Ministério Público abre inquérito a agressão a jovem por segurança no Porto

Nicol Quinayas / Facebook

Nicol Quinayas, a jovem agredida no São João no Porto

O Ministério Público abriu um inquérito para investigar o caso da jovem agredida no domingo, no Porto, por um segurança que trabalhava para o Serviço de Transportes Coletivos do Porto (STCP).

“Confirma-se a existência de inquérito, o qual corre os seus termos no DIAP [Departamento de Investigação e Ação Penal] do Porto”, indicou a a Procuradoria-Geral da República (PGR) em resposta escrita à Lusa.

Nicol Quinayas, de 21 anos, nascida em Portugal, mas de ascendência colombiana, alega ter sido violentamente agredida e insultada na madrugada de domingo, no Porto, por um segurança da empresa 2045 a exercer funções de fiscalização para a empresa STCP.

Segundo uma fonte da PSP do Porto contactada pela Lusa, a jovem “apresentou queixa por agressão ocorrida na noite de São João”, no momento em que “aguardava na fila para entrar num autocarro da STCP”.

Depois de o caso se ter tornado público, inicialmente pelas redes sociais e depois pelos jornais, a SOS Racismo condenou a agressão à jovem, que reside em Gondomar, no distrito do Porto.

A Inspeção Geral da Administração Interna já abriu um processo para esclarecer junto da PSP o caso e, numa nota enviada às redações, o Ministério da Administração Interna (MAI) diz que o ministro Eduardo Cabrita “não tolerará fenómenos de violência nem manifestações de cariz racista ou xenófobo“.

A empresa de segurança privada 2045 revelou quarta-feira ter iniciado um processo de averiguações interno e hoje indicou que o segurança da empresa que alegadamente agrediu a jovem já “não está ao serviço da STCP”.

Em comunicado, a 2045 confirmou a “ocorrência na STCP do Porto, na noite de São João, pelas 05h30/06h00”, e acrescenta que esta “foi comunicada à PSP, que esteve presente no local”.

Sem nunca mencionar a acusação de “motivações racistas” avançada pela agredida, a 2045 refere, no entanto, ter “cerca de três mil funcionários, entre vigilantes e colaboradores da estrutura”, que incluem “elementos de várias etnias”, assegurando não haver “qualquer tipo de discriminação de nacionalidade, religião, raça ou género”.

A gestão da STCP foi entregue à Área Metropolitana do Porto e às autarquias que hoje exploram a empresa.

Nos últimos dias, vários partidos condenaram a agressão e exigiram explicações ao Governo. Na quinta-feira, o PS exigiu que o Governo atue junto das forças policiais para que haja consequências da agressão “racista” de que foi vítima a jovem e que conclua “rapidamente” o diploma sobre segurança privada.

No mesmo dia, o Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Administração Interna sobre que medidas que pretende tomar face à agressão a uma luso-colombiana, na madrugada de domingo, no Porto, quanto à investigação do caso e à empresa do segurança envolvido.

O deputado comunista Jorge Machado condenou também as agressões alegadamente racistas sobre uma jovem colombiana no Porto, no domingo, e exigiu medidas ao Ministério da Administração Interna.

Já o PSD condenou a agressão, considerando que a situação constitui “um alerta” para que rapidamente seja aprovada nova legislação sobre segurança privada.

// Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Foi preciso chegar à comunicação social, para as autoridades abrirem os olhos.
    Continuamos a ter “seguranças” mal seleccionados e formados.
    A empresa à qual pertence este segurança também deveria responder em tribunal, pela parte que lhe toca em responsabilidade.
    Simpatia para a moça atacada pelo animal…

      • Já agora poderia dizer o que a moça fez. Eu sei o que fez. Mas gostaria de ouvir a sua versão…
        Não gosta de colombianas ? É isso ?! Ou também é segurança ?

        • Duvido muito que sabias, mas eu vou-te contar:
          Ela passou à frente das outras pessoas para entrar no autocarro o que gerou uma confusão (principalmente com um do que estava na fila), depois chegou o tal fiscal/segurança/animal que lhe pediu para sair do autocarro, ela não obedeceu e começou logo com tretas (“é por ser preta”, etc!) e a bracejar, ele agarrou-a o puxou-a cá para fora (e aconteceram agressões de parte a parte) enquanto outro colega chamava a PSP, que entretanto chegou e ela também começou a resmungar com os polícias que, ao se aperceberem que ela estava alcoolizada, não lhe disserem/perguntaram mais nada!…
          Está bem assim?!
          .
          O segurança claramente exagerou, mas ela não é nenhuma santinha e não é fácil lidar com gente assim!…
          .
          “Não gosta de colombianas ? É isso ?! Ou também é segurança ?”
          Realmente essas perguntas fazem todo sentido!…
          Até porque toda a gente vê logo que ela é columbina!…
          Não sou segurança, mas, principalmente, não sou palerma!!

          • Já ouviu falar em força despropositada ?
            Esqueceu-se de falar em dois socos que deixaram a rapariga naquele estado ?
            Encostar a cara da rapariga ao chão com um joelho nas costas ?? Não sei bem quem estaria alcoolizado.
            A sua frase (agressões de parte a parte) mostra a sua parcialidade. Como se uma moça estivesse fisicamente ao nível de um segurança. A propósito… repetente nestas situações.
            Mas não sou eu nem você a julgar. Só a comentar.
            Julgar e condenar vai ser um tribunal, e nessa altura veremos de que lado está a razão, quando esse seu “amigo” apanhar uns anitos de cadeia.

            • Esqueceu-se de ler a parte em que eu escrevi “animal”?!…
              E os dois socos devem ter sido mesmo muito fraquinhos, para passados poucos dias já não ter nada na cara!…
              A razão é relativa, mas ela fez mer@da e o segurança fez ainda pior; percebeu agora ou vai continuar com palermices e a dizer que sou segurança ou “amigo” do animal?!

Benfica 2-0 Vitória SC | "Águia" vence e adia festa do Porto

Não foi esta terça-feira que o FC Porto festejou o 29º título de campeão nacional. Na recepção ao Vitória Sport Clube, o Benfica venceu por 2-0, num embate relativo à 32ª jornada da Liga NOS, …

Elon Musk lança concurso para ver quem consegue bater um caracol

O multimilionário, através da sua empresa especializada em construção de túneis, lançou um concurso mundial para ver quem é capaz de bater um caracol. De acordo com o jornal Daily Mail, Elon Musk lançou um concurso …

Covid-19. Tóquio quer pagar até quatro mil euros a bares que fiquem fechados

As autoridades de Tóquio, no Japão, estão a ponderar pagar um subsídio, que pode chegar aos quatro mil euros, aos bares que se mantenham fechados para conter a propagação da covid-19 na cidade. De acordo com …

Médicos franceses detetaram primeiro caso de bebé infetado no útero

Médicos em França pensam ter identificado aquele que será o primeiro caso confirmado de um bebé infetado com covid-19 no útero materno. De acordo com o site Business Insider, a equipa médica conta que a …

17 anos depois, Estados Unidos voltam a aplicar a pena capital a nível federal

Os Estados Unidos procederam, esta terça-feira, à primeira execução federal de um prisioneiro no "corredor da morte" em 17 anos, através de uma injeção letal. Daniel Lewis Lee, 47 anos, natural de Yukon (Oklahoma), foi executado …

Com o pretexto de paz, "senhor da guerra" vai ganhando poder na República Centro-Africana

O "senhor da guerra" Ali Darassa foi pago pelo presidente da República Centro-Africana e já influenciou a demissão de um ministro numa tentativa de manter a paz no país. A República Centro-Africana é um país atormentado …

Ministério Público acusa 25 arguidos pela queda do BES

O Ministério Público deduziu acusação, esta terça-feira, contra 25 arguidos, 18 pessoas singulares e sete pessoas coletivas, no âmbito do processo sobre a queda do Universo Espírito Santo. "O Ministério Público do Departamento Central de Investigação …

Agora, até o Toyota Corolla é um crossover

O Toyota Corolla Cross é o mais recente SUV da marca japonesa. Apesar de a marca estar a reforçar a sua gama de SUV, Portugal terá de esperar mais um pouco. Na semana passada, a Toyota …

Da Escócia à Grécia, Kleon pedalou durante 48 dias para regressar a casa

Um jovem grego, "preso" na Escócia devido ao cancelamento dos voos por causa da pandemia de covid-19, decidiu pedalar durante 48 dias consecutivos para conseguir regressar a casa. De acordo com a CNN, Kleon Papadimitriou, de …

Após fugirem da Venezuela, milhares foram obrigados a regressar por causa da pandemia (mas não é assim tão fácil)

Desde 2016, quase cinco milhões de venezuelanos deixaram o país, fugindo da pobreza e dos serviços sociais e de saúde em colapso. Agora, a pandemia de covid-19 forçou-os a regressar à Venezuela - se o …