Orçamento de 2017 vai devolver salários e aumentar impostos

Tiago Petinga / Lusa

António Costa e Mário Centeno

António Costa e Mário Centeno

O Governo prometeu continuar com a devolução de rendimentos no próximo ano, mas o Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) também deverá incluir aumentos de alguns impostos indiretos, como o agravamento da tributação sobre imóveis de elevado valor.

A cerca de duas semanas para a entrega da proposta do OE2017 na Assembleia da República, o Governo, pela voz de ministros ou de secretários de Estado, garantiu que a devolução de rendimentos – sobretudo através do fim dos cortes salariais na Função Pública e da sobretaxa do Imposto sobre o Rendimento de pessoas Singulares (IRS) – é para continuar no próximo ano.

No entanto, o ministro das Finanças, Mário Centeno, disse já que as alterações fiscais previstas para o próximo ano “terão o mesmo padrão de 2016”, através de um “balanceamento entre impostos diretos ‘versus’ indiretos”.

O OE2017 deverá incluir um novo imposto sobre o património imobiliário de valor mais elevado, uma medida que o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, lembrou que estava inscrita no programa do Governo.

No Programa de Estabilidade 2016-2020 (PE), enviado à Comissão Europeia em abril, e na proposta das Grandes Opções do Plano (GOP) de 2017, enviada ao Conselho Económico Social (CES) na semana passada, o Governo socialista liderado António Costa deixou já algumas pistas sobre as medidas que deverão ser incluídas no OE2017.

Eis algumas das medidas que o Governo poderá introduzir em 2017:

IRS

A eliminação da sobretaxa de IRS em 2017 já tinha ficado prometida numa lei aprovada em dezembro de 2015, um compromisso que foi reiterado no OE2016.

No PE, o Governo defendeu a “redução da fiscalidade sobre o trabalho, através da eliminação da sobretaxa do IRS e de alterações ao imposto que reforcem a sua progressividade”.

Mário Centeno garantiu em Bratislava, no início de setembro, que o OE2017 vai manter a “trajetória de redução da carga fiscal” e que as famílias portuguesas não vão pagar mais impostos diretos no próximo ano, assegurando que, “em termos de IRS, as taxas não serão alteradas e que “há um compromisso em relação à redução da sobretaxa que será mantido”.

Mais recentemente, em Lisboa, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais disse que o Governo vai reformar o regime de deduções de educação no IRS para “acabar a querela do que são ou não são despesas de educação”.

Só a redução da sobretaxa terá um custo estimado de 430 milhões de euros este ano e, no próximo ano, o impacto será de 380 milhões que o Estado deixará de cobrar ao eliminar a medida, segundo as projeções do Governo.

IVA da restauração

A redução do IVA na restauração dos 23% os 13% entrou em vigor a 01 de julho último e manter-se-á em todo o ano de 2017.

O ministro das Finanças garantiu no parlamento que o OE2017 não vai trazer mexidas no IVA: “Há um conjunto de impostos que não são alterados, por exemplo quando falamos no IVA”.

O Governo estimou que a medida vai custar 175 milhões de euros no segundo semestre de 2016 e que, em 2017, represente uma redução da receita de mais 175 milhões de euros face ao ano anterior.

Tributação do património imobiliário

No OE2016, o Governo tinha já algumas medidas agendadas para 2017, como foi o caso das alterações ao Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI): a taxa máxima a pagar a partir de janeiro foi reduzida de 0,5% para 0,45% e o valor patrimonial tributário (VPT) dos imóveis será alvo de uma correção monetária extraordinária “com base no fator 1,0225”, o que corresponde a um aumento de 2,25%.

O executivo deverá avançar com um novo imposto sobre o património imobiliário que incidirá sobre os imóveis de valor mais elevado, mas a medida ainda não foi especificada pelo Governo, tendo Fernando Rocha Andrade dito apenas que esta proposta já “estava inscrita no programa do Governo”.

No entanto, o BE, um dos partidos que apoia o Governo no parlamento, é que tem dado alguma informação: a deputada Mariana Mortágua disse que o imposto vai incidir sobre o património global cujo VPT seja superior a um limite ainda por definir, admitindo que pudesse ser aplicado a partir dos 500 mil euros.

Em entrevista à Antena 1, Mariana Mortágua acrescentou que este imposto não incidirá sobre a totalidade do VPT destes imóveis mas apenas sobre o valor remanescente. Por exemplo, se o limite fixado for um milhão de euros, uma casa com um VPT de 1,2 milhões de euros será tributada via este novo imposto apenas relativamente a 200 mil euros.

Salário mínimo

O salário mínimo nacional foi aumentado em janeiro deste ano para os 530 euros, depois de ter estado congelado nos 485 euros entre 2011 e 2015. No Programa do Governo, o executivo comprometeu-se a subir gradualmente o valor desta remuneração, de forma a atingir os 600 euros em 2019, o último ano da legislatura.

A medida teve como contrapartida para os patrões uma descida de 0,75 pontos percentuais na Taxa Social Única (TSU) aplicada aos salários mínimos e paga pelas empresas.

A promessa foi reiterada na proposta de GOP, em que o executivo mantém a intenção de dar continuidade ao aumento progressivo do salário mínimo nacional.

O primeiro-ministro, António Costa, garantiu num evento do PS em Coimbra, em 17 de setembro, que “o Governo também não desistirá do aumento progressivo do salário mínimo nacional”.

Na semana passada, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social apresentou aos parceiros sociais três cenários para o aumento do salário mínimo: um acordo de médio prazo, um acordo parcial e um valor a decidir pelo Governo depois de ouvidos os parceiros.

Mas Vieira da Silva, sem adiantar pormenores, afirmou que “o Governo deseja promover um acordo de médio prazo com os parceiros sociais”, e considerou que ainda há tempo para a sua negociação, apesar de o salário mínimo ser aumentado a 01 de janeiro.

Fundos estruturais

No PE, o Governo previa uma receita de 285 milhões de euros em fundos estruturais da União Europeia em 2017. No entanto, com o processo das sanções de que Portugal foi alvo por não ter reduzido o défice abaixo dos 3% em 2015 (ficou nos 4,4%), esta verba ficou ameaçada.

Entretanto, Bruxelas recomendou a suspensão de multas ao país (decisão confirmada pelo Ecofin), mas o processo de congelamento parcial de fundos, por ser automático, prossegue.

A defesa de Portugal foi apresentada em carta escrita pelo ministro das Finanças e enviada aos responsáveis europeus, argumentando o Governo que a suspensão destes fundos, mesmo que parcial e temporária, teria efeitos ainda mais danosos para a economia portuguesa que a aplicação de uma multa.

O Parlamento Europeu (PE) realiza na segunda-feira, à margem da sessão plenária, a primeira audição sobre a eventual suspensão de fundos estruturais a Portugal e Espanha, no âmbito do Procedimento por Défice Excessivo (PDE).

Fim dos cortes salariais na Função Pública

No início deste ano, o Governo deu início à devolução progressiva (trimestral) das remunerações na Função Pública e, em outubro, os funcionários públicos voltam a receber os seus ordenados por inteiro, o que não acontecia há cinco anos, quando foram aplicados cortes aos salários acima de 1.500 euros brutos.

Assim, o próximo ano será o primeiro desde 2011 em que o Estado volta a assumir o pagamento dos vencimentos dos funcionários públicos sem reduções, uma medida que vai custar 704 milhões de euros, mais 257 milhões do que em 2016, estimou o Governo no PE.

A reposição salarial é uma das exigências dos partidos que apoiam o Governo socialista no parlamento – PCP, Bloco de Esquerda e partido ecologista ‘Os Verdes’ (PEV) – e o ministro do Trabalho garantiu que o OE2017 vai “reforçar as opções introduzidas este ano”, como a reposição salarial.

Também na proposta das GOP, o executivo voltou a afirmar que pretende “continuar a recuperação salarial dos trabalhadores do Estado”.

Progressão nas carreiras e aumentos salariais congelados

Em 2017, a progressão nas carreiras da Função Pública deverá manter-se congelada, segundo o PE, que também não contempla o aumento de despesa com aumentos salariais.

Na circular que contém as instruções para os serviços preparem o OE2017, publicada em julho, as Finanças determinaram que “a orçamentação das remunerações é realizada com base nos vencimentos estimados para dezembro de 2016”, ou seja, tendo em conta a reversão total dos cortes salariais.

Mas isto não exclui a possibilidade de aumentos salariais, até porque no passado a almofada orçamental prevista nos orçamentos para responder a eventuais situações inesperadas foi canalizada para financiar estes aumentos. No entanto, o executivo ainda não se pronunciou sobre a possibilidade de eventuais subidas dos salários dos funcionários públicos.

Contratação pública

O Governo deverá manter a regra que permite contratar um trabalhador por cada dois que deixem a Função Pública.

No PE, o executivo de António Costa prevê uma poupança de mais 122 milhões de euros na “política de emprego público e outros incentivos à produtividade” em 2017, rubrica onde se inclui esta regra.

Despesa com consumo intermédio e juros

Para o próximo ano, o Governo pretende poupar 300 milhões de euros em consumos intermédios, uma estimativa incluída no PE e que não considera a redução dos encargos com Parcerias Público-Privadas (PPP).

O executivo pretende ainda poupar 180 milhões de euros através do congelamento da despesa corrente e gastar menos 141 milhões de euros nos juros com a dívida pública.

No entanto, não explica como é que pretende fazê-lo, o que motivou críticas de várias entidades, como a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), a Comissão Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI), que avisaram que essa falta de especificação pode colocar em causa os objetivos de poupança.

Entretanto, na circular com as instruções de preparação do OE2017, as Finanças pediram aos serviços para que incorporassem nos planos orçamentais iniciativas de “melhoria da eficiência e de controlo de despesa que permitam acomodar o efeito de novas pressões orçamentais, mas também gerar folgas financeiras para acomodar eventuais novos projetos”.

Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES)

Na proposta das GOP, o Governo reitera que pretende extinguir a CES, uma medida que representará uma perda de receita de 18 milhões de euros, segundo o PE.

A CES foi implementada como medida transitória em 2011 e desde 2015 que incide sobre as pensões superiores a 4.611,42 euros. No entanto, este ano a taxa foi reduzida para metade: 7,5% para o montante entre os 4.611,42 euros e os 7.126,74 euros e 20% para o valor que excede este valor.

Prestações Sociais

O Indexante de Apoios Sociais (IAS) deverá ser atualizado no próximo ano pela primeira vez desde 2008, devendo ser aumentado em linha com a inflação (em torno dos 0,7%), pelo que este valor que serve de base ao cálculo das prestações sociais deverá passar dos 419,22 euros para os 422,15 euros.

O aumento em 2017 já estava previsto no OE2016 e foi assegurado mais recentemente por António Costa e Vieira da Silva.

Também as pensões mínimas serão atualizadas, sendo que o primeiro-ministro garantiu há cerca de duas semanas que estas prestações serão atualizadas “nos limites das possibilidades”.

Por outro lado, e segundo o PE, o Governo pretende cortar 100 milhões de euros em prestações sociais em 2017 através da redução da despesa com subsídio de desemprego e de um maior controlo e fiscalização nas atribuições de outras prestações sociais, no âmbito do plano de combate à fraude e evasão prestacional e contributiva.

O executivo reitera esta intenção, de “reavaliar as isenções e reduções da taxa contributiva para a Segurança Social”, na proposta de GOP.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Conquistadores espanhóis usaram técnicas indígenas para construir as suas armas

Um novo estudo concluiu que os invasores espanhóis foram obrigados a aprender com os indígenas da Mesoamérica sobre a produção de cobre. Descobertas arqueológicas em El Manchón, no México, apoiam a ideia de que invasores espanhóis, desesperados …

Açambarcamento de medicamentos por Portugal? "É um total absurdo", diz Infarmed

O Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde reagiu à acusação feita por uma organização belga, que dizia que Portugal está a fazer um armazenamento excessivo de medicamentos essenciais para o tratamento …

Descoberto âmbar com 40 milhões de anos com duas moscas a acasalar

Há 40 milhões de anos, no supercontinente Gonduana, duas moscas que se encontravam a acasalar viram-se, inesperadamente, numa situação complicada. De alguma forma, este par de moscas de pernas longas (Dolichopodidae) ficou preso na seiva pegajosa …

40 marinheiros do porta-aviões Charles de Gaulle com sintomas de covid-19

Quarenta marinheiros do porta-aviões francês Charles de Gaulle apresentaram recentemente "sintomas compatíveis" com os da infeção pelo novo coronavírus e estão sob "observação médica reforçada", anunciou o Ministério da Defesa. "A partir de hoje, uma equipa …

Medidas para as prisões, apoios às empresas, suspensão de tarifas. Parlamento discute mais de 100 iniciativas

Medidas excecionais para prisões e banca, mais apoios às empresas ou à cultura ou a suspensão de propinas e das tarifas de gás e luz são alguns dos temas que vão passar esta quarta-feira pelo …

Trump tem "interesse financeiro" em farmacêutica que produz hidroxicloroquina (a sua "cura" para a Covid-19)

Donald Trump falou da hidroxicloroquina como uma potencial "cura milagrosa" para a Covid-19, apesar das recomendações contrárias de especialistas e da falta de estudos científicos válidos que confirmem os benefícios da substância. O The New …

Restos de bombas atómicas revelam longa vida dos tubarões-baleia

Cientistas estão a determinar a esperança de vida do maior peixe dos oceanos com a ajuda de testes de bombas atómicas realizados durante a Guerra Fria, entre os anos 50 e 60. Em perigo de extinção, …

Telescópio russo apanha o despertar de um buraco negro

O telescópio russo ART-XC do observatório espacial Spektr-RG detetou uma fonte brilhante de raios-X no centro da Via Láctea, que acabou por revelar ser o "despertar" do buraco negro 4U 1755-338. A descoberta ocorreu no passado …

O cometa interestelar 2I/Borisov partiu-se em dois

O cometa interestelar 2I/Borisov, o primeiro do seu tipo a ser descoberto em agosto do ano passado, começou a dividir-se em duas partes na semana passada. As imagens contínuas do telescópio espacial Hubble do objeto interestelar …

Estudo estima 471 mortes em Portugal até agosto (e que o pico foi atingido a 3 de abril)

De acordo com as estimativas do estudo, cerca de 151.680 pessoas vão morrer na Europa durante a "primeira vaga" da doença. Um estudo divulgado esta terça-feira nos Estados Unidos estima que a covid-19 venha a provocar …