Governo não tem 600 milhões para cumprir “promessa” aos professores

José Sena Goulão / Lusa

As negociações entre professores e Governo, que decorreram esta segunda-feira, não correram bem. No debate quinzenal, o primeiro-ministro António Costa manteve a proposta do Governo em cima da mesa, ao contrário de Tiago Brandão Rodrigues, e reiterou: “não temos 600 milhões” para os professores.

Desde a saúde à economia, das relações internacionais aos combustíveis. Eram vários os temas esperados no debate quinzenal, embora a personagem principal tenha sido o descongelamento da carreira dos professores.

Entre exigências à esquerda e insistências à direita, António Costa apontou o dedo à postura intransigente dos sindicatos, acabando por admitir que não há dinheiro para devolver aos professores todo o tempo perdido, adianta o Observador.

“Não há disponibilidade para fazer o acordo com base na posição intransigente dos sindicatos, não havendo evolução não há mais negociação, a não ser que haja disponibilidade para evolução”, afirmou o primeiro-ministro.

Fernando Negrão lançou a Educação para a fogueira, introduzindo assim a contagem do tempo de carreiras no debate. Depois de o OE para 2018 ter sido aprovado, lembrou, foi votada uma resolução no Parlamento (que contou com o apoio do PS) que apontava a uma contabilização dos “tempos totais” de descontos dos professores, no momento de descongelar as carreiras.

Negrão acusou assim o Executivo socialista de deixar uma promessa por cumprir, e Costa respondeu com a palavra-chave: “intransigência”, lembrando que os sindicatos não quiseram abdicar da contagem de todo o tempo de congelamento de progressões.

Costa afirmou ainda que aquilo que foi aprovado no Orçamento visou “a abertura do processo negocial para se definir o tempo e o modo dessa contagem, tendo em conta a sustentabilidade dos recursos disponíveis”.

“Convém recordar que o que consta do Programa do Governo foi o princípio do descongelamento de carreiras e o cronómetro foi reposto a contar para os professores”, frisou, acrescentando que já este ano houve descongelamento para cerca de 45 mil docentes, num montante de despesa de 90 milhões de euros, escreve a RTP.

O Governo tem lembrado que nas leis do Orçamento do Estado dos anos do congelamento ficou determinada que para as primeiras não seria contabilizado o tempo de serviço deste período para efeitos de progressão.

Segundo o Público, esta situação foi alterada pelo artigo 19.º da lei do OE para 2018 que determinou a contabilização deste tempo também para as carreiras especiais e que o modo e o prazo em que tal será feito serão definidos em negociações com os sindicatos.

No debate quinzenal desta terça-feira, Costa, admitiu que o Governo está obrigado a cumprir o que se encontra estabelecido na lei do OE. No entanto, sublinhou que esta “nunca fala na contabilização da totalidade do tempo de serviço”.

Afinal, proposta está em cima da mesa

Esta segunda-feira, após as reuniões com os sindicatos, o ministro da Educação adiantou que não seria considerado um único dia do tempo em que as carreiras estiveram congeladas, devido ao fracasso das negociações.

No Parlamento, Costa tomou uma posição diferente. “Nós propusemos e a proposta está em cima da mesa”, afirmou, adiantando que “no dia em que os sindicatos quiserem retomar a negociação da nossa proposta, estamos abertos a isso“.

Mas Assunção Cristas não se conformou. “Não foi isso que ouvimos, o que ouvimos é que, então, não havia nada. O que ouvimos foi não querem negociar, então não há nada. Se está a dizer que pelo menos os dois anos existem, já é um progresso”.

A Esquerda também não gostou da posição do Ministério da Educação. Catarina Martins falou em “chantagem inédita e prepotência” face aos sindicatos. “Onde o Governo fala de negociação neste momento o país só vê prepotência”, disse a coordenadora do Bloco de Esquerda.

Mas o problema não é nem a prepotência, nem a chantagem. Segundo António Costa, o impacto da proposta dos sindicatos seria de 600 milhões de euros, um valor que “não é comportável”.

“O impacto da contagem desde 2011 seria de 600 milhões de euros, o acordo que o Governo pode fazer é de acordo com as disponibilidades”, frisou, reiterando que a proposta do Governo permitiria contar dois anos, nove meses e 18 dias.

600 milhões? Não temos!

Perante a deputada do PEV Heloísa Apolónia, o chefe do Executivo insistiu não haver dinheiro para suportar o custo que implicaria contar o tempo de serviço dos professores entre 2011 e 2017.

“Quando falei em 600 milhões de euros não é o custo dos nove anos, quatro meses e dois dias. São só o custo que teria o tempo de 2011 a 2017 e, por mais faseamento que exista, no final do dia são sempre mais 600 ME por ano“, precisou o primeiro-ministro, citado pela Visão.

A proposta de dois anos, nove meses e 18 dias foi “ao limite das capacidades financeiras” existentes e é a única que, cumprindo a lei, permite “tratamento de igualdade relativamente aos outros servidores do Estado”.

A deputada acusou o Governo do PS ser uma desilusão, frisando que o primeiro-ministro está a preparar-se para não cumprir a lei na negociação.

“Criar uma chantagem com os sindicatos, dizer que ou aceitam os dois anos e nove meses ou não levam nada. Este governo do PS está a ser uma desilusão”, disse a deputada que em dezembro de 2017 fez aprovar a resolução a estabelecer que, uma vez descongeladas as carreiras, fosse contado todo o tempo de serviço para efeitos de progressão.

Debate marcado para 15 de junho

O grupo parlamentar do PCP requereu ao presidente da Assembleia da República o agendamento, para o próximo dia 15, de um debate dedicado ao dossier da classe docente.

Ana Mesquita, deputada do PCP, acusou o Governo de manter uma “posição gravíssima”, devido à “possibilidade de violar duplamente” a letra do Orçamento de Estado para este ano, isto porque o documento prevê que “o tempo tem de ser integralmente considerado e o que está sob negociação é o tempo e o modo como é contabilizado”.

Já Joana Mortágua, do Bloco de Esquerda, defendeu a necessidade de chamar com urgência o ministro da Educação à Assembleia.

“O Governo quer castigar milhares de professores por causa de um braço-de-ferro com os sindicatos no qual não tem razão porque a posição do senhor ministro contraria a Assembleia da República, contraria a palavra do Governo, a expectativa dos professores e a ideia de que quem trabalhou uma década na escola pública não pode ver o seu tempo de serviço apagado como se não tivesse lá estado”, apontou a deputada, ouvida pela Lusa.

ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Não tem dinheiro?? Então não está TUDO uma MARAVILHA?? É TUDO MENTIRA… como habitualmente c/ estes srs… Quando saem do poleiro deixam um buraco que nem é bom !! Acordem Portugueses deixem de ser LORPAS. Ele tem razão não há dinheiro, ponto final o resto é tudo ILUSÃO!

  2. Não é o Governo não ter dinheiro. Somos nós… os Portugueses todos que não temos dinheiro! O Estado só tem o que nos tira. E por muito que nos tire nunca dará para tudo porque a máquina do Estado pelo meio come tudo.
    Ó Costa, não pagues aos professores e manda o Mário Nogueira trabalhar que já é tempo. Carrega Costa!
    O mais incrível é que eu costumo votar PSD e se calhar nas próximas eleições, se o Costa não baixar as calças a ninguém, votarei na dupla Costa / Centeno!

  3. Um energúmeno que é tão canalha que faz contratos com partidos e sindicatos QUE NÃO PODE CUMPRIR – tenha o feito de má-fé, por PERVERSÃO DE CARÁCTER OU por PURA INCOMPETÊNCIA, deve ser banido da política portuguesa imediatamente! É ofensivo para a dignidade do país ter um cidadão ou INCOMPETENTE OU COM CARÁCTER PERVERSO a desempenhar o cargo que este desempenha! PELA HONRA DO PAÍS, ou se demite OU TEM DE SER DEMITIDO!

    • E dizia o “indiano”: “Palavra dada, palavra honrada ” ! A honra deste gajo está a olhos vistos.

  4. Se não tinhas dinheiro não prometias! Mas a austeridade não acabou já? Desde que o Passos Coelho saiu? Não andou o Passos com austeridade desnecessária? Nunca me enganaste, palhaço!!! Quando te convém até prometes o kù e oito tostões!!

  5. Nesta disputa, vamos ver quem, efectivamente, sabe que tem o poder nas suas mãos.
    O Governo aposta na estupidez do Povo que vota sempre nos mesmos para governar. Neste caso, aposta que os professores são estupidos e quando chegar às eleições, lá estarão os professores divididos nos seus votos.
    O Governo não tem dinheiro para pagar aos professores que trabalharam, mas teve par por nos bancos, protegendo quem foi “roubando?”. E quando chegarem as eleições, será que os professores vão ter votos para dar ao PS nas próximas eleições?
    Se o Governo não pagar o que deve e se os professores votarem PS, impõe-se perguntar: será que os professores têm capacidades intelectuais para exercerem uma profissão que deveria estar reservada aos intelectualmente mais brilhantes?

RESPONDER

Diamante de 183 quilates está à venda em leilão angolano

A Sodiam, empresa pública de comercialização de diamantes angolana, lançou na quarta-feira o segundo leilão para venda de diamantes brutos, que inclui uma pedra de 183 quilates, e no qual estão já registadas mais de …

Bruxelas aprova compra de Seguradoras Unidas e AdvanceCare pela Generali

A Comissão Europeia aprovou, esta quinta-feira, a compra das portuguesas Seguradoras Unidas e AdvanceCare ao grupo norte-americano Apollo pelo grupo italiano Generali, um negócio no valor estimado de 600 milhões de euros. O Executivo comunitário adiantou, …

"Rebeldes" que saíram do Partido Conservador concorrem como independentes ou pela oposição

Vários deputados dissidentes ou expulsos do Partido Conservador estão a candidatar-se como independentes ou por partidos da oposição nas legislativas de 12 de dezembro por se oporem ao Brexit negociado pelo primeiro-ministro. O antigo procurador-geral Dominic …

CGD já está a cobrar comissões nos depósitos de instituições financeiras

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) já começou a cobrar comissões nos depósitos das instituições financeiras, de modo a tentar contornar a política monetária do Banco central Europeu. A intenção de cobrar comissões nos depósitos de …

Câmara de Oliveira de Azeméis pagou contas de concelhia do PSD, acusa Ministério Público

O Ministério Público (MP) deduziu esta quarta-feira acusação contra 68 arguidos no âmbito da operação “Ajuste Secreto”. Entre os acusados está o antigo autarca da Câmara de Oliveira de Azeméis Hermínio Loureiro, que é a …

PAN defende atribuição de cartão de cidadão a sem-abrigo

A iniciativa recomenda ao executivo socialista, liderado por António Costa, que seja atribuído "um cartão de identificação a todos aqueles que não têm uma casa ou um teto". O PAN apresentou na Assembleia da República um …

Governo quer criar regras especiais para alunos do profissional acederem ao Ensino Superior

O Governo quer criar um modelo de acesso específico para alunos do ensino profissional que queiram prosseguir estudos superiores, uma proposta que chegou a estar desenhada na anterior legislatura, mas que ainda não avançou. Segundo noticiou …

Menos de metade dos médicos do SNS trabalha em regime de exclusividade

Menos de metade (42,9%) dos médicos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) trabalha em regime de exclusividade, avança o Jornal de Notícias, citando números da Administração Central dos Serviços de Saúde.  Segundo dados apresentados esta quinta-feira …

Grávidas e crianças até aos 10 anos não devem comer peixe-espada e atum, recomenda Espanha

A Agência Espanhola de Segurança Alimentar e Nutrição publicou novas recomendações no final de outubro para o consumo de determinados tipos de pescado, nomeadamente o atum e o peixe-espada, tubarão ou cação e Lúcio. Em causa …

Deputado Lobo d'Ávila abre portas ao futuro no CDS. "Não digo não" ao partido

O ex-deputado Filipe Lobo d'Ávila afirmou que não afasta a possibilidade de se candidatar à liderança do CDS. O potencial candidato à sucessão de Assunção Cristas indicou que a estratégia do partido, nos últimos anos, …