/

Piloto do avião desaparecido da Malaysia Airlines terá cortado o oxigénio

3

(cv)

Já lá vão mais de cinco anos desde o desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines, que continua um mistério até hoje. Agora, acredita-se que o piloto terá cortado o oxigénio no avião.

A noite de 8 de março de 2014, o voo MH370 da Malaysia Airlines desapareceu com 239 pessoas a bordo. Mais de cinco anos depois, uma investigação publicada na revista The Atlantic dá conta que o piloto Zaharie Ahmad Shah terá cortado o oxigénio da cabine do avião, de forma a causar a morte dos passageiros.

A investigação levada a cabo pelo especialista em aviação William Langewiesche explica que o piloto de 53 anos sofria de uma depressão e atravessava uma crise no seu casamento, afastando-se da família e amigos.

O artigo, citado pelo Correio da Manhã, explica ainda que Zaharie terá matado ou deixado inconsciente o copiloto Fariq Abdul Hamid, antes de ter cortado o oxigénio.

Ao atravessar o espaço aéreo do Vietname, o controlador aéreo ainda estabeleceu um breve contacto com o avião da Malaysia Airlines, mas entretanto, o piloto deixaria de responder aos comandos da torre de controlo. O avião desapareceria dos radares 39 minutos depois de levantar voo.

Durante o artigo do The Atlantic destaca-se ainda uma alegada incompetência, já que o Centro de Coordenação de Resgate Aeronáutico de Kuala Lumpur deveria ter sido notificado dentro de uma hora após o desaparecimento da aeronave dos radares. Contudo, o aviso só foi emitido quatro horas depois.

William Langewiesche realça ainda que, “a julgar pelas evidências eletrónicas, a queda do avião não terá sido uma tentativa controlada de uma amaragem. O avião deve ter-se fraturado instantaneamente num milhão de pedaços”.

  ZAP //

3 Comments

  1. Pequeno esclarecimento: um piloto não pode “cortar” o oxigénio de um avião. O oxigénio usado para os passageiros provém de geradores químicos de oxigénio, que são completamente autónomos (por fila de assentos).

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.