Presidente do PSD Oeiras demite-se depois de Rio rejeitar apoiar Isaltino Morais

Mário Cruz / Lusa

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio

O presidente da Comissão Política do PSD de Oeiras, estrutura que declarou apoio à candidatura do independente Isaltino Morais à liderança do município, demitiu-se, conforme anunciou esta quinta-feira o próprio, depois de a Comissão Política Permanente do partido ter contrariado a decisão.

Numa mensagem divulgada na sua página na rede social Facebook, Armando Cardoso Soares refere que quando venceu as eleições internas, no fim de 2019, definiu uma estratégia — que “não saiu vencedora” — para fortalecer a social-democracia no concelho, vendo neste ano de eleições autárquicas “a oportunidade para unir formalmente militantes e independentes, que na prática sempre mantiveram laços de amizade, companheirismo e de identificação ideológica”.

O presidente demissionário — que foi adjunto de Isaltino Morais quando o autarca governava como independente — sublinha que Oeiras, no distrito de Lisboa, é “um exemplo isolado no panorama nacional“, na governabilidade e no desenvolvimento, e que isso “se deve à liderança política do presidente Isaltino” e aos sociais-democratas que o têm acompanhado, tanto quando foi eleito pelo PSD como enquanto independente.



Foi por isso natural a proposta de apoio à recandidatura de Isaltino Morais, votada na concelhia e reforçada na distrital de Lisboa do PSD, sem margem para dúvidas. “Sobre todo esse processo espero nunca vir a falar publicamente, encerrando-o agora”, escreve o também vereador com pelouros no município.

Também nas autárquicas de 2005, recorda, as duas secções sociais-democratas existentes então no concelho (Oeiras e Algés) validaram o nome de Isaltino Morais, sufragado na distrital, e viram a escolha ser vetada pela comissão política nacional, que indicou Teresa Zambujo como cabeça de lista.

“A consequência de todo este percurso é a de naturalmente me demitir da presidência da Comissão Política do PSD/Oeiras, porque a estratégia que defendemos e pela qual eu dei a cara não será a que vai ser implementada”, afirma Armando Cardoso Soares, desejando “a melhor das sortes” ao candidato do PSD, Alexandre Poço, que descreve como “excelente deputado” e “quadro de referência” no partido, bem como uma “acertada escolha” no contexto da decisão da comissão permanente.

O social-democrata diz continuar a acreditar que o presidente do PSD, Rui Rio, “merece ser o próximo primeiro-ministro de Portugal“.

Na semana passada, o presidente do PSD anunciou que o líder da JSD, Alexandre Poço, será candidato ao município: “Decidimos que o PSD não poderia deixar de apresentar, pela primeira vez, um candidato no décimo maior concelho em termos populacionais e que, em termos económicos, está seguramente acima do décimo”.

Rui Rio admitiu que “ganhar Oeiras a Isaltino Morais não é uma impossibilidade, mas é muito difícil“, e referiu que o partido vai “dar uma solução de futuro” ao município.

No início de abril, o PSD tinha informado que a direção recebeu das estruturas concelhia e distrital a proposta de não se apresentar a votos no concelho e “dar liberdade aos militantes de integrar outras listas”. No final desse mês, Isaltino Morais, de 71 anos, anunciou a sua recandidatura como independente à presidência nas autárquicas deste ano, que ainda não têm data, mas decorrem entre setembro e outubro.

O autarca foi eleito presidente da Câmara de Oeiras com maioria (41,68%) nas eleições de 2017, encabeçando a lista pelo Movimento Inovar, Oeiras de Volta. O autarca foi eleito para o cargo pela primeira vez em 1985, pelo PSD, e renovou os mandatos nas eleições de 1989 até 2009, com uma interrupção de três anos. Durante parte deste período, foi ministro das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente. Foi eleito pelo PSD pela última vez em 2001.

Em 2005, quando era arguido num processo judicial relacionado com contas bancárias na Suíça não declaradas ao Tribunal Constitucional, desfiliou-se do partido, depois de este não ter apoiado a sua candidatura.

Nesse ano, continuou à frente da autarquia como independente, abandonando o cargo em 2013 para cumprir pena de prisão por fraude fiscal e branqueamento de capitais. Enquanto esteve preso, o movimento com o seu nome venceu as autárquicas, numa lista liderada pelo vice-presidente do executivo, de quem entretanto se afastou.

PSD pondera apoiar Fernando Ruas em Viseu

A direção nacional do PSD vai indicar nos próximos dias o nome do candidato à Câmara Municipal de Viseu. Há dois candidatos na balança: Fernando Ruas, deputado à Assembleia da República e ex-presidente da Câmara de Viseu, e João Paulo Gouveia, vice-presidente do executivo, que se disponibilizou para avançar.

De acordo com o jornal Público, a direção nacional fez dois estudos de opinião para testar os nomes e ambos tiveram bons resultados que garantem a vitória ao PSD nas autárquicas.

Fernando Ruas, contudo, recolhe maior percentagem nas intenções de voto dos viseenses. Já João Paulo Gouveia conta com o apoio das juntas de freguesia do concelho, de alguns vereadores e da concelhia, estrutura à qual preside.

A direção nacional considera ainda que são “dois excelentes nomes” para disputar as eleições, mas é provável que a escolha venha a recair em Fernando Ruas, presidente da Comissão Parlamentar de Administração Pública, Modernização Administrativa, Descentralização e Poder Local.

Em declarações ao matutino, um responsável do PSD disse que Fernando Ruas é “desejado” por muita gente do partido. Além disso, “há muita gente na comunidade que deseja o seu regresso, perante a situação trágica que ocorreu [morte de Almeida Henriques]. É natural que perante uma situação destas as pessoas procurem alguém em quem tenham confiança.”

ZAP // Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

    • Já esteve preso tendo cumprido a pena de acordo com a lei.
      Quer aplicar-lhe prisão perpétua?
      Este pelo menos prevaricou e cumpriu. Mas há por aí muitos, de quem todos os dias se fala na CS, que vão empurrando com a barriga para a frente os processos e continuam a fazer a sua bela vidinha em liberdade.
      Contrariamente ao que muitos pensam não foi condenado por corrupção, mas sim por fraude fiscal.
      E por fraude fiscal uma boa parte dos portugueses seria condenada. Mas era preciso apanhá-los.

      • É… uma boa parte portugueses tem um conta na Suíça com milhões em nome de um sobrinho taxista!…
        E claro que esses milhões nada tem nada a ver com corrupção – sairam numa raspadinha…

        • Se tem provas da corrupção porque não as apresenta no Ministério Público como é o dever de qualquer cidadão.
          O Ministério Público investigou-o e acusou-o por fraude fiscal, certamente desconhecendo que você tinha provas da corrupção.
          Ele há coisas…
          O que vale é que o Isaltino não sabe que é aqui acusado por si de ser corrupto. Caso contrário…

    • Já esteve!!!!! Cumpriu pena, logo presume-se “regenerado”. Pode questionar-se se o nosso direito deveria permitir que se recandidatasse, dado que foi condenado precisamente no exercício das funções que neste momento se encontra a exercer e às quais se vai recandidatar. Mas o nosso direito não o proíbe.
      Há um caso pior na política portuguesa, o de Macário Correia. Foi condenado sem benefício próprio por alegados atropelos ao PDM. Acabou politicamente. Não tenho dessa criatura a imagem que se tenha aproveitado pessoalmente. No entanto, foi arrumado.

  1. De Rui Rio não seria de esperar outro posicionamento, para bem da responsabilidade e decência, atributos que o candidato independente não tem nem nunca teve.
    É vergonhoso para o partido, ter nas suas fileiras alguém que de alguma forma pretenda legitimar ou sequer apoiar, um candidato com o passado criminoso de Isaltino, de resto, a este tipo de pessoas devia estar vedada a possibilidade de poder concorrer a qualquer cargo público.
    Pelos vistos, ex presidente da comissão política de Oeiras, fez muito bem em se demitir, nenhum partido necessita de homens como você.

  2. A diferença entre políticos-espalhafato (como o ex-presidiário Isaltino Morais) e políticos de rectidão, integridade e transparência (como o Líder do PSD Rui Rio), é que estes últimos não andam a lamber o traseiro à Maçonaria, como Isaltino faz.

    Mais: se o Presidente do PSD Oeiras se quer ir embora por não ver Isaltino apoiado, então já vai tarde. Se há coisa que faça tanta falta como a fome, são as quadrilhas maçónicas na política.

  3. Muito bem !!! Se a politica portuguesa e alguns portugueses eleitores tivessem princípios este episódio não existiria, e o Sr isaltino a muito tempo que estaria a trabalhar ou a viver do seu golpe mas nunca a exercer funções de poder.

  4. Rui Rio parece ser um dos poucos políticos com princípios no país e sem medo de enfrentar lobbys de interesses diversos. Esse sr. Isaltino tem todo o direito a refazer a sua vida ,mas nunca em cargos públicos cujo desempenho só deveria ser exercido por pessoas de honestidade imaculada

RESPONDER

Agostinho Branquinho nega tráfico de influências na construção de hospital em Valongo

O antigo deputado Agostinho Branquinho negou esta segunda-feira qualquer envolvimento ou tráfico de influências junto da Câmara de Valongo, no processo de licenciamento e construção do Hospital de São Martinho, naquele concelho do distrito do …

Estádio Sp. Braga

17 anos depois, Câmaras ainda devem 55 milhões dos estádios do Euro 2004 (só 2 já pagaram tudo)

Apenas duas Câmaras municipais já não têm dívidas no âmbito da construção de estádios para o Euro 2004. Ao cabo de 17 anos, as autarquias ainda têm cerca de 55 milhões de euros para pagar …

PSD quer aumentar penas para corrupção por políticos em funções e evitar megaprocessos

O PSD quer agravar as penas de prisão para crimes de corrupção, sobretudo quando cometidas por políticos, mas admite a dispensa ou atenuação da pena em caso de colaboração, e apresenta propostas para evitar os …

Petição por manuais gratuitos para todos os alunos entregue esta segunda-feira no Parlamento

Uma petição pública pelo alargamento da gratuitidade dos manuais escolares a todos os alunos do ensino obrigatório, passando a incluir o setor privado, é entregue esta segunda-feira no parlamento para ser discutida em plenário. Dezenas de …

PAN e o Livre juntam-se ao PS em coligação inédita à Câmara de Cascais

Numa aposta inédita, o PAN e o Livre juntaram-se à candidatura de Alexandre Faria, presidente do Estoril Praia e candidato do PS à Câmara de Cascais, para tentar recuperar uma autarquia liderada pelo PSD/CDS há …

Reino Unido adia desconfinamento por um mês

Esta segunda-feira, em conferência de imprensa, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson anunciou que o desconfinamento no Reino Unido vai ser adiado de 21 de junho para 21 de julho. No Reino Unido, o desconfinamento vai ser …

Costa responde a Marcelo: "Ninguém pode garantir" que não voltamos atrás

Esta segunda-feira, António Costa disse que "ninguém" pode assegurar que não vai ser preciso voltar atrás no desconfinamento. Nem mesmo o Presidente da República. Questionado pelos jornalistas sobre a convicção de Marcelo Rebelo de Sousa sobre …

Costa falou com Pedro Nuno Santos e Ana Catarina Mendes para evitar escalada de tensão no PS

O congresso dos socialistas está agendado para 10 e 11 de julho e António Costa quer evitar uma discussão sobre a sua sucessão. A estratégia passa por acalmar o clima entre o ministro Pedro Nuno …

Face Oculta. Sobrinho de Manuel Godinho entregou-se às autoridades para cumprir pena de prisão

O sobrinho do sucateiro Manuel Godinho deu entrada no Estabelecimento Prisional do Porto para cumprir a pena de quatro anos e cinco meses de prisão a que foi condenado no âmbito do processo Face Oculta, …

Fundos internacionais lesados do BES ameaçam boicotar recuperação europeia

Um grupo de investidores institucionais internacionais coordenado pelo fundo Attestor Capital, lesados em 2000 milhões de euros no caso BES, quer que a Comissão Europeia resolva o caso, sob pena de não financiarem a recuperação …