da Justiça no governo de Passos Coelho, sendo, atualmente, deputada do PSD.

Miguel Relvas – antigo secretário-geral do PS, foi ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares no governo de Passos Coelho até 2013, pedindo a demissão no seguimento do escândalo que envolveu a Universidade Lusófona. Em junho de 2016, viu anulado o seu grau de licenciado. Hoje em dia, é diretor de Política e Sustentabilidade na empresa norte-americana Dorae, especializada em blockchain.

Miguel Poiares Maduro – professor universitário, foi ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional. É, por esta altura, diretor da School of Transnational Governance do Instituto Universitário Europeu e colunista.

Luís Marques Guedes – foi secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, até abril de 2013, data em que subiu a ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, após a saída de Miguel Relvas. É deputado do PSD.

Álvaro Santos Pereira – economista, jornalista e romancista, foi ministro da Economia e do Emprego até junho de 2013. No ano seguinte, tornou-se diretor de estudos específicos do departamento da OCDE. No início de 2018 subiu a economista-chefe interino, cargo que, entretanto, deixou de ocupar em junho.

António Pires de Lima – o economista e empresário foi ministro da Economia entre junho de 2013 e outubro de 2015. Fundou, em 2016, a Best Anchor Capital & Services, sendo, agora, parceiro de operações e conselheiro de vários grupos empresariais. Paralelamente, é administrador não executivo da Fundação Serralves e da Media Capital.

Assunção Cristas – jurista e professora, foi ministra da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território. É presidente do CDS-PP desde março de 2016. Candidata à Câmara Municipal de Lisboa, conseguiu, nas autárquicas de 2017, o melhor resultado de sempre para o partido (em coligação com o MPT e o PPM), com 20,57% dos votos.

Jorge Moreira da Silva – engenheiro eletrotécnico e escritor, foi ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, durante dois anos, até ao fim do mandato. É, na atualidade, diretor-geral de Desenvolvimento e Cooperação da OCDE.

Paulo Macedo – antigo Diretor-Geral dos Impostos (entre 2004 e 2007), foi ministro da Saúde do governo de Passos Coelho durante o seu governo. Ocupa, desde 2016, o cargo de diretor executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Nuno Crato – o matemático ocupou o cargo de ministro da Educação e Ciência, mantendo, atualmente, as funções de escritor, colunista e professor na Universidade de Lisboa.

Pedro Mota Soares – advogado e professor na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, foi o ministro da Solidariedade e da Segurança Social. Em outubro de 2017 foi eleito presidente da Assembleia Municipal de Cascais, sendo também deputado do CDS.

Além dos cinco ministros que se mantiveram como deputados, seis ocupam altos cargos em entidades públicas ou privadas – como o FMI, a OCDE e a CGD -, dois fazem parte da administração de grupos empresariais e um está à frente de um instituto europeu de ensino superior.

Taísa Pagno , ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Teegarden B e C. Descobertos mais dois planetas que podem albergar vida

Cientistas de vários países identificaram mais dois planetas que consideram poder albergar vida, com climas temperados, semelhantes à Terra e que podem conter água líquida à superfície. A equipa da universidade alemã de Göttingen utilizou vários …

Ministério Público abre investigação a Juan Guaidó por corrupção

O Ministério Público da Venezuela anunciou a abertura de uma investigação penal contra Juan Guaidó por suspeita de corrupção relacionada com fundos para assistência a cidadãos venezuelanos na Colômbia. O anúncio foi pelo procurador-geral designado pela …

Cientistas descobrem no veneno de escorpião antibiótico contra tuberculose

Químicos no veneno podem combater estirpes resistentes da tuberculose e a bactéria causadora da pneumonia e septicemia. Veneno pode ainda travar o crescimento de células cancerígenas. Cientistas descobriram no veneno de escorpião antibióticos contra a tuberculose …

Câmara de Lisboa já cobrou 17 mil euros por trotinetas mal-estacionadas

A Polícia Municipal de Lisboa cobrou 17.145 euros em coimas por trotinetas mal-estacionadas, entre fevereiro e o início de junho, tendo removido 1.820 veículos do centro da cidade nos últimos cinco meses. "A verificação das infrações …

Berardo mostra-se "incrédulo com falta de memória" de Constâncio

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP) disse, esta terça-feira, que Joe Berardo mentiu no Parlamento sobre alegadas reuniões entre ambos. O empresário, por sua vez, mostra-se "incrédulo com a sua falta de memória". "Tudo isso é …

Marcelo diz que foi "sensato" não incluir pergunta sobre origem étnico-racial no Censos 2021

O Presidente da República considerou que foi uma decisão sensata não incluir no Censos 2021 uma pergunta sobre a origem étnico-racial dos cidadãos, face ao debate gerado, embora a ideia fosse boa. "Acho que foi uma …

Esfinge gigante de Ramsés II vê a luz do dia ao fim de quase 100 anos

https://vimeo.com/343091742 Uma enorme esfinge do faraó egípcio Ramsés II viu finalmente a luz do dia, no passado dia 12 de junho, depois de ter sido recolocada através de um sistema monumental que a fez "flutuar" pelo …

Vai baixar o custo das chamadas para números começados por 707 e 708

A Anacom anunciou uma descida de 48% no preço máximo das chamadas de telemóvel para números começados por 707 e 708, e de 10% para telefone fixo. A decisão da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) de baixar os …

PSG abre a porta a Neymar (e o Barcelona não a fecha)

Depois de o eventual regresso de Neymar ao Barcelona ecoar na imprensa desportiva, o presidente do Paris Saint Germain, Nasser Al-Khelaifi quebrou o silêncio sobre o jogador brasileiro. Em entrevista à France Football, o presidente …

“Explosão suspeita” entre China e Coreia do Norte causou um sismo

Os serviços sismológicos chineses registaram um sismo de 1,3 graus de magnitude na escala de Richter às 19h38 locais (12h38 em Lisboa), na cidade chinesa de Hunchun, causado por uma “explosão suspeita”, disseram as autoridades …