Manuel Monteiro fora da corrida a Belém (e votaria mais depressa em Marcelo do que em Mesquita Nunes)

Manuel Monteiro, antigo presidente do CDS que voltou ao partido esta semana, disse, em entrevista à Rádio Observador, que não pretende lançar-se na corrida à Belém.

Na sua primeira entrevista como novo militante do CDS, ouvido pela Rádio Observador, Manuel Monteiro rejeitou uma candidatura à Presidência da República. “Não sou hipótese. Isso está completamente fora de questão”, garantiu.

Na mesma entrevista, o antigo presidente do partido travou Adolfo Mesquita Nunes, antigo vice-presidente do partido, cuja candidatura está a ser equacionada, dizendo mesmo que votaria mais depressa em Marcelo Rebelo de Sousa.

A própria direção do CDS torceu o nariz a Adolfo Mesquita Nunes. Este tema foi discutido na comissão política nacional do partido e vários dirigentes do partido recusaram apoiar uma eventual candidatura de Mesquita Nunes e avançaram outros nomes que seriam melhores candidatos: Bagão Félix, José Ribeiro e Castro e Manuel Monteiro.

Em declarações de Visão, Bagão Félix e José Ribeiro e Castro já garatiram que não estão disponíveis a avançar como candidatos presidenciais. Agora, foi a vez de Manuel Monteiro de dizer “não” em entrevista à Rádio Observador.

Adolfo Mesquita Nunes continua em silêncio sobre a possibilidade de uma candidatura, mas, sem apoio, o mais provável é que o CDS venha a apoiar Marcelo. “[O CDS] pode até apoiar o professor Marcelo Rebelo de Sousa, mas sem prescindir por um segundo que seja de o criticar quando entender que o deve fazer”, sublinhou Manuel Monteiro.

Já há nomes em cima da mesa numa candidatura à direita: Marcelo Rebelo de Sousa, que parte para a corrida como o favorito; André Ventura, que já confirmou a sua vontade; Adolfo Mesquita Nunes; e o presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque. À esquerda, Ana Gomes admitiu refletir sobre uma eventual candidatura a Belém.

“Extemporâneo e insultuoso” discutir presidenciais

O líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, considerou esta sexta-feira que discutir agora as eleições presidenciais é “extemporâneo e até insultuoso”, e recusou apontar um calendário para o partido debater o assunto.

No final de uma visita a uma pastelaria emblemática de Odivelas (Lisboa), e questionado também sobre o regresso do ex-líder do CDS-PP Manuel Monteiro ao partido, Francisco Rodrigues dos Santos salientou que o caminho deve ser “alargar e não estreitar”.

“Quem quer conquistar o futuro tem de saber somar o passado e não excluir ninguém: procurarei que o CDS tenha respeito integral pela sua história e que ninguém se sinta a mais”, afirmou.

Tiago Petinga / Lusa

O novo líder do CDS/PP, Francisco Rodrigues dos Santos

Questionado se Manuel Monteiro seria um bom candidato do CDS-PP às presidenciais de janeiro, o líder democrata-cristão recusou, uma vez mais, debater esse tema.

“O CDS não é um partido alheado da realidade, mas confesso que consideramos esta discussão absolutamente extemporânea e até insultuosa”, afirmou, considerando que a prioridade de ser o combate às consequências da pandemia de covid-19.

Rodrigues dos Santos acrescentou que esta matéria entrou na agenda política como “um escape que o primeiro-ministro encontrou para desviar as atenções de uma cisão que criou no seu próprio Governo”, referindo-se à polémica com o ministro das Finanças, Mário Centeno.

“E nessas manobras dilatórias não caímos, a nossa prioridade é o plano de emergência social e o relançamento da economia”, disse, considerando que os militantes do CDS-PP não compreenderiam que o seu presidente estivesse mais preocupado com “a cadeira” de Belém.

O líder do CDS-PP nem sequer quis adiantar um calendário para o partido debater o tema, dizendo apenas que “a estratégia das presidenciais será definida a seu tempo”.

Questionado se o líder do CDS-PP está mais afastado do atual chefe de Estado do que a sua antecessora, Francisco Rodrigues dos Santos recordou a promessa que fez no Congresso em que foi eleito.

“Eu disse que o meu escritório seriam as ruas de Portugal, é ao lado dos portugueses que quero estar”, assegurou.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

É a quantidade de alimento que determina quem se torna a abelha-rainha

Um novo estudo sugere que é a quantidade de alimento, e não a sua qualidade, como se pensava até agora, que determina quem se torna a abelha-rainha. Quais são os fatores que determinam qual é a …

Em Miami e Nova Iorque, os polícias ajoelharam-se por George Floyd

Em Miami e em Nova Iorque, alguns agentes da autoridade juntaram-se aos manifestantes por breves momentos, para mostrar o seu respeito pela memória de George Floyd. Nos Estados Unidos, os protestos pela morte de George Floyd …

A Nova Zelândia está em cima de uma enorme bolha de lava

A Nova Zelândia situa-se no topo dos restos de uma pluma vulcânica gigante. Este processo é o responsável pela atividade vulcânica e desempenha um papel fundamental no funcionamento do nosso planeta. Nos anos 70, vários cientistas …

Petição busca estatuto de vítima para crianças em contexto de violência doméstica

Uma petição lançada na sexta-feria que reivindica a criação do estatuto de vítima para as crianças que vivem em contexto familiar de violência doméstica já foi assinada por mais de 1300 pessoas, entre elas personalidades …

Assimétrica e flutuante. A primeira casa impressa em 3D na República Checa vai "nascer" em 48 horas

A primeira casa impressa em 3D na República Checa vai estar pronta no próximo mês para demonstrar a velocidade e a eficácia de uma técnica de construção que será sete vezes mais rápida e terá …

Anonymous garantem que princesa Diana foi assassinada para abafar caso Epstein

O movimento internacional de ciberativistas Anonymous - ou alguém que alega operar em seu nome - garante que a princesa Diana, que morreu num acidente de viação em agosto de 1997, foi, na verdade, assassinada …

Empresa de mineração pede desculpa por destruir cavernas sagradas aborígenes

A empresa mineira Rio Tinto admitiu que destruiu as cavernas pré-históricas que eram locais de culto para os aborígenes australianos e pediu desculpa. As cavernas de pedra Juukan Gorge 1 e 2 – dois locais de …

Itália exige "respeito": vai abrir fronteiras, mas excluir países que impõem restrições a italianos

Apesar de acredita "no espírito europeu", o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano sublinhou que o país está pronto "para fechar as fronteiras" àqueles que não o respeitem. A Itália vai abrir as suas fronteiras internacionais a …

As Forças Armadas sul-africanas não estavam preparadas para um inimigo invisível

A Força de Defesa Nacional da África do Sul não está preparada para combater uma pandemia silenciosa como a da covid-19. Este "inimigo invisível" veio trazer à tona as fragilidades do país. As Forças Armadas da …

Putin convoca referendo sobre alterações constitucionais para 1 de julho

A aprovação da reforma constitucional permitirá ao atual Presidente da Rússia, Vladimir Putin, cumprir mais dois mandatos suplementares a partir de 2024. Vladimir Putin anunciou a data de 1 de julho para o referendo nacional de …