Marcelo usa máscara na rua “há meses” (e realça que já é obrigatório em vários países democráticos)

José Coelho / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, realçou esta quinta-feira que o uso de máscara no espaço público é obrigatório em vários países democráticos e referiu que não tem visto ser questionada a constitucionalidade desta medida.

O chefe de Estado, que falava no Museu da Eletricidade, em Lisboa, a propósito da proposta de lei do Governo que determina a obrigatoriedade do uso de máscara para o acesso ou permanência nos espaços e vias públicas, assinalou que pessoalmente já adotou “há meses” essa regra, sobretudo com a preocupação de “proteger os outros”.

“Quanto a passar à obrigatoriedade, eu vou esperar a deliberação do parlamento. Não vi ser suscitada a questão da inconstitucionalidade. Aliás, vários países democráticos com constituições tão democráticas quanto a nossa têm vivido essa obrigatoriedade de uso de máscara”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

Em resposta aos jornalistas, o Presidente da República salientou que está em causa uma obrigatoriedade de uso de máscara no espaço público “quando haja o risco de o distanciamento não ser respeitado” e disse que nesta matéria tem ouvido duas posições opostas por parte de especialistas.

“Tenho ouvido especialistas dizerem o seguinte: que faz sentido a recomendação e se isto se agravar fará sentido depois avançar para a obrigatoriedade. E de vez em dou comigo com um especialista a perguntar-me: e por que não pensar ao contrário, que é avançar para a obrigatoriedade, porque recomendação já existe há muito tempo?”, relatou.

Dando voz a esta segunda posição, Marcelo Rebelo de Sousa completou: “Talvez seja a altura de não esperarmos por três mil ou por quatro mil [novos casos de infeção diários] para na altura estarmos a discutir novamente se deve ser uma recomendação ou uma obrigatoriedade”.

O chefe de Estado criticou aqueles que “pedem medidas mais rigorosas” e que depois quando estas surgem vêm “invocar o problema que existe para a economia e para a sociedade” e apelou a que se atue e debata “com serenidade”.

“A Assembleia entende que faz sentido passar a recomendação de máscara a obrigatória no espaço público para obrigação? Que decida. Eu por mim decidi há muito tempo fazê-lo”, afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que adotou esta regra “por uma evidência”, tendo em conta que “há uma transmissão por uma determinada via oral” do novo coronavírus que provoca a doença covid-19, e porque “mal não fará”.

“Eu decidi proteger os outros com os quais convivo em número elevado daquilo que pode ser o risco de eu, sem saber, assintomático, poder estar infetado”, explicou.

O Presidente da República falou durante mais de vinte minutos sobre este assunto, em resposta aos jornalistas, e fez um enquadramento do crescimento de novos casos de infeção com o novo coronavírus em Portugal.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, os focos mais significativos situam-se na Área Metropolitana de Lisboa e na região Norte e estão associados a “agrupamentos de pessoas, quer a nível de contactos familiares, de vizinhança ou de amizade, quer a nível de celebrações de conjunto”.

“E daí algumas medidas restritivas”, observou, numa alusão às proibições determinadas pelo Governo de ajuntamentos de mais de cinco pessoas na via pública e de casamentos ou batizados com mais de 50 pessoas.

Por outro lado, de acordo com o chefe de Estado, “contra o que parecia uma evidência, não há números muito significativos de prova de contaminação em transportes coletivos” e “há uma nova frente que se colocou nos últimos dias, que é a abertura do ensino superior, naquela parte que tem uma componente presencial”.

Marcelo Rebelo de Sousa mencionou que entre a creche e o ensino secundário “o número contabilizado de infetados recenseados é mínimo em termos comparados com o ensino superior”.

No seu entender, “portanto, as medidas restritivas vão-se ajustando àquilo que parecem ser em cada momento as novas frentes que se colocam”, sendo certo que “não há soluções perfeitas”.

Em relação à celebração do Natal, o Presidente da República disse ter feito um apelo para que as pessoas minimizem os riscos, com encontros familiares mais reduzidos.

“Talvez eu tenha de admitir que quando fiz o apelo ainda íamos apenas em mil e tal casos, não íamos em dois mil e tal casos [de infeção com o novo coronavírus] e, portanto, terei errado na oportunidade, porque devia ter esperado mais uma semana ou duas ou três. Mas eu acho que mais vale prevenir do que remediar“, considerou.

A covid-19, doença provocada por um novo coronavírus detetado em dezembro do ano passado no centro da China, já provocou a morte de 2.128 pessoas em Portugal, onde no total foram contabilizados 93.294 casos de infeção, de acordo com a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Esta quinta-feira, registaram-se em Portugal 2.101 novos casos de infeção com o novo coronavírus, o valor diário mais elevado desde o início da pandemia, e onze mortes associadas à Covid-19, segundo a DGS.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Afeganistão. EUA lançam ataques aéreos enquanto Talibãs exigem a renúncia do Presidente

Os Estados Unidos (EUA) entraram num confronto pela cidade de Kandahar, realizando ataques aéreos em apoio às forças afegãs, enquanto os Talibãs apelam ao Presidente Ashraf Ghani para renunciar. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, avançou …

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …

Marcha do Orgulho de Budapeste será um protesto contra as leis anti-LGBTQI, diz organização

A marcha do Orgulho em Budapeste, que ocorrerá no sábado, será "uma celebração, mas também um protesto", disseram os organizadores, enquanto a comunidade LGBTQI húngara se prepara para desafiar a escalada da campanha anti-homossexual do …

PSD propõe máximo de 215 deputados e divisão de grandes círculos eleitorais

O PSD apresentou, esta sexta-feira, a sua proposta para a reforma do sistema eleitoral, que fixa um máximo de 215 deputados, menos 15 do que o total atualmente em vigor. A proposta do PSD para a …

Variante Lambda: o que saber sobre a nova mutação que preocupa as autoridades

Está a ter um foco mais circunscrito à América Latina, mas já houve dois casos desta mutação em Portugal. A OMS está atenta e de momento classifica a Lambda como uma variante de interesse. Foi inicialmente …

PSD força audição de Eduardo Cabrita sobre inquérito da IGAI

O PSD recorreu à figura da audição potestativa a que os partidos têm direito a usar regimentalmente para ouvir membros do Governo e entidades públicas.  O PSD requereu esta sexta-feira a audição parlamentar obrigatória do ministro …

Nuno Graciano "disponível" para acordo com Carlos Moedas

Nuno Graciano, candidato à Câmara Municipal de Lisboa pelo Chega, disse que há "condições" para conversar com Carlos Moedas, em caso de vitória do social-democrata. Em entrevista ao Diário de Notícias, Nuno Graciano, candidato do Chega …

Jogos Olímpicos: 4 modalidades estiveram em todas as edições

Curiosamente, em Tóquio também se vão estrear quatro modalidades (mais duas vertentes). Há desportos que só estiveram nos Jogos uma vez. Os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 já arrancaram oficialmente. Depois do início de algumas modalidades, na …

Rússia "desconectada com sucesso" da Internet mundial em nova ronda de testes

A Rússia se "desconectou com sucesso" da rede mundial de Internet durante novos testes da sua tecnologia 'RuNet', informou o site de notícias RBC. De acordo com o site, que cita fontes não identificadas no setor …

Depois das cheias, Alemanha tem outra luta em mãos: limpar montanhas de lixo

Foram as cheias mais devastadoras da Alemanha nos últimos 60 anos, mas os problemas não acabaram com as chuvas. O país terá agora de lidar com montanhas de lixo, frigoríficos estragados e carros destruídos, amontoados …