Justiça investiga contratos de Sócrates com Chávez

José Coelho / Lusa

A justiça portuguesa está a investigar acordos celebrados em 2008 entre Portugal, durante o Governo de José Sócrates, e a Venezuela, então liderada por Hugo Chávez.

O juiz Ivo Rosa quer analisar documentos dos acordos estabelecidos, de acordo com o que avança o Correio da Manhã esta terça-feira.

O juiz de instrução criminal responsável pela Operação Marquês pediu, no início de julho, aos ministérios dos Negócios Estrangeiros e da Economia as atas das comissões de Alto Nível e de Acompanhamento referentes aos acordos assinados entre Portugal e a Venezuela em 2008, de acordo com o matutino.

Na altura, José Sócrates, que é arguido na Operação Marquês, era primeiro-ministro. O Ministro Público suspeita que o socialista tenha ajudado o Grupo Lena a angariar contratos de obras públicas na Venezuela. Em troca, terá recebido “vantagens patrimoniais a que bem sabia não ter direito”.

De acordo com o CM, Sócrates terá recebido do Grupo Lena, através do seu então administrador Joaquim Barroca, alegadas luvas de mais de 2,8 milhões de euros, segundo a acusação.

Face a estas suspeitas, o juiz Ivo Rosa terá pedido mais informações sobre a visita oficial realizada por José Sócrates à Venezuela entre 12 e 15 de maio de 2008. Do encontro com Hugo Chávez, que veio a falecer em 2013, resultou num reforço das relações económicas entre os dois países.

José Sócrates, que esteve preso preventivamente e em prisão domiciliária, está acusado de 31 crimes económico-financeiros. O antigo líder socialista foi acusado pelo Ministério Público da alegada prática de três crimes de corrupção passiva de titular de cargo político, 16 crimes de branqueamento de capitais, nove crimes de falsificação de documento e três crimes de fraude fiscal qualificada, no âmbito da Operação Marquês.

ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. O melhor é não entrar por aí. Assim nunca mais vai despachar nada. Partindo do pressuposto que tudo o que esse governo fez foi em proveito dos próprios mais vale apostar em investigar apenas duas ou três coisas e prendê-los por essas do que querer apanhar tudo. Condenem-nos por duas ou três coisas porque o povo há muito que já percebeu como foi desgovernado.

  2. Gostava de saber como foi resolvido o caso dos submarinos (PORTAS)- Casa Coelha (CAVACO)-BPN (CAVACO E COMPANHEIROS E FILHA)-APAGÃO DO CITIUS(PASSOS COELHO) PARA NÃO SE SABER QUEM PÔS OS MILHÕES €€€€€€€€€€€€€€ lá fora…….etc………

    • Tu não meças os outros pela tua bitola. Uma coisa é aquilo que tu e os teus amigos são. E isso não significa que todos os outros são iguais. Até porque nem procuraste negar o que foi dito dos teus amigos.

  3. Já agora aproveite para investigar os contratos dos submarinos celebrados por o Sr. P.Portas, cuja historia está bem abafada. Depois pode estender a pesquisa ao monte de casos que abrangem outros veneráveis Políticos. Os contribuintes Portugueses agradeciam !!!!!

  4. O Sr Socrates é muito esperto. Conseguiu camuflar as coisas de maneira a que ninguém consegue descortinar nada (leia-se justiça). Só os TUGAS é que não vão na conversa…o que é uma chatice. O nosso querido dinheirinho anda sempre a tapar buracos e a minha rua continua cheia deles. isto um dia vai acabar mal!!!

  5. Bem podia ser acusado de 531 ou 1531 crimes que nunca irá ser culpado de nenhum, enfim…… já nem no Brasi ou em Áfrical existe tanta impunidade!

Tatuagens racistas, saias curtas, cabelos e bigodes estranhos proibidos na PSP

Os polícias que tenham tatuagens com símbolos, palavras ou desenhos de natureza partidária, extremista, racista ou que incentivem à violência têm seis meses para as remover, de acordo com novas normas da PSP que também …

Republicação das caricaturas de Maomé foi o motivo do ataque junto ao Charlie Hebdo

A republicação das caricaturas de Maomé terá estado na origem do ataque junto ao edifício da antiga redação do jornal satírico Charlie Hebdo, confessou o principal suspeito. Quatro pessoas foram esta sexta-feira feridas, duas das quais …

Segunda vaga pode matar menos (mesmo com novos casos a disparar)

Os especialistas acreditam que a segunda vaga de covid-19 em Portugal vai ser menos letal, embora o número de novos casos diários possa vir a ser "muito elevado". Isto porque temos a lição mais bem …

BCP disponível para fusão com o Montepio

Na eventualidade de ser necessária uma intervenção, o Millennium BCP mostrou-se disponível para uma fusão com o Banco Montepio. Esta hipótese foi apresentada pela instituição bancária numa reunião com o ministro das Finanças, João Leão. O …

Otamendi mais 55 milhões. O negócio que pode levar Rúben Dias para o City

Rúben Dias está muito próximo de reforçar o Manchester City. O clube inglês oferece 55 milhões de euros mais Nicolás Otamendi em troca. A oficialização do acordo deve estar para breve. O Manchester City está muito …

Líbano: Após um mês no cargo, primeiro-ministro demite-se perante impasse político

O primeiro-ministro designado do Líbano, Mustapha Adib, demitiu-se este sábado do cargo numa altura de impasse político sobre a formação de Governo, um mês depois de ter sido nomeado e da violenta explosão no porto …

Governo joga últimos trunfos à esquerda (mas "na 25.ª hora pode ser PSD a salvá-lo" e esse é outro problema)

A duas semanas do fim do prazo para entregar o Orçamento de Estado para 2021 (OE2021), o Governo ainda não tem garantias de aprovação do documento. E enquanto Marcelo pressiona o PSD para "salvar" o …

-

Governo aponta para regresso progressivo de público aos estádios

O regresso de público aos estádios de futebol continua proibido, devido à pandemia de Covid-19, com o secretário de Estado da Juventude e Desporto a admitir esta sexta-feira a possibilidade de um retorno faseado quando …

Há escolas sem intervalos ao ar livre devido à covid-19

Há escolas que estão a proibir os alunos de passarem os intervalos ao ar livre por receio de contágio do novo coronavírus. O pediatra Hugo Rodrigues considera que "é um perfeito disparate". Como tal, os estudantes …

"Aumentar o salário mínimo é criminoso", diz presidente do Fórum para a Competitividade

Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum para a Competitividade, antecipa uma onda de desemprego até ao final do ano, que muitas empresas não conseguirão manter a atividade e que aumentar o salário mínimo "é …