Presidente do Grupo Lena nega ter confessado subornos a Sócrates

(dr) Jornal de Leiria

Joaquim Paulo Conceição, CEO do Grupo Lena

O presidente executivo do Grupo Lena terá confirmado, num depoimento prestado no âmbito da Operação Marquês, que foram pagas comissões ao ex-primeiro-ministro José Sócrates. Joaquim Paulo da Conceição nega a notícia “total e categoricamente”.

O Correio da Manhã noticia esta sexta-feira que o presidente executivo do Grupo Lena, Joaquim Paulo da Conceição, disse num depoimento no Departamento Central de Investigação Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) que “havia mesmo subornos para José Sócrates“.

“O objetivo do Grupo Lena, ao pagar comissões ao então primeiro-ministro, era abrir portas e novos mercados tendo como prioridade Angola, Venezuela e Argélia”, cita o CM.

O jornal escreve também que “José Sócrates aceitou receber, já depois de sair do Governo, um falso vencimento de uma empresa de Lalanda de Castro que, afinal, era pago pelo grupo Joaquim Barroca”.

Joaquim Paulo da Conceição, segundo o Correio da Manhã, disse que “tudo começou em 2006, um ano depois de Sócrates assumir o cargo de primeiro-ministro”.

“O Grupo Lena desenvolveu contactos através de Carlos Santos Silva, de forma a procurar obter o apoio do poder político”, afirmou o empresário no depoimento, salientando que “o apoio fazia-se através de José Sócrates e eram realizados pagamentos para este último”.

O jornal salientou ainda que Joaquim Paulo da Conceição disse que “quando abriu uma conta na Suíça” esta acabou por “ser usada por Santos Silva” para “fazer chegar o dinheiro a José Sócrates”.

O presidente do Grupo Lena foi, segundo o jornal, interrogado na qualidade de arguido nos últimos dias de junho.

Entretanto, durante a manhã, Joaquim Paulo da Conceição negou “total e categoricamente” que, no âmbito do processo da Operação Marquês, reconheceu ter feito pagamentos ao ex-primeiro-ministro José Sócrates para conseguir negócios para as suas empresas.

Em comunicado, o presidente executivo do Grupo Lena nega, “na totalidade do seu conteúdo”, a manchete da edição do Correio da Manhã de que confessara ter feito pagamentos a José Sócrates num depoimento feito no âmbito do processo da Operação Marquês.

Bataglia emprestou sete milhões a primo de Sócrates

Na sua edição desta sexta-feira, o Público refere o interrogatório a que Hélder Bataglia foi sujeito em Luanda em abril, a pedido das autoridades portuguesas, sobre o qual a revista Sábado tinha dado notícia no início de setembro e que só foi remetido recentemente para Portugal.

De acordo com o jornal, Hélder Bataglia terá explicado aos investigadores que os sete milhões de euros que fez chegar a José Paulo Bernardo Pinto de Sousa, primo de José Sócrates que já tinha sido referenciado no processo Freeport, eram um empréstimo que não tinham que ver com o Grupo Espírito Santo.

Os investigadores desconfiam que perto de 5,5 milhões de euros deste empréstimo a José Paulo Pinto de Sousa terão acabado por ir parar às contas de Carlos Santos Silva, que é visto como testa-de-ferro de José Sócrates, cujas contas bancárias terão sido utilizadas para fundos que se destinava ao ex-primeiro-ministro.

No interrogatório, que durou mais de oito horas, Hélder Bataglia reconheceu que conhecia José Sócrates pessoalmente, mas que não esteve com ele “mais do que meia dúzia de vezes ou pouco mais”.

A Operação Marquês conta com 18 arguidos, incluindo José Sócrates, que esteve preso preventivamente mais de nove meses, e que está indiciado por fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito.

José Sócrates, 59 anos, foi o primeiro ex-chefe do Governo a ser detido preventivamente em Portugal, indiciado por corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais.

Entre os arguidos no processo estão o ex-administrador da CGD e antigo ministro socialista Armando Vara e a sua filha Bárbara Vara, Carlos Santos Silva, empresário e amigo do ex-primeiro-ministro, Joaquim Barroca, empresário do grupo Lena, João Perna, antigo motorista do ex-líder do PS, Paulo Lalanda de Castro, do grupo Octapharma, Inês do Rosário, mulher de Carlos Santos Silva, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e os empresários Diogo Gaspar Ferreira e Rui Mão de Ferro e o empresário luso-angolano Helder Bataglia.

Na quarta-feira, a Procuradoria-Geral da República (PGR) informou que concedeu mais 180 dias para a “realização de todas as diligências de investigação consideradas imprescindíveis” na Operação Marquês.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. A “merda” é tanta e a confusão gerada é de tal ordem que uma vez mais a montanha vai “parir” um rato.
    As leis e a justiça estão a favor dos políticos e dos ricos em que se empata, atrasa-se, gera-se confusão, faz-se contra acusações, etc. para depois todos acabarem suspensos os os prazos caducarem.
    Como a informação e contra informação gerada neste processo é de tal ordem alguém têm que ser punido. Uma vez mais vai ser o testa de ferro e o mexilhão.
    Os restantes vão ser absolvidos e continuam depois a assumir funções de destaque na nossa democracia pouco democrática e a fazer o que sempre fizeram, isto é, a servir os seus interesses e dos seus amigos.
    O Sócrates não é inocente mas haverá algum politico em Portugal que em toda a sua vida tenha sido honesto? Se existir daqui a alguns séculos virará santo certamente.
    Mas nós o zé povinho temos tanta ou mais culpa que os políticos porque contrariamente ao que falamos não à união em torno deste tipo de assuntos. O pais divide-se e não consegue falar a uma só voz. Todos falamos mas todos olhamos para o N/ umbigo.
    E depois temos ainda algum povinho que lamentavelmente e apesar de enganado e roubado consegue acolher os políticos como heróis. Basta ver o caso da Fátima Felgueiras que fugiu à justiça e ou caso de Isáltino Morais.
    Enfim… temos o que queremos e aquilo que merecemos…

  2. Mais uma vez…Correio da Manhã ao barulho.
    Sinceramente, se este individuo não disse nada e esta trampa de jornal o afirmou, são muito bem entalados.
    Volto a dizer o que disse noutro comentário, se eu for chamado a pagar ( porque nunca acreditei nesta história mas, sou contribuinte ) para uma indemnização a José Socrates resultante deste processo para o qual muito contribuiu esta trampa de jornal, vou avaliar a questão e talvez lhes meta um processo judicial.
    Vamos ver.

  3. Ora aí estão as negações – do ‘dito por não dito’. Era de esperar. Um caso bicudo para a justiça Portuguesa.

  4. Ó Tretas, mete um processo???!!!! AHHHHHHH AHHHHH. E acha mesmo que teria pernas para andar? Decididamente você não é deste planeta. Afinal os ETs existem e já estão entre nós. O Tretas só pode ser um deles.

    • Obviamente, que estava na ironia. Lamento que não tenha percebido.
      Quanto ao ET acertou, pois eu, na parte do “processo” Estava na Treta (ET). 🙂

Salvini tem trunfo na manga para pedir novamente eleições antecipadas

Uma vitória da Liga nas eleições regionais de Emilia Romagna pode dar a Matteo Salvini o pretexto para exigir eleições antecipadas em Itália. Matteo Salvini continua de olhos postos no cargo de primeiro-ministro e pode voltar …

Trocar garrafas de plástico por descontos só será possível em março

O projeto-piloto para o depósito de garrafas de plástico a troco de talões de desconto nos supermercados estava previsto arrancar em janeiro. Porém, o atraso em desbloquear fundos de financiamento pode empurrar o arranque para …

Depressão Glória. Quedas de árvores, falhas de eletricidade e um ferido grave

A depressão Glória já provocou várias quedas de árvores, falhas na eletricidade e um ferido grave. Coimbra, Viseu e Castelo Branco são os distritos mais afetados. "O concelho mais afetado, neste momento, é Coimbra", afirmou o …

Ministério Público contratou ex-agente da PJ para analisar contas da Operação Tutti Frutti

As contas do caso Tutti-Frutti foram entregues a Edígio Cardoso, antigo diretor da Unidade de Perícia Financeira e Contabilística (UPFC) da Polícia Judiciária, reformado há mais de um ano. A investigação do caso Tutti-Frutti iniciou-se em …

Reconstruções em Pedrógão. Gulbenkian exige indemnização de meio milhão por suspeita de ilegalidades

A Fundação Calouste Gulbenkian exige uma indemnização de meio milhão de euros por ilegalidades na reconstrução de casas de Pedrógão. Estão em causa cinco habitações. A fundação Calouste Gulbenkian exige uma indemnização de meio milhão de …

Austrália. Depois dos incêndios, chega o granizo (e já está a provocar estragos)

A Austrália está a recuperar dos enormes incêndios dos últimos meses. No entanto, a costa oriental do país debate-se agora com chuvas intensas que tem provocado inúmeras inundações. As fortes chuvas que caíram esta segunda-feira proporcionaram …

Taxa sobre produtos poluentes rendeu 200 milhões em dois anos

A taxa aplicada sobre produtos poluentes - plástico, cartão, embalagens de vidro, entre outros -, rendeu ao Estado português 199,6 milhões de euros em dois anos, avança o Jornal de Notícias esta segunda-feira. O valor, arrecadado …

"Mito sem sentido". Santos Silva rejeita que Portugal seja "amigo especial" da China

O ministro dos Negócios Estrangeiros rejeitou, em entrevista ao Financial Times, que Portugal esteja a desenvolver uma dependência problemática relativamente à China. É um "mito sem sentido", defendeu Augusto Santos Silva. O governante falou ao …

Justiça espanhola liga ex-ministro a alegado caso de corrupção. António Vitorino nega

A Justiça espanhola diz que o ex-ministro socialista se terá apropriado de 35 milhões de euros da petrolífera estatal venezuelana PDVSA. António Vitorino nega. A justiça espanhola alega que uma sociedade de António Vitorino, antigo ministro …

Há um obstáculo que pode travar a primeira condenação de Salgado

Ricardo Salgado foi condenado a pagar 4 milhões de euros e proibido de ser banqueiro nos próximos dez anos. No entanto, ainda há um último obstáculo que pode travar a sua condenação. O Tribunal Constitucional rejeitou …