Pais pedem mudança legislativa ao Governo para que greve não afete alunos

USP Imagens

Os pais e encarregados de educação querem que o Governo altere a legislação relativa às reuniões de avaliação para que os alunos não sejam prejudicados por greves de professores, tal como está a acontecer atualmente.

A posição é da Confederação Nacional de Associações de Pais (Confap), que esteve reunida e decidiu pedir a intervenção “urgente” do Ministério da Educação para acautelar a situação dos alunos, contou à Lusa o presidente da Confap, Jorge Ascensão.

No braço de ferro entre ministério e professores sobre a contagem do tempo de serviço congelado para efeitos de progressão na carreira, o recém-criado sindicato S.T.O.P. convocou uma greve às reuniões de avaliação que começaram na segunda-feira e que afetam os alunos do 9.º, 11.º 12.º anos, que este ano fazem exames nacionais (provas que só se podem realizar depois de divulgadas as notas).

Todas as restantes estruturas sindicais, entre as quais a Fenprof e a FNE, também marcaram uma greve às avaliações, mas apenas a partir de dia 18 para acautelar a situação dos estudantes que têm exames nacionais.

A atual legislação define que basta faltar um professor para impedir a realização dos conselhos de turma, que acaba por ter de ser adiado, atrasando todo o processo.

Para a Confap, o despacho normativo que define esta regra tem de ser alterado, uma vez que “os Conselhos de Turma tal como estão definidos permitem uma greve ‘ad aeternum’, que obviamente vai prejudicar todos os que fizeram um trabalho ao longo do ano, sejam professores sejam alunos, defendeu Jorge Ascensão, sublinhando que “é preciso rever estas situação”.

Segundo Jorge Ascensão, aquelas reuniões “são apenas uma formalidade”, uma vez que “as avaliações já estão previamente decididas” pelos professores.

Por isso, a Confap decidiu pedir ao ministério que “providencie no sentido de se proceder à revisão do despacho normativo que regulamenta o regime de avaliação, nomeadamente no que respeita à constituição e funcionamento dos Conselhos de Turma para efeitos de avaliação”.

“Não podemos concordar com esta forma de reivindicar os direitos. Compete ao Governo acautelar e garantir que, no futuro, estas situações possam ser precavidas“, acrescentou o presidente da CONFAP, sublinhando que a greve “tem graves consequências para todos os alunos que estão sujeitos a exames e a avaliações”.

A Confap pede ainda que “o Ministério da Educação emita de imediato um despacho normativo para garantir as necessárias condições ao cumprimento do calendário escolar”, que é conhecido desde o ano passado e define várias questões, tais como as datas de provas nacionais.

Jorge Ascensão acrescenta ainda que foi decidido por unanimidade pedir a intervenção governamental para que sejam “garantidas todas as condições para que os jovens não sejam prejudicados no seu direito de se candidatarem ao Ensino Superior, bem como no prosseguimento do seu percurso académico nos ensinos básico e secundário”.

Acusando os sindicatos de “instrumentalizar a educação”, a Confap reconhece que a greve [às avaliações] são “legitimas e permitidas”, mas “hipotecam o futuro dos alunos do 9.º e 12.º anos”.

Os pais compreendem a luta dos professores, mas não podem compreender esta forma de luta, que prejudica aqueles que trabalham”, conclui Jorge Ascensão.

São várias as razões da greve dos professores, sendo a mais conhecida a reivindicação dos nove anos, quatro meses e dois dias de serviço que estiveram congelados e que os docentes querem que seja contabilizado para progressão na carreira.

A reivindicação tem sido sempre recusada pelo Governo que diz pôr em causa a estabilidade financeira do país, tendo apresentado em alternativa a reposição de quase três anos de serviço congelado.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Sou professor. Compreende-se as preocupações (legítimas) das várias partes envolvidas (alunos, pais, professores, sindicatos, governo). Contudo, se alterarem essa legislação, retirar-se-á, mais uma vez, poder aos professores. Compreendo a frustração dos alunos e dos pais, mas não é correto.
    Mais: é preciso inteirar-se muito bem acerca da informação que adquirimos dos meios de comunicação. Ler, ver e ouvir o que meia dúzia de comentadores dos mass media dizem acerca dos professores e acreditar neles é um absurdo — a maioria deles nem experiência tem no ensino (lecionar no ensino superior não conta…).
    Ouvir a opinião de pessoas que não fazem ideia o que é lidar com crianças numa sala de aula (esclareça-se: cada vez mais mal-educadas e avessas a aprender algo útil) é mais fácil do que fazer um esforço para entender o que é ser professor. Quero dizer, os professores são o saco de pancada da sociedade desde 1997, mas nem podem ter o seu vencimento por direito!?

RESPONDER

Se diplomacia falhar, China admite uso de força militar para controlar Taiwan

A China vai atacar Taiwan se não houver outra maneira de impedir que este Estado se torne independente, disse Li Zuocheng, um dos mais importantes generais do país, esta sexta-feira. Esta será uma opção de …

Encontrada canábis e incenso em templo bíblico de Israel. Foram usados em ritos religiosos antigos

A análise do material em dois altares da Idade do Ferro descobertos na entrada do santuário "santo dos santos" em Tel Arad, no vale de Beer-sheba, Israel, contém canábis e incenso. Escavações anteriores revelaram duas fortalezas …

Funerárias de Nova Iorque processadas por guardarem cadáveres em camiões

Devido ao elevado número de mortes causadas pela covid-19, as agências Andrew T. Cleckley, DeKalb e Armistead Burial armazenavam os corpos nos camiões frigoríficos até ser possível realizar os funerais. Três processos foram movidos por, pelo …

"Never again". Estudantes nos EUA vão aprender mais sobre o Holocausto

Estudantes norte-americanos vão passar a aprender mais coisas sobre o Holocausto, numa altura em que os Estados Unidos enfrentam níveis cada vez mais altos de antissemitismo. De acordo com a revista Newsweek, o Presidente norte-americano, Donald …

Polónia vai ser o primeiro país a voltar a ter adeptos nas bancadas

A Polónia vai ser o primeiro país a voltar a ter adeptos nas bancadas. Os estádios vão poder ter 25% da sua capacidade preenchida, anunciou o primeiro-ministro. De acordo com o jornal online Observador, a liga …

Recondicionados e "banhados a ouro". Irmão de Pablo Escobar vai vender iPhones 11 a 540 euros

A empresa de Robert Escobar, irmão do narcotraficante Pablo Escobar, está a vender iPhones 11 Pro recondicionados por 499 dólares (450 euros). Numa comunicação citada pelo portal Engadget, a Escobar Inc revela que está a vender …

É um polvo, chama-se Dumbo e mora a sete mil metros de profundidade (um novo recorde)

Um polvo foi fotografado no leito do Oceano Índico, a sete mil metros de profundidade. É um novo recorde. A descoberta de um polvo a 7 mil metros de profundidade, 6.957 metros mais especificamente, foi relatada …

Quem andar de montanha russa no Japão não pode gritar (nem bater palmas)

A Associação de Parques Temáticos do Leste e Oeste do Japão divulgou um novo guia de recomendações, numa altura em que o país começa a reabrir face à redução do número de novos casos de …

Jackson Martínez admite terminar carreira no final da época

O futebolista colombiano admitiu, numa entrevista a uma rádio colombiana, que está a pensar pôr um ponto final na carreira no final desta temporada. "Não descarto retirar-me, mas por agora estou focado em terminar a época. …

Na Rússia, os médicos na linha da frente não são aplaudidos das janelas. Enfrentam desconfiança e hostilidade

Em muitos países, os profissionais de saúde na linha da frente do combate ao novo coronavírus são apreciados e até aplaudidos das janelas. No entanto, na Rússia, a história é diferente. De acordo com a …