“Dimensão ética”. Presidente do Novo Banco enviou uma carta a Marques Mendes a explicar o seu silêncio

José Sena Goulão / Lusa

António Ramalho, presidente do Novo Banco

Debaixo de fogo depois de serem reveladas as perdas avultadas relacionadas com a venda da carteira de imóveis do Novo Banco, António Ramalho enviou uma carta a Luís Marques Mendes, comentador da SIC, a explicar por que se tem mantido em silêncio.

De acordo com a carta enviada pelo presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, ao comentador Luís Marques Mendes, à qual o jornal ECO teve acesso, o responsável diz que não avança com mais explicações porque o banco está a ser auditado pela Deloitte, o que obriga a uma “descrição adicional”.

“O Novo Banco está sob auditoria especial, o que obriga eticamente a um dever de descrição adicional em relação a operações incluídas nessa auditoria. É essa dimensão ética que nos impede de responder”, justifica António Ramalho a Marques Mendes, que comentou o caso na SIC, dizendo que o banco cometou dois pecados capitais.

António Ramalho escreveu que o Novo Banco é a instituição “mais escrutinada dos bancos portugueses” e que vai fazer todos os “esforços” para “contribuir para a transparência do seu processo de capitalização, acordado em 2017″.

O presidente afirmou ainda que o “financiamento de imóveis associado à venda de imóveis, é prática corrente no mercado” e que o Novo Banco foi “expressamente autorizado”, “desde 2014, pela Comissão Europeia” a fazê-lo “dado o elevando montante de imóveis estacionados que possuía”.

A auditoria independente ao Novo Banco pela Deloitte é aguardada com expectativa, principalmente depois de ter sido noticiadas suspeitas sobre a venda de imóveis e pelas sucessivas injeções de capital pelo Fundo de Resolução com recurso a financiamento dos contribuintes. Porém, a consultora falhou o prazo limite que o Executivo lhe tinha dado para apresentar as suas conclusões, o que fez com que o Governo suspendesse todas as eventuais operações de venda de ativos.

Fundo de Resolução nega venda a gestor condenado

Na segunda-feira, o jornal Público noticiou que o Novo Banco vendeu, em outubro, uma seguradora com desconto de quase 70% a fundos geridos pela Apax, operação que gerou uma perda de 268,2 milhões e foi compensada com verba do Fundo de Resolução.

Em comunicado enviado às redações, citado pelo ECO, o Fundo de Resolução assegurou que “é falso que a GNB Vida tenha sido adquirida por ‘um gestor condenado por corrupção’“, o magnata do setor segurador Greg Lindberg. De acordo com a entidade liderada por Luís Máximo dos Santos, “a aquisição foi feita pelos fundos APAX Partners, cuja idoneidade foi objeto de avaliação pela autoridade competente”.

O Fundo de Resolução escreveu ainda que “o valor da venda correspondeu ao valor da melhor oferta recebida na sequência de um processo de venda aberto e competitivo e reflete, portanto, o valor de mercado, naquele momento, do ativo em causa“.

Segundo a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), o beneficiário último desta compra não é Lindberg. “Os requerentes informaram que um fundo gerido pela Apax Partners LLP pretendia adquirir a GBIG Portugal e, consequentemente, Greg Evan Lindberg não seria o beneficiário último da operação, nem a estrutura acionista prevista para a GNB [Vida] seria aquela que tinha sido apresentada no processo inicial”.

Também na segunda-feira, a GamaLife, ex-GNB Vida, garantiu que não tem “qualquer relação” com Greg Lindberg. “A GamaLife esclarece que não tem, tal como a Apax Partners, e os fundos assessorados pela Apax Partners, qualquer relação (de propriedade ou outra) com Greg Evan Lindberg”, afirmou a empresa, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Fonte oficial do Novo Banco emitiu comunicado onde indica que a instituição vai “analisar juridicamente” a “campanha continuada” de notícias publicadas pelo Público, que têm sido alvo de vários desmentidos nos últimos meses.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. E porque uma carta ao Marques Mendes a explicar o seu silêncio e não explicar aos portugueses o porque do seu silêncio? Se alguém tem de saber porque se mantém em silêncio somos nós todos os contribuintes a querer saber o é para o Marques Mendes branquear a sua historia?

  2. Ninguém tem nada a ver com nada. Todos se escondem atrás de um biombo pouco transparente, muitos, sem cara, ficam a lucrar quantias astronómicas e o sr. Ramalho responde a Marques Mendes, que conhece melhor esta dança do que ninguém, e fica convencido que ele aceita a sua resposta. Envergonhe-se de estar à frente de um banco que se prepara para sugar o tutano aos portugueses pobres, desempregados, doentes para o transplantar para esses abutres bilionários a engordarem, minuto a minuto, com a desgraça alheia!!

  3. Algo vai mesmo muito mal neste banco… depois de tudo que tem vindo a público, a preocupação do presidente do banco é responder a um “comentador”/advogado/mafioso como o Marques Mendes??

  4. toda a situação que tem acontecido no novo banco só tem uma palavra Vergonhoso. Vergonha dos nosso políticos que permitem tamanha injustiça só para agradar a meia dúzia de amigos. Vivemos na pior das piores crises corruptas sem travão. Ainda vamos ter de pagar ao Sócrates a indmnisacao pir ser um homem correto que foi aos olhos de toda a classe política. Vergonhoso.

Maior queda do mês no preço dos combustíveis. Gasóleo atinge mínimos de 4 meses

A partir de hoje os preços dos combustíveis irão baixar, e esta será a maior queda do mês. No que diz respeito ao preço da gasolina, esta deverá cair um cêntimo para 1,387€ por litro. …

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …

Portugal regista mais 2.447 casos e 27 mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.447 casos positivos e 27 mortes por covid-19. A informação foi divulgada, esta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico divulgado hoje revela que …

Testes rápidos devem ser aplicados em surtos em escolas ou lares

A Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, hoje publicada, determina que em situações de surto em escolas, lares ou outras instituições devem ser utilizados preferencialmente testes rápidos no sentido de aplicar "rapidamente as medidas adequadas …