Explosões de raios gama podem explicar porque (ainda) não encontrámos extraterrestres

ESO

Impressão artística que mostra uma supernova e a explosão de raios-gama associada originadas por uma estrela de neutrões em rotação muito rápida com um campo magnético muito forte — um objeto exótico chamado estrela magnética.

Impressão artística que mostra uma supernova e a explosão de raios-gama associada originadas por uma estrela de neutrões em rotação muito rápida com um campo magnético muito forte — um objeto exótico chamado estrela magnética.

Há finalmente uma explicação científica para o facto de os humanos não terem encontrado até ao momento vida extraterrestre. Não, não é porque ela não existe. Mas porque poderá ter sido destruída por explosões de raios gama.

Este é o tipo de explosão conhecida mais forte em todo o universo e pode ser provocada por estrelas de grandes dimensões, as chamadas hipernovas, ou pela colisão entre estrelas mortas, as denominadas estrelas de neutrões.

São explosões de radiação electromagnética de alta frequência que emitem tanta energia como o Sol durante todo o seu período de vida de 10 biliões de anos. Uma imagem que dá para perceber a sua intensidade letal.

Um grupo de investigadores acredita que uma dessas explosões de raios gama, provocada pela morte de estrelas de grandes dimensões, pode ter sido a causa de uma das maiores extinções em massa que ocorreram na Terra há biliões de anos. E pode assim também ter provocado a morte de seres extraterrestres noutros planetas.

“A Via Láctea é muito mais velha do que o sistema solar e havia muito tempo e muito espaço – o número de sistemas planetários com condições similares à Terra é enorme – para a vida se desenvolver noutro lado na galáxia”, nota um dos autores do estudo, o físico Tsvi Piran, da Universidade Hebraica de Jerusalém, citado pelo Live Science.

Aquilo que parece ser uma evidência de que há vida extraterrestre choca com o facto de ainda não se terem encontrado provas disso – é o chamado Paradoxo de Fermi ou “O Grande Silêncio”.

E Tsvi Piran explica que esse “silêncio” pode ter a ver o facto de as explosões de raios gama poderem ter atingido planetas onde existia vida extraterrestre.

Os investigadores deste estudo concluíram que uma dessas explosões na Via Láctea teria efeitos nocivos para a Terra, mesmo que acontecesse a milhares de anos-luz de distância, podendo, nomeadamente, destruir a camada de Ozono, o que seria fatal para a vida no nosso planeta.

Mas estes cientistas também analisaram o efeito que estas mega-explosões teriam na potencial vida existente noutros planetas. E concluíram que, sendo a concentração de estrelas maior mais perto do centro da galáxia, os planetas situados nessa zona correm mais riscos de serem afectados pelas explosões de raios gama e, logo, a possibilidade de extinção das espécies de vida aí existentes é superior.

Esta explicação plausível choca apenas com o detalhe de que “podem-se imaginar muitas formas de vida diferentes resistentes a radiações relevantes”, conforme nota Tsvi Piran. Pelo que o mistério continua…

SV, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …