OMS regista o maior aumento de casos em 24 horas. Ainda há “um longo caminho pela frente”, alerta

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou esta quarta-feira que há ainda um “longo caminho pela frente” em relação à covid-19, afirmando que só nas últimas 24 horas foram reportados 106 mil novos casos.

“É o maior número num único dia desde o início do surto. E quase dois terços desses casos foram relatados em apenas quatro países”, disse o responsável numa conferência de imprensa online, a partir da sede da organização, em Genebra.

Tedros Adhanom Ghebreyesus disse que a OMS está especialmente preocupada com o aumento de casos em países de baixo ou médio rendimento, salientando depois a importância de garantir que os sistemas de saúde continuem a funcionar.

Na conferência de imprensa, o responsável destacou também que a covid-19, doença provocada por um novo coronavírus, não é a única crise que o mundo enfrenta, sendo outra a das alterações climáticas, dando como exemplo o ciclone Amphan, “dos maiores das últimas décadas” e que está a atingir a Índia e o Bangladesh.

E numa perspetiva mais otimista disse que uma das lições que trouxe a covid-19 foi a de que “a saúde não é um custo, é um investimento”.

Numa conferência de imprensa sobre a covid-19 um dia depois do final da Assembleia Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus referiu-se ao evento, “produtivo” e “de uma solidariedade sem precedentes”, mas não à carta que o Presidente dos Estados Unidos mandou também na terça-feira à OMS, dando um prazo de 30 dias para haver “melhorias significativas” na organização, caso contrário acaba definitivamente com a contribuição do país para a OMS.

Questionado diversas vezes pelos jornalistas sobre a carta o responsável máximo da OMS respondeu sempre o mesmo: “Recebemos a carta e estamos a analisar”.

O diretor-geral também foi pouco explícito sobre como colmatar a lacuna caso os Estados Unidos deixem de contribuir para a organização, dizendo que esta quarta-feira a OMS já não depende tanto das contribuições dos países. No entanto Michael Ryan, diretor para a área das emergências, disse que essa contribuição ia diretamente para programas emergenciais e a falta dela “terá uma implicação negativa”.

Sobre a investigação independente à resposta da OMS à covid-19, decidida na Assembleia Mundial da Saúde, o diretor-geral disse que ela será feita o mais rapidamente possível e quando “as condições o permitirem”. E salientou depois que já foi feita uma avaliação independente que incide sobre os meses de janeiro a abril.

Na conferência de imprensa, em respostas aos jornalistas, Michael Ryan também avisou que medicamentos como cloroquina ou hidroxicloroquina não foram até agora identificados como eficazes, e Maria Van Kerkhove, que dirige a resposta à doença, disse que há atualmente mais de 120 vacinas a ser testadas, algumas delas já em pessoas.

Desde que o novo coronavírus foi detetado na China, em dezembro do ano passado, a pandemia da doença covid-19 já provocou mais de 323 mil mortos e infetou quase 4,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço da AFP. Em Portugal, morreram 1.263 pessoas das 29.660 confirmadas como infetadas, e há 6.452 casos recuperados.

ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

Empresa japonesa cria lâmpada UV inócua para humanos que inativa coronavírus

Uma empresa japonesa desenvolveu uma lâmpada de radiação ultravioleta que inativa o novo coronavírus, recorrendo a um comprimento de onda que um estudo científico diz ser inócuo para os seres humanos. A lâmpada Care 222 foi …

Trump pede à ONU atribuição de sanções à China por ter "ocultado factos relevantes"

O Presidente dos EUA, Donald Trump, exortou hoje as Nações Unidas a “pedirem responsabilidades à China” pela sua atuação na fase inicial da expansão da pandemia de covid-19. Na sua intervenção durante o debate geral da …

Há um "clima de medo e insatisfação" nas Forças Armadas, diz Associação de Sargentos

O presidente da Associação Nacional de Sargentos (ANS), Lima Coelho, disse à Rádio Renascença que se vive um "clima de medo e insatisfação nas Forças Armadas", que inclui ameaças, avaliações injustas, demora excessiva das reclamações …

Teletrabalho e questões ambientais são prioridade para o PS no início da sessão legislativa

A líder parlamentar do PS afirma que duas das principais prioridades da sua bancada no início da presente sessão legislativa vão passar pela regulamentação do teletrabalho e pela aprovação de uma lei de bases do …

Justiça alemã abre novo inquérito contra suspeito do desaparecimento de Maddie

A justiça alemã abriu um novo inquérito contra o principal suspeito do desaparecimento de Maddie McCann, relativo à violação de uma jovem irlandesa, em 2004, anunciou, esta terça-feira, o procurador de Brunswick. "Posso confirmar que investigamos …

Mais de metade dos portugueses acredita que os fundos europeus vão ser mal geridos

Mais de metade dos portugueses (60,6%) acredita que os fundos europeus que Portugal vai receber para fazer face à pandemia vão ser mal geridos, revela uma sondagem da Intercampus para o Jornal de Negócios e …

CMVM avança com suspensão de ex-secretário de Estado da Energia da OMIP

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) notificou, esta segunda-feira, o ex-secretário de Estado da abertura de um processo para a sua suspensão da administração da OMIP, alegando "dúvida fundada" quanto à adequação aos …

Satélite mostra preparativos de desfile na Coreia do Norte (e há quem desconfie da presença de novos TEL)

Novas fotografias tiradas por satélite e analisadas hoje pelo portal especializado 38North mostram os preparativos para um grande desfile militar na capital da Coreia do Norte, que a 10 de outubro comemora a fundação do …

Cartéis mexicanos ganharam cerca de 40 mil milhões de euros em apenas 2 anos

Os grupos criminosos do México ganharam cerca de mil milhões de pesos (perto de 40 mil milhões de euros), entre 2016 e 2018, revelou na segunda-feira a Unidade de Inteligência Financeira (UIF) do Governo mexicano. Durante …

O outono acaba de chegar ao hemisfério norte. E há uma razão para ter sido hoje

Setembro é o mês do regresso às aulas e ao trabalho. Após os dias quentes de verão, chega o outono. Este ano, a estação começa hoje, dia 22 de setembro, mais precisamente às 15h31, segundo …