Pais pedem mudança legislativa ao Governo para que greve não afete alunos

USP Imagens

Os pais e encarregados de educação querem que o Governo altere a legislação relativa às reuniões de avaliação para que os alunos não sejam prejudicados por greves de professores, tal como está a acontecer atualmente.

A posição é da Confederação Nacional de Associações de Pais (Confap), que esteve reunida e decidiu pedir a intervenção “urgente” do Ministério da Educação para acautelar a situação dos alunos, contou à Lusa o presidente da Confap, Jorge Ascensão.

No braço de ferro entre ministério e professores sobre a contagem do tempo de serviço congelado para efeitos de progressão na carreira, o recém-criado sindicato S.T.O.P. convocou uma greve às reuniões de avaliação que começaram na segunda-feira e que afetam os alunos do 9.º, 11.º 12.º anos, que este ano fazem exames nacionais (provas que só se podem realizar depois de divulgadas as notas).

Todas as restantes estruturas sindicais, entre as quais a Fenprof e a FNE, também marcaram uma greve às avaliações, mas apenas a partir de dia 18 para acautelar a situação dos estudantes que têm exames nacionais.

A atual legislação define que basta faltar um professor para impedir a realização dos conselhos de turma, que acaba por ter de ser adiado, atrasando todo o processo.

Para a Confap, o despacho normativo que define esta regra tem de ser alterado, uma vez que “os Conselhos de Turma tal como estão definidos permitem uma greve ‘ad aeternum’, que obviamente vai prejudicar todos os que fizeram um trabalho ao longo do ano, sejam professores sejam alunos, defendeu Jorge Ascensão, sublinhando que “é preciso rever estas situação”.

Segundo Jorge Ascensão, aquelas reuniões “são apenas uma formalidade”, uma vez que “as avaliações já estão previamente decididas” pelos professores.

Por isso, a Confap decidiu pedir ao ministério que “providencie no sentido de se proceder à revisão do despacho normativo que regulamenta o regime de avaliação, nomeadamente no que respeita à constituição e funcionamento dos Conselhos de Turma para efeitos de avaliação”.

“Não podemos concordar com esta forma de reivindicar os direitos. Compete ao Governo acautelar e garantir que, no futuro, estas situações possam ser precavidas“, acrescentou o presidente da CONFAP, sublinhando que a greve “tem graves consequências para todos os alunos que estão sujeitos a exames e a avaliações”.

A Confap pede ainda que “o Ministério da Educação emita de imediato um despacho normativo para garantir as necessárias condições ao cumprimento do calendário escolar”, que é conhecido desde o ano passado e define várias questões, tais como as datas de provas nacionais.

Jorge Ascensão acrescenta ainda que foi decidido por unanimidade pedir a intervenção governamental para que sejam “garantidas todas as condições para que os jovens não sejam prejudicados no seu direito de se candidatarem ao Ensino Superior, bem como no prosseguimento do seu percurso académico nos ensinos básico e secundário”.

Acusando os sindicatos de “instrumentalizar a educação”, a Confap reconhece que a greve [às avaliações] são “legitimas e permitidas”, mas “hipotecam o futuro dos alunos do 9.º e 12.º anos”.

Os pais compreendem a luta dos professores, mas não podem compreender esta forma de luta, que prejudica aqueles que trabalham”, conclui Jorge Ascensão.

São várias as razões da greve dos professores, sendo a mais conhecida a reivindicação dos nove anos, quatro meses e dois dias de serviço que estiveram congelados e que os docentes querem que seja contabilizado para progressão na carreira.

A reivindicação tem sido sempre recusada pelo Governo que diz pôr em causa a estabilidade financeira do país, tendo apresentado em alternativa a reposição de quase três anos de serviço congelado.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Sou professor. Compreende-se as preocupações (legítimas) das várias partes envolvidas (alunos, pais, professores, sindicatos, governo). Contudo, se alterarem essa legislação, retirar-se-á, mais uma vez, poder aos professores. Compreendo a frustração dos alunos e dos pais, mas não é correto.
    Mais: é preciso inteirar-se muito bem acerca da informação que adquirimos dos meios de comunicação. Ler, ver e ouvir o que meia dúzia de comentadores dos mass media dizem acerca dos professores e acreditar neles é um absurdo — a maioria deles nem experiência tem no ensino (lecionar no ensino superior não conta…).
    Ouvir a opinião de pessoas que não fazem ideia o que é lidar com crianças numa sala de aula (esclareça-se: cada vez mais mal-educadas e avessas a aprender algo útil) é mais fácil do que fazer um esforço para entender o que é ser professor. Quero dizer, os professores são o saco de pancada da sociedade desde 1997, mas nem podem ter o seu vencimento por direito!?

Responder a Eu! Cancelar resposta

Na Indonésia, são os recém-licenciados quem mais vai sofrer com o impacto económico da covid-19

A covid-19 continua a desacelerar a economia na Indonésia e pode causar graves impactos nos recém-licenciados que entram no mercado de trabalho pela primeira vez. Na Indonésia, o crescimento económico diminuiu para 2,97% durante o primeiro …

Mudanças climáticas ameaçam 60% das espécies de peixes do mundo

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Instituto Alfred Wegener, na Alemanha, sugere que as mudanças climáticas podem destruir mais espécies de peixes do que se pensavam anteriormente. Se as temperaturas globais subirem …

Engenheiros desenvolvem célula de combustível duas vezes mais eficiente do que a de hidrogénio

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, desenvolveu um novo processo para uma célula de combustível que funciona com o dobro da tensão das células a combustível tradicionais de hidrogénio. O novo …

Preços das bebidas concertados durante anos. Seis supermercados sob suspeita de cartel

Seis grupos de distribuição alimentar e dois fornecedores de sumos, vinhos e outras bebidas, foram acusados pela Autoridade da Concorrência de concertarem preços durante vários anos em prejuízo do consumidor. "Após investigação, a Autoridade da Concorrência, …

Sindicato denuncia mobilização forçada de médicos para tratar surto de Reguengos de Monsaraz

O Sindicado dos Médicos da Zona Sul (SMZS) denunciou hoje o que diz ser uma “mobilização forçada de médicos” pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo para o combate ao surto de covid-19 de …

Novo comboio-bala entra ao serviço na linha Tóquio-Osaka

O mais novo modelo de comboio-bala do Japão - o N700S - entrou ao serviço no dia 1 de julho, numa jornada inaugural de Tóquio a Osaka. A série N700S (sendo que o "S" significa "Supreme") …

Kanye West anuncia candidatura à Presidência dos EUA

O músico norte-americano Kanye West anunciou este sábado, Dia da Independência dos Estados Unidos, a sua candidatura à Casa Branca, depois de ter apoiado anteriormente o atual Presidente e candidato à reeleição, Donald Trump. "Agora devemos …

Vídeo revela, pela primeira vez, como é que o cérebro se livra dos neurónios mortos

Uma equipa de cientistas conseguiu usar, pela primeira vez, uma técnica que "mata" uma célula cerebral isolada e permite observar o processo de limpeza do sistema nervoso em tempo real. A equipa de investigadores conseguiu registar …

Reutilizável, dobrável e esterilizável. Novo "escudo" protege profissionais de saúde

Uma equipa de cientistas desenvolveu, recentemente, um dispositivo dobrável em forma de tenda que atua como um escudo físico para os profissionais de saúde na linha da frente contra a covid-19. A tenda redutora de gotículas …

O Lamborghini mais potente acelera dentro de água. É um iate com 4.000 cavalos

O resultado da primeira colaboração entre a a Lamborghini e os especialistas da Tecnomar é um iate de luxo, com 4.000 cavalos que recria a sensação de condução de um superdesportivo dentro de água. O mais …