Ministério Público saudita pede pena de morte no caso da morte de Khashoggi

Erdem Sahin / EPA

O Ministério público saudita pediu pena de morte para cinco dos 11 suspeitos envolvidos na morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

O procurador do Ministério Público da Arábia Saudita, Saud al-Mojeb, pediu a pena de morte para cinco dos 11 suspeitos envolvidos na morte de Jamal Khashoggi, correspondente do The Washingthon Post. O anúncio foi feito esta quinta-feira, pelo próprio, numa conferência de imprensa.

Os cinco indivíduos para os quais é pedida pena de morte são suspeitos de terem ordenado que Khashoggi fosse drogado e desmembrado, depois de uma conversa que, segundo o Observador, não terá corrido da melhor forma dentro do consulado na Turquia.

Na conferência de imprensa, Saud al-Mojeb adiantou ainda que as investigações revelaram que “o príncipe saudita não tinha conhecimento” da ordem para matar, poucos dias depois de as autoridades turcas terem admitido a gravação pode comprometer o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

No entanto, o conselheiro de segurança nacional nos Estados Unidos, John Bolton, diz que a gravação não indica nenhuma ligação ao príncipe saudita. Donald Trump tem referido várias vezes a importância das relações comerciais com a Arábia Saudita, o maior comprador de equipamento militar. Além disso, Jared Kushner, genro de Trump, tem uma relação próxima com o príncipe Salman.

Jamal Khashoggi, jornalista saudita crítico do regime, foi morto no dia 2 de outubro no consulado saudita em Istambul, na Turquia.

A Arábia Saudita começou por assegurar que o jornalista tinha saído do consulado vivo, mas depois mudou de versão e admitiu que foi morto na representação diplomática numa luta que correu mal. Segundo a investigação turca, Khashoggi foi morto por um esquadrão de agentes sauditas que viajaram para Istambul com esse fim.

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse por várias vezes que a ordem para matar Khashoggi “foi dada ao mais alto nível do estado” saudita.

Explicações do MP saudita são insuficientes

A Turquia considerou esta quinta-feira “insuficientes” as explicações do Ministério Público da Arábia Saudita sobre a morte do jornalista, insistindo no caráter premeditado da operação. “Todas estas medidas são positivas, mas também insuficientes”, disse o chefe da diplomacia turco, Mevlüt Cavusoglu, acrescentando não “estar satisfeito” com algumas informações.

Segundo explicações de Riade, o plano para assassinar Khashoggi foi posto em marcha a 29 de setembro, três dias antes da morte do jornalista, e foi o chefe-adjunto dos serviços de informações sauditas, general Ahmed al-Assiri, que ordenou o regresso forçado de Khashoggi à Arábia Saudita.

A ordem para matar o jornalista foi dada pelo chefe da equipa de “negociadores”, segundo o Ministério Público saudita. “Dizem-nos que foi morto porque se teria oposto a regressar ao seu país, mas na verdade, a morte, como já dissemos anteriormente, foi planeada com antecedência”, disse.

O desmembramento do corpo não foi espontâneo. Tinham levado as pessoas e os equipamentos necessários para o fazer. Ou seja, tinham planeado como o matariam e como o desmembrariam”, acrescentou.

A diplomacia turca apelou ainda para que sejam revelados os “verdadeiros mandantes” da operação, depois de o MP ter ilibado o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman. “Este caso não pode ser encerrado desta forma”, disse Cavusoglu, assegurando que a Turquia fará tudo “o que estiver ao seu alcance para fazer luz sobre todos os aspetos desta morte”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

PSG na corrida por Bruno Fernandes. Atlético já terá proposta

Bruno Fernandes continua com o futuro incerto, mas o mercado continua a mexer. De acordo com a imprensa desportiva, o Paris Saint-Germain entrou na corrida pelo médio do Sporting e o Atlético de Madrid terá …

Crédito Agrícola vai cobrar MB Way e transferências online

O Crédito Agrícola, instituição bancária liderada por Licínio Pina, vai passar a cobrar não só as transferência feitas através da aplicação móvel MB Way, como também as transferências online, escreve o jornal Eco este sábado. …

Há uma "Cidade do Futuro" inacabada no deserto do Arizona

https://vimeo.com/342345734 No deserto do Arizona, nos Estados Unidos, há uma cidade experimental projetada para milhares de pessoas que agora contém apenas algumas dezenas de habitantes. Durante quase cinco décadas, um grupo chamado Fundação Cosanti tem trabalhado na …

Montenegro vai estudar liderança em França. Quer qualificar-se para o futuro

O ex-líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, vai para França estudar num programa de gestão avançada para executivos promovido pelo Instituto Europei para Administração de Empresas, escreve este sábado o Expresso. De acordo com o …

A dieta perfeita não existe

O número de dietas que existem não cabe nos dedos das nossas mãos, mas grande parte das pessoas vai dizer-lhe qual a melhor dieta a seguir. Mas não acredite, é tudo bluff. Uma equipa de cientistas …

Fenprof critica Marcelo. "Não é o Presidente de todos os portugueses”

O 13.º congresso da Fenprof terminou este sábado com a garantia de luta pela contagem integral do tempo de serviço dos professores e críticas a Marcelo Rebelo de Sousa, que “não é o Presidente de …

Consumo de álcool dos filhos associado a educação branda dos pais

Um estudo descobriu que há uma associação entre o consumo de álcool dos filhos e a educação que os pais dão em relação às bebidas alcoólicas. Quanto mais brandos os pais forem, mais probabilidade há …

Espiões podem estar a usar o LinkedIn para recrutar novos contactos

O LinkedIn é uma rede social de negócios, mas espiões podem estar a usá-la para encontrar novos contactos. Os espiões estarão a usar perfis falsos, gerados por inteligências artificial. Apesar de ser uma rede social bem …

Mercado de compras online pode não ser tão lucrativo quanto se pensa (e pode estar perto do fim)

Muitas pessoas provavelmente presumem que as lojas online estão a fazer uma fortuna, mas a realidade é bem diferente. Muitas atividades de comércio eletrónico são, na verdade, não lucrativas. Se as pessoas tivessem que pagar o …

Canábis já era fumada há pelo menos 2.500 anos

Uma descoberta nos túmulos do cemitério Jirzankal, no oeste da China, mostra que os povos que viviam nessa zona montanhosa já queimavam canábis com elevados níveis de THC. Uma equipa de arqueólogos encontrou pequenos artefactos de madeira …