Há um destino pior que a extinção à nossa espera (ou dos extraterrestres)

Um físico teórico russo propôs uma nova explicação para o paradoxo de Fermi e, de tão assustadora que é, até o próprio “espera estar errado”. O cientista acredita que a nossa civilização terá um futuro “pior que a extinção”.

Se o universo é tão vasto que a existência de civilizações extraterrestres parece garantida, por que motivo a humanidade ainda não detetou nenhum vestígio de sua presença? Esta é a grande contradição, o chamado Paradoxo de Fermi, que ocupa a mente de cientistas há anos.

Diversas teorias tentam explicar a ausência de sinais de vida extraterrestre – desde a ideia de que podem estar a hibernar até às explosões de raios gama, passando pela ideia de que os extraterrestres já morreram ou estão submersos nos seus planetas aquáticos.

Alexander Berezin, investigador da Universidade Nacional de Pesquisa de Tecnologia Eletrónica, na Rússia, acredita que, para resolver o paradoxo, a natureza específica de possíveis civilizações extraterrestres “não deveria importar” de forma alguma, já que o único fator relevante é a possibilidade de que esta civilização seja detetável por outras a grande distância.

Em segundo lugar, o cientista russo afirma que se uma civilização alienígena não tem um nível tecnológico suficiente para ser detetável pelos outros – seja através de viagens espaciais ou comunicação interestelar – ainda pode existir, mas não ajuda a resolver o paradoxo.

Agora a conclusão sombria do físico: a primeira vida que consiga ter a capacidade de fazer viagens interestelares “erradicaria necessariamente toda a competição para alimentar a sua própria expansão”, disse. 

O autor enfatiza que esta solução não significa que uma civilização altamente desenvolvida destrua conscientemente outras formas de vida. O mais provável, segundo Berezin, é que “simplesmente não percebem, da mesma forma que uma equipa de construção destrói um formigueiro para construir uma imóvel porque não tem incentivos para protegê-lo”.

Estará Berezin a dizer que somos as formigas? Que estamos em desvantagem? Não, pelo contrário: porque “estamos aqui, o nosso planeta e nossa estrela estão relativamente intactos, e já estamos a enviar para o espaço as primeiras sondas interestelares”, explica o cientista.

Desta forma, provavelmente, seremos os futuros destruidores dos mesmos mundos de que estivemos à procura todo este tempo.

“A única explicação é a invocação do princípio antrópico, somos os primeiros a chegar ao estágio interestelar e, muito provavelmente, seremos os últimos a sair”, diz o Berezin, que espera “estar errado”.

A hipótese do cientista foi publicada em março no artigo “Primeiro a entrar, último a sair: uma solução para o paradoxo de Fermi”, disponível no arquivo digital do ArXiv, não tendo ainda sido revista por outros cientistas.

 

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. O império português também foi pioneiro, explorador e dominador nos Descobrimentos e agora é uma insignificância no mundo conhecido. Aí está a prova de que o futuro a longo prazo não é previsível.

    • Mas a atividade predatória do império português do passado destruiu ou tentou destruir muitas outras civilizações.

      Difícil como saber se existem ets é os gajos aceitarem isso.

Responder a All Cancelar resposta

75% dos hotéis em Portugal reabre em junho, mas com menos quartos

A maioria dos hotéis em território nacional vai abrir portas a partir de junho, sendo a expectativa dos feriados da próxima semana muito importante para esta reabertura. Segundo um inquérito da Associação da Hotelaria de Portugal …

Banco de Fomento precisa da luz verde de Bruxelas e do Banco de Portugal

O primeiro-ministro anunciou a criação do Banco de Fomento e já tem um acordo prévio com a Comissão Europeia. No entanto, para que funcione como um banco, também precisa de luz verde do Banco de …

Procurador-geral admite que há uma separação entre polícia e afro-americanos

O procurador-geral norte-americano reconheceu, esta quinta-feira, a existência de uma separação entre afro-americanos e a polícia e prometeu uma investigação sem limites do Departamento da Justiça para saber se houve um crime federal no assassínio …

Ministério Público pede suspensão de funções de Mexia e Manso Neto na EDP

O Ministério Público pediu, esta sexta-feira, a suspensão de funções do presidente da EDP, António Mexia, e do administrador Manso Neto. A notícia é avançada pela SIC Notícias, que dá conta de que a promoção das …

Polícia australiana desmantela rede de pedofilia e resgata 14 vítimas

A polícia australiana anunciou esta sexta-feira que desmantelou uma rede de pedofilia que distribuía fotografias e vídeos de abuso sexual de crianças na Internet, tendo resgatado 14 das vítimas. De acordo com a agência Lusa, as …

Adiamento da reabertura em Lisboa pode levar centros comerciais à falência

A Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC) alertou, esta sexta-feira, para a possibilidade de falências e desemprego em resultado da decisão do Governo de adiar a reabertura dos centros comerciais em Lisboa para 15 de …

Polícia empurra manifestante idoso em Buffalo. Vídeo causa indignação, mas protestos acalmam

Um vídeo gravado na cidade norte-americana de Buffalo, que mostra aquilo que parece ser um polícia a empurrar um manifestante idoso e a deixá-lo no chão a sangrar, aumentou esta quinta-feira a contestação contra a …

Cartão do Cidadão pode ser renovado por SMS a partir de 6 Junho

A renovação simplificada do Cartão de Cidadão por SMS vai estar disponível a partir de dia 6 de Junho, segunda uma nota do Ministério da Justiça (MJ). A medida envolve apenas as pessoas que não …

Na Suécia, quem tem sintomas de covid-19 pode fazer o teste gratuitamente

A Suécia vai fornecer testes de diagnóstico à covid-19 gratuitos a todas as pessoas que apresentem sintomas e realizar o rastreamento de contactos de todos os que estão infetados.  O anúncio surgiu esta quinta-feira, no mesmo …

Índia regista recorde de infetados com covid-19. Quase dez mil num só dia

A Índia registou outro recorde de novos casos de coronavírus, mais de 9.800 nas últimas 24 horas, período em que se contabilizaram 270 mortes, informou esta sexta-feira o Ministério da Saúde. A Índia regista agora 226.770 …