Agentes da PSP podem ser acusados de crime no caso da jovem agredida no Porto

Nicol Quinayas / Facebook

Nicol Quinayas, a jovem agredida no São João no Porto

A Inspeção Geral da Administração Interna (IGAI) abriu um processo para esclarecer junto da PSP o caso da colombiana agredida por um segurança que trabalhava para o Serviço de Transportes Coletivos do Porto (STCP).

Numa nota enviada às redações, o Ministério da Administração Interna (MAI) diz que o ministro Eduardo Cabrita “não tolerará fenómenos de violência nem manifestações de cariz racista ou xenófobo”.

Depois de Nicol Quinayas, de 21 anos, nascida na Colômbia, ter sido violentamente agredida e insultada na madrugada de domingo, no Porto, por um segurança da empresa 2045 a exercer funções de fiscalização para o Serviço de Transportes Coletivos do Porto (STCP), vários partidos vieram condenar a agressão e exigir explicações ao Governo.

“Na sequência das questões suscitadas hoje por vários partidos parlamentares, relativas a uma ocorrência envolvendo uma cidadã colombiana no Porto, o Ministério da Administração Interna informa que, através da Inspeção Geral da Administração Interna (IGAI), foi aberto um processo administrativo, que visa o esclarecimento da situação junto da Polícia de Segurança Pública (PSP)”, refere a nota do MAI.

O ministério acrescenta ainda que se encontra “em processo legislativo as alterações à Lei da Segurança Privada”.

Depois de o caso se ter tornado público, inicialmente pelas redes sociais e depois pelos jornais, a SOS Racismo condenou a agressão à jovem, que reside em Gondomar, no distrito do Porto.

O segurança da empresa 2045 já “não está ao serviço da STCP”, disse à Lusa fonte da empresa, acrescentando que não exercerá funções enquanto decorrer o processo interno de averiguações.

PSP só registou agressão 3 dias depois

Segundo uma fonte da PSP do Porto contacta pela agência Lusa, a jovem, com família colombiana mas com nacionalidade portuguesa, “apresentou queixa por agressão ocorrida na noite de São João”, no momento em que “aguardava na fila para entrar num autocarro da STCP”.

Esta quinta-feira, o Público avançou que a PSP só fez a participação da ocorrência três dias depois do incidente. Fonte da Direção Nacional da PSP referiu ao jornal que a data do auto é de 27 de junho, quando a agressão ocorreu na madrugada de 24 de Junho e a jovem fez queixa no dia seguinte numa esquadra.

Em comunicado, a 2045 confirmou a “ocorrência na STCP do Porto, na noite de São João, pelas 05h30/06h00”, e acrescenta que esta “foi comunicada à PSP, que esteve presente no local”. “O processo de averiguações interno está a decorrer”, indica a empresa, não adiantando quando o concluirá.

Sem nunca mencionar a acusação de “motivações racistas” avançada pela agredida, a 2045 refere, no entanto, ter “cerca de três mil funcionários, entre vigilantes e colaboradores da estrutura”, que incluem “elementos de várias etnias”, assegurando não haver “qualquer tipo de descriminação de nacionalidade, religião, raça ou género”.

Agentes da PSP podem ser acusados de crime

Em entrevista ao Diário de Notícias, Inês Ferreira Leite, professora de Direito Penal na Universidade de Lisboa, considera que os agentes da PSP chamados ao local podiam ter detido o segurança por flagrante delito.

“Se ele estava em cima da miúda quando a PSP chegou, havia flagrante delito em sentido próprio, tal como está descrito no número 1 do artigo 256º do Código de Processo Penal (CPP); se quando a polícia apareceu eles já estavam separados, cabe no número 2 do mesmo artigo, porque estava lá a vítima e ele tinha as mãos ensanguentadas por lhe ter batido e havia testemunhas do que se tinha passado. Em ambas as situações podia ser detido e tinham de lavrar um auto”, explica a penalista.

“A PSP tinha que a informar da possibilidade de queixa. Está no artigo 247º do CPP: no momento em que contactam com uma potencial vítima de crime têm de a informar sobre os seus direitos de queixa. É obrigatório”, explica ainda.

“Se o não fizeram nem procederam a identificações, os agentes incumpriram uma série de deveres, manifestamente. E colocaram em causa toda a prova se não recolheram indícios nem identificaram testemunhas”, continua.

“Em causa pode estar o crime de favorecimento pessoal, previsto no artigo 367º do Código Penal”, que acontece quando alguém, total ou parcialmente, impede, frustra ou ilude atividade probatória ou preventiva de autoridade competente, com intenção ou com consciência de evitar que outra pessoa, que praticou um crime, seja submetida a pena ou medida de segurança, explica ao DN. A pena pode ir até cinco anos quando cometido por funcionário.

Além disso, a docente universitária explica que também está em causa o crime de “denegação de justiça e prevaricação”: o crime cometido por funcionário que “no âmbito de inquérito processual, processo jurisdicional, por contra-ordenação ou disciplinar, conscientemente e contra direito, promover ou não promover, conduzir, decidir ou não decidir, ou praticar ato no exercício de poderes decorrentes do cargo que exerce”, punido com pena de prisão até dois anos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Independentemente do que é que o fiscal gostava ou deixava de gostar, não se admite que a insultasse de preta e mandasse para aterra dela, num acto de manifesta discriminação racial e xenofobia.

    Alé de facto é uma miuda gira, mas isso para o caso também se torna irrelevante, já que os seguranças não têm nada de favorecer as pessoas por serem mais atraentes nem mais feias.

    • Epá… Eu sei que tenho cada vez menos tempo para postar estes comentários, sempre a correr por causa do trabalho. Mas tenho de ler melhor antes de “enviar”. É só erros ortográficos e dislexias de que felizmente não sofro… Tudo por enviar os comentários à pressa.

  2. É mais que certo os polícias estarem à pega. Os bandidos roubam, matam e fazem tudo o que querem e os polícias pagam. É o país, a sociedade e as leis que temos… Já estamos habituados.

    • Costumo defender os polícias, porque de facto a sua actividade nem sempre é devidamente reconhecida. Lamentavelmente muitas vezes são punidos por exercerem a sua actividade, onde nesse exercício ocorreu um qualquer imprevisto. Infelizmente os polícias têm nesse sentido muitos inimigos, o que não me admiraria a desmotivação de alguns para certas tarefas. Mas… – e há sempre um mas – aqui, no caso da cidadã em causa, o procedimento da polícia não foi correcto. Deveria ter agido de outra forma. Dou absolutamente razão à professora de Direito, Inês Ferreira Leite.

    • …e o que é que isso tem a ver com o caso? Se há polícias ligados a gangs, e estou seguro que há, isso não põe em causa a seriedade de milhares de homens e mulheres que trabalham na polícia.

  3. Vi um comentário no facebook de uma senhora que estava presente na noite do ocorrido e testemunhou o que aconteceu e diz que não foi nada do que a imprensa conta: a jovem estava bêbada e fez um banzé e quando o segurança lhe pediu para sair ela armou um escândalo e voltou-se contra ele. Se é verdade ou não, não sei, mas acho sempre estranho que estes casos polémicos só se fala sempre com as alegadas vítimas, ninguém dá à outra parte a oportunidade de se defender a esclarecer o que se passou…

    • Claro que foi assim… ou acha que o segurança apareceu lá por acaso?
      Foi chamado quando elas começaram o banzé e também foi chamada a PSP. Por isso é que ele a menteve detida (se calhar exagerou, mas aquilo são só arranhões e já deve ter passado!) e a quano a PSP chegou, claro que não quis saber da estoria delas – afinal tinham sido chamados pelos SCTP por desacatos e não pelas meninas santinhas “vítimas de racismo”!…
      Os media querem é escândalos e claro que o contraditório não interessa às audiências…

  4. Claro que foi assim… ou acha que o segurança apareceu lá por acaso?
    Foi chamado quando elas começaram o banzé e também foi chamada a PSP. Por isso é que ele a menteve detida (se calhar exagerou, mas aquilo são só arranhões e já deve ter passado!) e a quano a PSP chegou, claro que não quis saber da estoria delas – afinal tinham sido chamados pelos SCTP por desacatos e não pelas meninas santinhas “vítimas de racismo”!…
    Os media querem é escândalos e claro que o contraditório não interessa às audiências…

  5. O meu comentário é simples, mas longo e forte, quem respeita os trabalhadores que estão a fiscalizar não é mal tratado, agora quem reage como um bebé mimado pensando que está falar para os senhores paizinhos que não lhe deram educação, está sujeito às consequências de levar com uma resposta desagradável também ou até dois bufardos nas ventas… Ou pensam que todos são da mesma laia? Jesus Cristo só houve um… E as pessoas que comentam isto a fazer condenações não sabem nada do que se passa e se calhar no lugar de quem tem que aturar estas pessoas sem educação ainda faziam pior. Quanto ao senhores do MAI fico triste por terem tão pouco conhecimento prático do que é exercer segurança, seja pública ou privada, é lamentável! Este país realmente passou a ser um canto cheio de parasitas que não respeitam leis, normas, regras, só têm direitos. Acabe-se com esta brincadeira de uma vez, leis e regras para quê se quem não as cumpre é intocável e passa de vilão a vitimazinha num piscar de olhos. Eu aqui digo desde já que respeito toda a gente, mais meus senhores aí de quem não me respeite a mim quando estou a trabalhar, pois aí ao contrário dos governantes que dizem que não há tolerância para os abusos de autoridade, pois eu digo que não tenho tolerância para quem abusar contra a autoridade, pois sem autoridade não há liberdade, há libertinagem onde ninguém respeita ninguém e eu sou livre. Senhor vigilante, parabéns pelo seu trabalho de aturar gente sem educação que pensa que é mais do que os outros e por ter tido a coragem de meter na linha quem pensa que é mais do que os outros e com isso sofrer logo uma condenação pública. Em 42 anos de vida que espero fazer ainda este ano, nunca tive um único problema com autoridades policiais, fiscais, vigilantes, segurancas, só tive com bandalhos mal educados, infractores e criminosos, porque será?! Ver tanta gente tão limitada, realmente faz-me temer pelo futuro da humanidade!

RESPONDER

Cientistas estão a atirar rochas vulcânicas para telhados (para provar que são perigosas)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Canterbury está a lançar rochas vulcânicas para telhados na Nova Zelândia na esperança de ajudar os habitantes de Auckland a entender os perigos vulcânicos. "Auckland localiza-se num campo vulcânico …

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve nos mapas durante um século

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve durante 100 anos em muito dos principais mapas do continente africano. Acabaria por ser um militar francês, que explorou o rio Níger, a acabar com este "fantasma da …

"Continua a pairar perigosamente". Relógio do Juízo final mantém-se a 100 segundos do Apocalipse

A Humanidade nunca esteve tão perto do Apocalipse, alertam os cientistas responsáveis pelo "Relógio do Juízo Final", que decidiram mantê-lo na mesma posição do ano passado, a 100 segundos da meia-noite. O relógio, que é uma …

A primeira bateria doméstica de hidrogénio armazena três vezes mais energia do que uma da Tesla

Para usar energia solar doméstica, é preciso gerar energia quando o Sol brilha e armazená-la quando não aparece. Para isto, as pessoas usam normalmente sistemas de bateria de lítio. Porém, a empresa australiana Lavo construiu …

Um oásis LGBTQ, Budapeste é posto à prova pelo populismo e pela pandemia

Budapeste é um oásis para a comunidade LGBTQ, mas a cena drag da capital húngara vê-se ameaçada pela pandemia de covid-19 e pelas políticas conservadoras e populistas de Viktor Orbán. Durante muitos anos, Budapeste desfrutou a …

Coreia do Sul "ressuscitou" voz de uma superestrela. Chovem preocupações éticas

Pela primeira vez em 25 anos, a distinta voz da superestrela sul-coreana Kim Kwang-seok será ouvida na televisão nacional. O famoso cantor folk morreu em 1996. De acordo com a CNN, a emissora nacional da Coreia …

Maioria dos países africanos só terá vacinação em massa a partir de 2023

A maioria dos países africanos só terá imunização em massa a partir de 2023, segundo previsão da The Economist Intelligence Unit, que admite que, com o evoluir da pandemia, muitos dos países mais frágeis possam …

Mulher que "morreu" com covid-19 aparece viva 10 dias após funeral

Uma mulher de 85 anos ficou infetada com covid-19 num lar na Galiza, em Espanha. A 13 de janeiro a família de Rogelia Blanco recebeu a informação do lar de que a mulher tinha falecido. …

Familiares de vítimas na China pressionadas a não falar com OMS

As autoridades chinesas estão a pressionar as famílias das primeiras vítimas da covid-19 para que não entrem em contacto com os investigadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Wuhan, segundo familiares dos falecidos. Mais de …

Falsas vacinas à venda na Internet são grande risco para a saúde

Embora milhões de pessoas tenham sido já vacinadas contra a covid-19 nos países ricos, proliferam as fraudes na Internet com fármacos falsos que representam um grande risco para a saúde, alertaram peritos das Nações Unidas. As …