Manuel Monteiro fora da corrida a Belém (e votaria mais depressa em Marcelo do que em Mesquita Nunes)

Manuel Monteiro, antigo presidente do CDS que voltou ao partido esta semana, disse, em entrevista à Rádio Observador, que não pretende lançar-se na corrida à Belém.

Na sua primeira entrevista como novo militante do CDS, ouvido pela Rádio Observador, Manuel Monteiro rejeitou uma candidatura à Presidência da República. “Não sou hipótese. Isso está completamente fora de questão”, garantiu.

Na mesma entrevista, o antigo presidente do partido travou Adolfo Mesquita Nunes, antigo vice-presidente do partido, cuja candidatura está a ser equacionada, dizendo mesmo que votaria mais depressa em Marcelo Rebelo de Sousa.

A própria direção do CDS torceu o nariz a Adolfo Mesquita Nunes. Este tema foi discutido na comissão política nacional do partido e vários dirigentes do partido recusaram apoiar uma eventual candidatura de Mesquita Nunes e avançaram outros nomes que seriam melhores candidatos: Bagão Félix, José Ribeiro e Castro e Manuel Monteiro.

Em declarações de Visão, Bagão Félix e José Ribeiro e Castro já garatiram que não estão disponíveis a avançar como candidatos presidenciais. Agora, foi a vez de Manuel Monteiro de dizer “não” em entrevista à Rádio Observador.

Adolfo Mesquita Nunes continua em silêncio sobre a possibilidade de uma candidatura, mas, sem apoio, o mais provável é que o CDS venha a apoiar Marcelo. “[O CDS] pode até apoiar o professor Marcelo Rebelo de Sousa, mas sem prescindir por um segundo que seja de o criticar quando entender que o deve fazer”, sublinhou Manuel Monteiro.

Já há nomes em cima da mesa numa candidatura à direita: Marcelo Rebelo de Sousa, que parte para a corrida como o favorito; André Ventura, que já confirmou a sua vontade; Adolfo Mesquita Nunes; e o presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque. À esquerda, Ana Gomes admitiu refletir sobre uma eventual candidatura a Belém.

“Extemporâneo e insultuoso” discutir presidenciais

O líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, considerou esta sexta-feira que discutir agora as eleições presidenciais é “extemporâneo e até insultuoso”, e recusou apontar um calendário para o partido debater o assunto.

No final de uma visita a uma pastelaria emblemática de Odivelas (Lisboa), e questionado também sobre o regresso do ex-líder do CDS-PP Manuel Monteiro ao partido, Francisco Rodrigues dos Santos salientou que o caminho deve ser “alargar e não estreitar”.

“Quem quer conquistar o futuro tem de saber somar o passado e não excluir ninguém: procurarei que o CDS tenha respeito integral pela sua história e que ninguém se sinta a mais”, afirmou.

Tiago Petinga / Lusa

O novo líder do CDS/PP, Francisco Rodrigues dos Santos

Questionado se Manuel Monteiro seria um bom candidato do CDS-PP às presidenciais de janeiro, o líder democrata-cristão recusou, uma vez mais, debater esse tema.

“O CDS não é um partido alheado da realidade, mas confesso que consideramos esta discussão absolutamente extemporânea e até insultuosa”, afirmou, considerando que a prioridade de ser o combate às consequências da pandemia de covid-19.

Rodrigues dos Santos acrescentou que esta matéria entrou na agenda política como “um escape que o primeiro-ministro encontrou para desviar as atenções de uma cisão que criou no seu próprio Governo”, referindo-se à polémica com o ministro das Finanças, Mário Centeno.

“E nessas manobras dilatórias não caímos, a nossa prioridade é o plano de emergência social e o relançamento da economia”, disse, considerando que os militantes do CDS-PP não compreenderiam que o seu presidente estivesse mais preocupado com “a cadeira” de Belém.

O líder do CDS-PP nem sequer quis adiantar um calendário para o partido debater o tema, dizendo apenas que “a estratégia das presidenciais será definida a seu tempo”.

Questionado se o líder do CDS-PP está mais afastado do atual chefe de Estado do que a sua antecessora, Francisco Rodrigues dos Santos recordou a promessa que fez no Congresso em que foi eleito.

“Eu disse que o meu escritório seriam as ruas de Portugal, é ao lado dos portugueses que quero estar”, assegurou.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Oposição urge Boris Johnson a despedir assessor por ter violado o confinamento

Os partidos da oposição escreveram hoje ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, urgindo a demissão do assessor Dominic Cummings, a quem acusam de ter "abalado gravemente a confiança" da população nos apelos oficiais sobre a pandemia …

Atletas que sorriem durante as corridas gastam menos oxigénio

Os atletas que sorriem gastam menos oxigénio, trabalham de forma mais económica e têm um nível de esforço menor, refere um estudo realizado pelas universidades de Ulster e Swansea, divulgado esta terça-feira. Os investigadores pediram a …

OMS analisa possíveis primeiros casos de infeção de animais para o homem

A Organização Mundial de Saúde (OMS) admite que pelo menos três infeções por Covid-19 nos Países Baixos possam ser os primeiros casos conhecidos de transmissão do novo coronavírus dos animais para o homem, tendo martas …

Na Suíça, é possível estar em teletrabalho e a empresa pagar parte da renda

O Tribunal Federal da Suíça condenou uma empresa de contabilidade a pagar parte da renda de casa a um funcionário que se encontrava em teletrabalho. Segundo revelou na segunda-feira o swissinfo e o Tages-Anzeiger, citados pelo …

Governo negoceia até mais 35 milhões em apoios para agricultura

A ministra da Agricultura disse hoje que está em curso a negociação de medidas adicionais para apoiar o setor agrícola, face ao impacto da covid-19, através do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR), que podem mobilizar …

Moro não assinou exoneração de ex-diretor da Polícia, admite Presidência do Brasil

A Secretaria-Geral da Presidência brasileira admitiu na segunda-feira que o agora ex-ministro da Justiça Sergio Moro não assinou o decreto de exoneração de Maurício Valeixo da direção-geral da Polícia Federal, confirmando a versão original do …

Norte foi região que mais contribuiu para aumentar produtividade do trabalho no país

O Norte foi a região que mais contribuiu para aumentar a produtividade laboral entre 2000 e 2017, crescendo 20% quando a Área Metropolitana de Lisboa subiu 3,3%, revelou na segunda-feira a Comissão de Coordenação e …

Vai nascer uma praia fluvial nas margens do Alqueva em 2021

Uma nova praia fluvial começou a ser construída nas margens do Alqueva, devendo começar a funcionar no verão do próximo ano. Uma nova praia fluvial começou a ser construída nas margens do Alqueva, junto à aldeia …

Câmara de Bragança vai ajudar com até 100 euros a pagar renda

As famílias mais vulneráveis do concelho de Bragança vão poder contar com um apoio financeiro até 100 euros mensais para pagar a renda. A Câmara de Bragança vai ajudar as famílias do concelho em situação vulnerável …

Parlamento chumba lay-off para sócios-gerentes, mas acaba com teto de faturação ao apoio

A Comissão de Economia chumbou, esta terça-feira, o alargamento do lay-off simplificado aos sócios-gerentes. Por outro lado, aprovou o fim do teto de faturação para aceder ao apoio a estes portugueses. A proposta do PSD, BE …