Autarcas denunciam “lei da rolha” na divulgação de dados. Marta Temido nega

José Sena Goulão / Lusa

A diretora Geral de Saúde, Graça Freitas (D), acompanhada pela ministra da Saúde, Marta Temido

A Câmara de Espinho, liderada por Joaquim Pinto Moreira, denunciou que os delegados de saúde não podem divulgar os números da covid-19 diretamente ao município, acusando o Ministério da Saúde de querer impor a “lei da rolha”.

“Por decisão do Ministério da Saúde, reportada pela Administração Regional da Saúde do Norte, está vedada a disponibilização de informação diária pelos delegados de saúde diretamente aos municípios”, pode ler-se numa nota divulgada no site do município.

E continua: “Assim, fica a Comissão Municipal de Proteção Civil de Espinho impossibilitada de continuar a informar a população dos dados epidemiológicos relativos a Espinho como vinha fazendo, manifestando-se desde já confrontante contra esta medida“.

A TSF precisa que a decisão foi tomada pelo gabinete de Marta Temido na sexta-feira.

A partir de agora, os delegados regionais de saúde ficam impedidos de informar os autarcas sobre o alastrar da epidemia nos seus concelhos e os presidentes de todas as câmaras municipais passam a receber os mesmos dados que são enviados pela Direção-Geral da Saúde uma vez por dia, por volta das 12h00, à comunicação social.

“Isto é verdadeiramente a lei da rolha, é tentar amordaçar os autarcas, escondendo a realidade do que se passa no país e em cada um dos municípios”, considera o presidente da câmara de Espinho, Joaquim Pinto Moreira, em declarações à TSF.

Joaquim Pinto Moreira frisa que é “o responsável máximo da Proteção Civil” no concelho e, por isso, necessita de ter “os dados concretos em cima da mesa para tomar, em cada momento, as decisões que são mais adequadas”.

“O desconhecimento da informação concreta da evolução epidemiológica no concelho de Espinho inibe-me de tomar as decisões que acho adequadas em cada caso”, reforça, dando conta que esta situação “é absolutamente lamentável num estado de direito”.

Marta Temido nega proibição

Na habitual conferência de imprensa diária de divulgação de dados, a ministra da Saúde, Marta Temido negou que as entidades locais estejam proibidas de divulgar dados do boletim epidemiológico a nível regional e local.

“Quero esclarecer inequivocamente que não há qualquer proibição de partilha de informação. Há sim apelo claro para que todas as entidades que integram Ministério da Saúde, em especial as entidades locais e regionais no envio de informação atempada e existente”, disse Marta Temido, reagindo às denúncias das autarquias.

Na mesma interceção, a responsável pela pasta da Saúde explicou que o que se tem estado a fazer é apelar que todas as entidades “se concentrem no envio de informação atempada e consistente para o nível nacional”, notando que divulgar casos pontuais em regiões onde não há muitos doentes poderá violar a privacidade dessas pessoas.

“Boletins parcelares podem ser causadores de análises fragmentadas“, notou.

Chaves, Boticas e Valpaços acusam DGS de “censura”

Nesta sexta-feira, as Câmaras de Chaves, Boticas e Valpaços manifestaram o seu desagrado pela proibição do Ministério da Saúde na divulgação do boletim epidemiológico para a covid-19 por parte da Unidade de Saúde Pública (USP) do Alto Tâmega.

Durante o último mês, a USP do Alto Tâmega, que junta seis municípios, tinha divulgado um total de 29 boletins epidemiológicos, assinalando a evolução diária dos casos positivos de covid-19, o número de casos suspeitos e o número de pessoas em vigilância ativa nesta região do distrito de Vila Real.

Numa nota informativa publicada pela Câmara de Chaves, a autarquia informa que, “por imposição da Direção-Geral da Saúde” (DGS), deixará de publicar o relatório epidemiológico referente à Covid-19.

O município liderado por Nuno Vaz acrescenta que, confrontado com a decisão, “lamenta profundamente o caminho, da censura, escolhido pela Autoridade Nacional de Saúde, que impede a divulgação de informação mais detalhada e fidedigna”.

Segundo a Câmara de Chaves, o boletim epidemiológico da USP do Alto Tâmega “contribuía diariamente para a informação atualizada da população acerca da evolução do surto de Covid-19 no nosso território”.

O comunicado da autarquia de Boticas acusa ainda o Ministério da Saúde de estar a “fugir à verdade” e “manipular” os números que apresenta aos portugueses.

Também a Câmara de Valpaços reagiu em comunicado, manifestando um “enorme sentido de revolta”. “É de lamentar esta decisão governamental, visto a covid-19 ser uma doença altamente contagiosa e de fácil propagação”, refere.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Como cidadã não me sinto na obrigação de cumprir as ordens, que o nosso emitiu para esta pandemia, quando nos querem vedar o direito à informação. Só me leva a pensar que nos estão a enganar, a esconder a verdade. Inaceitável esta “Lei da Rolha”. Tenham vergonha, temos o direito à verdade.

    • Já parece uma guerrilha dentro da guerra anti.covid-19, a guerrilha dos autarcas no que se refere aos numeros. Eles adoram tirar partido destas catastrofes para mostrar serviço e ganharem futuras eleições, ja foi assim nos incendios onde, no inicio, na catastrofe de Pedrogão eles eram as estrelas estavam nas TV, nos incendios a botar faladura a dar estatisticas, entrevistas . O resultado era que os bombeiros eram comtra a protecção civil, os autarcas contra os bombeiros e governo e protecção civil central. Um pandemómio ate os politicos lá apareciam a dar opiniões sem nunca terem pegado numa mangueira , a não ser para regar a relvas dos jardins de suas vivendas. Morreram varias dezenas de pessoass . O governo e a protecção civil nos incendios seguintes, centralizou a informação, fez breefings diarios a explicar a evolução. Proibiram a ida de autarcas , politicos e opinadores desta praça , contra alguns partidos obrigaram as pessoas, sempre que havia perigo, sairem de suas casas mesmo que um coro de vozes se tivesse erguido contra essa medida por não ser constitucional. O que se viu é que não hove perdas de vidas, os profissionais e responsaveis puderam dedicar-se a 100% ao combate e apesar de um fogo ser seempre uma catastrofe correu sem mortes e com poucos danos fisicos. Este povo e , em especial estes autarcas, têm um ego enorme e adoram liderar: Na China e na Corei do Sul a coisa foi diferente havia disciplina e ninguem cagava fora da estrategia global decidida com base nos homens da ciência

    • O lamentável desta situação, por si só já funesta que chegue, é de haver certas categorias de pessoas que por puro oportunismo Politico, ainda lançam mais intriguice nesta dramática situação. Quanto a si Sra. Maria Silva tem todo o direito de não acatar qualquer ordem ou conselho ou até negligenciar o simples bom senso. Mas que assim seja, está livre de arriscar adoecer, mas não tem o direito de contaminar os outros !….Quanto a verdade, só vejo uma no numero de vitimas do dia a dia, Deus queira que não venha a fazer parte delas !….. Pascoa Feliz !

RESPONDER

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …

Fuse Valley, Matosinhos

Está a nascer em Matosinhos a Silicon Valley portuguesa (e até Siza Vieira está "espantado")

O "Fuse Valley" promete ser a Silicon Valley portuguesa, em Matosinhos, num empreendimento inovador da Farfetch e da Castro Group que até deixa o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, "espantado". A abertura está prevista …